UM SENHOR ZAGUEIRO MOVIDO A MINGAU

por Marcos Vinicius Cabral

d7d2d128-7648-40a7-bb93-9d9b847d699b.jpeg

Os olhos rabiscavam cada metro quadrado do Campo do Cais, situado na rua Tomás Rodrigues, número 581, no bairro Antonina em São Gonçalo.

Construído por funcionários do Cais do Porto no fim da década de 1940 e rebatizado de Arena Dr. Manoel de Lima ano passado - vereador este falecido em 2017 -, jogar naquele chão de terra batida era a consagração de todo peladeiro.

Em pé e à beira do tradicional campo, o pequeno Jorge presenciava impávido o que seu tio Décio, ponta-direita da equipe do Cais do Porto, aprontava dentro das quatro linhas.

f853751c-49f4-489a-a7ce-648578ce7f27.jpeg

- Meu tio foi um dos maiores jogadores de São Gonçalo na sua época -, gaba-se Jorge Fernando Faria, de 58 anos.

De tanto ver o estrago que seu tio fazia nas zagas adversárias, começou a se encantar pela posição, não a de atacante por incrível que pareça, mas a de zagueiro.

Assim como os tantos defensores que sofriam nas mãos, ou melhor, nos pés de seu tio, decidiu que não se tornaria um zagueiro qualquer, mas seria o melhor do bairro.

Em 1971, aos dez anos de idade, deixou São Miguel com a irmã Rejane e com os pais Basílio e Anízia, para irem morar no Boa Vista.

Aquela mudança repentina teria grande significado na sua vida, já que os domingos no Campo do Cais haviam sido substituídos pelas peladas durante a semana no Campinho da Mangueira, na rua Paulo Setúbal, onde reside até hoje.

Certa vez, numa dessas (como outras tantas) peladas, enquanto o seu time puxava um contra-ataque, dona Nair, mãe de seu colega Luís Otávio - lateral-direito muito ofensivo e adversário na ocasião -, chega no portão de casa e grita:

- Giiiiinho, vem comer seu mingau!

O jogo é interrompido e um silêncio fúnebre invade aquele lugar.

Ninguém responde.

d737dee4-d03c-4c92-a13f-917ceec1de86.jpeg

- Ei dona Nair, eu quero! - gritou Jorge, estufando o peito na altivez de seus 1,87 de altura, desamarrando as chuteiras jogando-as para um lado, tirando os meiões das pernas compridas e finas e jogando-os para o outro e já sentando à mesa.

Nascia ali, naquele ano de 1973, o apelido que o acompanharia para o resto de sua vida: Jorge Mingau.

E foi com essa alcunha que fez história nos campos de São Gonçalo em seus 128 anos de existência, não sem antes, com dezesseis anos, treinar no Botafogo de Futebol e Regatas, em 1977.

- A gente treinava três vezes por semana na Base de Fuzileiros Navais, na Ilha do Governador. Era bem puxado, já que saíamos às 4h da manhã de casa, voltávamos às 14h para almoçar e entrar às 15h no colégio para sair às 19h - lembra.

E completa:

- Eu desanimei quando ele foi reprovado - conta visivelmente emocionado ao lembrar do falecido amigo Lino.

Mas se não chegou a se profissionalizar no clube da Estrela Solitária vestindo a camisa 3 de seu ídolo rubro-negro Jayme, fez história nos campos da cidade.

No Biquinha Futebol Clube, foi protagonista nas campanhas da equipe no extinto Campo do Arlindo, onde hoje funciona o São Gonçalo Shopping, no Boa Vista.

9fdd76a0-9270-421f-9ddd-9da169cfd13e.jpeg

- Jogar com Mingau é o sonho de todo camisa 1. Se eu fui o goleiro que fui é porque ele foi o zagueiro que foi. Simplesmente incomparável - frisa Renivaldo Sant'ana Cândido, de 60 anos, considerado o melhor goleiro do Boa Vista de todos os tempos.

Mas a elegância e o potente chute lhe credenciariam a conquistar de forma invicta o campeonato do bairro Rosane, um dos mais disputados da localidade pelo Mangueira Futebol Clube.

- Jorge Mingau foi campeão por onde passou. Sempre foi respeitado por todos no futebol, apesar de ser bem mais novo que a maioria dos boleiros. Era forte, com boa estatura e nunca vi um jogador bater tão bem na bola como ele. Me sentia muito bem jogando ao seu lado - diz seu ex-companheiro de zaga Ubirajara Alves de Oliveira, de 62 anos.

Mas o auge foi no Liverpool Futebol Clube, onde conquistou títulos, ficou vários jogos invictos, fez amigos, escreveu seu nome definitivo na história do bairro e fez seu Basílio, seu pai, se tornar fã número um e acompanhar o time nas excursões que fazia.

Todos queriam vencer o Liverpool mas poucos conseguiam tal façanha.

Até hoje, depois de tantas gerações, não houve um beque-central como Jorge.

Portanto, lá do céu, dona Anízia - que detestava o apelido do filho - fazendo tricô em seu sofázinho e seu Basílio - que se divertia com isso - lendo seu jornalzinho em sua cadeira de balanço, hão de concordar: foi um grande zagueiro