O BAILE DE BOLA E O BOCA SUJA DO TERRÃO

por Marcelo Mendez

(Foto: Custodio Coimbra)

(Foto: Custodio Coimbra)

A plenos suores corria a final de um Festival de Várzea num bucólico sábado á tarde em Santo André.

Por entre sonhos amiúde e ilusões curtas, la iam os homens dos times cujos nomes, pouco importa, tratemos aqui como o Time de Vermelho, contra um outro de camisa amarela espalhafatosa e bela, com mil símbolos e outros tantos patrocínios já inativos. Ambos estavam ali a pelear por uma centelha de vitórias em meio a um terrão que subia ali no campo do São Paulinho. E vejam bem caros leitores:

Um Festival de futebol de várzea.

O que faz com que homens maduros e suas chuteiras coloridas, se preparem e saírem de casa num sábado à tarde para jogar uma final de Festival de várzea? O olhar apurado sobre essa situação já valeria mil laudas. Afinal de contas, falamos do que flerta com o épico, com a real grandeza das coisas.

Em um mundo onde tudo pode valer mais que a poesia, onde se põe preço em absolutamente todas as coisas, o fato de jogar futebol por apenas um amor intrínseco e inexorável já é grande. É quase que um ato revolucionário. Dessa forma, os times foram a campo.

No terrão pleno, tínhamos um time sobrando em campo; O Time de Vermelho. Seus meias passeavam em campo e seus habilidosos atacantes açoitavam com dribles e canetas, os pobres e taciturnos zagueiros do Amarelo Espalhafatoso.

Havia, portanto no Time de Vermelho, aquela petulância que os grandes do mundo ludopédico tem quando enfrentam os menos favorecidos de recursos técnicos. O que se via no Baetão era muito mais que um baile de bola de um time sobre outro.

Era uma total esculhambação de bola!

Durante o primeiro tempo inteiro o que se viu foi um time bailando e o outro, aos solavancos, apenas sofrendo.

Nesse momento, com a força da voz de um milhão de Howlin Wolfs, se ouve um grito vindo da grade do Baetão:

- Juiz arrombado, maldito, desgraçado, apita essa porra direito... Faz alguma coisa!!

Estranhei. Nada havia acontecido para tamanho descalabro contra Sua Senhoria o árbitro do match. Nenhum lance sub judice. Decidi chegar perto do alambrado.

Vi que na torcida do outro time estava nosso xingador. Vociferando mil pragas contra o árbitro, rogando demônios e pronunciando toda a pornografia que vinha à mente, lá estava o torcedor a xingar. Com o gol feito pelo Time de Vermelho então, aí que ele disparou todo um cordel de xingos. Nesse momento um outro chamou sua atenção:

- Mas a zaga toma tudo que é gol e você vai xingar o juiz? Ta doidão?

Sem pestanejar, o xingador respondeu:

- Oras, tamo tomando um vareio de bola, não vamos reagir, o time deles é melhor... Tenho que ver se dou outro jeito, po. To no desespero e vou xingar mesmo! – Disse o sujeito, enquanto seguia seus impropérios de drama e desespero. Aliás, quanto a isso nada demais. São coisas fundamentais.

Afinal de contas, sem essa porção necessária de desespero, o futebol seria um folhetim qualquer. É o drama que faz com que um jogo de futebol de várzea passe então a ter a grandiosidade épica que há no primeiro beijo na boca, dado por um adolescente ex-virgem.

É o que explica nosso amigo xingador.

Seus xingamentos no alambrado o elevavam a um plano onírico, dionisíaco e libertário, capaz de livrá-lo por completo das amarras da razão, dos fatos, dos frios fatos. A privação de sentidos atingida por ele com seu relicário de impropérios o fez romper com a realidade, lhe causou a privatização de sentidos necessária para suportar a dor de ver seu time sendo judiado ali em campo. Foi por alguns momentos sua única chance de ser feliz ali naquele estádio.

Olhando para ele, tive certeza absoluta que ele foi... Foi feliz.