MARACANAZO 69

por Israel Cayo Campos

IMG_3587.jpeg

Há sessenta e nove anos ocorria a maior tragédia da história do futebol brasileiro.

Jogo final do quadrangular que decidia o título de campeão do mundo de 1950. 

Copa do Mundo realizada no Brasil. 

A Seleção Nrasileira vinha de "malditas" goleadas sobre Espanha e Suécia e só precisava de um empate contra o Uruguai. 

Mais de duzentas mil pessoas no estádio do Maracanã torcendo por nossos jogadores. Recorde em finais de Copas até hoje! 

Uma preleção cansativa e cheia de políticos querendo fazer fama em cima dos jogadores que enfim trariam a Taça Jules Rimet para o solo brasileiro.

Um primeiro tempo tenso. Mas que acabara sem gols, o que era suficiente para os brasileiros.

Logo aos três do segundo tempo, Friaça abre o placar e leva à loucura a torcida brasileira. O título era nosso! 

Ouvem-se berros! Era Obdúlio Varela empurrando sua seleção mesmo com o placar adverso. 

Uns tapinhas que viraram "bofetões" no imaginário popular no lateral Bigode. 

O Brasil já se vê pela primeira vez campeão mundial. 

IMG_3588.jpeg

É aí que aos vinte e um Varela rouba a bola e toca para Ghiggia. O Seu Alcides passa por Bigode e em alta velocidade chuta cruzado, Schiaffino aparece no meio da área para empatar. 

O titulo continuava a ser nosso! Mas em um lotado Maracanã podia-se ouvir os gritos de Obdúlio. 

Aos trinta e quatro Ghiggia tabela com Pérez e escapa de novo pela marcação na direita do ataque e avança para área. 

Barbosa pressente a jogada que ocasionou o primeiro gol uruguaio e dá um passinho. 

Ghiggia chuta. E se por sorte ou esperteza ela entra exatamente no espaço do canto esquerdo do gol de Barbosa. A Celeste virava o jogo. 

Há uma lenda de que o torcedor brasileiro se calou após a virada uruguaia. Não fora bem assim! 

A torcida empurrou o time que quase empatou em um chute que explodiu no travessão de Maspoli. 

Mas aquele não era nosso dia. Pontualmente aos quarenta e cinco, o árbitro inglês George Reader apitava o final do jogo.

Jules Rimet que havia descido um pouco antes das tribunas do Maracanã para entregar a taça aos brasileiros ao descer ao gramado se assustara com os uruguaios comemorando. 

IMG_3593.jpeg

Mais de duzentas mil pessoas em um silêncio funebre que se espalhou por todo o Brasil... 

Alegres só os uruguaios! Bicampeões mundiais! 

Os jogadores brasileiros cabiam os prantos e a vergonha. 

Uma série de ataques injustos e complexos foram atribuídos a aquela geração.

O Goleiro Barbosa foi o que mais pagou! 

Apesar de até 1950, aquela ter sido a melhor campanha do Brasil em Copas. Vencer era obrigação!

Mas a obrigação virou tragédia... Sessenta e nove anos depois, o "Maracanazo" ainda vive. 

Mesmo depois de cinco Copas conquistadas! 

Curioso ou não, nosso carrasco Alcides Ghiggia faleceu exatamente num dia dezesseis de Julho. Para que os brasileiros nunca esqueçam o seu nome.

Outros dezesseis de julho contra os uruguaios vieram e foram mais felizes. 

Como a conquista da Copa América de 1989 nessa mesma data com um gol de Romário sobre a Celeste Olimpica.

Um título que não vinha a quarenta anos!

Mas não tem jeito. Dezesseis de julho é dia de "Maracanazo". É dia da lembrança mais dolorida da história do futebol brasileiro.