FOOTBALL x FUTEBOL

por José Dias

Semana passada vi na televisão um filme que versava sobre a “batalha” travada entre um “afro descendente”, oriundo de um país africano, que imigrou para os EUA em busca do tão decantado “sonho americano”. Conseguiu se formar em medicina, na especialidade – patologia -, e prestava serviço num IML, da cidade de Detroit.

Quis o destino ter sido designado para fazer a autópsia de um consagrado astro, já inativo, do “football” americano, que cometeu suicídio em função de ter sido acometido por um problema neurológico, motivado pelas inúmeras pancadas sofridas na cabeça durante as partidas em que participou.

A Liga Nacional do Futebol Americano – NFL -, similar a nossa CBF, tinha conhecimento dos problemas causados pela prática violenta dessa modalidade, porém, encobria e não divulgava a estatística dos casos já ocorridos, pois envolvia muito dinheiro – business, business e mais business -, igualzinho em nosso país.

Acontece que o “sonhador” médico legista descobriu a verdadeira causa dos distúrbios e botou a “boca no trombone” – centenas e centenas de pancadas na cabeça geraram distúrbios neurológicos que fizeram com que o cérebro do ex-atleta sugerisse sintomas de várias doenças, inclusive o MAL DE ALZHEIMER. 

Mais dois casos surgiram e os dirigentes da NFL trataram de neutralizar e não permitir a divulgação dos novos resultados, inclusive fazendo com que o médico fosse transferido para outra cidade.

E ainda tripudiavam – NEM AMERICANO ELE É!

A lei americana, segundo o filme, só se manifestaria quando mais de três casos fossem constatados, embora muitos outros já tivessem sido “arquivados”.

Um outro ex-atleta que fazia parte do corpo diretivo da NFL, pouco antes do terceiro suicídio, recusou ajudar o amigo que lhe procurou, passou a apresentar os mesmos sintomas e, para resumir a história, escreveu uma carta e também cometeu o suicídio. Era o quarto caso que faltava para que providências fossem tomadas oficialmente.

Foi quando o Sindicato dos Jogadores agiu e pressionou o governo para a criação de novas leis. Não sei como está a situação hoje.

Depois disso tudo, faço uma comparação com o que ocorre em nosso país, com o nosso FUTEBOL. As duas modalidades tem em comum serem a de maior apelo popular, tanto nos EUA, como no Brasil e o famoso jogo entre seus principais clubes, denominado SUPER BOWL, é comparado ao CLÁSSICO DOS MILHÕES, entre Vasco e Flamengo.

Brucutu

Brucutu

Aproveito a deixa para esclarecer:

Que football é esse que até a sua tradução é incorreta – não correspondendo a realidade -, “pé na bola”.

Uma modalidade que usa as mãos em 99% de seu tempo de jogo e, um mísero 1%, os pés;

Uma modalidade cujo artefato usado é oval, embora receba a denominação de bola;

Uma modalidade cuja baliza tem um tamanho incrível e em forma de H;

Uma modalidade que, antes do início da partida e depois de cada interrupção, os jogadores ficam naquela posição em que Napoleão perdeu a guerra;

Uma modalidade em que os jogadores usam um capacete e, com isso, deram origem a expressão das fãs, que são conhecidas como MARIA CAPACETE;

Uma modalidade em que “do pescoço para baixo” tudo é canela;

Uma modalidade em que a “porrada” é praticada à vontade e que os jogadores treinam para o seu aperfeiçoamento. Se no jogo, vale tudo, imaginem como agem suas torcidas organizadas.

Impressão que se tem de uma das organizadas indo em direção ao estádio para o SUPER BOWL

Impressão que se tem de uma das organizadas indo em direção ao estádio para o SUPER BOWL

 

A verdade é que o colunista Fernando Calazans, do O Globo, se lá estivesse ia adorar – em vez de um Brucutu ou dois, teria a sua disposição um time inteiro para criticar.

Poderão e devem estar perguntando o que tem o FOOTBALL a ver com o FUTEBOL.

Quase nada, pois na prática são totalmente diferentes entre si. Ocorre que a igualdade reside na mentalidade dos dirigentes, dos torcedores, da mídia, e dos profissionais que os praticam.

Foi preciso que um “afro descendente” insistisse em sua tese para que uma solução fosse dada.

Os jogadores que não se envolviam, quando sentiram a veracidade dos fatos, se mobilizaram e providências foram tomadas, porém, dizem, não sei se é fato, que até hoje um número expressivo de jogadores acha “fascinante e estimulante” essa “porradaria”. E no Brasil?

Qual a reação dos torcedores, da mídia, e dos profissionais, principalmente os jogadores, quando agentes externos se intrometem na sua prática e, não falo do fato do jogo em si – 11 x11 -, quando entram em campo para a disputa de uma partida válida por qualquer competição constante do CALENDÁRIO de uma determinada temporada?

A resposta é simples e única – NADA!!! De prático ou eficiente.

Criaram até um BOM SENSO FC e, não sei a quantas anda. Ainda existe?

Não ouso comparar as consequências físicas sofridas pelas pancadas recebidas pelos atletas do FOOTBALL e sim da ação das pancadas subjetivas e morais aplicadas aos nossos atletas no dia a dia de cada um e que agem e exercem influência em seu comportamento e no de suas famílias – legislação tendenciosa; incerteza no que poderá acontecer ao final de uma competição ou temporada; falta de assistência médica e social desde o início de sua formação, durante e após o encerramento de sua carreira - que pode ser em função de qualquer “distúrbio” fortuito ou não -, declínio técnico, lesões mal curadas e mesmo psicológica, como exemplos.

Este CAPÍTULO para por aqui, pois muita coisa ainda poderia ser dita, porém, o mais importante é que as pessoas ditas do UNIVERSO DO FUTEBOL, os “boleiros”, esses sim deveriam tomar conhecimento daquilo que defendo e tentar, de alguma forma, ajudar.

Para encerrar, na próxima semana, se ainda houver disposição, entrego ao MUSEU DA PELADA o terceiro e último capítulo da novela “VOCÊS SABIAM”, quando tentarei dissecar o CALENDÁRIO DO FUTEBOL BRASILEIRO.