DESCULPA, BARONINHO!

por Marcelo Mendez

Da minha mais tenra lembrança de torcedor Verde, consta o sofrimento no ano da graça de 1981, quando o time de todo mundo só tinha craque e o meu, pobre e velho Alviverde, que outrora havia sido imponente em um passado que naquela altura nem era tão longínquo assim, só tinha ele: Baroninho.

Em meio a todas as dragas de Darinta, Toni Gato, Benazzi, Sena, Deda da vida, Baroninho jogava muito com sua perna esquerda e sua impávida camisa 11. O quanto podia. No afã dos 11 anos, eu o xingava como se fosse do mesmo tacho dos caneleiros, naquele velho ímpeto de menino torcedor. O tempo passou...

Veio o Setembro de 2016, agora tenho 44 e cuido da saúde ora veja…

Correndo ali pelo Campo do Nacional, perto de minha casa, eu vi Baroninho treinando o sub-alguma coisa do Santo André no campo ao lado, do Nacional. Ele é o técnico da molecada e por ali, passava treinos de fundamento para seus atacantes imberbes. Então, lá pelas tantas, cansado de tanto ver coisa ruim, ele resolveu bater na bola.

Com a velha canhota, dos dez chutes que deu, guardou oito no ângulo, no trinco mesmo. Deu bronca no seu atacante, riu do seu goleiro e como que se soubesse de meu passado de seu difamador, me lançou um sorriso e um desafio ao me ver sozinho na arquibancada do campo do Nacional, onde acontecia o treino.

- Viu como faz, Barbudo? Gosta disso? Dá uns chutes aqui com a gente…

Desafiado como um milhão de amantes perdidos, lá fui eu. Junto dele, bati na bola. Dos cinco chutes que o músculo da minha coxa deixou dar, guardei quatro. No final ele comentou.

- Olha que para o tamanho da sua barba e da sua pança, até que você manja da coisa.

Sorri. Era o fim do treino. Ele pegou uma garrafinha de Gatorade e me ofereceu um gole. Aceitei. Saímos do campo conversando, caminhando juntos como se fossemos amigos que as coisas do ludopédio não nos deixou ter sido.

Ao me despedir, ele me deu a mão. Eu apertei e como que por impulso eu disse a ele

- Desculpa, Baroninho!

Sem entender nada, ele me desculpou…