DE JÚLIO BARROSO PARA O PALMEIRAS COM AMOR, OU QUASE

por Marcelo Mendez

Era um ano legal na minha vida.

Naqueles 1984, eu já estava, como diria os outros, um mocinho. Seguindo a premissa dessa tenra e adolescente idade, agora aos 14 anos, eu tinha um walkman, um punhado de fitas cassetes que ganhava dos meus primos mais velhos e meus primeiros discos. 

No começo daquele ano, minha prima Mirian me deu de presente o primeiro disco da Gang 90 e foi através desse disco que conheci Julio Barroso, o cantor, compositor, letrista e tudo da Gang. Pirei.

Com o Julio, descobri os caminhos para poesia beat, as primeiras informações sobre a coisa, os primeiros nomes do que viriam a ser influências de tudo, referências de uma vida toda; Kerouac, Ginsbergh. Mas isso é uma outra história...

Aqui no Museu a lembrança que vale é das coisas do futebol. E para o menino Palmeirense, não podia estar melhor...

O camisa 11 do Verde

O Palmeiras voava no Campeonato Paulista.

Dirigido por Fedato, naquele ano, tínhamos um baita time de bola. Leão, Diogo, Luis Pereira, Vagner Bacharel e Paulo Roberto. No meio campo, tinha Marcio, Osias, Carlos Alberto Borges e na frente, Jorginho, Reinaldo Xavier e ele, o mágico, o craque o genial Mário Sérgio. 

palmeiras.jpg

O canhoto craque de bola, dono de uma classe e uma elegância inexorável, jogava futebol da mesma forma que Paul Desmond tocava sax para o Dave Brubeck Quartert. Os passes que saíam de seu pé esquerdo, tal e qual as pinceladas saíam da paleta de Renoir, ou Ticiano. Ver Mário Sérgio jogar era uma experiência única.

Ele em campo me redimia de tudo que ameaça-se o encanto em minha vida. Ele era quem me protegia da tristeza e de todas as outras durezas. Craque, meu herói. E ele não fazia feio. 

Naquele ano, num campeonato de pontos corridos, o Palmeiras era líder e dava show. A reta de chegada estava perto, mas no meio do caminho havia um clássico por jogar. Um clássico que sem a gente saber, entraria para história...

O Clássico da briga e os perdidos na selva do barato...

O São Paulo já era o time da moda. 

Havia contratado o ótimo Cilinho como técnico, começava ali uma renovação e tinha um time poderoso. Careca, Casagrande, Pita, Sidney, bons laterais como Paulo Roberto e Nelsinho, um timaço. O Palmeiras enfrentaria esse time e precisava vencer para meter a mão na taça. E dessa vez, eu, o Pai e meu Tio Bida fomos felizes para o Morumbi. 

O meu lugar na numerada inferior não estava parecendo tão melancólico, a esperança de que naquele ano tudo seria diferente era muito grande. Mas tínhamos que vencer o São Paulo e vencemos.

Após levar o primeiro, com um gol de Sidney, o Palmeiras foi para cima e virou com duas cabeçadas, uma de Reinaldo Xavier no primeiro gol e outra de Diogo. No final do jogo, Vagner Bacharel deu uma banda em Pita do São Paulo e o pau comeu. Bem ali, na minha frente, vi voadoras, porradas, chutes mas num tava nem aí, rimos.

 Naquele dia saímos do Morumbi tão felizes, mas tão felizes, que meu tio Bida não aguentou:

- Marcelo, cadê aquelas tuas fita doidas?

- Tá aqui, Tio. Por quê?

- Dá uma delas aí, vamos ouvindo!

- Bida, acho melhor, não! – precaveu meu Pai.

- Vai, Mauro! Vamos festejar, esse ano o Verdão vai ser campeão! Me dê aí, Marcelo...

Dei.

E do banco de trás do Opala Vermelho Cor de Sangue, dele, fomos os três, cantando a plenos pulmões "Eu e minha gata rolando na relva/rolava de tudo/covil de piratas pirados/Perdidos na Selva..."

Era dia de festa, tudo parecia que ia dar certo. Mas daí, em 1984 descobri que para a alegria ser plena, precisa de muita força. 

Descobri o Tapetão....

Anfetamina Blue..

Doping.

mario.jpg

Mais umas das novas palavras da minha vida. Naquela semana só se falava disso. Um tal de exame antidoping disse que Mário Sérgio havia tomado uma coisa estranha, de nome anfetamina e que isso, não podia.

Sem entender nada. Fiquei sabendo que o Palmeiras seria julgado por isso e se punido fosse, a pena previa perda de cinco pontos. Isso arrebentaria com o time, o Palmeiras perderia a primeira posição e mais algumas. Dito e feito.

O tal tapetão, tirou os cinco pontos de fato. Mário recebeu punição por parte da organização do campeonato e o time nunca mais foi o mesmo. Com os nervos em frangalhos, o Palmeiras despencou pra quarta posição e de lá não saiu.

Da poltrona de casa, numa tristeza danada, vi o Santos vencer o Corinthians e sagrar-se campeão de um campeonato que era pra ser meu, era pra ser do Palmeiras. Não foi.

Vi pela tv a festa em Santos e a única coisa que pensava era num dia, quem sabe em breve, eu também num saio pra rua e participo de uma dessas.

Não foi dessa vez...