A PELADA DOS IMIGRANTES

texto: André Mendonça | vídeo: Guillermo Planel |
fotos: Marcelo Tabach | edição de vídeo: Daniel Planel

Se o Barcelona conta com o melhor trio sul-americano do mundo, o MSN (Messi, Suárez e Neymar), a pelada dos imigrantes, no Aterro do Flamengo, reúne os sul-americanos mais receptivos e alegres do planeta. A poucos dias do início da Copa América, a equipe do Museu da Pelada foi conferir o futebol dos gringos e o resultado não poderia ser melhor. Com um clima bastante festivo, a rapaziada deu uma aula de cordialidade, com direito a churrasco de primeiríssima qualidade, acompanhado do picante molho chileno Pebre (tomate, coentro, alho, pimenta, salsinha, cebola e sal).

Após a chuva impedir, por duas vezes, o encontro do Museu com a famosa pelada dos imigrantes, finalmente o dia chegou. Ansiosa, nossa equipe apareceu no campo 8 do Aterro bem antes das 21h (hora marcada para a bola rolar). O primeiro peladeiro a chegar foi o peruano Ruben, o Rubinho, às 20h50. Vestindo a tradicional camisa do Peru, com o número 9 de Guerrero, o professor de matemática da UERJ abriu um grande sorriso ao reconhecer nossa equipe, dando indícios de como seríamos tratados naquela noite.

Confira a resenha divertidíssima com os gringos

Aos poucos, os outros peladeiros começaram a chegar. O curioso é que há espaço para todos na pelada e a conhecida rivalidade dos clássicos sul-americanos é deixada de lado. A cada lance mais ríspido, um pedido de desculpa e um aperto de mão. Assim foi do início ao fim da pelada que conta com peruanos, chilenos, colombianos, argentinos, brasileiros, uruguaios, bolivianos, equatorianos e até espanhol e francês.

A pelada foi fundada há seis anos, só com chilenos. Eles sempre se reuniam e perceberam que tinham uma paixão em comum: o futebol. Com o passar do tempo, o chileno Moisés, um dos fundadores do futebol dos imigrantes, foi incluindo outros peladeiros na brincadeira, até tornar a pelada internacional. Moisés, aliás, se mostrou polivalente e foi o grande destaque da brincadeira, mesmo sem entrar em campo. Com dores na perna, por conta de uma pancada na última pelada, o chileno foi o responsável pela narração carregada de emoção, pelas entrevistas na beira do gramado e também pela preparação do churrasco de alto nível, ao lado do compatriota Alejandro.

Os churrascos são organizados todo fim de mês, com parte da mensalidade. O que mais chama a atenção é que cada peladeiro desembolsa apenas cinco reais por semana e, além do churrasco mensal, também sobra dinheiro para uma viagem no final do ano, com direito a churrasco, piscina e, obviamente, muito futebol.

Organizador disso tudo, Moisés se mudou do Chile, em 1986, por conta da ditadura militar seu país, na época governado pelo general do Exército Augusto Pinochet. No Brasil, além de ter fundado a pelada internacional, o vascaíno de coração é dono de dois salões de beleza.

Com muita animação, o chileno, que atua como atacante, chegou à pelada com todos os apetrechos para a realização do churrasco e um rádio portátil que entusiasmava o ambiente sintonizado na banda mexicana Control Machete.

E falando em música, Jose Avila, o “Gato”, é o jogador mais velho da pelada. Com 60 anos, o chileno ganhou esse apelido por causa da semelhança com o vocalista Gato Alquinta, da banda chilena Los Jaivas. O experiente peladeiro joga no ataque e, mesmo com as dores no joelho, aliviadas por uma joelheira, costuma marcar presença na brincadeira e dar trabalho aos marcadores.

Sebástian fala muito! Tem muita categoria, é gente boa, mas vive reclamando dos companheiros.
— Ruben / Peru

Outro atacante que não dá sossego aos defensores, porém bem mais novo, é o uruguaio Sebástian. Estilo fanfarrão, o peladeiro de cabelos longos e loiros, parecido com o craque Forlán, chegou elétrico ao campo 8 do Aterro, prometendo muitos gols e falando que era um dos melhores da pelada. O peruano Ruben, no entanto, já havia nos alertado sobre o comportamento irreverente do uruguaio.

– Sebástian fala muito! Tem muita categoria, é gente boa, mas vive reclamando dos companheiros.

O polivalente Moisés também comentou sobre a postura de Sebástian.

Ele ganhou o Troféu Limão, prêmio ao jogador mais chato da pelada. Não para de falar um segundo!
— Moisés / Chile

– Ele ganhou o Troféu Limão, prêmio ao jogador mais chato da pelada. Não para de falar um segundo! – entregou, sob gargalhadas.

Mas cá entre nós, toda pelada precisa de um fanfarrão desses. A profissão de Sebástian não poderia ser outra: palhaço. Brincalhão, o uruguaio, que veio ao Brasil fazer mestrado em artes cênicas há 11 anos, divertiu a equipe do Museu e os amigos peladeiros rirem do início ao fim do encontro.

Provando a sua categoria, Sebástian foi o autor do primeiro gol da pelada. Aproveitando uma cobrança de escanteio, o marrento atacante colocou a bola no fundo da rede e gritou para os que esperavam do lado de fora:

– Vou fazer no mínimo seis hoje!

Vou fazer no mínimo seis hoje!
— Sebástian / Uruguai

Apesar de terem faltado dois gols para cumprir a promessa, o uruguaio exibiu um futebol que justificava a sua marra, lembrando o baixinho Romário.

Além dos gringos, a pelada também conta com os brasileiros Luciano, Pedro e Guilherme, publicitário nascido em Goiás, que não troca a pelada dos imigrantes por nada. Convidado pelo amigo espanhol Ivar, o brasileiro disse que se sente muito bem na brincadeira.

– Não conheço a noite carioca da sexta-feira. Estou sempre jogando aqui. Uma vez a pelada rendeu tanto que eu cheguei em casa de madrugada – lembrou.

Não conheço a noite carioca da sexta-feira. Estou sempre jogando aqui. Uma vez a pelada rendeu tanto que eu cheguei em casa de madrugada
— Guilherme / Brasil

Na arquibancada, acompanhando o futebol e saboreando o churrasco, estavam presentes as mulheres do boliviano, estudante de moda, Redín, e do cirurgião plástico colombiano Ariel. O primeiro contou ainda com a presença do carismático filho, que posou para as lentes do fotógrafo Marcelo Tabach ao lado do pai.

Após muita resenha, a equipe do Museu deixou o local por volta das 23h30. O animado churrasco dos imigrantes, no entanto, estava longe de acabar e o volume do rádio de pilha só aumentava! Que festa!