Escolha uma Página

Val Zeca

A ALEGRIA DO FUTEBOL (VAL ZECA)


As pernas tortas que trançam
Um balé diferente a plateia que grita
O parceiro que cai no gingado da dança
Levanta, persiste, ele repete a finta

Que brinca que zomba sem veemência
O par reclama estendido na grama
Ele salta pro meio, foge da violência
Ele não perde a elegância da trama

Vai seguindo, sambando e sorrindo
Mais um gol se aproxima delírios
Naquele lindo domingo de sol
Maraca lotado ele aplica um lençol

Lá vai Mané desfilando a plateia Vibrando ele a bola e pobre goleiro
E um tiro torto, certeiro no canto, Espanto elêncio, e o grito de gooolllllll

E o juiz apita e o jogo que finda.
Fecham se as cortinas e o espetáculo
Termina.

BEM DITO SEJA O GOLEIRO (VAL ZECA)


Dizia o poeta maldito 

É o goleiro onde pisa 

nem grama nasce 

por mais que o gol 

ele fechasse

Seu time é derrotado 

Haveria sempre alguém 

Que o culpasse

Haja vista nosso Barbosa 

Debaixo do três paus 

O negão não era prosa 

Defensor nato 

Ganhou muitos 

Campeonatos

Numa única derrota 

Que causa estranheza 

Sem a proteção de sua defesa 

Num tiro cara cara 

De frente com a nobreza

Morreu como culpado 

Levando contigo sua tristeza

Mas sua vingança veio a tona 

Taffarel pegando pênalti na final

Dá pra ver nosso Barbosa 

Pular de felicidade do Céu

Marcos que virou santo 

Com belas defesas para 

Nosso encanto 

Dida mandava o batedor 

Até escolher o canto 

Quando abria sua asas 

Parecia um gavião 

Estes e tantos outros 

Que fecharam o gol 

Da nossa gloriosa seleção 

Eis aqui a minha singela 

Homenagem aos grandes 

Guerreiros que nos trouxeram 

Muitas felicidades 

Por isso grito em verso 

E prosa em forma de 

Agradecimento e gratidão 

Estes grandes campeões