Escolha uma Página

paulo escobar

A LIGAÇÃO DE MANGA

por Paulo Escobar


Em dezembro de 2019 estava pegando um ônibus na avenida Millán em Montevidéu, cidade do meu segundo nascimento, estava a caminho de encontrar uma lenda, um ídolo, que até aquele momento estava em algum lugar. Esquecido pelos clubes por onde passou e encontrado por torcedores no Uruguai que o ajudaram.

Ao descer no ponto próximo aquela vendinha, com o prédio em cima, entro e subo com minha câmera e tripé, para encontrar Manga.

Ao abrir a porta com um misto de espanhol e português na língua, aperto aquelas mãos marcadas pelo futebol. Aquele futebol sem luvas, aquele que não tinha tempo ruim, das lendas, dos ídolos, dos bairros, das terras.

Sentamos pra conversar sobre a vida, sobre a bola, sobre o futebol. Aquele jogos tão cheios de amores e dores, tão parecido com a vida e por vezes tão carregado de injustiça.

Ali naquela entrevista (para o Museu da Pelada), Manga me fala que o último sonho que ele tinha antes de partir, seria pisar em um jogo do Botafogo de novo. De entrar no Maracanã de pisar o Rio de Janeiro.

Saí dali com o coração pesado e com lágrimas nos olhos, pensando em como este país é ingrato com muitos ex jogadores e ídolos, que ficaram relegados muitas vezes ao esquecimento.


Peguei o celular e comecei a ir atrás de contatos, mandando o vídeo pensando em como ajudar.

Ali apareceu Marcelo Gomes e Helvidio Mattos, com a ideia de ir atrás dele e trazê-lo de novo a um jogo no Rio de Janeiro. E assim foi o resto da história.

Manga no Rio de novo num jogo do Botafogo sentindo o carinho da torcida e realizando um último desejo talvez. E o outro sonho que ele nem sabia que viria a rolar, graças a uma correria do Gomes, era um canto para ele morar com sua companheira.

Na semana passada, ele ligou do Retiro dos Artistas, com um sorriso para me perguntar se eu estou bem e como estão as coisas. Me conta que está feliz, que hoje ele tem seu canto, me convida para ir visitá-lo, que ele está me esperando.

Disse a ele que quando isso passar irei vê-lo e que fiquei feliz que aquilo que começou em Montevidéu tenha terminado bem. Falei que me sentia feliz com ele e sua companheira felizes.

E assim em dias de dores, Manga me deixou feliz com sua ligação e ao desligar com uma lágrima no rosto agradeci ao futebol.

OLODUM, O NOSSO BARBOSA DA VÁRZEA

por Paulo Escobar


Não sei se vocês conheciam a comunidade autônoma do cimento, ela ficava ali na radial leste debaixo do viaduto Bresser, que reunia centenas de moradores de rua que procuravam uma alternativa a moradia, já que morar é privilégio e não direito neste país.

Muita coisa bonita aconteceu naquela comunidade, muitas ações bacanas, e dali surgiram alguns dos jogadores do Corote Molotov, time de moradores de rua e pessoas que correm junto e joga todo sábado na várzea de São Paulo. 

Outra questão é que aquele comunidade, “misteriosamente” pegou fogo após uma operação policial prévia a uma reintegração de posse. Reintegração é aquilo que é feito quando pessoas que não tem onde morar tomam conta de um espaço vazio e a os donos e poder público os expulsam para especulação imobiliária ou então para ficar vazio mesmo.

Dito isto, conto a história do primeiro goleiro do corote, Olodum foi nosso primeiro goleiro e o mais lindo que foi nosso goleiro negro. E não o único negro na posição, tivemos Aranha e Tibuia, foi nosso Barbosa, baita goleiro e não foi injustiçado nas falhas como na Copa de 50 aconteceu com o goleiro da seleção.

Olodum entrava fumando em campo, com seus guias no corpo, com sua cara de mau e sem aliviar na saída pra ninguém. Você conseguia ouvir as broncas dele na zaga de longe, Ceará nosso zagueiro que o diga, e o cigarro muitas vezes ficava do lado da trave.

Adorava dar uma ponte e eu do meio olhava pra ele e o mesmo piscava o olho pra mim meio que falando, viu só o que fiz?

Mas tinha algo que só Olodum sabia fazer, nos jogos mais pegados em meio a pressão, aqueles que o adversário insistia no gol e tomávamos sufoco, o nosso goleiro desmaiava de forma repentina. Tinha umas quedas e todos achávamos que estava inconsciente era uma correria dos dois lados com água, tirar camisa para abanar e todo tipo de auxílio. Até que um dia num mesmo piscar de olhos percebemos que era cera pra baixar a pressão da partida.

Nos outros desmaios era mais frequente os outros times se preocuparem mais que a gente, pois além de um baita goleiro era um grande ator. Esfriava necessariamente um jogo como poucos.

Tivemos jogos memoráveis com Olodum no gol, não gostava de perder e a cerveja não era a mesma depois dos jogos com uma derrota para ele. Quando ele vestia a um do corote entendia que havia uma comunidade que perguntava os resultados e aquilo era muita responsabilidade nas suas luvas.

Olodum representou sem dúvida de uma forma das mais belas o goleiro Barbosa, em cada defesa sua luvas carregaram a luta de ser goleiro negro no Brasil. Pois ser negro e goleiro em qualquer canto deste país é sinal de resistência, e a cada defesa Barbosa ressuscita.

As pessoas de bem que comemoram e fizeram buzinaço quando a favela do cimento pegou fogo não tinham ideia das pessoas maravilhosas que ali moravam, não tiveram o prazer de conhecer Olodum o nosso goleiro que a cada defesa beijava seus guias e agradecia aos orixás. Hoje naquele lugar somente há terra e falta a alegria daquela comunidade, é um lugar deserto e foi assim deserto que nós sentimos quando nunca mais vimos o nosso Olodum

CAREQUINHA, O BOTECO E O FUTEBOL

por Paulo Escobar


Num boteco de madeira debaixo de um viaduto na radial leste é possível ver a paixão nas paredes daquele canto. Sentado no seu sofá, olhando aquela TV de tubo é possível pedir um cigarro solto ou uma dose de cachaça.

Carequinha, como é conhecido, serve cada maloqueiro daqueles quase 300 que passam por dia, alguns para desabafar e outros para pedir fiado, apesar da placa: “Fiado nem na bala”.

Ali foi construído um verdadeiro altar ao Palmeiras, ali é sofrimento e alegria rolando solta. Naquela radial leste sentido Itaquerão, muitos corintianos já gritaram alguma provocação a caminho do estádio.

E justamente nos clássicos que Carequinha não permite que os rivais assistam o jogo no seu boteco, pois dá azar o rival no mesmo ambiente.

A seleção da CBF naquele espaço não é tão importante quanto os jogos do Brasileiro. Sagradas são as rivalidades e zoeiras em dias de jogos.

Para Carequinha, Palmeiras tem mundial, e naquela parede de madeira encontra-se uma foto de revista com Ademir da Guia, pois cada um tem seu Deus e nós, como inter religiosos, o respeitamos.

Um dia, um ônibus da Mancha Verde a caminho do estádio parou naquele boteco, e levou Carequinha ao estádio. Foi o dia que Carequinha conheceu a Arena. Lugar no qual só poderia estar graças a essa atitude.

Em dias de jogos decisivos, os moradores de rua da maloca prestam atenção ao que ocorre no boteco. Acontece que em dias de jogos decisivos ou de títulos, Carequinha abre uma caixa de corote e distribui para a geral. Acredito que mais de um torcedor rival torceu pelo Palmeiras, pois cachaça de graça pra quem tem dificuldade em comprar não é todo dia.

No bar do Carequinha debaixo do viaduto Alcântara é vivido o futebol da forma mais raiz possível, ali aonde os deixados à margem dos estádios e canais fechados ainda vivem suas paixões no rádio.

Sim ali no boteco da maloca ouvir jogo no rádio ainda é tradição. Ali a paixão é vivida de forma muito intensa, pois muitas vezes debaixo de um viaduto de uma cidade rica, que destina milhares à pobreza, a única coisa que não se tira é a paixão.

Por mais que muitos insistam em transformar o futebol em esporte de gente rica, nas malocas a paixão intensa e de coração não será roubada.

 

MUSEU, MALOCA E BOTECO #5


Lá vamos pro nosso quinto programa, apesar dos sacrifícios e dificuldades para conseguir entrar ao ar em cada edição, continuamos na resistência por fazer a nossa resenha com os ídolos.

Nesta quinta, 09 de Maio, estaremos de novo no nosso boteco resenheiro, Repancho’s Bar, na Rua André de Leão, 330, na Mooca. O programa vai ao ar pela página do Museu da Pelada pelo Facebook a partir das 20 horas e quem quiser comparecer no bar para assistir a gravação será um prazer fazer aquele brinde com uma gelada.

Nesta edição estaremos com:

Gerd Wenzel: jornalista e especialista em futebol alemão.

Silvio Valente: jornalista e diretor de rádio.

Além dos nossos convidados, contaremos com nosso time com Helvidio Mattos, Marcelo Mendez e Paulo Escobar.

Assista, espalhe, nos ajude e compareça na gravação se estiver em Sampa.

RENATO E O PALMEIRAS

por Paulo Escobar


Do lado de baixo, onde quase nada se tem a não ser a palavra, se vive e respira futebol de um jeito especial. Pois as vezes a paixão proibida para aqueles que não tem grana, vide as arenas ou preço das camisetas, se vive de um jeito aonde a única alegria em dias tristes pode ser um gol do seu time.

Nas ruas e favelas de São Paulo, convivendo há quase duas décadas com a população de rua, tenho o prazer de ter presenciado cenas das mais emocionantes envolvendo o futebol. E um pouquinho do que vi lhes contarei nesta série.

Nesta primeira história falarei do amor de um palmeirense, que viveu e morreu a paixão pelo seu time até o último dia. Camisas doadas e surradas pelo uso e pelo tempo faziam parte do seu vestiário e a cada beijo no símbolo um grito:

– Vai Palmeiras!!!

Renato foi morar nas rua e viveu um amor com uma inglesa torcedora do Chelsea. No seu barraco viveram juntos suas paixões até ela ter que voltar forçadamente ao seu país. Mecânico de profissão, viu a pobreza chegar até sua porta e lhe tirar tudo o que tinha, a pobreza tem a capacidade de te roubar tudo, mas as paixões são coisas que a pobreza não leva.

Vi Renato vibrar e sofrer pelo Palmeiras, vi ele chorar pelo seu time e ser provocado pelos corintianos. Tiveram vezes que chegou a sumir no meio das derrotas, e naquela final recente de paulista perdida para o Corinthians o vi entrar em depressão.

Tinha no goleiro Marcos um de seus ídolos, e era justamente o nome do goleiro que ele gritava nas defesas que fazia nas peladas das quadras do viaduto Alcântara. E justamente naquelas peladas ele revivia lembranças de quando jogou na várzea no ABC paulista.

Renato chegou a ser técnico de várzea, do time do Corote Molotov, onde tinha que ser retirado de dentro de campo a cada cinco minutos. Era chamado de Sampaoli já naquela época, pois não parava de andar na lateral de campo, e a calvície também o assemelhava.

Na radial leste não era raro ver Renato puxando sua carroça acompanhado de muitos cachorros, vestindo sua camisa do Palmeiras. Muitas vezes o vi com a sete do Edmundo, e pensei em como teria sido bacana ele ter abraçado o animal.

O coração palmeirense decidiu parar de bater um dia, debaixo de um viaduto do Brás, a ambulância jamais chegou, pois pra quem mora nas ruas a saúde dificilmente chega. E ali deu seus últimos respiros, diante do desespero dos seus amigos, e numa tarde Renato deixou as ruas do Brás e as tardes de futebol um pouco mais tristes.

Renato foi chorado numa tarde de várzea antes de um jogo, em meio a pobreza foi fiel a sua paixão pelo Palmeiras. E posso dizer que muitas vezes, em meio a tristeza e a exclusão, o seu time lhe deu felicidades.

Renato nunca entrou na arena do Palmeiras, mas na sua TV debaixo de um viaduto foi devoto ao seu time, e quem dera se os jogadores tivessem sabido da vida daquele que mesmo sem nada amou muitos deles.