Escolha uma Página

Claudio Henrique

SIM, EU VI E TODO MUNDO VIU

por Claudio Henrique


Dos muitos milhões de “técnicos” que existem no mundo, o que mais entende e enxerga o futebol é o TEMPO. Daí eu ter sido enviado do futuro como comentarista para analisar esses jogos do passado da nossa Seleção, hoje já pentacampeã (mas, por favor, não espalhem). Vim e vi, aliás, como tantos, pois foi essa a primeira Copa transmitida em tempo real para o Brasil. E a cores, embora televisores coloridos no país sejam, nesses anos 70, tão raros quanto o número de “gols feitos” perdidos pelo Rei Pelé. E olha que nessa partida ele perdeu um, em lance que desconhecia antes dessa minha investida na máquina do tempo. A jogada jamais será selecionada entre os “melhores momentos”, embora mereça, pelo ineditismo. Mas lances memoráveis não faltaram. Vendo, enfim, os 90 minutos, certificarei ao torcedores de amanhã que foi um belo jogo esse Brasil 4 x 1 Tchecoslováquia. Abre-alas do grandioso desfile que se seguirá da nossa melhor Seleção de todos os tempos, pois acreditem: outra assim não teremos! 

Devo confidenciar que no futuro dirão que esse “escrete canarinho” de 70 conseguiu a proeza de reunir entre os 11 em campo muitos “camisas 10”. De fato, vários dos craques com a amarelinha envergavam a 10 em seus clubes de origem. Mas em campo o criador dessa mística fez valer a sua autoridade. Pelé esteve mais uma vez eterno: o melhor jogador de todos os tempos. Anos depois, vou logo avisando, muitos tentarão contestar esse título irrevogável, atribuindo predicados e hipérboles a atletas como Maradona, um canhoto argentino muito bom de bola que em breve vocês conhecerão. Um cracaço, sem dúvida, que inspirou magias no esporte mas se perdeu aspirando outros feitiços. A chama insistente desta campanha contra o Rei só se apagará anos mais tarde, quando surge nos campos do mundo outro canhoto, Messi, também argentino. Desconfio que nos próximos 200 anos serão mais e mais pretensos candidatos ao trono. Talvez todos argentinos. Pobres mortais.

Mas vamos à bola rolando. Essa preta e branca, incomparável, acariciada por chuteiras que também ainda não exibem outras cores. Uma simplicidade que me fazia, na infância, acreditar que todos aqueles craques, como eu, jogavam de Ki-chute. Ainda no primeiro tempo, vimos o “negão”(expressão que uso aqui porque no futuro não me será permitido) surpreender a todos e mais alguns tentando um gol do meio campo, ao observar o goleiro tcheco adiantado. Épico. Testemunho a vocês que, no futuro, não serão poucos os jogadores que tentarão façanha semelhante, alguns com sucesso. Mas foi ali, naquele minuto sagrado da partida em Guadalarara, que pela primeira vez se viu algo parecido, tamanha genialidade. E Pelé não erra. Mesmo quando a bola não entra, seus lances ganham a História. A bola não entrou, mas foi gol. Gol do futebol.

O tento adversário, que deve ter deixado tensa a torcida brasileira (a mim não, claro, pois já conhecia esse enredo), não retratou o que víamos em campo. Sim, o Brasil não tremeu nessa estreia. Preparem-se, pois nas próximas edições do Mundial teremos primeiros jogos da Seleção infinitamente mais dramáticos. Não quero entregar o final do filme, mas, só para dar uma ideia, acreditem que daqui a quatro anos, na Alemanha, vocês terão que aturar o Brasil empatando os dois primeiros jogos, contra Iugoslávia e Escócia, e se classificando após um suado 3×0 contra o Zaire, com gol espírita de Valdomiro, nosso ponta após décadas de Garrincha e Jairzinho. Aguardem… A Alemanha, aliás, é protagonista de outro momento dramático da Seleção no futuro. Mas esse prefiro deixar em segredo. E tenho sete motivos para isso.


Todos jogaram bem, até o Everaldo, que não errou um chutão que deu na defesa e nem no ataque, isolando a pelota na arquibancada no único momento em que visitou o campo adversário. Foram perfeitas homenagens ao Sputnik dos russos (terá sido Everaldo ativista de esquerda?). Jairzinho foi um destaque. Vocês já deram a ele o apelido de Furacão? Deixa eu ver aqui no Goo.. Deixa eu pesquisar… Não, alguém ainda o batizará assim pelo fato de vir a marcar em todas as partidas no México. Foram dois nesse certame. Lindos, mas um deles fadado a ser eternamente uma incógnita na arbitragem mundial. Estaria nosso Furacão em posição de impedimento no terceiro gol brasileiro? Não temos aqui, ainda, câmeras laterais, que ajudam nessa avaliação, e nem uma tecnologia, ou melhor, uma “estrela” dos gramados que só chegará ao futebol daqui a quase 50 anos: o VAR. Outro segredo que não revelo. Mas decidirá muitos jogos.

Gerson e Rivelino também ganhariam notas altas no meu quadrinho de atuações, fosse eu o responsável em qualquer jornal brasileiro que hoje circula, mesmo sob censura. No futuro todos saberemos das notícias do futebol por uma sistema chamado Internet, sobre o qual não cabe aqui explicação _ e este “cabe” refere-se literalmente ao tamanho da resenha. E também pelo SporTV, um canal de televisão exclusivo de esporte que reprisará esses jogos em 2020, me dando a chance desta viagem ao México 70. Sim, teremos isso, um canal de esportes, podem começar a comemorar. Aliás, no século 21, de onde vim, teremos muitas coisas que vocês não desfrutam, amigos, como TV a cabo, liberdade de imprensa… Curiosamente, em 2020 também serão muitos os militares no poder. E muitos os dias em casa, confinados pela Pandemia do Corona. Mas deixemos isso pra lá. Sempre teremos a alegria de ser brasileiro. E de termos tido Pelé. E Riva, Gerson, Jair, Tostão… Que venha a Inglaterra! Eu vou às tequilas!

O SOCO NO AR E AS TENTATIVAS DE SUPERAR O INSUPERÁVEL

por Claudio Henrique


Diário de Bordo: direto da máquina do tempo, “Comentarista do futuro” revela que as formas de se comemorar o gol serão capítulo à parte do futebol

Eu já estava com um dos dois pés – não me lembro qual pois, como Pelé, também sou ambidestro –, ou melhor, uma das duas mãos dentro da máquina do tempo quando chegou, esbaforido, um “velho homem da imprensa”, com bigodes e suspensórios à frente. Falou-me rapidamente sobre o sucesso que minhas crônicas fizeram em seu periódico mexicano, que teria crescido em vendas, blábláblá… E me fez um pedido: uma última resenha, mesmo que escrita de dentro da geringonça que me permite viajar entre as décadas. Topei e depois explico como enviei de volta para publicação. Precisava mesmo falar ainda algumas coisas (calma, prometo que este texto será menor que os anteriores), em especial sobre o “soco no ar” do Pelé, que enalteci na última resenha e ficou batucando nesses meus neurônios cansados de guerras (serão muitos nos próximos 50 anos, inclusive contra vírus) e de algumas doses de THC na juventude. Há mais coisas entre o Gol e o reinício do jogo do que supõe a nossa vã filosofia.


Preciso confidenciar a vocês que no futuro as formas de se comemorar um gol se transformarão em “assinaturas” no futebol. Sim, marcas associadas aos atletas, e muitas vezes veículos para mandar mensagens, pessoais ou coletivas. Inteligentes serão os craques que demonstrarem habilidades também em marketing pessoal. Será um desfile de criatividade, amigos, acreditem: aviõezinhos, sambadinhas… Vai ter jogador deitando no campo, falando no orelhão (telefone público) do campo… E pensar que tudo começou com Pelé – até isso o “negão” deixou de herança para o futebol.

Mas a gênese dessa história paralela à do esporte, o “soco no ar”, se manterá no cardápio deste espetáculo de diferentes coreografias. E insuperável. Vejam vocês: na Copa de 2018, a última que testemunharei antes de minha partida rumo ao passado, o jornal O Globo, aquele mesmo que, como já contei, um dia indenizará um fotógrafo por publicar imagem do gesto do Rei, juntará uns trocados para analisar as formas como serão comemorados os 163 gols do Mundial. Cultura inútil? Não para quem ama futebol. E se você chegou até aqui nesta resenha é porque é um dos nossos. Siga comigo…

Daqui a 50 anos ainda veremos na Copa 2018 nada mais nada menos que 24 tentos (quase 15% do total) seguidos por soquinhos “a la” Pelé. Sendo 8 deles desferidos por brasileiros; 16 por atletas de outras nacionalidades. Ok, 1/3 dos gols ganharão uma comemorarão meio boboca, só abraços ou afagos protocolares, mas o Mundial será na Rússia, considere-se (a propósito, avisem aos camaradas!). O show que se sucederá aos estufar das redes será rico em folclore, curiosidades e polêmicas. Nessa Copa do próximo século, atletas chegarão a ser punidos pela Fifa por manifestarem posicionamentos políticos após balançar as redes. Só citando um jovem repórter esportivo brasileiro que tá estreando este ano na rádio Jovem Pan: “ô, loco!”.

O negócio vai mesmo tomar proporções de… Negócio. Chegará o momento em que os jogadores, esses espertinhos, passarão a levantar a camisa após o gol, mostrando marcas ou mensagens que estão ali por conta de algum capilé previamente acertado, claro. A Fifa não tardará a proibir e existirão, como sempre, os que tentarão arrumar um jeito de burlar a regra. Um marca de cerveja no Brasil contratará um craque da nossa Seleção para festejar seus golaços levantando o dedinho indicador pro alto, numa alusão ao seu slogan: “Número 1”. E pensar que neste Mundial do México a outra comemoração marcante foi aquela do Jairzinho após seu gol contra a Inglaterra, quando, copiando o tcheco Petras, que dias antes fizera o mesmo contra nós, se ajoelhou e fez o sinal da cruz. Em nome do pai… No futuro, não existirá mais bobo no futebol. Nem santo.

O salto de Pelé, que no futuro será inspiração para monumentos em Santos e Três Corações (cidade em que nasceu), veio à luz há quase 11 anos, em 2 de agosto de 59, quando o craque, jogando num obscuro mas romântico estádio paulista, na Rua Javari, contra a Juventus, pela primeira vez comemorou um gol desse jeito – isso após converter aquele que, muitos juram, ter sido o mais belo gol de sua carreira, mas do qual não existem registros visuais. É sempre assim… Bem, naquele dia, Pelé estava pouco inspirado, coisa rara, e a torcida adversária, que foi ao jogo também esperando ver show do “hômi”, vaiava o Rei, coisa ainda mais difícil em sua carreira. Incomodado, o Rei fez um primeiro gesto com a mão, aquele com o qual costumamos avisar: “Guenta aí, que já-já eu mostro a vocês o que é bom pra tosse”…

Logo depois, recebeu uma bola na área e, sem deixar a pelota cair, salpicou quatro lençóis seguidos, o último no goleiro, e “guardou”. Como tratava-se de uma resposta aos apupos das arquibancadas, correu em direção à galera e largou esta espécie de cascudo no ar, num desabafo. Ou seja: um gesto universal nascido da raiva. Mas, como todo bom Deus, o do Futebol sabe compensar e equilibrar forças e valores da natureza humana. Tanta que anos depois, já adianto, quando encerrar a carreira nos Estados Unidos, comandará ao microfone um estádio lotado pedindo em alto e bom som para o mundo: “Love! Love”! Mas na Javari foi ódio mesmo.


Nasceu assim o salto de euforia do Rei que agora todos conhecem e no futuro se tornará imagem em selos e cartões postais (não apenas no Brasil, como em outros países dos cinco continentes), estátuas, esculturas, quadros… Daqui a 50 anos até a silhueta desta emblemática comemoração será identificada e reconhecida em todo o planeta, tal qual a face de Jesus Cristo, a garrafa da Coca-Cola ou a latinha de sopa Campbell, que o artista Andy Warhol lançou no mesmo ano em que fomos bicampeões no Chile, sacam? Um pouquinho de pop-cultura não faz mal a ninguém. Coca-Cola também não, acreditem. Não fará! Na próxima década eles vão lançar uma em versão “Diet” e, melhor, no próximo século uma sem açúcar, rebatizada de Coca Zero. Mas ouvi dizer que, quando chegar este momento, algum publicitário americano pensará em batizar de Coca 10, numa homenagem ao Pelé. Podem levar esta ideia. Não cobro nada por isso.

Mas voltemos a 2020 (aliás, é pra onde estou me dirigindo mesmo, nesta máquina barulhenta). A estatística de estilos de comemorações de gols feita pelo Globo mostrará um empate técnico em primeiro lugar. Junto ao números de “jabs” no ar, estará, também com os mesmos 24 tentos, um estilão que, no próximo século, ganhará força, ou virará “modinha”, como gostaremos de dizer: uma espécie de terraplanagem, em que os jogadores vão se atirar ao chão, escorregando pelo gramado. Desconfio que será inventado em algum jogo disputado sob chuva, Talvez na Várzea, mas os registros do futuro creditarão seu surgimento a um atacante alemão, Klinsmann, que justificará seu gesto como um deboche de sua fama de cavador de faltas e pênaltis. Outro formato que será comum: a ostentação de marra, de superpoderes, geralmente com os artilheiros cravando as duas pernas no solo, cruzando os braços e lançando para as câmeras olhares de “imbatíveis”, que se aproximarão do que conheceremos no Brasil como “Olhar 43”, um rock dos anos 80. Mais cultura pop…

Justiça seja feita: além de Pelé, nada disso acontecerá não fossem as imagens antológicas feitas na Copa por algum dos “cameraman” no estádio, esse fadado ao anonimato (alguém aí conhece o sujeito?), e por pelo menos dois fotógrafos brasileiros: Orlando Abrunhosa e Lemyr Martins, donos de fotogramas deste instante mágico em seus acervos pessoais. Daqui a meio século, antes de viajar ao passado, fui aos arquivos do jornal (na verdade eles não existirão mais, será um troço chamado Google) mas não consegui responder três das cinco perguntas obrigatórias que um jornalista deve trazer em suas reportagens: quem, como e quando. Ambos terão belas carreiras, e ao Lemyr, inclusive, caso venha a ler estas mal traçadas linhas, gostaria de avisar que, além do futebol, deveria se dedicar ao automobilismo, pois na Fórmula 1 em breve teremos nossos craques. Esse vai longe, padrão Evandro Teixeira de qualidade, se é que isso é possível. O Orlando Novais, como já contei no tijolaço anterior, processou a Globo na Justiça por seu uso “sem autorização”. A Coca-Cola não cria caso. Se quiserem, podem publicar e falar dela à vontade.


A forma muito autoral com quem Pelé festeja e festejará seus mais de mil gols será copiada por gerações. Eu mesmo, moleque nos anos 80, gostarei de dar meus soquinhos no ar após meus golaços nas peladas da vida (todos lindos, mas pouparei todos de descrições detalhadas). Mas as próximas décadas nos brindarão com outras marcas indeléveis. Ainda nesses anos 70, um baixinho bom de bola que aparecerá no Atlético Mineiro vai assinar seus gols levantando apenas um dos braços, e com o punho cerrado, tipo Jesse Owens. Sócrates, não o filósofo mas um politizado e longilíneo camisa 8 que teremos nos anos 90, fará algo bem parecido. Bebeto, um de nossos atacantes na futura Copa de 94, vai dizer ao mundo que foi pai comemorando um de seus tentos fingindo embalar uma criança nos braços. Este vão copiar muito. Jogador de futebol tem filho cedo.

Cristiano Ronaldo, que será apontado como o melhor do mundo muitas vezes na minha época, terá como marca também um escorregão nos gramados, mas de joelhos. Possivelmente alguém vai contar ao português que, no Brasil, já tinha um malandro fazendo isso, Neto, do Corinthians, pois depois o atacante acabará mudando seu pós-gol para outra postura: em pé, braços abertos, num gesto que treinará exaustivamente, como chutes e dribles, para compensar sua cintura dura pro futebol. Outra comemoração que surgirá e acabará meio que afastada do esporte será uma mania de, após marcar, fingir que está dando tiros ou disparando uma metralhadora. Mas neste caso a proibição não será da Fifa, mas do bom senso comum e da marcação cerrada do “politicamente correto”, lembram? Já falei a vocês deste “cara”. Tirar a camisa não vai poder. Se abraçar com a torcida? Na-na-ni-na-não. Futebol vai ficar meio chato mesmo.

Que fique aqui registrado meu pedido para que todos vocês lutem e não deixem isso acontecer. Antes de entrar na atmosfera de 2020, falta contar como combinei a entrega deste texto ao passado, visto que escrevo na máquina do tempo, no trajeto até os dias de amanhã. O tal editor do jornaleco mexicano me garantiu que, quando eu chegasse ao Século 21, encontraria um sinal, deixado por ele no passado, e orientações de como proceder. Achei enigmático, mas de toda forme escrevi. Se você estiver nos anos 70 e lendo esta pitomba, portanto, saiba que tudo deu certo. O eterno Pelé foi uma prova de que a magia supera qualquer barreira do tempo. E vou aproveitar para deixar aqui uma piadinha que talvez vocês ainda não conheçam nesses anos 70. Pelé sempre foi Rei…

Já “Era Antes do Nascimento”.

Claudio H – alguma data estelar entre 1970 e 2020