Escolha uma Página

Anti-Heroi

A GLÓRIA DO LOCO

por Paulo Escobar


Em Minas, uma pequena cidade do Uruguai , nasce Washington Sebastián Abreu Gallo, que viria a ser conhecido no mundo do Futebol como Loco Abreu.

Podemos dizer que o Loco é um daqueles jogadores que mesmo em curto tempo nos clubes por onde passou deixou sua marca, e não foram poucos os times defendidos: no total 28 até agora. Mesmo sendo este nômade do futebol deixou marcas profundas em alguns clubes.

Além da Seleção Uruguaia, Nacional, San Lorenzo, River, La Coruña e Botafogo devem ter sido os lugares onde o centroavante talvez tenha deixado a sua marca. Mas não podemos esquecer que são títulos e artilharias que ele carrega no seu extenso currículo também.

Homem de área, de presença e que sabia aguentar a pressão como poucos atacantes, frio e decisivo em muitos momentos. Abreu não é um daqueles loucos sem noção ou idiotas na sua forma de ser, mas a inteligência e as posições firmes do lado de fora dos gramados também são suas marcas.

Formado em Jornalismo, lembramos bem da sua passagem pelo Botafogo, onde foi um terror daqueles que muitas vezes se escondem por trás dos microfones para emitir opiniões sem conteúdos ou desconexos de contextos.

A química gerada entre Abreu e Botafogo é sem dúvidas umas das paixões que até hoje a torcida da estrela solitária sente saudades. Impossível esquecer aquelas tardes de Maracanã nas quais o camisa 13 fazia as redes balançarem e levava os torcedores do Bota, carentes de ídolos e títulos às lagrimas. Vale lembrar que a fera honrou o Glorioso até na sua comemoração do título da Copa América de 2011, quando levantou a bandeira do Botafogo em campo.


Uma das lições mais bem aprendidas pelo Loco sem duvida foi a famosa cavadinha nas cobranças de pênaltis, como ele mesmo gosta de apontar que aprendeu olhando Djalminha fazê-las. E é justamente talvez aí que habite um dos gestos que deve ter causado mais de um pré infarto por aí.

Mesmo com poucos minutos jogados na Copa de 2010, talvez daqui a dez anos você ainda se lembre daquele pênalti do jogo Gana x Uruguai. E, claro, toda história que envolveu talvez um dos jogos mais emocionante da história das Copas.

Abreu jogou 15 minutos daquela Mundial, mas, como costuma apontar Lugano, que sofreu muito com as cavadinhas do Loco, procurou o seu momento de glória propositalmente. Buscou entrar para a história das Copas e foi atrás do momento que fosse único.

O Loco não vinha sendo colocado nos jogos daquele torneio, mas por uma daquelas paradas do destino foi escalado para entrar em campo naquele mítico jogo. Pela ordem de batedores do maestro Tabárez, o Loco seria o terceiro batedor daquela série, mas ele olha para o técnico e pede para ser o ultimo batedor, num olhar do maestro de alguns segundos que devem ter parecido uma eternidade concede o desejo de Abreu.

Lugano, que já sabia que o Loco faria a Cavadinha, pede por favor para não fazer naquele jogo, mas Abreu segue firme na sua decisão para fazer história. Naquele quinto pênalti decisivo, el Loco manda aquela cavadinha infartante, colocando em risco um capítulo histórico e a volta do Uruguai ao cenário mundial.

Vale lembrar que meses antes, numa final contra o Flamengo, converteria também um pênalti da mesma forma, inclusive com a bola batendo no travessão e entrando. Num momento também em que o Botafogo vinha de três finais perdidas contra o Flamengo, Abreu saca uma dessas que deve ter feito desmaiar mais de um torcedor botafoguense.

Para um louco de coletivas acaloradas com os jornalistas, que não tinha meias palavras, errar uma cavada daquelas seria sem dúvidas um motivo para ser massacrado. Mas a frieza e convicção de Abreu faz um momento que durou alguns segundos parece uma eternidade.


Ao entrar no Museu do Futebol no Uruguai, há uns anos atrás no Estádio Centenário de Montevideo, vi numa redoma de vidro a chuteira com a qual o Loco bateu aquele pênalti. Durante muitos anos ainda a torcida do Glorioso também lembrará da camisa 13, a chuteira e, claro, das glórias de um loco que passou como uma estrela fugaz.

Naquele ano de 2010 o Uruguai teve a melhor defesa da Copa, o melhor jogador e um time inesquecível, mas tudo isso passou a ser um detalhe, pois o que muitos com certeza irão contar a seus netos é a cavadinha de Abreu.

UM REI MAIOR QUE O MENINO NEY

por Paulo Escobar


Reinaldo, mineiro de nascimento, nunca foi quieto. Desde muito cedo já mostrava quem seria, driblador, bom de bola e fazedor de gols. Chegou ao Galo com 14 anos depois do técnico do juvenil, Barbatana, ouvir falar do jovem craque.

Além do seu talento, também chamava a atenção seu estilo desenvolvido de maneira esplêndida desde muito pequeno. No time principal do Galo, ainda nos treinos, teve que começar a lidar com as pancadas que levava, o que viria a ser um problema na sua vida.

Há atacantes trombadores, oportunistas ou que passam sem deixar saudades tanto dentro como fora de campo. Existem aqueles que são grandes em campo, geniais e sem graça do lado de fora (vide Neymar), mas existem os Reinaldos, aqueles que são geniais dentro de campo e colocam um tempero à vida do lado de fora.

O maior artilheiro da história do Atlético-MG foi chamado de Rei pelos atleticanos, pois para estes o seu monarca era Reinaldo. Cada um tem seu Rei, cada torcida tem seus ídolos, em tempos do ainda reinado de Pelé, em Minas quem imperava era Reinaldo.


Quantos atacantes do futebol nacional você consegue lembrar que tenham feitos 28 gols num Brasileirão, ou possuem uma média de 1,56 por jogo? Não entendo por que o Rei não tem um lugar de destaque maior daquilo que lhe foi dado?

Ídolos não deveriam ser propriedade de uma única torcida, ainda mais quando tiverem feitos como os de Reinaldo, pessoas grandes fora dos campos que conseguem se movimentar de alguma forma a favor dos mais sofridos deveriam ser mais lembradas. Mas também entendo que no jeito que este mundo está estruturado, ídolos bons de pés e isentos de pensamentos merecem mais destaque.

O Rei devia driblar os seus adversários e as pancadas que levava, deveria driblar o silêncio imposto pela ditadura militar através das palavras de Geisel, que na despedida da Seleção para a Copa de 1978 lhe diz:

– Vai jogar bola, garoto. Deixa que política a gente faz!

Não obedece a censura imposta e, no seu gol contra a Suécia, Reinaldo comemora com seu braço erguido e punho fechado, gesto dos panteras negras, pois o atacante tomou lado nas épocas de torturas e desaparecimento.


Amigo de gays sem se importar como os preconceitos que, na época, eram fortes também, ainda mais no futebol, um meio bastante homofóbico, pode ter sido um dos fatores que também sofreu as consequências do lado de fora. Participou da campanha que levara o Brasil à Copa de 1982, mas, discriminado pelas suas posições, acabou não sendo convocado.

As dores das contusões e as dores internas o levam a procurar formas de aliviar as mesmas, as drogas são o episódio lembrado e taxado, não escondeu o uso, não se isentou sobre o tema. Mas cada um sabe as dores que carrega e o que faz para aliviá-las, o Rei foi grande na sua sinceridade e humanidade.

Qual é a diferença dentro de campo na habilidade e na sede de gols de Reinaldo e Neymar? O Rei teve a carreira abreviada devido as pancadas, claro que não teve o mesmo marketing e não foi um eterno menino bajulado e blindado pela mídia. Mas dentro de campo Reinaldo foi diferenciado, só não esteve na Copa de 82 e nos grandes centros pelas suas posições fora de campo. Poderia ter se silenciado e seguido os passos de Neymar.


Reinaldo teve que driblar as pancadas e a opressão, teve que jogar em épocas difíceis e não se isentou. Não foi menino em suas posições e se a seleção lhe fechou as portas pelo que pensava, azar da seleção.

Num mundo ao contrário, que valoriza os lucros e destina ao ostracismo o lado humano, que coloca como vencedores aqueles que dançam conforme a música, ídolos como Reinaldo devem ser apagados das histórias. Mas estes ídolos são resistentes ao esquecimento e subvertem até o ostracismo a que se procuram destiná-los. Me arrisco a provocá-los e sem nenhum medo lhe digo que tanto dentro como fora de campo:

Reinaldo é maior que Neymar!

A BELEZA DO LOCO

por Paulo Escobar


Nasceu em Rosário talvez um dos caras mais loucos e obsessivos por jogar de maneira agradável aos olhos, e quem sabe seja também um dos mais amados e odiados ao mesmo tempo. Muito pela suas ideias e convicções que não abre mão, ganhando de cinco ou perdendo de cinco.

Desde muito pequeno cultivou um amor louco pelo Newell’sOldBoys, e já na infância prometeu a um amigo que jogaria nesse clube um dia. A loucura de Bielsa já na infância o fez amar o clube rival de seu pai, o Rosário Central, e ao chegar nas categorias de base do Newell´s seu pai nunca assistiu a um jogo seu. Sendo assim, desde muito jovem conviveu com a solidão que o futebol gera naqueles que pensam diferente ao senso comum.

Bielsa foi um zagueiro que tentou ser o melhor na sua posição, mas não conseguiu e já aos vinte cinco anos decidiu parar de jogar e se dedicar àquilo que viria ser o seu diferencial: estudou educação física e procurou pesquisar a estrutura humana virando um treinador muito jovem. Seu primeiro contato com a parte técnica e tática foi como ajudante de Griffaque, quando dirigia o Newell´s. Griffa, alías, já percebeu a loucura de Bielsa desde muito cedo. Numa das missões dadas por ele a Marcelo, pediu para ir atrás de jovens talentos, o Loco saiu pela Argentina e percorreu cerca de 30.000 kms. Nessa garimpada, conheceu um jovem chamado Gabriel, que depois viria ser o Batigol. Mas não foi a única a descoberta de talentos. Tirar o melhor de cada jogador costuma ser uma das marcas deste Loco.


A pedido do próprio Griffa, Marcelo Bielsa assumiu o Newell´s e virou técnico oficialmente aos seus 35 anos, no final de 1990 quando o time se encontrava na beira do abismo com grande risco de cair para a segunda divisão. E aí começa a remontada, levando o time a ser campeão argentino, naquela mítica celebração em que o Loco sai carregado pela torcida que cantava seu nome.

Depois disso, levou o Newell´s a final da Libertadores de 1992 contra o São Paulo, enfrentando aquele time mítico do Telê, num confronto de um futebol vistoso jogado para frente. Além dos três títulos nacionais, apresentou os primeiros sinais de um futebol jogado sem medo. A passagem foi tão marcante que o nome do estádio do Newell´s leva seu nome.

Mas como o próprio Loco costuma dizer, ele tem tido mais fracassos que êxitos, como a eliminação da Argentina na primeira fase da Copa de 2002, no qual se enfrenta a fúria midiática que esperava o fracasso daquele que confrontava as opiniões dos meios de comunicação. Bielsa, carregando a dor do fracasso, leva a Argentina a ser campeã olímpica em 2004 e logo depois renuncia, ficando três anos no silêncio sem dar declarações ou atender aqueles que o procuravam.


Volta para mudar a mentalidade de uma geração e de uma seleção acostumada ao fracasso, o Chile, e dali para frente passa por diversos times sempre ligado a cultura local ou as histórias dos seus povos. Passou pelo Marselha, Bilbao, Lille e hoje o vemos fazendo milagres com o Leeds, da segunda divisão inglesa, que está a um ponto do líder na luta para subir a Premier Liga. Na cidade de Leeds já virou cântico de estádio e faz o time jogar para frente de uma maneira linda de se ver. Imaginemos que delicia será ano que vem jogando a primeira divisão contra Guardiola, Mourinho, Klopp e Pochetino (que jogava naquele Newell´s).

A maioria dos jogadores que passam nos seus times são marcados de alguma forma. Guardiola o tem como ídolo, pois para ele não importam se há títulos ou não nos trabalhos de Bielsa, mas sempre há um estilo de jogo implantado perdendo ou ganhando se procura o gol. Um dos ensinamentos de Menotti que Bielsa leva consigo e o aplica dentro de campo é aquele citado algumas vezes pelo próprio Loco:


– Aquele que cruza o jardim – como diz Menotti – evitando o ângulo de noventa graus, pisa as flores e chega mais rápido, enquanto aquele que recorre o ângulo de noventa graus tarda mais, mas não esmaga as flores!

É assim que ele vê o futebol procurando preservar beleza e não somente visando o resultado. Bielsa procura preservar o futebol bem jogado, aquele que nos delicia a alma, procurando, acima dos títulos e dos “resultadismos”, deixar um legado.

No terremoto de 2010 no Chile, uma das cidades mais afetadas foi a de Constitución. O Loco percorreu esta cidade, conversou com as pessoas e fez questão de ajudar na construção de suas casas. Não era raro vê-lo sair nas ruas de Santiago de bicicleta indo a feira ou colocando crianças para assistir a seus treinos.  Em uma das suas mais recentes “loucuras” comprou um hotel para concentração ou para Newell´s utilizar para melhorar sua estrutura, prédio que leva por nome “Griffa”.


Procura a identificação com a história e povos que cercam os seus times, vive suas realidades e não se isenta de posições rejeitando o silêncio obrigatório imposto pelas federações. Não se silencia nem dos escândalos que as federações vivem, só ver a sua saída da seleção chilena, será que Bielsa se encaixaria nos esquemas da CBF?

Num futebol que visa somente os resultados e que mata a beleza em prol da feiura e dos lucros, Marcelo Bielsa é um verdadeiro anti-herói. Nadando contra a corrente e contra a lógica imposta, el Loco continua com sua loucura de acreditar na beleza do Futebol acima de qualquer título. Você que leu este texto, gostaria de um louco desse andando de um lado para outro intensamente no banco de seu time?

QUANDO O CRAQUE DRIBLOU O DITADOR

por Paulo Escobar


Carlos Caszely foi sem dúvida o jogador mais popular da história do futebol chileno. Quantas crianças nas décadas de 70 e 80 do século passado não sonharam em ser Caszely, ou comemoraram os gols como ele?

Um dos aprendizados que levou desde muito cedo é que um atleta antes de ser jogador é uma pessoa, e conciliar o lado humano e jogar bem dentro de campo foi mais do que presente na vida dele. Caszely teve que sustentar suas posições e isso lhe custou muita coisa, mas umas das coisas que nunca se arrependeu foi estar ao lado dos oprimidos.

Carlos Caszely foi um dos maiores artilheiros do futebol latino, na sua carreira foram 805 gols anotados, e seu começo foi no Colo-Colo do Chile, clube no qual foi apelidado de “Rei do metro quadrado”. Foram inúmeros gols nos quais o Chino Caszely deixou goleiros no chão e entrou com bola e tudo, numa semifinal de Libertadores fez mais uma de suas obras primas, mais uma vez entrando com bola e tudo.

Geralmente os jogadores com posições fora de campo que zelam por aqueles que mais sofrem ou que com suas vezes geram polemicas não são bem vistos, pois as entidades do futebol zelam pelo silêncio e bons costumes. Para estes suas ações fora de campo sempre se amplificam e ficam mais visíveis.


Caszely declarou sua posição politica de esquerda desde muito cedo, e isto se deu por ver a situação das pessoas pobres de seu país e por acreditar que Allende poderia levar esperança às classes mais baixas. Por conta disso, Carlos não foi contratado pelo Real Madrid na década de 70, e acabou indo jogar no Levante. Depois de duas belas temporadas, foi comprado pelo Espanyol, chegando a jogar na seleção Catalã.

Uma das jogadas mais difíceis e mais arriscadas não foi feita dentro de um campo de futebol, mas sim do lado de fora, numa época de torturas e desaparecimentos de pessoas no Chile. Quando em 1973 o ditador Pinochet toma o poder e leva a cabo operações de tortura e massacres, Caszely não fica indiferente, e foi justamente neste período que ele faz uma das jogadas mais difíceis.

Após a classificação da seleção chilena para a Copa de 1974, os jogadores que iriam disputar a competição na Alemanha deveriam ir saudar o ditador, e foi nesta hora que Caszely deixa Pinochet de mão esticada e se negou a saudar o tirano. Era um gesto necessário para Carlos, pois ao caminhar nas ruas e pisar a realidade reparava e sentia o que rolava do lado de fora dos estádios.


Esta jogada fora de campo o atinge no seu coração, pois quem sofreu a consequência deste ato foi sua mãe, Olga Garrido, que foi torturada e violentada. A pedido de sua mãe, Carlos somente trouxe à luz este fato em 1988, numa propaganda do “Não” que visava o voto contra Pinochet no plebiscito realizado a mando do mesmo para ver se continuava no poder até 1997.

Caszely fazia gols e alegrava o público, mas dentro de si trazia a dor de ter tido uma das pessoas mais amadas ser mutilada em seu íntimo. Não guardou rancor, pois a pedido de sua mãe lhe disse para não guardar mágoas.

As pessoas o saudavam nas ruas e agradeciam sua coragem, baixinho aos ouvidos sussurravam a felicidade, os mineiros lhe diziam que ele era a voz daqueles que sofriam. Caszely sofreu não convocações à seleção chilena, ter levado o primeiro cartão vermelho da história do futebol lhe custou uma série de críticas, teve que jogar e driblar a vida dentro e fora dos gramados.

Sempre é mais cobrado aquele que se posiciona, aquele que não aceita as palavras de suas assessorias ou que sente a mesma realidade que a maioria dos seus torcedores mais desfavorecidos vivem. Um homem com tantos gols e de uma habilidade incrível, frio dentro da área e de um talento diferenciado fez o que poucos jogadores fazem, uma vida próximo à realidade e não foi indiferente ao sofrimento alheio.