UM REI MAIOR QUE O MENINO NEY

por Paulo Escobar

r5.jpg

Reinaldo, mineiro de nascimento, nunca foi quieto. Desde muito cedo já mostrava quem seria, driblador, bom de bola e fazedor de gols. Chegou ao Galo com 14 anos depois do técnico do juvenil, Barbatana, ouvir falar do jovem craque.

Além do seu talento, também chamava a atenção seu estilo desenvolvido de maneira esplêndida desde muito pequeno. No time principal do Galo, ainda nos treinos, teve que começar a lidar com as pancadas que levava, o que viria a ser um problema na sua vida.

Há atacantes trombadores, oportunistas ou que passam sem deixar saudades tanto dentro como fora de campo. Existem aqueles que são grandes em campo, geniais e sem graça do lado de fora (vide Neymar), mas existem os Reinaldos, aqueles que são geniais dentro de campo e colocam um tempero à vida do lado de fora.

O maior artilheiro da história do Atlético-MG foi chamado de Rei pelos atleticanos, pois para estes o seu monarca era Reinaldo. Cada um tem seu Rei, cada torcida tem seus ídolos, em tempos do ainda reinado de Pelé, em Minas quem imperava era Reinaldo.

r4.jpeg

Quantos atacantes do futebol nacional você consegue lembrar que tenham feitos 28 gols num Brasileirão, ou possuem uma média de 1,56 por jogo? Não entendo por que o Rei não tem um lugar de destaque maior daquilo que lhe foi dado?

Ídolos não deveriam ser propriedade de uma única torcida, ainda mais quando tiverem feitos como os de Reinaldo, pessoas grandes fora dos campos que conseguem se movimentar de alguma forma a favor dos mais sofridos deveriam ser mais lembradas. Mas também entendo que no jeito que este mundo está estruturado, ídolos bons de pés e isentos de pensamentos merecem mais destaque.

O Rei devia driblar os seus adversários e as pancadas que levava, deveria driblar o silêncio imposto pela ditadura militar através das palavras de Geisel, que na despedida da Seleção para a Copa de 1978 lhe diz:

- Vai jogar bola, garoto. Deixa que política a gente faz!

Não obedece a censura imposta e, no seu gol contra a Suécia, Reinaldo comemora com seu braço erguido e punho fechado, gesto dos panteras negras, pois o atacante tomou lado nas épocas de torturas e desaparecimento.

r3.jpg

Amigo de gays sem se importar como os preconceitos que, na época, eram fortes também, ainda mais no futebol, um meio bastante homofóbico, pode ter sido um dos fatores que também sofreu as consequências do lado de fora. Participou da campanha que levara o Brasil à Copa de 1982, mas, discriminado pelas suas posições, acabou não sendo convocado.

As dores das contusões e as dores internas o levam a procurar formas de aliviar as mesmas, as drogas são o episódio lembrado e taxado, não escondeu o uso, não se isentou sobre o tema. Mas cada um sabe as dores que carrega e o que faz para aliviá-las, o Rei foi grande na sua sinceridade e humanidade.

Qual é a diferença dentro de campo na habilidade e na sede de gols de Reinaldo e Neymar? O Rei teve a carreira abreviada devido as pancadas, claro que não teve o mesmo marketing e não foi um eterno menino bajulado e blindado pela mídia. Mas dentro de campo Reinaldo foi diferenciado, só não esteve na Copa de 82 e nos grandes centros pelas suas posições fora de campo. Poderia ter se silenciado e seguido os passos de Neymar.

r6.JPG

Reinaldo teve que driblar as pancadas e a opressão, teve que jogar em épocas difíceis e não se isentou. Não foi menino em suas posições e se a seleção lhe fechou as portas pelo que pensava, azar da seleção.

Num mundo ao contrário, que valoriza os lucros e destina ao ostracismo o lado humano, que coloca como vencedores aqueles que dançam conforme a música, ídolos como Reinaldo devem ser apagados das histórias. Mas estes ídolos são resistentes ao esquecimento e subvertem até o ostracismo a que se procuram destiná-los. Me arrisco a provocá-los e sem nenhum medo lhe digo que tanto dentro como fora de campo:

Reinaldo é maior que Neymar!