Resenha

ÍNDIOS, BRANCOS E A BOLA NO MEIO DE TUDO

por Alberto Lazaroni

A visita fez parte das ações pedagógicas do CIEP 449 Gov. Leonel de Moura Brizola Intercultural Brasil-França e juntou dois projetos da referida escola: o Clube de Ciências, coordenado pelo prof. Alberto Lazzaroni (Biologia) e o de Esportes, coordenado pelo prof. Flavio Cândido (Educação Física). O Clube de Ciências possui um projeto chamado RefugiArte no qual ciência, arte, cidadania, cultura e saúde são tratados de forma interdisciplinar tendo o tema Refugiados como eixo norteador (pano de fundo).

Dentro dessa ótica, realizar atividades com grupos indígenas faz parte dos objetivos do projeto pois podemos considerar que eles são refugiados dentro do seu próprio país. Além disso, nossa escola é intercultural desde a sua origem. Faz parte do projeto político pedagógico dela. Assim, ao sermos informados pelo prof. Flavio que na referida aldeia os indígenas possuem equipes de futebol, tanto masculina quanto feminina, pensamos na possibilidade de realizar um jogo de futebol entre eles e nossos alunos. Na oportunidade pudemos contar também com a presença do ator Jefter Paulo que ministrou uma oficina de teatro para os presentes, tanto alunos da escola quanto indígenas.

Foi um dia intenso, de muitas trocas, de muitas experiências vivenciadas. Os relatos foram altamente gratificantes e esse é o grande objetivo: o conhecer aproxima, estimula a empatia, diminui-se os preconceitos.

FELIPÃO ESCAPOU DE MAIS UM 7 A 1

:::::::: por Paulo Cezar Caju ::::::::

IMG_6164.jpeg

Já viram como fica um passarinho em liberdade após anos preso em uma gaiola? Se colocado em uma árvore ficará pulando de galho em galho exatamente como fazia em seu cativeiro. É mais ou menos como se comportam os times retranqueiros após tomarem o gol. Precisam partir para dentro, fazer gols, mas não sabem porque foram treinados para se defender. E só se defender.

São jogadores sem asas, despreparados, engessados, sem um plano B, uma carta na manga. Um exemplo primoroso disso aconteceu no Flamengo x Palmeiras. E no duelo da ousadia contra a covardia prevaleceu o futebol ofensivo.

Olha, sem qualquer exagero, Felipão escapou de levar mais um 7x1 em sua saideira, o que seria merecidíssimo, afinal escalou brucutus e deixou Gustavo Scarpa no banco! Felipão pagou o pato, mas para mim o maior culpado é o gerente de futebol.

Jesus nem precisou fazer milagres, apenas colocou Gerson em sua real posição, meia direita. Na base do Fluminense, atuava nessa posição e, por isso, está completamente à vontade. Mas os “professores” adoram inventar e colocam esses bons jogadores fora de posição, como Carile faz com Pedrinho e Cuca com Antony. E os comentaristas chamam o Gerson de segundo volante. Gerson não é volante, esqueçam isso!

Continuo torcendo fervorosamente por Sampaoli, Roger, que venceu mais uma, e todos que jogam para a frente respeitando a torcida. Duro demais ver o Corinthians vencendo com um gol dado pelo goleiro do Atlético Mineiro e, depois, ouvir as explicações de Carile, o discípulo mais aplicado de Tite.

Rogério Ceni vai dando um jeito no Cruzeiro e Luxemburgo precisa urgentemente treinar fundamentos com a garotada do ataque, assim como Sampaoli. O que o Santos perde de gols é assustador!

O Fluminense vendeu Pedro para pagar dívidas e o time que se viu ontem contra o Avaí foi abaixo da crítica. Não dá para entender um valor tão abaixo de Vinícius Jr e Paquetá.

Por falar em centroavante a diretoria rubro-negra quer ficar em definitivo com Gabigol. Tomara que tenha o mesmo empenho para pagar as indenizações dos meninos mortos no CT porque dinheiro não falta. E exemplo de uma boa administração não é apenas gastar com jogadores vivos.

Mas esse país é muito doido mesmo! Aqui o jogador é convocado para a seleção brasileira mesmo sem estar jogando há tempos e os comentaristas esportivos viraram garotos-propaganda. Mas não anunciam mais aqueles produtos baratinhos nas rádios, como antigamente. Evoluíram, estão no horário nobre das tevês.

Já sei, por exemplo, para onde ligar quando quiser pedir comida em casa, ir a algum supermercado ou até comprar pneus, Kkkk!!!

Pode isso, Arnaldo? E Tim Maia responde: “vale, vale tudo!!!”.

UMA ODE AO FUTEBOL OFENSIVO

:::::::: por Paulo Cezar Caju ::::::::

IMG_5768.jpeg

A rodada do Brasileirão serviu para reforçar que não sou tão louco assim. Quando eu dizia que meu amigo Abelão não deixava o Flamengo jogar fui duramente criticado. Quem acompanha a carreira de Jorge Jesus, principalmente no Benfica, sabe que ele preza o futebol ofensivo. Foi com ele que o centroavante Jonas desandou a fazer gols.

Claro que um time que busca o ataque constantemente corre o risco de levar gols, mas e daí? Sampoli pagou por isso contra o Fortaleza, mas seu time vem evoluindo jogo a jogo. Podia ter feito pelo menos seis gols.

“Professores”, como Mano, Carile, Felipão, Argel e tantos outros primeiro sonham com uma defesa forte, criam verdadeiros muros de contenção, treinam exaustivamente o desarme e deixam o ataque para terceiro plano. Considero isso um desrespeito aos torcedores. Bastou Fernando Diniz ser demitido para o auxiliar Marcão botar as manguinhas de fora e jogar lá atrás contra o Corinthians. Oswaldo de Oliveira assumiu e foi logo avisando que o time vai parar de tomar gols bobos. Seria tão bom se prometesse um time com sede de gols!

O Palmeiras é um contrassenso nesse sentido, pois deve ser o time com mais centroavantes do Brasil e só joga na defensiva. Por esse estilo covarde de ser, Cuca, que estava na lista de meus preferidos do Brasileirão, perdeu pontos após a partida contra o Vasco. Meu Deus, como seu time bateu! E ainda teve gente reclamando da expulsão!!!

E outra coisa, me incomoda ver o Daniel Alves vestindo a 10 do São Paulo. Em nome da tradição do clube deveria ter negado, mas vaidade é vaidade! Se bem que a camisa 10 deveria ser retirada do mercado enquanto continuássemos jogando esse futebolzinho. Pelo menos tivemos a chance de ver o golaço de Arrascaeta, que amargou o banco de reservas durante um período, vai entender.

Gostei que o Roger venceu mais uma com o seu Bahia gostoso de ver jogar. Mas alguém assistiu Avaí x Corinthians e CSA x Cruzeiro? Deveriam devolver o dinheiro aos torcedores.

O Luxa vem apostando na dupla de ataque Talles Magno e Marrony e torço para que insista com ela, pois esses dois meninos terão um futuro brilhante. Vendo o Talles lembrei de minha estreia contra o América, também menino, mas com muita personalidade.

A rodada terminou com o meu Botafogo x Chapecoense. A comentarista disse que esperava um grande jogo, Kkkk, deve estar de brincadeira! Para piorar, Barroca disse que lançaria Rodrigo Pimpão porque ele “joga com a perna invertida”, Kkkkkk, peraí “jogar invertido” eu lembro no jogo do bicho e costumava dar burro, Kkkk!!!

O problema é que vários jornalistas estão fazendo esse curso para treinador e todos ficam com a mesma “leitura de jogo”. Tanto que antes dormir, com dor no maxilar de tanto rir, ainda ouvi o repórter de campo explicando a razão de o Botafogo ter empatado: “o time deveria ter agredido o último terço do campo....”. Antes dele terminar a frase, desliguei a tevê, acariciei meu terço, rezei uma Ave-Maria e sonhei com João Saldanha.

"E SE"? "SE" NÃO GANHA JOGO

:::::::: por Paulo Cezar Caju ::::::::

IMG_5436.jpeg

O que grande parte da imprensa sonhava aconteceu: Fernando Diniz foi demitido. Agora para a comemoração ser completa só falta o Palmeiras, de Felipão, ultrapassar o Santos, de Sampaoli, e vamos continuar nessa robotização do futebol.

Digo e repito, não torço para quem tem medo de vencer. Sigo com Sampaoli, Roger, Rogério Ceni, Tiago Nunes, Cuca e Luxemburgo. Mas acho que perder gols como o Fluminense perdeu e pênaltis como ocorreu com o Vasco em parte é culpa do treinador, sim, afinal aprimorar fundamentos é responsabilidade deles. Tudo bem que hoje ninguém mais fica depois da hora, por conta própria, treinando batidas de faltas e pênaltis. Isso é coisa dos velhinhos do passado, Kkkk!

O próprio comentarista da tevê disse que no futebol atual não há mais espaço para o romantismo de Fernando Diniz. E se o VAR tivesse apontado os dois pênaltis a favor do Flu? E se o jogador do Santos não tivesse sido expulso no início do jogo? E se? E se?

Adoro uma canção de Francis Hime chamada “E se?”, que diz “e se o oceano incendiar, e se cair neve no verão, e se o urubu cocorocar e se o Botafogo for campeão...”. Se não ganha jogo, PC!!! Mas é bom os treinadores ficarem ligados porque dois estrangeiros lideram o campeonato.

E seria bom o Jesus, do Flamengo, baixar a crista de alguns jogadores do Flamengo, que ficam com caras e bocas para os adversários, como se fossem Messis. É bom lembrar que Gerson e Gabigol, por exemplo, não arrumaram nada na Europa. Tirar onda com esse futebolzinho daqui é fácil!

O jornalismo esportivo está bem parelho com o futebol atual. Hoje um time jogar bonito é visto como romantismo. Quer dizer que nosso futebol permanecerá nesse nível? Que devo achar legal a convocação do Fágner? Por falar em convocação, Tite premiou a indisciplina ao chamar Neymar. Não sei que privilégio ele tem, mesmo sem nunca ter conquistado algo relevante com a amarelinha!

Será que só eu não vinha acompanhando as espetaculares apresentações do goleiro Ivan, da Ponte Preta? Interior de São Paulo quem deve conhecer muito bem é Juninho Paulista, recém chegado à CBF.

Já disse aqui algumas vezes que muitas ligas europeias, acho que a inglesa é uma delas, só contrata jogadores após passagem pela seleção. Será que não é esse o caso desse goleiro e de todos os convocados anteriormente? Será que isso não é uma troca de favores entre a CBF e os tantos empresários que hoje mandam e desmandam na confederação? Por que a imprensa não mergulha nesse tema? Qual o empresário com mais jogadores na seleção? Qual a relação deles com os dirigentes? Será que vamos continuar aceitando esse balcão de negócios de bico calado?

Alguém acredita que a CBF queira apenas promover uma experiência com esses jogadores mais jovens? Se é isso por que não fazem um trabalho sério com as seleções de base? Posso ser romântico mas não sou imbecil!

Esquece, deixa eu ouvir “E se” porque é bem mais saudável viver em meu mundo imaginário.

HÁ TREINADORES QUE FAZEM DIFERENTE

:::::::: por Paulo Cezar Caju ::::::::

IMG_4632.jpeg

Eu, sinceramente, gostaria de entender porque os comentaristas ficam cheios de dedos para criticar os times do chamado primeiro escalão do futebol, os clubes mais populares, ricos, com CTs. Em alguns casos, chega a ser ridículo. O Flamengo ficou na roda para o Bahia, levou um baile, mas o “especialista da bancada” ao invés de exaltar o trabalho do técnico Roger preferiu arranjar desculpas esfarrapadas para o desempenho do Flamengo. Uma delas é que o time ainda está em formação e a outra o desgaste do “jogo duríssimo contra o Emelec”, Kkkkkkk!!!! Peraí, o jogo foi quinta-feira e contra o Emelec, não contra o Bayern de Munique ou o Barcelona. Se deixarem, os peladeiros jogam bola todo dia, mesmo sem toda essa tecnologia médica ao redor.

No outro jogo, o comentarista disse que Fábio Carille começa a “dar cara” ao Corinthians e que o Palmeiras “tem um belo elenco”, Kkkk, só rindo mesmo!!!! Belo só se for pela quantidade de jogadores, de qualidade está muito longe. Para mim, o melhor do time é o Gustavo Scarpa, mas quase não joga. Felipe Melo é a estrela do grupo, como o elenco pode ser “belo”? E o Corinthians não apresenta nada de novidade, dá até sono.

Fico muito feliz porque na primeira rodada do Brasileirão elenquei os treinadores que podiam fazer algo diferente, entre eles, Sampaoli, Fernando Diniz e Roger. Depois acrescentei Rogério Ceni, Cuca e Luxemburgo. Pelas redes sociais pediram que eu acrescentasse Tiago Nunes, do Athletico Paranaense. Tudo bem! Sempre critico a escola gaúcha, não os gaúchos. Roger é um ótimo exemplo disso. Elogio seu trabalho desde o Grêmio, Palmeiras e Atlético Mineiro. Agora, no Bahia, tem tudo para deslanchar de vez porque vai mesclar churrasco com acarajé e montará um time apimentado! O Flamengo sentiu a força desse tempero!

E o Santos, do baixinho Soteldo? Nunca esqueço a comentarista criticando o fato de o Santos “ter um time de jogadores baixos”. Ouve-se muita besteira! Dá gosto ver o Santos jogar, assim como o Fluminense. Levei amigos franceses no jogo contra o São Paulo e o tricolor das Laranjeiras fez 15 minutos primorosos, no segundo tempo, de arrancar aplausos. Juro, saí feliz do Maracanã só por conta daqueles 15 minutos. Isso deve ser levado em conta, sim, porque os times do segundo escalão, como a imprensa vem tratando os que estão em apuros financeiros, vêm jogando muito mais bola do que o Clubinho dos Milionários. A imprensa precisa rever os seus conceitos, esquecer essa história de queridinhos e passar a analisar futebol, mesmo que se resumam aos 15 minutos do Fluminense.

Contratações milionárias, balanços financeiros aprovadíssimos, jogadores superstars devem ter os seus destaques. Mas Roger e Diniz, por exemplo, são tímidos e talvez não tenham o perfil marqueteiro que a imprensa busca, mas de bola entendem e bola bem jogada é tudo que o povo quer, é tudo que o povo gosta!