BARBOSA, O INJUSTIÇADO

por Israel Cayo Campos

b1.jpg

Hoje a minha humilde homenagem é para Moacir Barbosa do Nascimento. O goleiro Barbosa da Seleção brasileira e do Vasco da Gama. Seis vezes campeão carioca pelo time de São Januário (1945, 1947, 1949, 1950, 1952 e 1958), campeão do Campeonato Sul-Americano de clubes em 1948 com o "Expresso da vitória" do Vasco da Gama, que dominou o futebol carioca nos anos 1940 e início dos anos 1950.

Pela seleção brasileira, Barbosa também foi campeão Sul-Americano de seleções pelo Brasil em 1949, um título que o Brasil só conquistaria novamente quarenta anos depois, em 1989 com o início da geração Bebeto e Romário. Além dos títulos da Copa Roca em 1945 e duas Copas Rio Branco em 1947 e 1950.

No entanto, Barbosa ficou eternamente marcado pela falha que teria cometido no quadrangular final do mundial de 1950. Quando o jogo final contra os uruguaios estava empatado em 1 a 1 (resultado que daria o primeiro título mundial para os brasileiros em pleno Maracanã), Barbosa acabou aceitando um chute cruzado do atacante Alcides Ghiggia na mesma trave esquerda em que estava posicionado.

O gol selou o bicampeonato mundial uruguaio naquilo que ficou conhecido até hoje como o "Maracanazo". E como uma terrível maldição, também selou o destino de Barbosa, que após aquela fatídica tarde de 16 de julho foi estigmatizado como o único culpado pela derrota brasileira.

b2.jpg

Mesmo tendo sido o melhor goleiro daquele campeonato mundial, o fatídico lance o estigmatizou profundamente. Como ele mesmo explicara depois, Ghiggia iria cruzar a bola para Schiaffino, da mesma maneira que havia ocorrido o gol de empate uruguaio minutos antes, e ao perceber a jogada repetida, Barbosa deu um pequeno passo para a direita, o que ele não contava é que o cruzamento virasse um chute (proposital ou por pura sorte não se sabe!) e a bola tenha entrado exatamente no pequeno espaço entre ele e a trave.

Apesar de ter continuado sua carreira após o Mundial do Brasil, Barbosa teve poucas chances na seleção, e passou a sofrer hostilidades principalmente dos torcedores rivais do Vasco da Gama. O fato de ser negro contribuiu para crenças racistas de que um afrodescendente no gol traria azar ao Brasil.

Não à toa, só depois de 56 anos, outro goleiro negro defendeu a meta brasileira em uma Copa do Mundo, Dida, já em 2006. Nesse hiato de tempo, nenhum goleiro negro jogara uma Copa do Mundo pela seleção brasileira como titular!

Barbosa encerrou sua carreira no pequeno Campo Grande do Rio de Janeiro em 1962, e em seguida passou a trabalhar na Suderj como funcionário do Maracanã. E mesmo o Brasil a àquela altura já sendo bicampeão mundial de futebol, o estigma de Barbosa continuou a persegui-lo. Uma vez relatou com muito pesar, apesar da fala humilde que possuía, que dentro de um mercado, ouvia uma mãe dizer para o filho enquanto lhe apontava o dedo: “Aquele homem ali fez o Brasil chorar”.

Próximo a Copa do Mundo de 1994, outro caso muito triste lhe ocorreu. ele fora proibido de entrar na Granja Comary, onde estava a Seleção Brasileira que conquistaria nos Estados Unidos o tetracampeonato mundial meses depois.

Tais acusações deixavam Barbosa muito triste, e embora existisse o orgulho de uma carreira tão vitoriosa, o rancor injusto do povo brasileiro fez com que ele se isolasse cada vez mais. Já próximo de morrer, vivia com uma pequena pensão e a ajuda do então presidente do Vasco Eurico Miranda na pequena cidade paulista de Praia Grande, onde decidiu viver para se distanciar das perseguições.

b3.jpg

Apesar de ser lembrado apenas por um lance na sua brilhante história como goleiro, o senhor Barbosa não guardava mágoa nem rancor do povo brasileiro. Costumava brincar que era o único condenado do país a superar a pena máxima de 30 anos, pois continuava a pagar pelo erro na final de 1950, quase 50 anos depois.

No dia 07 de abril de 2000, aos 79 anos de idade, e prestes a completar 50 anos do lance que marcara sua vida, Barbosa faleceu sem nunca ter recebido o verdadeiro reconhecimento. O justo aplauso a aquele que foi um dos maiores goleiros brasileiros de todos os tempos.

Mesmo morto, Barbosa ainda era lembrado muitas vezes de maneira negativa como o responsável pela derrota na Copa do Mundo de 1950. Tal lembrança continuou forte até o ano de 2014, quando o Brasil sediaria novamente uma Copa do Mundo. Após a vergonhosa derrota brasileira por 7 a 1 em pleno estádio do Mineirão para a Seleção Alemã. Lembro de ter postado em minhas redes sociais que estava feliz ao ver aquele vexame pelo que fizeram ao Barbosa, e que até que enfim ele poderia descansar em paz! Mesmo sabendo que Barbosa jamais aprovaria o que ele sofreu a outros jogadores, pois era um homem de alma muito pura, senti que de alguma forma a justiça divina estava sendo feita!

Depois de um vexame protagonizado por jogadores milionários como o ocorrido em Minas Gerais, ninguém mais pode falar de um vencedor como Moacir Barbosa, que enfim, pode ser lembrado não por uma fração de segundos, mas pela sua carreira gloriosa. Barbosa estava livre de sua injusta sentença!

b4.jpg

Sobre o lance que gerou o segundo gol uruguaio, vale salientar que a falha de Barbosa é muito citada por pessoas que sequer viram o lance! Que basearam suas opiniões em livros e revistas ufanistas e tendenciosas da época!

O marcador de Ghiggia, o lateral esquerdo Bigode, não teve uma boa apresentação naquele jogo final. Após levar uns “tapas” do capitão da seleção uruguaia Obdúlio Varela se desencontrou em campo, e os dois gols uruguaios saíram em jogadas na zona de marcação dele. Se de fato ocorreu uma falha, ela foi coletiva, e não apenas de Barbosa!

Após 1950, a Seleção Brasileira conquistou cinco campeonatos mundiais. Se tornando a maior vencedora do torneio até os dias atuais! E mesmo assim há quem não leve o “Maracanazo” como aprendizado. Para essas pessoas intolerantes, o vice é o primeiro dos últimos! Uma pena! Mas a história é o que fica para as gerações seguintes, e ela absolveu Barbosa, de maneira tardia é bem verdade, mas como diz o velho jargão, antes tarde do que nunca!