AH, O FUTEBOL DE PRAIA...

:::::::: por Paulo Cezar Caju ::::::::

pc 10.jpg

Se tem algo que não dá para reclamar é da minha memória, mas ela falha, não tem jeito. Em minha última coluna sobre futebol de praia esqueci de citar o Dínamo, dos queridíssimos Tião Macalé e João Carlos Barroso, e recebi uma enxurrada de mensagens, uma delas de Jean-Pierre, o Francês, goleiro do Dínamo, e outra de Jorge David, o Baba, produtor do espetacular “Ao som do mar, à luz do céu”, dirigido por Pedro Amorim. Quem não viu esse documentário é uma excelente dica para o início do ano.

O Chicão Carneiro enviou uma informação importantíssima: o futebol de praia está prestes a completar 100 anos! Data linda!!! O Chicão também informou que o Paula Freitas foi campeão invicto de 2018. Parabéns!!! Cassius Cunha lembrou do Colorado. Foram belas mensagens e viajei lendo cada uma! Na verdade, na correria de escrever a coluna, não falei da qualidade do futebol de Ronaldo Boó, considerado o “Zizinho da Praia” por vários jornais da época, inclusive pelos colunistas Don Rossé Cavaca e Othelo Caçador.

Mas dessa família de boleiros, o futebol que mais me encantava era o de Rogério Boó, que sempre me dava carona ao final dos jogos a pedido de meu pai, Marinho. Rogério mandou mensagem dizendo que o Eurico foi grande no Grêmio e no Ouro Preto, não no Radar, como eu havia dito. Lembrou de Paulinho Tovar, campeão pelo Botafogo, em 48. Quantas recordações maravilhosas!!! Ah, lembrei um jogo em que meti três no Lagoa! Desculpa, Dadica, Kkkkkk!!!!

O amigo Careca também lembrou dos tempos na Montenegro quando Jorge Ben levava a bola para disputarmos dupla de praia, e das apostas promovidas pelo saudoso Doval. Foram áureos tempos! Olha, após essa coluna fui abençoado e recebi mensagem até de Jesus!!! Calma, não é milagre! Jesus é antigo amigo do Colégio Francisco Alves, em Botafogo, onde, sem modéstia, eu já dava os meus showzinhos!!!

d1.jpg

Ele afirma que os craques da praia teriam vaga em qualquer time profissional. Não tenho dúvida, tanto que muitos foram aproveitados. Em outra mensagem, essa carregada de emoção, Rubens Freitas disse que chorou lendo a coluna e relembrou algumas de suas passagens pelo futebol de praia. Lembrou da Pelada do Manoel, na subida da Niemeyer, e quando o técnico do time 44 o chamou para jogar. Também lembrou que Pedro Paradella narrava os jogos pela Rádio Continental. Lembrou de Tubarão, Mazinho, Felipe, Silvio Parodi, Pepa, irmão de Lula, e do árbitro Reinaldo Serra.

Enfim, ficaríamos falando aqui eternamente e sempre esqueceríamos de alguém porque o futebol de praia era um celeiro de craques. Não é fácil mostrar qualidade conduzindo a bola na areia fofa, mas essa rapaziada tirava de letra e atraía milhares de torcedores. Não existe modalidade mais carioca do que o futebol de praia porque reúne duas de nossas grandes paixões.

Fui um privilegiado por ter jogado bola sob o sol dessa cidade um dia maravilhosa. Depois, um mergulho e a resenha com os amigos. Hoje, as lembranças, intactas, douradas, eternas.