Escolha uma Página

Samba

NOEL ROSA, SAMBA COMO TESTEMUNHA E VASCO NO CORAÇÃO

por André Felipe de Lima


Quando o craque José Monteiro, talvez o maior da história do Andarahy e tão elogiado por Mario Filho no livro “O negro no futebol brasileiro”, morreu em 1919, o menino Noel Rosa, nascido em Vila Isabel, bairro vizinho ao do charmoso clube alviverde, era apenas um menino de nove anos. Certamente ouvia o pai e muitos outros falarem das bravuras do Monteiro. Sem dúvida, Noel Rosa cresceu com uma quedinha pelo Andarahy, um clube que encarava sem temor os adversários endinheirados da zonal sul. Falo de Fluminense, Botafogo e Flamengo, além do tijucano América, o então mais forte e rico da zona norte. O Vasco viria somente na década seguinte. Não deu tempo do Monteiro enfrentar aquele timaço com feras vindas do Bangu, e a lista era recheada delas. Havia Bolão, Itália e, sobretudo, Fausto dos Santos, que cresceu bem pertinho do Noel Rosa, na Aldeia Campista, um pedaço de chão que cobre parte da Tijuca e de Vila Isabel.

Não há, contudo, registros se os dois se conheceram ainda adolescentes. Mas é bem possível, afinal Noel Rosa e Fausto eram assíduos frequentadores de rodas de samba em Vila Isabel e dos empolgantes botequins nas concorridas esquinas do Boulevard 28 de Setembro e adjacências. Esbarrarem-se neles era pule de dez. Tornaram-se amigos, de fato.

Noel Rosa, no começo dos anos de 1930, já se revelava como um dos principais nomes do samba na cidade. Fausto simplesmente era o “Maravilha negra”, melhor jogador do país e único a se salvar do “naufrágio” da seleção brasileira na primeira edição de uma Copa do Mundo, em 1930, no Uruguai.

“Noel Rosa gosta de passear na chuva sem qualquer agasalho e chapéu. É torcedor de futebol, assistindo os jogos noturnos e preferindo, como jogador, Fausto.”

Essa simples nota jornalística perdida em uma página de uma edição da revista Carioca, de 1936, pode ser (acredite) o registro mais assertivo de que Noel Rosa gostava de futebol e era vascaíno de — recorrendo à tradicionalíssima expressão portuguesa — quatro costados. A aparentemente inexpressiva nota pode ter dito muito mais do que se imagina sobre o que poderia acontecer com Noel Rosa no ano seguinte.

Tanto ele quanto Fausto tiveram destinos idênticos. As trajetórias, idem. Além de crescerem na mesma região, ambos amavam o samba. Enquanto um, o Fausto — diziam —, era um “pé de valsa” e bamba de bola inconteste, falavam de Noel que no violão e nas linhas musicais, entre pandeiros e surdos, era um sem igual. Mas os dois eram amigos, o que, lamentavelmente, poucos (ou praticamente nenhum) registros podem confirmar. Mas os indícios nos induzem a crer que eram parceiros nas etílicas rodas de samba da Vila, e sempre abraçados a muitas mulheres. Mas apenas uma parecia ser a companheira de ambos: a lua, a mais genuína “dama da noite”. Os três eram indefectíveis notívagos. Portanto o ocaso das duas legendas culturais daquela década só poderia ser mesmo traduzido por noites enluaradas e românticas sob o fundo musical do samba. A tuberculose acometeu os dois vascaínos. Noel morreria em maio de 1937. Fausto, no ano seguinte.

O Vasco foi — ao menos uma vez — cantado por Noel Rosa. O curioso é que o jogador citado na letra do samba “Quem dá mais?” não foi o amigo Fausto e sim o Russinho, o artilheiro das madeixas louras e olhos claros que começou a carreira (olhe ele aí de novo…) no Andarahy:

“Ninguém dá mais de um conto de réis?/ O Vasco paga o lote na batata/ E em vez de barata/ Oferece ao Russinho uma mulata.”

A “barata” citada no samba era um carro Chrysler que Russinho ganhou após vencer um concurso de jogador mais popular do país promovido pelos cigarros Veado.

Será que depois dessa despretensiosa crônica há ainda alguma dúvida da paixão de Noel Rosa pelo Vasco? O rubro-negro e também genial sambista Wilson Baptista, rival eterno do velho “Queixinho”, que o diga. O “Clássico dos milhões” entre ambos parece mesmo eternizado.

SAMBA FUTEBOL CLUBE

por Felipe Corvino


Como versa Dorival Caymmi em ‘Samba da Minha Terra‘: “Quem não gosta de samba, bom sujeito não é, ou é ruim da cabeça ou é doente do pé”. Não há como negar os versos do bom baiano, mas e quando a gente faz um samba do criolo doido misturando samba e futebol?

Aí não tem jeito, é gol de placa, de bicicleta, eternizada pelo diamante negro Leônidas da Silva. Nada mais justo que em pleno carnaval, o ritmo mais brasileiro de todos faça uma dupla infernal com o mais malemolente dos esportes, a nossa pelada. Futebol é nos outros países, aqui se chama futebol brasileiro, terreiro de inúmeros bambas da bola e do riscado.

Em época em que o carnaval virou negócio com direito a subcelebridades ganhando holofotes, camarotes VIP, monopólio da plim plim e o escambau, a festa do povo deixou de ter ares de manifestação cultural e de identificação da gente miúda  com seu chão, ao menos em parte. Assim como vem acontecendo com o futebol, nossa religião politeísta, composta por deuses a perder a conta e a vista como Domingos da Guia, Evaristo de Macedo, Ademir Queixada e da Guia, Pelé e Garrincha, Nilton Santos e Heleno, Dinamite e Zico, Sócrates eFalcão, Edmundo e Gérson. Enfim, uma série de artistas circenses que faziam da pelota arte e musica, quadros mais belos e mais indecifráveis que a Monalisa de Da Vinci, merecedores de frequentar o Louvre.

E como o papo aqui é bola e samba, carnaval e festa, como não lembrar de episódios escalafobéticos envolvendo nossos boleiros com samba e bola nos pés?

Quem não recorda da história do baixinho Romário metendo uma péia no Real Madrid em 93 e pedindo pra ser substituído as 20 do segundo tempo pra ir pro carnaval do Rio? Ou do Edmundo e a famosa foto dele dando uma “biritis” a um macaco? Ou das histórias sobre o bailes de vermelho e preto da turma do Flamengo? Pois é, samba e futebol andam interligados desde que o samba é samba e que nosso pincel é a bola.

Pra dar liga ao time dos versos e prosa, do passe (passe sim, assistência é coisa de espectador, não de boleiro) e gol, vamos azeitar nosso meio campo pra armar a jogada pro 9 de oficio (no caso do baixinho Romário a eterna 11) fazer o êxtase da moçada metendo aquele golaço épico com sambasque fazem uma tabelinha digna de Pelé e Garrincha, deRomário e Bebeto em homenagem a época de carnaval. Como diria o Simas, a festa existe e se faz necessária pra aguentar a dureza da labuta e da viração do dia a dia. E nada melhor do que unir futebol e samba pra fazer um pagode de mesa digno dos batuques dos bambas.

Não dá pra começar a falar do riscado nessas mal traçadas sem falar do mestre Pixinguinha. Vascaíno de alma e talento incomparáveis, em 1919 compôs ‘1 x 0‘ em alusão a partida final entre Brasil e Uruguai no Sul Americano daquele ano. O choro remonta o ritmo da partida, que dizem estudiosos foi frenético, alucinante. O ritmo da peleja é musicada pelo mestre Pixinga em parceria com Benedito Lacerda e o título é em homenagem ao resultado final do certame: 1 a 0 pro Brasil gol de Friedenreich, aos 3 minutos da prorrogação.

Já que começamos com um vascaíno de corpo e alma, vamos ao maior rival do Gingante da Colina com o grandioso sambista e flamenguista doentio Wilson Batista. O Campista Wilson Batista, mudou-se para o Rio de Janeiro nos anos 20 com sua família e assim sua paixão pelo rubro negro atingiu níveis inimagináveis, acompanhando treinos e jogos de montão. Respirar o futebol o fez retratar a peleja em inúmeras composições suas como ‘Samba Rubro Negro‘, regravado posteriormente pelo ilustríssimo João Nogueira, e ‘O Juiz Apitou‘. Canção essa que retrata o desgosto sofrido devido a uma derrota para o Botafogo. Wilson também faz, em uma das suas letras, uma homenagem ao Vasco da Gama com a musica ‘No Boteco do José‘, interpretada por Linda Batista.

Fazendo uma tabelinha, a pelota é passada de Wilson para Moreira. Moreira da Silva, o Kid Morengueira, assim como Ary Barroso, flamenguista fervoroso. Moreira com toda sua irreverência e ar de malandro, lançou em 1968 um samba de breque que entorta qualquer beque inglês. Nesse caso, dá um drible daqueles no James Bond, o famoso 007, e de praxe ainda deixou o “Divino Crioulo” de beiços secos ao roubar-lhe a Claudia Cardinale, musa de filmes de Fellini e Sergio Leone. O samba ‘Morengueira Contra 007‘ é de um tremendo bom humor e trata do agente secreto Kid Morengueira salvando a pele do Pelé. Quando o agente da coroa britânica o vê cheio de  intimidades com a musa italiana, Moreira dá um tabefe no “zero sete” e de quebra rouba-lhe a dama. Claudia confessa que só foi a Santos com o agente secreto pra sequestrar o 10 da seleção, mas com a intervenção do malandro Moreira, cai de amores pelo sambista tupiniquim. É ou não é a cara do Brasil? Como canta Moreira no breque do samba: “ O temperamento latino é fooooooogo!”

Botando a gorduchinha pra rodar o meio campo, passando de pé em pé, pra desnortear o adversário, do volante armador ao meia direita, chegamos ao camisa 10, aquele clássico, que nós como poucos produzimos aos montes. Mas nenhum como Chico Buarque, tricolor de peito aberto, de olhos cativantes e musicas primorosas. Chico, além de saber como poucos comover nossa alma romântica e amante, ama e serve o futebol. De suas letras formidáveis, tira da cartola tricolor como o gênio Cartola, um lance daqueles de fazer o marcador cair de bunda no chão. Mesmo quando o carrapato na marcação é um compadre de longa data como o rubro negro Cyro Monteiro. Em 1969, quando nasceu Silvia Buarque, primeira filha de Chico e Marieta Severo, Cyro Monteiro presenteou a petiz com uma camisa do Flamengo. Pronto, foi a senha pra que Chico versasse sobre o mimo do compadre e compusesse ‘Receita Pra Virar Casaca de Neném‘  A feita é uma resposta bem humoradíssima ao presente do amigo, e que conta como de um presente de grego rubro negro nascia uma tricolor com ardor como o pai, na época um sofredor torcedor do Fluminense.

Do camisa 10 tricolor pra Santos, a bola chega macia e com graça pra Luiz Américo fazer o domínio com seu clássico ‘Camisa 10‘. Santista que é, ficou órfão do 10 da Vila quando, assim como todos os amantes do esporte bretão, resolveu se aposentar da Seleção após a copa de 70. Apesar de Rivelino envergar a 10 do escrete canarinho, a coisa não ia lá muito bem e de forma satírica fez um samba caprichado e cheio de ironias pra criticar o time comandado pelo velho lobo Zagallo.

Num lançamento daqueles que o Gérson sabe fazer como poucos, a pelota chega na ponta esquerda e o Trio Gato Com Fome amacia a redonda no peito, acaricia ela com os pés e dá início a uma jogadaça com a musica ‘Derby‘ que retrata um clássico pelas bandas paulistas e que além de tudo, é uma final de campeonato. Coisa de craque! O único porém é que a pequena Helena, personagem do babado, na hora do replay do gol muda de canal. Aí não, Helena. É caso de polícia senhores, como é possível, na hora do replay do gol de empate aos 45 minutos e ainda por cima de bicicleta a presidente mudar o canal?!

Definitivamente, mulher pode tudo e mais um pouco, afinal são elas a razão da nossa existência. Bem, elas e o futebol. Se mexer com o futebol a casa cai e o siricotico tá armado. Olha o bafafá muito bem versado pela moçada:

Fui educado, fui comportado, fui delicado
Sofisticado como ela pediu
Dei boa noite, eu pedi licença
Eu sorri e agradeci
Tudo bem até ai

Peguei Helena, minha pequena, fui ao cinema
E a Vila Madalena pra curtir
Foi olho só pra ela
E nem pela janela, eu me distrai
Até a mim me surpreendi

E a nossa relação teve canção
E a única solicitação do pobrezinho aqui
Que respeitasse o meu domingo
E me deixasse o jogo assistir
Que o casamento ia sair

Mas foi num derby que meu time perde
Aos 45, uma jogada que saiu o gol
Num lance plástico, no fim do clássico
Meu time empatou e no replay ela mudou

Por falar em derby, vamos pra um clássico gigante e uma tabela de gênios, o corintiano Toquinho e o são paulino Carlinhos Vergueiro com ‘Camisa Molhada‘, primeira música de Vergueiro que trata do tema, e seus versos contém todos os ingredientes fundamentais de uma peleja: raça, árbitro vacilão, botecos, disputa acirrada, fé, rivalidade e bola na rede. Um golaço de placa da dupla. Vergueiro por sinal não fica só nesses versos sobre o riscado do campo. Tem um disco inteiro dedicado a arte suprema dos gramados com ‘Contra Ataque, Samba e Futebol’, que homenageia o gigante baixinho Romário, o galinho Zico e o craque são paulino Raí.

Depois de tantos passes primorosos, lançamentos escandalosamente perfeitos, matadas no peito e dribles infames chegamos a nossa dupla de ataque, e a bola é passada de Carlinhos Vergueiro para um dos mais fanáticos e ilustres torcedores do America (RJ), ninguém menos do que o mestre Monarco, que versa na música ‘America do Saudoso Lamartine‘, sobre o time Rubro e suas glórias e jogadores históricos que passaram por Campos Sales como Danilo, Saci de Irajá e de Carola, além de outro torcedor histórico do “diabo”, Lamartine Babo, o Lalá. Canta o saudoso tico tico no fubá, ataque formado por China, Maneco, César, Lima e Jorginho, que segundo outro ilustre americano, José Trajano, era um ataque mais poderoso que o do Real Madrid de Puskas e Di Stéfano. Esse gol nem o “Divino Crioulo” guardou.

Compondo nossa dupla de ataque, malandra e matreira, fechamos a jogada feita por uma equipe de astros com o mais escorregadio atacante: Dicró. Se Monarco é a elegância e o cérebro do ataque com a poesia perfeita do seu coração rubro cor de sangue, Dicró é o improviso definitivo, a malandragem na sua essência. O vascaíno Dicró com toda sua manha deixa pra trás uma lista infinita de craques, como bem versa no seu samba ‘O Bom de Bola‘, não tem pra Pelé nem Zico, Cruijffe Beckenbauer, Rivellino e Gersón, nem pro seu xará Carlos Roberto de Oliveira, o Roberto Dinamite, ali quem manja do riscado é ele. E com toda essa malemolência carioca e vascaína, guarda o gol mais bonito feito pelas bandas de cá. O gol definitivo do samba e futebol.

Bola passada de pé em pé, com classe, astúcia e inteligência, com gana e raça, do beque central ao ponta esquerda, passando pelo 10, como deveria ser sempre até chegar a dupla de ataque mortal e mortífera. Dicró sacramenta o gol sagrado das pelejas sambadas e dos golaços da pena.

PELÉ GOSTA DE SAMBA; BOM DA CABEÇA AOS PÉS

por André Felipe de Lima


Desde que me conheço como gente, ou seja, lá pelos idos de 1974, embora ainda criança, comecei a gostar (e muito!) de samba. Foi exatamente naquele ano que pela primeira vez ouvi o casamento desta minha paixão lúdica e mirim por outra tão forte quanto: o futebol. Achei o maior barato. E o amoroso preâmbulo musical da minha vida — além, obviamente, do timoneiro Paulinho da Viola — foi registrado pelo samba “Camisa 10”, assinado por Hélio Matheus e pelo gremista Luís Vagner, na voz do santista Luiz Américo, aquele intérprete que ficou famoso na década de 1970 tanto pelo inconfundível bonezinho que usava como pelo molejo dos sambas que cantava.

A letra de “Camisa 10” é crítica e com endereço certo: o ex-técnico da Seleção Brasileira Mario Jorge Lobo Zagallo. Na letra do samba, Luís Vagner deixou público que Zagallo estava pisando na bola e que a Seleção, em preparação para a Copa do Mundo, na Alemanha, permanecia uma grande e incômoda incógnita. Ora, não havia mais Pelé, que três anos antes deu adeus à Seleção e se preparava para deixar o Santos também. A “dez” do escrete tornou-se um verdadeiro ponto de interrogação. Muitos noivos queriam desposá-la, mas apenas dois estavam na crista da onda e jogando muito: Rivellino e Ademir da Guia.

Alguns meses antes da Copa, Vagner finalizou a letra com Matheus e partiu imediatamente para o Rio de Janeiro. Queria mostrá-la ao Luiz Américo, que curtia muito futebol e estava numa fase ótima na carreira, integrando a leva de sambistas bastante populares na ocasião, dentre os quais Luiz Ayrão, Roberto Ribeiro, Os originais do samba, Paulinho da Viola e Martinho da Vila.

Os dois se esbarraram no programa do Chacrinha e ali começou, para valer, “Camisa 10”, um samba cuja letra, por pouco, ficou engavetada. Américo estava com o disco finalizado e pronto para ir ao mercado. Não poderiam ficar em cima do muro, como Zagallo na Seleção, e meteram a música no LP graças, ora veja, aos censores da ditadura militar, que acharam apologia à prostituição a letra de uma faixa do disco que falava em “multiplicação do amor”. Podia até cair o “amor livre”, mas jamais a “Dez”. Durante a Copa na Alemanha (e após ela também devido ao fiasco da Seleção), o disco vendeu mais que água e os caras encheram a burra de dinheiro. Até hoje me pego cantarolando, do nada, o refrão: “É camisa 10 na seleção, laiá, laiá, laiá…(bis)/ Dez é a camisa dele/Quem é que vai no lugar dele (bis)”.

Mas “Camisa 10” não foi a primeira, digamos, incursão da marca “Pelé” no samba. “Camisa 10” foi apenas uma citação ao craque. Pelé sequer sabia da existência da letra antes do estrondoso sucesso que fez nas rádios e em programas de auditório entre 1973 e 74.

No final da década de 1950 e começo da seguinte, Pelé estava estupendo. Era natural, portanto, que seu nome estivesse em pelo menos uma de quatro marchinhas carnavalescas ou ranchos que estourassem no mercado fonográfico. Em 1959, a orquestra e coro da gravadora RGE lançaram a marcha “Pelé, Pelé”, de Alceu Menezes. Sucesso garantido no carnaval de 1960. No ano seguinte, o cantor Luiz Vanderley gravou pela RCA Victor o chá-chá-chá “Rei Pelé”, do próprio Vanderley com os sambistas Wilson Batista e Jorge de Castro. Essa composição foi regravada dois anos depois pelo coro do “Clube do Guri”, programa exibido pela antiga TV Tupi entre 1955 e 1976. Além de “Rei Pelé”, Wilson Batista também compôs, novamente com Jorge de Castro, a marcha carnavalesca “Rei do Futebol”. 

Parece interminável o número de marchinhas rendendo loas ao “Rei do futebol: “Pelé e o Brotinho”, de João Chamo e Souza Cruz, lançada pelo selo “Carnaval” por volta de 1958;  “Pelé”, de Oiram Santos… enfim, a lista vai longe. “Ataca Pelé”, da gravadora Copacabana, foi lançada em 1961 por Tico-Tico, um carioca do Santo Cristo, cujo nome era Jorge Pereira Simas. Há também “Marcha do Pelé”, de Paulo Borges e Magdalena Correia; “Pelé”, de Amasílio Pasquim e Caçulinha; “Coitadinho do Pelé”, de Mariano Nogueira; “Pé de Pelé”, de Cambuí e Nhô Zé, e, por fim, a “Marchinha do Pelé”, de Alvarenga e Ranchinho, cujo áudio pode ser conferido aqui.

Jackson do Pandeiro, em parceria com Edgar Ferreira, é o autor da célebre “Um a um”, música do gênero “embolada” lançada em 1954. “O meu clube tem time de primeira”, reclamava Jackson nunca admitindo empate. É deste gigante da história da MPB a letra de “O Rei Pelé”, um “coco” de 1974, como destaca Paulo Luna, em seu livro “No compasso da bola” (2011): “Quem é aquele moço com a bola no pé?/ (É o Rei Pelé!)/ Eu perguntei quem é o moço com a bola no pé?/ (É o Rei Pelé!)/ A bola lhe deu dinheiro/ Lhe deu nome, lhe deu fama/ A bola lhe colocou/ Entre os maiores dos homens”. A letra composta por Jackson de Pandeiro para “O Rei Pelé” é gostosa de ouvir. Muito divertida mesmo. 

TABELINHA COM COUTINHO? QUE NADA… PELÉ COM ELIS FUNCIONOU MUITO BEM

Já ouviram alguma vez o sensual diálogo a seguir?:

— Pelé, canta um negocinho pra gente, canta.

— Não posso, não tenho voz pra cantar.

— Mas canta, Pelé. Me disseram que você toca violão tão bem…

— Em todo o lugar que chego querem que eu toque violão.

— Mas canta pra mim…

Pois é, Pelé não resistiu ao dengoso pedido da pimentinha Elis Regina e decidiu cantar para ela e com ela. Foi a primeira vez que cantou e gravou um sambinha. Um não, dois sambinhas! Isso aconteceu em 1969, ano em que o maior jogador de todos os tempos arriscou-se no samba ao gravar com Elis o disco compacto “Tabelinha: Elis x Pelé”, pela antiga gravadora Philips, com apenas duas faixas (“Vexamão” e “Perdão não tem vez”) todas de autoria do Pelé. 

Pelé voltou a aventurar-se em um (quase) samba em 1977, quando, em parceria com Sérgio Mendes e a banda Brasil 66, lançou o LP “Pelé”, pela gravadora WEA. O disco, que priorizou o instrumental, contém a trilha sonora do filme que narrou a sua despedida dos gramados. O jogador estava no Cosmos, de Nova Iorque, dando um banho de marketing e atraindo uma legião impressionante de novos adeptos do soccer nos Estados Unidos. No disco, fazendo dueto com Gracinha Leporace, Pelé canta “Meu mundo é uma bola” e “Cidade grande”, que também foi interpretada por Jair Rodrigues, de quem Pelé foi grande amigo. 

Em 1979, Pelé lançou, pela Som Livre, um compacto simples com as músicas “Criança” e “Moleque danado”, de sua autoria. Para ouvir “Moleque danado” e várias outras músicas do Pelé basta acessar o site www.tidido.com e cadastrar-se gratuitamente. No link a seguir você vai direto para as músicas do Pelé: http://tidido.com/pt/a35184372128979/al5601335ae7c622686a871920/t5601335be7c622686a871a0f

JAIR RODRIGUES, AMIGO MAIS DE VIOLA QUE DE SAMBA

O saudoso Jair Rodrigues foi um grande amigo de Pelé. Um visitava o outro com relativa frequência. Jair foi, é verdade, quem mais procurava o Pelé. Ia muito a Santos só para botar o papo em dia com o ídolo e falarem mais de música que propriamente de futebol. “Quando chegava, o Pelé já estava com o violão dele lá me esperando”, disse Jair, em uma entrevista à TV Bandeirantes, contando, também, como o gosto musical de Pelé é versátil: “Esse violão ele acabou me vendendo. Tenho ele até hoje. Chegava na concentração ou na casa dele, o Pelé já vinha me mostrando. E não era só samba, porque ele gostava de todos os ritmos, assim como eu. Além de jogar uma bola finíssima encontrava tempo de compor boas músicas.”

A amizade entre ambos rendeu duetos que fizeram muito sucesso. O samba passou, porém, longe da amizade de Jair com Pelé. O intérprete, que notabilizou-se por muitos sambas de sucesso, gravou três canções assinadas por Pelé. Todas elas longe, contudo, do quesito samba. Enquadram-se no estilo moda de viola. Ei-las, portanto: “Recado à criança”, gravada em 1974; “Cidade grande”, em 1981, e “Violeiro, violeiro”, em 1982. 

COM WILSON SIMONAL OU ‘TODO CANTOR QUER SER JOGADOR’

Em antiga reportagem do SporTV, Benedito Ruy Barbosa afirmou ter sido testemunha da vocação musical de Pelé. Garantiu ter presenciado Tite, um ex-ponta canhoto que jogou pelo Fluminense e pelo Santos, ensinar ao Pelé os primeiros acordes do violão. Pelé conta que nos primeiros momentos de Santos, alguns jogadores pintavam na concentração com uma viola e que ele os acompanhava, timidamente. “Quando eu era garoto, já pegava um violão e ficava dedilhando”, recordou Pelé, que foi intensificando o gosto pela música conforme o Santos ia conquistando tudo e todos. “Muitos compositores e cantores famosos visitavam a gente nas concentrações”, contou Pelé, na mesma reportagem do SporTV. Com o assédio dessa gente famosa, a musicalidade definitivamente o envolveu. Além de Elis Regina e Jair Rodrigues, Wilson Simonal foi uma destas celebridades musicais da época que se aproximaram de Pelé. Em 1967, gravou, inclusive, uma composição do craque santista, a letra de “Gosto tanto de você”, que integra o  LP “Alegria Alegria vol. 2”, lançado pela Odeon. 

Wilson Simonal esteve bem perto de Pelé no momento mais importante da carreira do craque: o “tri” na Copa do Mundo de 1970, no México. Simonal foi convidado pelos cartolas da antiga CBD (Confederação Brasileira de Desportos) para acompanhar a delegação no Mundial. A missão do cantor era entreter a rapaziada com muito samba para que ficassem calmos e tinindo em campo. Missão, pelo visto, devidamente cumprida. O Brasil ganhou todas as pelejas e Pelé se consolidou como o maior atleta do século XX.


No documentário “Ninguém sabe o duro que dei”, de Calvito Leal, do “casseta” Cláudio Manoel e de Micael Langer, Pelé reconheceu em Simonal uma figura ímpar da MPB. Era uma ocasião na qual o cantor rivalizava em popularidade (vejam só…) com Roberto Carlos. “Simonal foi uma espécie de cantor oficial da delegação [do Brasil, na Copa de 70]. Ele fazia um imenso sucesso no México tanto quanto Pelé”, confirmou Nelson Motta, em depoimento para o filme biográfico do cantor.

Wilson Simonal e Pelé eram carne e unha. Juntos promoveram ensaios musicais divertidíssimos para os jogadores. A amizade entre ambos afirmou-se no México. “Pô, eu chegava no aeroporto e todo mundo pedia autógrafo pra ele [Simonal]. Quer dizer, parecia que ele era um jogador de futebol. Aquela coisa que você sabe, né, de boleiro com cantor. Ele dizendo que era bom de bola, que gostava de bater bola. Eu tinha um [campo de futebol] society lá na minha casa, aí nós brincamos lá. Aí começou nossa amizade. Pô, é impressionante. Todo cantor quer ser jogador e todo jogador quer ser cantor”, declarou Pelé também para o filme “Ninguém sabe o duro que dei”.

Simonal acabou se tornando mais que apenas o cantor oficial da delegação. Foi uma mascote, um querido amigo de todo mundo. O clima descontraído permitiu aos jogadores promoverem uma brincadeira com o cantor. Durante um treino, ele deveria jogar para um leve e descompromissado “teste”. Os craques deixavam o cantor se sentir “jogador”. Simonal passava a bola, conduzia a pelota… só dava o “craque” Simona na pelada dos craques. No documentário, Chico Anísio recupera uma história surreal. Zagallo tinha dúvidas se levava para o México o ponta-direita Rogério do Botafogo ou o terceiro goleiro, no caso o Leão, do Palmeiras. Carlos Alberto Torres, o “Capita” de 70, emendou a sugestão, naturalmente na maior galhofa: “Zagallo, pra que levar o Rogério se o Simonal está aqui? O ‘Simona’ entende, joga uma bola redonda”. Zagallo embarcou na piada do Capita e perguntou ao Simonal: “Você joga, Simonal?”. O treinador do escrete ouviu na lata: “Bato uma bola…”. Um todo prosa Simonal mordeu a isca e Zagallo o convidou para uma “preparação física pra valer” na manhã do dia seguinte. Tudo à vera, sem “brinca”. “Se você estiver bem, eu te inscrevo”. Um confiante Simonal acreditou.

“Ele [Simonal] achava que estava bem, que era atleta e ele falou assim: ‘Pô, vou fazer uns dois toques’, porque a gente fazia brincadeira de dois toques, né? Aí, recreação… ele falou: ‘Vou fazer dois toques com vocês aí’. Aí eu falei: ‘Tá legal’, aí arrumamos pra ele fazer o dois toques. Botou o uniforme, botou a chuteira, tudo. Eu me lembro como se fosse hoje. Aí, ele foi fazer o dois toques. Quinze minutos de aquecimento, pô, ele se sentiu mal. Lá no México é alto, pô, deu um piripaque nele. Aí, ficou lá, teve que vir o doutor dar um oxigênio e tudo pra ele”, recordou Pelé, às gargalhadas, para o documentário sobre Simonal.

Simonal desmaiou para valer. Somente quando acordou é que percebeu que tudo não passava de uma gozação. Até ali, o cantor acreditava piamente ser ele o ponta-direita da seleção na Copa de 70.


Claudia Cardinale

A Copa do Mundo de 1970 rendeu muitos sambas, como o “breque” “Moreira da Silva contra 007”, do rubro-negro Moreira da Silva, o grande “Kid Morengueira”, o último malandro de raiz de que se teve notícia. Ele, com o parceiro de composições, o jornalista Miguel Gustavo (autor também da famosa “Pra frente Brasil!”, criaram uma letra tão surreal que nem mesmo o artista surrealista Salvador Dali ousaria pintá-la. A música narrava um hipotético quiproquó de Pelé com James Bond por causa da atriz Claudia Cardinale. O narrador inicia a comédia trágica assim: “Moreira da Silva contra 007. Sexo e violência no mais espetacular filme de espionagem do famoso diretor americano Abelardo ‘Chacrinha’ Barbosa. Com James Bond, Claudia Cardinale e Edson Arantes do Nascimento.”

No final das contas, Claudia Cardinale teve um caso com Pelé, em Santos. “A bonitinha não percebe a tabelinha que ele faz/ Pelé controla a Cardinale, dá-lhe um beijo e avança mais”. Mas Bond flagrou os dois na maior pegação na piscina do hotel/ concentração e partiu para cima do craque empunhando um soco-inglês. E quem surge para salvar nosso ídolo das garras do famoso espião britânico? Ora, ora, ora, meus caros… ele, somente ele, poderia salvar o nosso Pelé: o trepidante agente “Kid Morengueira”, que levou James Bond para o (argh!) Dops e descobriu a “trama sórdida”: queriam sequestrar Pelé para que não jogasse contra a Inglaterra. Malandramente, Moreira da Silva desvenda o “crime” e leva como “brinde” a estonteante Cardinale para jogar um emocionante pif-paf e comer uma pizza no Brás.  

A Copa do Mundo de 70 passou, mas Pelé permaneceu. Jorge Ben Jor, que tantas músicas fez sobre futebol (maciça maioria dirigida ao Flamengo e a Zico), talvez tenha sentido uma certa culpa por jamais ter reverenciado o maior de todos os gênios do futebol. Foi redimido pela “O nome do Rei é Pelé”, do álbum “Reactivus Amor Est (Turba Philosophorum)”, de 2004: “Dondinho e Celeste idealizaram e fizeram o rei chamado Pelé/ O nome do rei é Pelé, o nome do rei é Pelé/ Pelé de todos os tempos/ Incomparável Pelé, Pelé/ Pelé da arte e da magia”. A música, contudo, não foi das mais empolgantes do cracaço da MPB.

Em 1982, com o país em polvorosa por conta da seleção do Mestre Telê Santana, Moraes Moreira, outro craque da MPB, decidiu homenagear aquele inesquecível escrete na música “Sangue, Swing e Cintura”, mas, evidentemente, sem esquecer o maior jogador da história: “O rei aqui é Pelé/ Na terra do futebol/ Olé! É bola no pé/ Redonda assim como o sol/ Seja no Maracanã/ Ou num gramado espanhol”.

Foi a partir daquele ano da frustrante participação do Brasil na Copa do Mundo da Espanha que Pelé foi, aos poucos, sumindo das composições da MPB. Ele, por sua vez, também foi se esquivando do samba e permanecendo mais no gênero sertanejo. Algo mais próximo de samba, com nítida pitada de rap, o ídolo só voltaria a fazer em 2016.

O hit “Esperança” foi uma vã tentativa de manter a imagem de Pelé vinculada a da Olimpíada de 2016. A música não emplacou e Pelé sequer deu pinta na abertura dos Jogos, no Maracanã. Alegou que estava com a saúde frágil. O que é a mais triste verdade. Nosso ídolo maior do futebol vem enfrentando uma barra pesada com as fortes dores no quadril após uma cirurgia malsucedida realizada por médicos americanos.

O tempo passa e nenhum outro jamais superará o “Rei do futebol”, seja nos gramados ou nas letras da MPB. Pelé — perdoem-me o chavão — é único e insuperável. O que mais, afinal, poderia ser dito sobre um dos maiores gênios da humanidade no século XX? Pelé é definitivo. Caetano Veloso estava certo: “Pelé disse love”… e fez isso para o mundo. Pelé, meus caros, é um samba de uma nota só. Inigualável nas partituras do futebol e da vida.

GARRINCHA NO SAMBA E NAS CAMAS

por André Felipe de Lima


Iniciamos ontem uma série sobre samba e futebol. Hoje, 25, damos sequência a esta viagem musical falando do personagem (ao lado de Pelé, naturalmente) mais eloqüente da história do futebol brasileiro: Garrincha.

Muitos sabem que Garrincha teve compostos em sua homenagem algumas belas letras da MPB, como a emocionante “Balada número sete”, assinada por Alberto Luiz, em 1971, na voz de Moacyr Franco. Não se trata de um samba, mas a letra é verdadeiramente comovente e traduz com fidelidade a trajetória de Garrincha até aquele ano. 

Mas o papo aqui é sobre samba, e o samba entrou em definitivo na vida de Garrincha graças a Elza Soares, imediatamente após se conhecerem, em 1962, pouco antes da Copa do Mundo, no Chile, na qual Garrincha “ganharia sozinho”, como muitos dizem, a disputa pelo caneco. O início do relacionamento com Elza promoveu uma reviravolta na vida de Mané, que, socialmente mais refinado, passou a freqüentar rodas de samba e até montou, com ela, um bar, que não deu certo. Mané arriscou-se, inclusive, como compositor e escreveu duas letras de samba para a voz de Elza Soares: “Receita de balanço” e “Pé redondo”.


Garrincha e Elza

O saudoso repórter Mário de Moraes — o primeiro vencedor da história do também saudoso e inesquecível Prêmio Esso de Jornalismo — registrou (na revista O Cruzeiro, de julho de 1962) o “ingresso” de Garrincha no mundo do samba:

“Mané Garrincha, que sambou como quis frente a “João” de toda ordem, e balançou muita rede internacional com seus chutes de endereço certo, volta ao cartaz numa nova faceta, bem diferente da que o fez famoso. Garrincha, agora, fará os outros sambarem, dando receita para balanço. Não é conselho para furar arco adversário, mas forma acertada de cair no mais autêntico samba brasileiro. Porque Mané virou sambista. E, na base do teleco-teco, lançou seu primeiro sucesso, que tem como título ‘Receita de Balanço’. E, com intérprete, Elza Soares, a bossa em pessoa.

“Há dias Elza Soares preparava, na cozinha da sua bonita casa da Ilha do Governador, um bem temperado feijão, quando ouviu o ritmado assovio. O samba não era conhecido. O assobiador, sim. Mané Garrincha surgiu, e com ele o diálogo:

“— Onde aprendeu esse samba, Neném?
— Não aprendi, Crioula. É meu.
— Seu? E tu é sambista?
— Não sou, mas dou meus assobios.

“A música era gostosa. Faltava a letra. Ali mesmo, entre pratos e panelas, Mané Garrincha preparou a primeira parte. Depois do almoço, saiu a segunda. Elza deu uns retoques, e veio o batismo: “Receita de Balanço”.

“— Vou gravar esse samba, Neném.
— Deixa pra lá, Crioula.
— Mas, ele é muito bonito.
— Então, é todo seu.”

A reportagem de Mário de Moraes também destacou o interesse imediato da Odeon, que imediatamente agendou a gravação do samba semanas depois de ouvi-lo. “Receita de Balanço” integrou um disco vinil compacto com mais três sambas. “O morro”, “Bossambando” e “Na roda do samba”. Garrincha formou a lista de compositores do pequeno álbum com gente bamba. Além do Mané, estavam lá, no vinil, músicas assinadas por Carlinhos Lyra, Helton Menezes e Orlandivo, que, lamentavelmente, morreu neste ano.

OUÇA AQUI “PÉ REDONDO”: http://www.musicasamba.com/elza-soares/um-show-de-elza/pe-redondo-garrincha/


Angelita Martinez

Antes da sensacional, épica, cinematográfica e dançante história de amor de Garrincha e Elza Soares, Mané manteve, em 1958, um flerte acalorado com uma das mais destacadas vedetes brasileiras do teatro rebolado: Angelita Martinez, que foi filha de outro ídolo do futebol brasileiro, o zagueiro Barthô, que brilhou na já extinta A.A.São Bento (sendo campeão paulista em 1925) e no antigo C.A.Paulistano, com o qual conquistou vários títulos e no qual jogou ao lado de Friedenreich e Filó Guarisi.

Angelita, destaca Ruy Castro na excepcional biografia “Estrela solitária — Um brasileiro chamado Garrincha” (Companhia das Letras/ 1995), chegou a manter um relacionamento com o ex-zagueiro Pavão, do Flamengo, e outro bem mais rumoroso e turbulento com o ex-presidente João Goulart, que parou inclusive nas páginas policiais. Mas com Mané foi mais tranqüilo e célere.


Angelita e Pavão

Em 1958, o genial (e inveterado rubro-negro) Wilson Baptista compôs, em parceria com o bicheiro Jorge de Castro e Nóbrega de Macedo, a marchinha “Mané Garrincha”. Escalaram Angelita Martinez para dar voz à canção. Preocupados em fazer da marcha sucesso no Carnaval de 1959, encontraram como estratégia uma visita surpresa de Angelita a General Severiano, em pleno treino da moçada do Botafogo. Ela, obviamente, sedutoramente vestida com a camisa alvinegra. Somente isso e as fotos publicadas pela imprensa de Garrincha ao lado dela poderiam — acreditavam os sambistas — emplacar a marcha.

No campo do Botafogo Angelita reinou naquela tarde. Posou ao lado de Mané para os flashs e um gabola Garrincha virava-se para os companheiro a dizer: “Vocês são uns trouxas. O degas aqui está com tudo.”

Ruy Castro escreveu que naquele mesmo dia Garrincha e Angelita iniciaram um caso. Àquela altura, Garrincha morava, no Rio, com Iraci, a rival de Nair – a primeira esposa de Mané —, que morava em Pau Grande com a filharada do casal.

Para tentar despistar Iraci, dizia: “Amor, hoje não vou poder ficar. A Angelita vai ensaiar a minha música e quer que eu escute” ou “Amor, estou chispado. Tenho de ir com Angelita num baile em que ela vai cantar a minha música”. E a música foi mesmo longe.

A letra da marchinha diz: “Mané, Mané /Até hoje meu peito se expande/ Mané que brilhou lá na Suécia/Mané que nasceu em Pau Grande”. Esta última frase era a mais efusiva nos shows de Angelita, quando a plateia, sarcasticamente, alterava a letra e cantava (em alto e bom som): “Mané que nasceu de pau grande”. Sobre isso, assim escreveu Ruy Castro: “Com toda a sua quilometragem masculina, [Angelita] nunca vira ninguém como ele. Garrincha devia ter em torno de 25 centímetros.”

A diretoria do Botafogo parecia não implicar com o relacionamento de Mané e Angelita, apenas João Saldanha torcia o nariz. A marchinha teve um sucesso tão efêmero quanto o caso dos dois amantes.

Como destaca o historiador da MPB, Renato Vivacqua, Garrincha foi, talvez, o jogador mais citado em sambas. O mesmo Jorge de Castro, com Luiz Wanderley, compôs “O feiticeiro da pelota”, cujo áudio, infelizmente, não conseguimos obter, mas vai lá a letra: “Olé, Olé, O feiticeiro da pelota é seu Mané/ Garrincha em Viña del Mar/ Fez a platéia vibrar/ O feiticeiro do mato/ Foi o herói do bi-campeonato.”

Mais recentemente, o ardoroso botafoguense Vinícius Cantuária fez singela e gostosa homenagem ao Botafogo, destacando na letra, claro, Mané Garrincha.

Garrincha foi assim, samba no gramado, samba na vida. Samba no destino. Um épico samba de todos nós.

NEGO BOM DE BOLA

texto: André Mendonça | vídeo e edição: Daniel Planel

O pré carnaval já começou no Rio de Janeiro e é claro que a equipe do Museu da Pelada, repleta de foliões, não ia ficar de fora dessa! Depois do sucesso na estreia, em 2016, o bloco Fla Master volta a desfilar na Praia da Barra da Tijuca neste ano e homenageará Adílio, “O Nego Bom de Bola”.

Como um craque que deu tantas alegrias aos torcedores rubro-negros não poderia ter um samba meia boca, Francisco Aquino, um dos líderes do bloco, convocou uma equipe de primeira qualidade e a equipe do Museu da Pelada teve a honra de marcar presença na gravação oficial do samba.


O timaço de bambas escalado por Aquino seria uma verdadeira panela no mundo das peladas: Mauro Diniz (cavaco e voz), Gilson Verde (violão de sete cordas) e João Diniz (voz). Para completar essa seleção, o próprio Adílio e o amigo inseparável Júlio César Uri Geller soltaram a voz na gravação do samba em um estúdio no Méier. Júlio César Uri Geller, aliás, mostrou estar com o físico em dia ao chegar ao local da gravação com sua bicicleta.

Embora a direção e produção da música tenha sido de Mauro Diniz, considerado o Zico do samba, a composição é do saudoso Marechal, vizinho de Adílio na Cruzada São Sebastião, e relembra brilhante trajetória de um dos maiores ídolos do Flamengo.

O desfile do Fla Máster acontece no dia 18 de fevereiro, a partir das 14h, no Posto 5 da Praia da Barra, e reunirá grandes craques do passado! Se você for rubro-negro…

NEGO BOM DE BOLA

Lá vem o Nego bom de bola, meu irmão
Morou na Cruzada e hoje é craque do Mengão


No campo quando começa a jogar
Fazendo o seu gingado é difícil de marcar
Finta pra lí, finta pra lá, finta pra cá
Com a bola nos pés ninguém consegue lhe tomar.

Eu vou dizer, você não vai acreditar
Quando o Nego pega a bola dá um show particular
É gol do Mengo, gol de Zico que olé
Foi passe de Adílio sempre com a bola no pé

Mas esse Nego é tão fácil de encontrar
Quem quiser ver o Adílio escuta o que eu vou te falar
Muito antes de cada jogo do Mengão
Ele está lá na Cruzada
Ou na Praia do Leblon

Lá vem o Nego…