Escolha uma Página
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

PC Caju

PAPÉIS INVERTIDOS

:::::::: por Paulo Cézar Caju ::::::::

Ontem foi celebrado o Dia dos Pais e foi bacana demais ver os estádios ao redor do Brasil lotados de família! Em tempos de ônibus apedrejados e brigas de torcidas organizadas, foi um sopro de esperança e até me lembrou os áureos tempos de Maracanã e Geral.

Como meu filho mora na Suécia, aproveitei a data para sentar no sofá e assistir todos os jogos possíveis. Comecei pela manhã vendo o futebol europeu e só fui parar à noite depois da goleada do Internacional contra o Fluminense. Fico abismado ao ver como os papéis se inverteram de uma forma tão rápida. Há pouco tempo atrás, os europeus tentavam de tudo para imitar os brasileiros e, convenhamos, não chegavam aos nossos pés. A ginga, o toque de bola e a irreverência estavam no nosso sangue, nas peladas, e ninguém conseguia nos parar!

Vendo os jogos de ontem, ficou ainda mais nítida a disparidade. Enquanto lá a bola roda de pé em pé, os fundamentos são bem executados e os jogadores sabem suas funções dentro de campo, por aqui regredimos e vemos um bando desordenado em campo.

Muito se falou que o 10×1 (7 da Alemanha e 3 da Holanda) seria um choque de realidade para virarmos a chave, mas não vi nenhuma evolução até então! Pelo contrário…

Faltam menos de 100 dias para a Copa do Mundo, já vejo amigos comprando a camisa nova que está uma fortuna e não consigo nem escalar os 11 da nossa seleção! A minha única esperança é que a zebra dê as caras e nos ajude nesses 7 joguinhos…

Pérolas da Semana:

Resolvi simplificar para os leitores e traduzir algumas delas:

Ligação direta é o mesmo que dar um chutão para frente. Uma linha de quatro é composta por lateral-direito, beque central, quarto-zagueiro e lateral-esquerdo. Centro-médio na frente da zaga fazendo a cobertura. Outra linha de 5 é o mesmo que ponta-direita, meia-direita ou meia armador, centroavante, meia-esquerda e ponta-esquerda. No linguajar dos ditos-cujos seria 5+1.

“O jogador centralizado ou verticalizado fura ou quebra as linhas por dentro com dinâmica compactuada e semente espetada. Assim, dá tapa na bola viva encaixotada ao invés de toque para assistência pelas beiradas”.

E aí, geraldinos da antiga? Entenderam a baboseira?

BANCOS DESTEMPERADOS

:::::::: por Paulo Cézar Caju ::::::::

Quando você ganha ingresso vip para assistir o jogo de seu time e em cima da hora desiste de ir por total falta de interesse é porque há algo de muito errado acontecendo com você, com o clube do coração ou com os dois. Estou com 72 e meu nível de tolerância só aumenta. Juro, sem exageros, pouquíssimas coisas prendem minha atenção nesse Brasileiro.

A mídia paulista vinha exaltando esse Corinthians e eu nunca consegui enxergar o que eles viam. E se ele está no alto da tabela é porque algo de muito errado realmente vem acontecendo! Ficou na roda para o Flamengo, assim como o Inter, de Mano, outro que a mídia adora colocar em outro nível. Ontem, com um jogador a menos, o Fortaleza deitou e rolou com o time gaúcho. Ah, mas estava com o time reserva defenderão os “especialistas”. Graças a Deus o presidente do Fortaleza manteve o técnico, que montou um time que há tempos vem dando prazer de assistir.

O Ceará também tenho gostado. E o mais engraçado de tudo é como a mídia dança conforme a música. Agora o Fernando Diniz é gênio e o Ganso é fora de série. Sempre defendi os dois pelo simples fato de entenderem o futebol como espetáculo e não um circuito de Fórmula 1.

Hoje quem faz espetáculo são os torcedores. Viram o show que a torcida do Bahia deu? Recorde de público e um colorido especial para incentivar um time limitado. A do Vasco vem fazendo o mesmo. Como pode haver espetáculo se os “comandantes” desrespeitam os árbitros e incentivam o anti-jogo? Nesse Brasileiro, já foram expulsos 100 integrantes das comissões técnicas! Ninguém vai fazer nada? Um monte de “aspone” tumultuando o jogo e a CBF vai seguir permitindo? Desde que retornou ao Atlético-MG como herói, Cuca ainda não conseguiu fazer o seu time jogar!

Já está ruim e ainda recebo a notícia da morte de Jô Soares, artista completo, múltiplo, que entregava ao público um conteúdo de bom gosto, divertido, relevante. Assim como Chico Anysio, Renato Corte Real, Ronald Golias. Hoje para fazer rir os “humoristas” apelam para os gritos e palavrões, assim como os treinadores e suas comissões técnicas. Mas vão me chamar de nostálgico, o Ganso de lento, o Diniz de viajandão e o Tite de gênio. Mas, vamos em frente e um beijo do Gordo! Quer dizer, do PC!!!!

Pérolas da semana:

“Fazer a leitura de jogo em tempo integral para enxergar o ponto futuro e dar um tapa na cara ou orelha da bola. Assim, o ala consegue uma conexão na diagonal para sustentar a carga no combate pegado”.

“Quebrou a linha de três da defesa com tráfego intenso e goleiro monólogo, mas o falso 9 foi atropelado pelo atacante agudo”.

Analistas de computadores, futebol você enxerga e tem visão de jogo, não se lê!

AMARELINHA BANALIZADA

:::::::: por Paulo Cézar Caju ::::::::

Em uma resenha depois da pelada com os amigos, um deles me pergunta: “PC, você sabe de cabeça o meio-campo da Seleção?”. Se essa pergunta fosse feita nos áureos tempos do nosso futebol, qualquer brasileiro saberia sem pensar duas vezes, mas hoje a realidade é outra! Depois de alguns segundos pensando, lembrei que é formado por Casemiro, Fred e Lucas Paquetá. Nada contra esse trio, mas eu é que devo estar mal acostumado mesmo! Vestir a amarelinha era um privilégio para poucos e quem era convocado fazia de tudo para permanecer no grupo. Lembro como se fosse ontem da minha primeira convocação e o quanto a gente respeitava a amarelinha. Ninguém da minha época falava que chegaria lá e atualmente qualquer jogador da base já fala em ser convocado! A concorrência era grande e várias lendas do futebol brasileiro tiveram pouquíssimas ou nenhuma oportunidade. Ademir da Guia, Dirceu Lopes, Eduzinho, Antunes, Zé Carlos, Paulo Borges, Samarone, Alladin, Lula, Silva, Denílson, Spencer e Parada foram alguns deles e eu poderia passar horas aqui citando vários outros nomes. Na minha época, cada clube tinha de 5 a 6 craques e tenho certeza que esses clubes batiam de frente com qualquer seleção atual. Hoje em dia, a Seleção virou um balcão de negócios e volta e meia aparece um que eu nunca ouvi falar na vida! Faltam quatro meses para a Copa do Mundo e confesso que nunca estive tão desacreditado. Podem falar que eu sou ranzinza, chato, reclamão, mas está cada dia mais difícil ver uma luz no fim do túnel. O 10×1 (7 da Alemanha e 3 da Holanda) era pra ter sido uma lição, mas, sinceramente, acho que até pioramos de lá pra cá! Antes que falem besteira, sou brasileiro e vou torcer até o fim! Vamos aguardar as cenas dos próximos capítulos!

Pérolas da semana:

“Ligação direta ao jogador de lado de campo com o pé dominante chapando por dentro na cara ou na orelha da bola, elevando o jogo pegado e fazendo a transição entre os setores”.

“Chama a bola de coberta e o volante proativo que faz o encaixe com sustentação de lado com intensidade mental e atmosfera que oferece ao falso 9 uma marcação alta ou baixa para quebrar a linha de cinco e matar a bola viva ou queimando de um time espetado”.

PASSADO X PRESENTE

::::::: por Paulo Cézar Caju ::::::::

Certa vez, eu e Gerson Canhotinha de Ouro resenhávamos com a turma do Museu da Pelada quando Guilherme Careca, ironicamente, nos perguntou se os jogadores de antigamente conseguiriam atuar no futebol atual. Gerson, deu uma cortada radical: “Não jogaríamos de vergonha!”. Essa é uma questão totalmente sem sentido e a grande prova disso são os veteranos que seguem fazendo o seu pé-de-meia a cada rodada. Diego Souza fez um “de bicicleta”, Nenê continua carregando o Vasco nas costas, o Avaí acaba de anunciar Guerrero, Fábio vem salvando o Fluminense, o Corinthians está lotado de jogadores experientes, Miranda segue dominando os velocistas e Ganso vem jogando o fino da bola. E reparem o Ganso jogando, um toque só, parece estar em câmera lenta, como nos bons tempos do Canal 100. Mas alguns especialistas insistem com essa tese. Os jogadores atuais correm sem qualquer propósito, falta inteligência. Já dizia o genial Gentil Cardoso: “Quem se desloca recebe, quem pede tem preferência”. Ou também tem outra expressão famosa: “Quem corre é a bola”. Alguns atletas chegam a perder três quilos em um jogo e se formos avaliar sua atuação ela beirou a zero. Mas a mídia adora aquela chatice de “mapa do calor”. Por que insistem com essa chatice? É GPS, análise de desempenho e um monte de firulas. Tem chip em chuteira, uma penca de equipamentos tecnológicos, mas os jogadores sequer sabem dominar uma bola, fazer um cruzamento, bater uma falta. Os “velhinhos” atuais vão jogar até os 100 anos porque sabem tocar a bola, conhecem os setores do campo. O lateral Fábio Santos fez dois gols para o Corinthians e venceu o Galo, de Hulk. Dois veteranos que se destacam mesmo sem terem essa qualidade toda. Se eles conseguem, imaginem um Marco Antônio, de Vasco e Flu, e um Jairzinho Furacão!!! Meu Deus, o Jairzinho hoje faria 100 gols! A nova geração está lascada! Aprende a correr com os professores de Educação Física e o resto é o que acompanhamos nos estádios, uma lástima. E sabe porque não vai melhorar. Porque no intervalo das partidas, nas entrevistas, os jogadores repetem o discurso: “Agora, vamos para o vestiário ver o que o professor tem para falar”. Esqueçam, os professores não têm absolutamente nada a dizer!

Pérolas da Semana:

“A filosofia vai contra a dinâmica do jogo, tendo terceiro zagueiro jogando profundamente, dando tapa na bola e fazendo ligação direta no último terço do campo. Dessa forma, centraliza por dentro para morar no ataque ou encontrar o losango na frente”.

“Mais consistência na ideia para gostar do jogo e baixar a intensidade de um time reativo, azeitando os alas pelo lado do campo para encontrar o nove raiz. O objetivo é equilibrar a balança entre o emocional e o racional”.

Agora tem até torneio de X1. Nosso futebol está virando um circo mesmo!

SOPRO DE ESPERANÇA

:::::::: por Paulo Cézar Caju :::::::

Não sei se minha coluna está tendo alcance internacional, mas fiquei feliz que minhas preces começaram a ser atendidas lá nos Estados Unidos! Ainda estamos engatinhando, mas vi que aplicaram uma regra que o jogador que pedir atendimento médico precisará ficar fora de campo por, no mínimo, três minutos. É um começo? Claro que é, mas vale ressaltar que o mal tem que ser cortado nas divisões de base!

Não acho que isso será o suficiente e já deve ter até dirigente tramando nos bastidores uma forma de fazer um rodízio para que os jogadores simulem no momento oportuno. Nada mais me surpreende!

A punição deveria ser severa, incluindo expulsão, multas milionárias e até exclusão do campeonato! Dessa forma, acho que consigo ver uma luz no fim do túnel!

Na rodada do fim de semana, como de costume, teve jogador rolando, técnico expulso, árbitro xingado e por aí vai! Sabe qual é o pior? Acompanhei alguns jogos da categoria de base e a falta de educação é a mesma! Os pais, irmãos e amigos dos garotos soltam palavrões a todo momento e às vezes até saem na mão com os familiares do outro time!

Em relação ao desempenho dos jogadores, vimos mais um show de horror! Sem querer crucificar o lateral do Flamengo, mas aquele lance que ocasionou o gol contra é o reflexo da situação atual do nosso futebol! Uma bola fácil, sem ninguém pressionando e ele colocou para o fundo da rede. O domínio é um fundamento básico que, na minha época, treinávamos exaustivamente.

Sabem o que é isso, né? Hoje em dia a prioridade é correr 200km por jogo, dar trombadas e carrinhos por aí! Precisamos urgentemente olhar para os detalhes que compõem o nosso futebol!

Pérolas da semana:

“Ligação direta durante o jogo em direção aos três zagueiros, com o apoio do alas, para zerar a bola viajando por dentro e na faixa central. Dessa forma, cria-se um espaçamento confortável do time jogando por uma bola (como se tivesse outras no campo)”.

“O lateral do Flamengo não teve o fundamento e, ao rebater, a bola pegou na goiaba do pé”.

“Nas trocas do 4-4-2 por um modelo clássico de linha de 5 e 4 na frente, tendo amplitude e encorpando os volantes para o lado do campo e criando a opção do movimento corporal do 9”.