Escolha uma Página

Escurinho

ESCURINHO, O QUE BRILHAVA COMO UMA SARAH BERNHARDT EM PRIMEIRA AUDIÇÃO

Nelson Rodrigues estava certo, Escurinho foi um grande ponta-esquerda e tornou-se merecidamente ídolo histórico do Fluminense. Após deixar os gramados. o craque passou a dirigir um táxi. Escurinho morreu ontem, no Rio de Janeiro, aos 90 anos.

por André Felipe de Lima


Não foi somente o torcedor do Fluminense a perder seu ídolo ontem [12]. Escurinho era querido também por torcedores do Villa Nova, de Minas Gerais, pelo qual foi, inclusive, campeão mineiro pouco antes de migrar para as Laranjeiras. Benedito Custódio Ferreira [seu nome de batismo] nasceu no dia 3 de julho de 1930, em Nova Lima, interior de Minas Gerais. Começou no Olaria, de sua cidade natal. Depois, foi para o juvenil de Morro Velho e mais tarde transferiu-se para Itabira, atuando no elenco do Valeriodoce, ficando na cidade por cinco anos.

Em 1951, Escurinho foi levado por Americo de Souza para o Villa Nova, time que dirigia e que foi campeão mineiro no mesmo ano, permanecendo no clube até 1953. Foi convocado por Martin Francisco para defender a seleção de Minas Gerais. Seu primeiro contrato no Villa Nova foi de 500 cruzeiros mensais, passando depois para 1.200. Recebeu 10.000 cruzeiros de prêmio pela conquista do título de campeão mineiro, além de um emprego de motorista de caminhão e 2.000 mensais.

No Villa Nova. Escurinho jogava com o meia Gato, jogador vindo do Triângulo Mineiro. Ambos eram considerados “almas gêmeas”. Com os dois tocando a bola, era gol na certa. Escurinho ganhou o apelido de “Homem-gol” e Gato o de “garçom”.

Defendendo o Villa Nova, Escurinho conquistou a torcida. Logo aquele rapazola extremamente simpático começou a se destacar pela velocidade e habilidade, despertando o interesse do Tricolor carioca.

Em 1951, disputavam a “melhor de três” pelo título mineiro o Atlético e o Villa Nova. Os olheiros do Rio de Janeiro voltaram-se para Minas, principalmente para o quadro do Villa Nova, com craques que já demonstravam futuro. Ondino Vieira, então técnico do Bangu, viajou para ver, especialmente, Escurinho. Ao final da partida, Vieira confessou não ter visto nada de mais no atacante, que só chutava com o pé esquerdo. Levou para “Moça Bonita” o arqueiro Arizona e o centromédio Lito. Em 1956, Escurinho já fazia parte da seleção brasileira.

Escurinho vinha se destacando tanto que Zezé Moreira mandou chamá-lo para treinamento nos meses que antecederam a Copa do Mundo de 1954, na Suíça. Apesar de seu bom desempenho, Escurinho foi dispensado por condições físicas desfavoráveis. O extrema-esquerda acabou chamando a atenção do Fluminense, que o contratou por um valor inicial de 12 mil cruzeiros, mais os prêmios e “bichos” pelas vitórias. Chegou às Laranjeiras em 1954. Gato, a “alma gêmea” de Escurinho também ganhou um lugar ao sol e seguiu para o Botafogo.


Quando saiu do Villa Nova para o clube das Laranjeiras, Escurinho recebeu como prêmio pelos serviços prestados ao clube mineiro além de profissional correto e exemplo de disciplina, 100 mil cruzeiros.

Não demorou para que Escurinho se transformasse em ídolo tricolor. Nelson Rodrigues, ilustre torcedor do Flu, definiu o atacante em uma de suas antológicas crônicas: “Escurinho não foi um jogador de duas ou três jogadas. Absolutamente. De fio a pavio das batalhas, ele brilhava como uma Sarah Bernhardt em primeira audição […] os mesmos que xingavam Escurinho já começam a chamá-lo de “o maior”. Eu próprio já me incluo entre os seus entusiastas mais recentes e mais apopléticos.”

Escurinho envergou a camisa verde, branca e grená durante 10 anos. Atuou ao lado de ícones da história do clube, como Castilho, Pinheiro e Telê Santana e ajudou o clube a conquistar os campeonatos cariocas de 1959 e 1964, além de dois torneios Rio-São Paulo, em 1957 e 1960. Escurinho disputou 490 partidas e marcou 111 gols. Está entre os cinco jogadores que mais vestiram a camisa do Fluminense.

O ponta-esquerda esteve em campo em um dos maiores Fla-Flus de todos os tempos. Era a final do campeonato carioca de 1963 e — como diria Nelson Rodrigues — o “profeta tricolor” já cantava a vitória do Fluminense. No dia do jogo, 178 mil pessoas… isso mesmo, o maior público já registrado em uma partida entre clubes em todo o mundo, se acotovelavam nas arquibancadas do estádio para ver um encontro épico entre os dois eternos rivais. No fim do jogo, Escurinho teve a oportunidade de marcar o gol do título para o Flu. Errou a conclusão e o goleiro rubro-negro fez a defesa que garantiu o 0 a 0 e o título foi para a Gávea. No dia seguinte, a emblemática crônica de Nelson Rodrigues: “Amigos, eu sei que os fatos não confirmaram a profecia. Ao que o profeta só pode responder: — Pior para os fatos! E só.”

Escurinho também defendeu o Atlético Júnior Barranquilla, da Colômbia, a Portuguesa da Ilha do Governador — com a qual bateu o poderoso Real Madrid dentro do estádio Santiago Bernabéu, em 1969 — e o Bonsucesso, em 1970, onde encerrara a carreira.

O ex-ponteiro, diziam, fazia muito sucesso também com as mulheres, inclusive, a ponto de a imprensa vasculhar cada passo do jogador, como o noivado com Dalita, que se dizia encantada com Escurinho. A reportagem abordava, no entanto, de forma preconceituosa o que teria levado a jovem a enamorar-se de Escurinho. O título evidencia isso: “Quem ama o preto, branco lhe parece”. Mas o craque estava cima de qualquer deslize editorial. Nelson Rodrigues incumbiu-se de colocá-lo em um patamar bem mais elevado no altar dos ídolos tricolores. Mas de nada adiantou tanta badalação se apenas histórias o craque guardou daqueles tempos.

Escurinho não enriqueceu com o futebol. Logo após deixar a bola, em 1970, passou a dirigir um táxi na cidade do Rio de Janeiro. Esteve como quando começou a trabalhar ainda garoto, ou seja, na época em que dividia o futebol do Villa Nova, Escurinho dirigia caminhões. Poucos conheciam essa história, a do Escurinho caminhoneiro antes de chegar ao Fluminense.

Mito ou verdade, não se sabe, mas há uma história cômica contada por Gerson Soares — filho da intérprete e ex-companheira de Garrincha — da qual os personagens são Sabará, ex-ponta-direita do Vasco, Garrincha e Escurinho. Logo após a Copa de 1958, na Suécia, todos da comissão técnica e jogadores brasileiros ganharam um Renault Dauphine, um carro, notoriamente reconhecido, minúsculo. Mal cabem nele duas pessoas. Quiçá, quatro.


O roupeiro e massagista Assis, na lista dos felizardos. Mas o camarada não sabia dirigir o carango. Vendeu-o a Sabará, que por sua vez também desconhecia o ofício do volante. Como a amizade entre craques adversários estava acima dos embates campais, Sabará pediu a Escurinho que assumisse o volante. O roteiro diário era este: Escurinho deixava Sabará em São Januário; Quarentinha e Garrincha em General Severiano e Clóvis, nas Laranjeiras. Mas antes do despejo de craques em seus clubes, fazia o caminho inverso. Uma hora ou outra, o dono do carro teria que aprender a dirigir. E Escurinho, toda vez que passava por uma rua deserta na Ilha do Governador, ensinava Sabará os macetes do volante. O ponta vascaíno ouvia, às gargalhadas, as chacotas dos amigos. Garrincha, então, se esbaldava. O Mané era quem mais insistia que estava na hora de Sabará dirigir logo aquele carro. Passou um mês, lá foi Sabará, com a coragem que exibia nos gramados, fazer o mesmo no seu Renault. Quarentinha e Clóvis, aflitos. Garrincha, como sempre, sorrindo. Na Avenida Brasil, só barbeiragem. Quarentinha e Clóvis — espremidos no banco traseiro — pediam a Escurinho que os salvassem do “piloto” Sabará.

Ao chegarem a São Cristóvão, o inverossímil, vá lá, “acontece”. Escurinho pediu ao Sabará que entrasse na segunda rua à direita. Entrou na primeira. Uma carreta estava atravessada na pista. Sabará acelerou ao invés de frear. Já pensou, no mesmo carro, mortos, aquela leva de craques? Deus nos livre. E só poderia ter sido Ele mesmo para livrá-los do desatinado Sabará. O carro — de tão pequeno, mais parecia um brinquedo — passou por debaixo da carreta. Apenas, milagrosamente, um arranhão no teto do automóvel. Um guarda viu a cena. Ligou a sirene da moto, seguiu-os e emparelhou com o carro de Sabará, que estava sem habilitação e acelerou ainda mais. Imagine o desespero dos “caronas”? Garrincha, aliás, o único que se divertia com a situação, pediu a Quarentinha para pôr a cabeça para fora do carro, somente assim, o guarda o reconheceria. Obviamente, o “Quarenta” mandou Mané para aquele lugar…

Sabará, enfim, parou o carro. O guarda, com a arma em punho, disparou: “Amigo, você é um ás do volante…”. Mas o guarda austero, não deu cancha para os craques e intimou todos a descerem do carro. Logo, reconheceu todos. Pediu que Escurinho assumisse o volante e fez questão de dar uma carona, na garupa da moto, a Garrincha até o treino do Botafogo. Uma época de lendas saudáveis sobre os nossos craques que não volta mais.