O CAMISA 10

entrevista: Paulo Escobar | texto: Marcelo Mendez | vídeo: Johnny Jamaica

Sou caipira pirapora nossa

Senhora de Aparecida

Ilumina a mina escura

E funda o trem da minha vida

Sou caipira pirapora nossa

Senhora de Aparecida

Ilumina a mina escura

E funda o trem da minha vida

O ano de 1978 começou da maneira mais bucólica provável na minha vida de menino de 8 anos de idade.

Havíamos acabado de nos mudar para nossa casa, só nossa, mas a saudade do quintal cheio de meus primos ainda era enorme e eu seguia por lá, junto deles na casa da Tia Leoni. As primas mais novas, Marlene, Silmara, junto de minha Tia Cida e da Tia Leoni se revezam entre afazeres de casa e outros trabalhos.

No rádio ligado, a música "Romaria" de Renato Teixeira, era sucesso na voz de Elis Regina, na trilha sonora da novela e eu que era bem afeito às coisas dos sons e do rádio já conseguia memorizar bem a canção. A vida de um só, em um destino de sonho e de pó e outras agruras que a música narrava, formava em minha mente um conjunto de imagens belíssimo.

Um orgulho enorme de ser Caipira, Pirapora Nossa. Como o time que vamos falar hoje, também do interior, também Caipira, também Gigantesco.

Esquadrões do Futebol Brasileiro volta 41 anos atrás para falar de um time esplendoroso; O Guarani de 1978.

O MINEIRO E A AVENTURA

A História do Guarani de 1978 pode ser contada por vários vieses. Mas acredito que optar por contar a coisa pelo momento em que o técnico Carlos Alberto Silva, oriundo da Caldense, chega em campinas, trazido pelo presidente Ricardo Chuffi, representa bem todas essas nuances.

Era começo de trabalho, o jovem treinador que havia feito bonito no Campeonato Mineiro, trouxe consigo o preparador físico Helio Mafía, com quem alias trabalharia a vida toda, para poder começar os trabalhos. Pelo Dirigente, foi informado que a grana era curta, que a moeda era escassa pelos lados do Bugre, mas que a base era muito boa.

Por lá, Silva encontrou jogadores como Manguinha, Renato, Mauro, Miranda, Adriano e um jovem de 17 anos que era um gênio; Careca. Juntou essas feras ao goleiro Neneca e ao meia Zenon que estavam no clube desde 1976, trouxe o zagueiro Gomes, o atacante Capitão e o craque de bola Zé Carlos, campeoníssimo pelo Cruzeiro e a partir daí montou uma base forte e sólida para a maior aventura de um time do interior do Brasil...

O BUGRE DE CAMPINAS VIRA O BUGRE DO BRASIL

O Campeonato Brasileiro de 1978 foi uma zona.

Desistências, inchaços com dezenas de clubes convidados, regulamento abilolado, um verdadeiro faroeste pelo Brasil afora. Nele, o Bugre deu lá suas osciladas para se classificar, mas chegando nas cabeças, foi passando por cima de Geral. Sport, Internacional, Santos, Vasco.. Cada qual com um épico para contar.

Contra o Internacional, o Grande Internacional dos anos 70, o Bugre foi ridicularizado por todos do sul por conta do que eles chamaram de "Ataque de Risos" em função do nome dos seus titulares; Capitão, Careca e Bozó. Resultado, um chocolataço de bola e 3x0 para os Campineiros.

Contra o Sport, Neneca garantiu o 2x0 fora e o time deu um baile de bola em casa, com um 4x0 Clássico no Brinco de Ouro. O Vasco viu Zenon calar o Maraca na semi com os dois gols do jogo sacramentando o 2x0 final. Faltava pouco, apenas a final. E aí que entra minha história...

O BRASIL DESCOBRE CAMPINAS

Em 1978 seguramente posso afirmar que é o ano de afirmação de meu Palestrianismo.

Meu Tio Bida e meu Pai me enchiam de camisa do Palmeiras, de bola do Palmeiras, de meia do Palmeiras e nem precisaria de nada disso. Eu já era Palmeirense desde muito antes deles saberem. Mas por aqueles dias eles estavam especialmente aflitos.

O Palmeiras que havia perdido a primeira da decisão do Brasileirão teria que ir decidir em Campinas sem Leão no gol, expulso por uma cabacice após agredir Careca, o que resultou em pênalti e 1x0 contra.

Do que me lembro daquela decisão foi a gente ir assistir ao jogo na casa da Tia Dete em São Matheus, na zona leste de São Paulo, onde havia por lá uma TV colorida. Isso era algo muito novo para época e então lá fomos, eu feliz da vida porque era sempre muito bom ir na casa da Tia Dete, meu Tio e meu Pai tensos, porque em campo, o Palmeiras ia ter um problemão para resolver.

O Guarani, sem o craque Zenon, suspenso por cartão, mas com todos os outros jogadoraços que fizeram essa campanha histórica deram um baile de bola no Palmeiras e coube a Careca, pegar um rebote de Gilmar para meter o gol que faria do Guarani o único campeão Brasileiro do interior do Brasil até então.

Uma festa, uma honra, uma coisa divina e ímpar poder ter visto aquele time jogar.

Esquadrões do Futebol Brasileiro os homenageia, portanto.

Guarani de 1978, um timaço!