SÓ ME RESTA PEDIR DESCULPAS

:::::::: por Paulo Cezar Caju ::::::::

pc 10.jpg

Escrevo essas mal traçadas linhas para pedir desculpas ao Maracanã e aos torcedores. É o que me resta. Meus gritos não são ouvidos e jamais serão. Estádio e torcedor aceitam tudo, menos esse descaso há que vêm sendo submetido há anos. O Maracanã passou por um lipoaspiração mal sucedida e cirurgias plásticas que o deformaram de vez.

O “maior estádio do mundo” queria envelhecer com dignidade, tomado por rugas e as marcas do tempo, registros de sua história. O Maracanã e sua inseparável torcida trazem cicatrizes que jamais serão apagadas pelos cirurgiões. A dor faz parte do espetáculo. Já choraram juntos em 50, mas estremeceram os pilares de felicidade com o gol de Romário contra o Uruguai. Maracanã e torcida, um depende do outro.

Os torcedores também foram transformados ao longo dos anos. Hoje, são brancos, belos e ricos. Duvido que saibam desfraldar uma bandeira gigante e tocar um repique. Duvido que o grito de gol saia das entranhas da garganta e que abracem o suadão do lado.

m3.jpg

Me perdoe por isso, Dulce Rosalina, Rução, Tarzan, Tia Ruth e o homem do pó de arroz. Todos já choraram. Nenhum deles se importa em sair do estádio com o coração em frangalhos, mas não barre nenhum deles, suplico. Me perdoe, Jayme de Carvalho e sua charanga, me perdoe rapaziada fantasiada da Geral. Como fui xingado por vocês, mas como amo vocês! Bastava eu colocar a mão na cintura, desistir da jogada, para a galera cair de pau, me xingar de tudo.

Xinguem-me, voltem e afaste de mim esse pesadelo!!! Renasçam!!! Me perdoe, Mário Filho, João Saldanha, Nelson Rodrigues e Ruy Castro. Ah, Maraca querido, imagino sua dor e peço perdão porque sei que nenhum dirigente o fará. Eles afastaram você de seu melhor amigo, o torcedor.

Vocês são o maior símbolo de união e parceria do futebol. Quantas decisões você presenciou, abarrotado, explodindo. Excelente anfitrião, era da filosofia do sempre cabe mais um. Hoje acham 50 mil muito, Kkkkk!!!

Mas, Maraca e torcedores, cá entre nós, essa decisão da Taça Guanabara merecia a atenção de vocês? Era melhor não ter visto mesmo, né? Até o gol do título foi sem querer, Kkkk!!! Adoraria abraçá-los, ser um polvo gigante para carregá-los no colo porque vocês já me deram muitas alegrias. Tristezas também, afinal essa mistura de sentimentos é o que resulta nessa nossa paixão ensandecida.

m4.jpg

Me perdoe, porque o perdão é o que me resta. A violência e o descaso com vocês chegou ao extremo, as grandes estrelas barradas no baile enquanto os egoístas brigavam por um lado. Sou do tempo em que quem tinha lado era disco, A e B.

Muita raiva por isso tudo e minha forma de extravasar é pedir desculpas, gritar o mais alto que eu conseguir. Ou, então, imitar a os geraldinos que no auge de sua ira, carregada de pureza, arremessavam seus radinhos de pilha no gramado.

NO BRASIL, SÃO TODOS INOCENTES

:::::::: por Paulo Cezar Caju ::::::::

PC 1.jpg

Confesso que estou anestesiado e até para escrever essas poucas linhas preciso buscar ânimo onde ele não existe. O noticiário tem me provocado náuseas. O que é o Brasil? Se algum desavisado ainda não sabe basta uma lida rápida nos jornais. E se esse desavisado tiver problema com a Lei e quiser iniciar suas negociatas por aqui, venha logo, não perca essa oportunidade!

Se quiser investir as opções são variadas: abra uma boate sem saídas de emergência, construa um prédio com areia da praia, monte um centro de treinamento em contêineres inflamáveis. No Brasil, famílias são soterradas por lama, tudo é festa e a impunidade reina!

Doze mortos em Santa Teresa, guerra de quadrilha. Na mesa ao lado, a senhora comenta: “Eles que se matem!”. Em Ipanema, o bloco Simpatia é Quase Amor arrasta milhares de foliões! Vamos comemorar!!!

Um amigo me disse que a diretoria do Flamengo está vendo nessa tragédia uma oportunidade, afinal enquanto alguns choram outros vendem lenços. Teria sido encomendado ao departamento de marketing um plano para sensibilizar nossos corações, principalmente o dos promotores do Ministério Público.

I2.jpg

A primeira ideia brilhante seria levar os sobreviventes do incêndio ao próximo jogo. Meninos, não aceitem isso, não deixem que esse caso seja transformado em teatro. O próprio Zico, maior ídolo do clube, pede que os culpados sejam punidos. Quem morreu não volta mais. Indenizações não podem servir de cala-boca, vidas não têm preço.

Desavisados, venham logo para esse país onde um belo dia de sol nos faz esquecer os desabrigados do Vidigal e da Rocinha, onde os temporais arrastam tudo menos os corruptos. Aqui o prefeito defende-se, o presidente da multinacional esquiva-se, o CEO do clube popular tira da reta. No Brasil, ninguém tem culpa, são todos inocentes. Aqui a democracia dá as cartas, país da opinião livre.

Na bancada do Sportv, a comentarista responde sobre o que achou da contratação do Cuevas pelo Santos: “É um jogador baixo, o Santos está cheio de jogadores baixos...”. Preconceito? Talento tem tamanho? E depois emenda sobre Carlos Amadeu, técnico da seleção sub 20: “É uma das maiores referências do mundo...”. Óbvio, mudei de canal.

Estamos desassistidos em todos os sentidos. No Brasil, memória é triturada em máquina de moer carne. Vanderlei Luxemburgo foi metralhado em um desses debates: “Não acha que está desatualizado?”. Que atualização é essa que tanto falam?

O técnico novo do São Paulo, de onde surgiu, o que trouxe de inovação, assim como todos esses novatos? Atualização não é ir para a Espanha e fazer um curso maroto, atualização é vivência! A imprensa constrói os perfis da forma que bem entende, caricato, herói, genial.

Meu perfil é marrento, reclamão, ranzinza. Qual é o seu? Não importa, venha para o Brasil porque aqui você vai dar um jeitinho de encaixá-lo em algum padrão e viver livre para sempre!

OS MENINOS TÃO NEM AÍ

:::::::: por Paulo Cezar Caju ::::::::

pc 2.jpg

Como a imprensa em geral não dá muita bola para as “sub competições” informo que a seleção brasileira sub-20 é uma lástima, seus jogadores não aprenderam o básico, fundamentos primários como trocar passes e cabecear.

Foram colocados na roda pela Venezuela e anteontem, entre passes de tornozelo, tropeços e furadas, perderam de 3x2 para o Uruguai, e correm o risco de não se classificar para o Mundial. Na verdade, não merecem.

Comecei citando a imprensa porque durante as transmissões e após as partidas, nas mesas redondas _ elas ainda existem? _ o nome de Tite sempre é preservado. Quando ele foi contratado uma de suas promessas era integrar as seleções para dar experiência aos jovens. Foi dessa forma que convocaram Hugo, goleiro do Flamengo, um atacante do Grêmio, e sei lá quem mais. A imprensa noticia os resultados, mas não debate o problema. Pior, sempre tem a preocupação de poupar o “professor número 1”. Os programas viraram stand-ups comedy, com os mesmos personagens folclóricos contando os mesmos causos.

Pelas redes sociais, recebi uma mensagem de Luciano Gobo. Disse que após a derrota do Brasil para a Venezuela, os comentaristas estavam mais preocupados em noticiar a vinda do Vagner Love para o Corinthians do que outra coisa. Gostaria de ver uma matéria profunda mostrando que em 2013 a seleção sub 20 sequer passou para o hexagonal, em 2015 nos classificamos em quarto e em 2017 não nos classificamos, o que pode voltar a acontecer agora.

br 3.jpg

Estava conversando com Cabralzinho pelo Face. Para quem não sabe, Cabralzinho foi um meia espetacular, que jogou no Santos e no Bangu, com Paulo Borges, Bianchini, Parada, Aladim e Ladeira. Ele me perguntou se eu conhecia o Carlos Amadeu, técnico da sub-20. Realmente, não conheço. Parece que foi lateral do Galícia e Bahia. Antes era o Micale. Será que são os nomes certos?

Antes dos gols contra o Uruguai, o Brasil não marcava há 369 minutos e o principal nome do time, Rodrygo, foi expulso após uma falta duríssima. Mas esse já está com a vida ganha, afinal foi vendido por 45 milhões de euros para o Real Madrid. Parece que outros jogadores também já estão na Europa. Tem algo de muito errado nisso tudo. Em seis partidas, o Brasil levou 16 cartões amarelos, mais esse vermelho. Ou seja, a comissão técnica vem falhando na parte técnica e psicológica.

A impressão que dá é que essa garotada fica com fones de ouvido ligados naquela música: “Tô nem aí, tô nem aí. Pode ficar com seu mundinho, tô nem aí”, Kkkkkk!!! Na verdade, não tem ninguém aí. E eu ainda me estresso e me desgasto.

br.jpg

Não estamos falando de sub-9, sub-10, o tema é sub-20. Quando lembro que Pelé, Coutinho e Edu não tinham nem 18 anos e já brilhavam no Santos, me chamam de saudosista. Eu mesmo, aos 17 anos, meti três no América em minha estreia no Maracanã. Ficam tratando o sub-20 como se fossem menininhos. Na verdade, até hoje ainda acham que o Neymar é um garotinho. É a escolinha do professor Tite! Mas é necessário uma nova metodologia de ensino porque essa está desgastada e mais parece aquela escolinha em que os alunos arremessam giz no quadro-negro e fazem guerra de bolinhas de papel. Mas talvez o problema esteja comigo e deva jogar fora os meus cds da Motown, os de Louis Armstrong, Sarah Vaughan e Ella Fitzgerald, e passar a ouvir “não tô nem aí...”.  

A SUPERVALORIZAÇÃO

:::::::: por Paulo Cezar Caju ::::::::

Confesso, ando muito impaciente. Minha natureza é essa, mas o futebol tem contribuído muito para minha intolerância atingir níveis estratosféricos. Agradeço imensamente aos amigos e leitores que pedem para eu pegar leve nas críticas, mas como aliviar, principalmente após ver as primeiras rodadas dos estaduais?

O mais irritante é a velha lenga lenga de sempre, com os “professores” culpando o início de temporada. O pior é que quando chega o final da temporada o chororô é o mesmo. Como o Zé Ricardo tem a cara de pau de citar Copa do Brasil e Sul Americana? O Botafogo não tem elenco para disputar mais do que uma competição. Com o time completo também perderia.

O que tem se visto no geral são jogadores para lá de medianos elevados ao topo da pirâmide. A supervalorização é uma estratégia dos empresários, está destruindo o futebol e tentando nos fazer de idiotas. Volto ao tema para deixar clara a minha opinião. Não quero ofender ninguém, é apenas a minha opinião.

O Arrascaeta é bom de bola? Claro que é!!!! Vale todos esses milhões? Claro que não!!!! Conversei com amigos cruzeirenses bons de mandinga que disseram que o Montillo agiu da mesma forma e não arrumou mais nada em clube nenhum...a macumba da nêga é boa, Kkkk!!! O Diego quando chegou ao Flamengo parecia o Papa! Na época, critiquei. Errei? Acho que não. O que ele fez de tão maravilhoso desde que chegou? Lembram-se do Cirino? Contratação milionária, cheia de mais mais mais. Cadê ele?

v1.jpg

O Vitinho já começou a ser vaiado. Culpa dele ou de quem o supervalorizou? E o Fábio Carille, “professor” do Corinthians, que fala igual ao mestre Tite? Foi para um “projeto” no futebol árabe, estava no pé da tabela e volta como o salvador da pátria! Chupou laranja com quem??? Os comentaristas tem muita culpa nisso por embarcarem nessa conversa mole e criarem falsos heróis. Muitos deveriam fazer curso de técnico.

Aí, alguém me criticou: “Mas, PC, o Gabigol foi o artilheiro do Brasileiro!”. E daí??? O Henrique Dourado foi artilheiro do Brasil e a torcida até se arrepia quando ele é escalado. O cara faz uma penca de gols de pênalti, imita um ceifador na comemoração e vira gênio. Prefiro ficar vendo o veterano Ricardo Oliveira fazer seus golzinhos. Vai jogar até os 50! Também gosto de ver o Pablo, ótimo centroavante! Olha aí, como não critico tudo!!! Mas a verdade é que estou amargo mesmo, mas a culpa não é minha! É do que está aí.

O Flamengo anuncia mais uma contratação, a do Rafinha, que está há anos na Europa e não joga mais por lá. Não seria mais inteligente a CBF rever essa divisão de cotas? Dessa forma, talvez seja melhor organizar um triangular e Flamengo, Palmeiras e Corinthians ficarem jogando entre si. É tanto dinheiro rolando e o Carioca começa com aquele gramado horrível do Madureira. É uma falta de respeito generalizada, com torcedor e jogadores. Mas vai ficar por isso mesmo. Será que foi o gramado ruim que fez o jovem Marrony brigar com a bola antes de dar o passe para o gol da vitória? Tomara!

v2.jpg

Uma dúvida. O que o Tite estava fazendo no jogo do Fluminense? Deve estar com a agenda tranquila nesse início de temporada, Kkkkkk!!!! É preciso rir muito porque anuncia-se mais um ano complicadíssimo para os cariocas. “Mas, PC, o Flamengo não pode entrar nessa lista...”, me repreendeu um amigo, no quiosque do Leblon, onde costumo parar. A obrigação do título é um peso tremendo.

O Palmeiras com um elenco gigante não ganhou a sonhada Libertadores. Essa história de muitas “estrelas” azeda de vez em quando. Mas se o torcedor do Flamengo se contenta com o time disputando finais e não levando aí é outro papo. Se o torcedor comprou a ideia de o que importa é o clube sanado, mas sem títulos importantes, e os empresários cada vez mais enchendo os bolsos e querendo nos vender gato por lebre, aí tudo bem.

Me perdoem a acidez, mas sou do tempo em que aquela frase no muro da Gávea, “craque o Flamengo faz em casa”, era praticamente um mantra.

UM CARIOCA DE POUCAS NOVIDADES

:::::::: por Paulo Cezar Caju ::::::::

pc 10.jpg

O Campeonato Carioca prepara-se para mais uma nova edição e as novidades são pouquíssimas. Para mim, o Fluminense trazendo Ganso será o clube que melhor contratou, incluindo nesse pacote o técnico Fernando Diniz, de quem sou fã. E por que sou fã do trabalho dele? Porque é bom ver jogar os times que ele monta. É nítido que os jogadores têm liberdade para driblar, ousar e o toque de bola é de qualidade. Também é nítido seu foco no treinamento dos principais fundamentos do futebol. Parece óbvio, mas não é. Por isso, ele deu aval para a contratação de Paulo Henrique Ganso. Os outros professores devem considerá-lo lento, antiquado.

Peguem os melhores momentos de Ganso e verão lances maravilhosos. O problema é a turma que o cerca e talvez Fernando Diniz tenha esse problema no Fluminense. Mas acredito no seu trabalho, principalmente se a diretoria entender a sua filosofia. Também acredito que ele aproveitará muito a base de Xerém. Basta lembrarmos do time mais comentado do final da temporada: Athlético Paranaense. Ele iniciou esse trabalho.

Ainda sobre o Fluminense, estava saindo de uma pelada com o Delei e vimos uma faixa da escolinha do Fluminense: “Formando Guerreirinhos e Guerreirinhas”. Acho esse marketing de péssimo gosto, afinal queremos craques e não gladiadores.

Por outro lado, li que o Fluminense está criando um núcleo forte de futebol feminino. Sempre torci para que todos os clubes fizessem isso. Tenho visto muita menina boa de bola! Mas também ouvi outro dia a jornalista Lu Castro explicando que agora o certo é chamar futebol de mulheres e não feminino. Seguirei!

arr.jpg

As contratações do Flamengo, sinceramente, não me encheram os olhos. Para mim, trouxeram três jogadores que os seus clubes estavam torcendo por uma proposta. Nenhum era titular. Claro que o Arrascaeta é bom de bola, mas não mantém uma constância e a torcida do Flamengo é impaciente. Costumam chamá-lo de vaga-lume justamente por sumir do jogo em algumas ocasiões. Mas o Flamengo está com caixa e pode se aventurar. Mas, insisto, a base não deve ser esquecida e um time milionário como o Flamengo não pode ser desclassificado da Copinha tão rapidamente.

O Botafogo me assusta porque, além de vender Igor Rabello e Matheus Fernandes, fez contratações pífias. O Vasco está caminhando como consegue. Vamos ver se o Ribamar deslancha, mas trazer novamente o Felippe Bastos é dose. Dizem que o Bruno César está acima do peso.

Torci muito para o América subir, mas ainda não foi dessa vez. Ainda não consegui entender o regulamento da Segunda Divisão, mas também nem vou tentar.

Olha, assino essa coluna há alguns anos e baterei novamente nessa tecla. Para o Carioca esses times resolvem porque o campeonato não trará maiores desafios. Minha preocupação é com o Brasileiro, torneio longo e com sério risco de arrastar alguns cariocas para a Segunda Divisão.

O Vasco, por exemplo, escapou da degola na última rodada. O Fluminense passou perto e o Botafogo salvou-se por uma sequência de três bons resultados. É muito pouco. Os clubes cariocas precisam honrar suas histórias e principalmente o bordão “respeito é bom e eu gosto!”.