É PRECISO MUDAR A MENTALIDADE

:::::::: por Paulo Cezar Caju ::::::::

IMG_0571.jpeg

Há tempos venho falando de minha admiração pelo trabalho de Fernando Diniz, Jorge Sampaoli e Roger. Também gosto de alguns times formados por Cuca, mas ele corre o risco de cair na mesmice generalizada em que se transformou o futebol brasileiro. Agora, o mais espantoso dessa minha preferência é o fato desses três treinadores estarem tentando resgatar o nosso estilo envolvente de tocar a bola. Eles não estão inventando a roda, mas bombeiam o peito do futebol para que ele não morra de vez.

Na verdade, esse trio está em busca de nossa essência. Seus ensinamentos deveriam ser aplicados na base. Precisamos de mais “Dinizes”, “Sampaolis” e “Rogers” “degengessando” a meninada.

Quem viu o último Fla x Flu percebeu a diferença nítida entre um time bem treinado e o outro sem qualquer graça. E Cruzeiro x Corinthians, uma espécie de concurso para saber quem é o “professor” mais retranqueiro, Fábio Carille ou Mano. Que tédio!

Bom ver que o Vasco já tem outra postura com Vanderlei Luxemburgo, por quem torço muito. Mas ele terá que fazer um intensivão com a garotada, caprichar nos fundamentos, porque eles ainda pecam na troca de passes e finalizações. Meu Botafogo continuo achando sem novidade alguma, igual a Palmeiras e todos esses times covardes que entram em campo para não perder.

O problema desses três técnicos é que nenhum deles faz questão de bajular jornalistas, são anti-marketing. O Sampaoli é até mais falante, mas sofre por ser estrangeiro, assim como sofreu Osório e sofrerá Jesus, do Flamengo. Mas acho bom que venham outros treinadores de fora para abaixar a bola dos nossos que se acham o último biscoito do pacote, mas não conseguem se renovar.

É necessário mudar a mentalidade. Todos sabem o quanto eu odeio a escola gaúcha e torço para que ela desapareça do mapa. Digo a escola, seu pensamento, não os gaúchos. Roger é cria de Porto Alegre e se especializou em montar times leves, bons de se ver jogar. Se hoje o Grêmio tem um estilo de jogo muito deve-se ao seu trabalho. O mesmo com Fernando Diniz, no Audax, e Sampaoli na seleção chilena.

Vou mais longe. Esse tipo de treinador não faz bem apenas ao conjunto dos times, mas influencia diretamente na carreira do jogador. Quem sair do Fluminense para outro clube levará esse aprendizado junto, carregará um pouco da magia, da ginga, do improviso, do toque de bola, da velocidade de raciocínio, ingredientes necessários para transformar o futebol em uma grande atração.

E o que o jogador treinado pelos Carilles, Felipões e Manos da vida aprenderão? A correr, desarmar, dar carrinhos, chutões e vibrar com a vitória de 1x0, gol de pênalti.

Mas, PC, a seleção do Tite enfiou sete na Costa Rica! Kkkkkkk, me engana que eu gosto, se a Costa Rica jogar contra o Fla Master, de Adílio e Júlio Cesar Uri Geller, vai perder de 20 e no final ainda vai agradecer pela aula de futebol.

AOS 70 ANOS E VICIADO EM FUTEBOL

:::::::: por Paulo Cezar Caju ::::::::

IMG_0571.jpeg

Estou prestes a completar 70 anos e tinha esperanças de ser presenteado nessa bela idade com um Brasil melhor em todos os sentidos. Mas o mundo está de cabeça para baixo. O Rio de Janeiro, nem se fala. Quando o prefeito da cidade compara a tragédia na ciclovia com o Vasco, que vive caindo, é sinal que já atingimos o fundo do poço.

Primeiro porque tiveram vítimas fatais nesse acidente e não há margem para qualquer piada. E segundo porque não se brinca com um clube da grandeza do Vasco da Gama dessa forma. Prefeito, deixe isso para os torcedores e foque na cidade, que está desmoronando.

Fico pensando se não existe um profissional, um ombro amigo, que treine essas pessoas. Algum engraçadinho me enviou um zap sugerindo que Marcelo Crivella e Neymar escrevam um livro “Como piorar o que já está ruim”, Kkkkk!!! Estou rindo para não chorar.

E a coletiva do professor Tite, existe algo mais constrangedor? Chamando Daniel Alves de “Dani”, querendo mostrar uma intimidade de paizão, que desaparece totalmente quando entram em cena as acusações sobre o “adolescente” Neymar. Está chato, tudo muito chato!

Vou fazer 70 anos e sei que a tendência é minha ranzinzice triplicar! Mas o pessoal colabora! Me irrita ouvir a jornalista também tratar Daniel Alves de “Dani”, me irrita o técnico do Tottenham barrar Lucas na final, me irrita o repórter da rádio falar, após o primeiro gol do Flamengo contra o Fortaleza, que “agora é segurar o jogo, garantir o resultado”, me irrita o técnico do Botafogo vibrar porque não está tomando gols, me irrita a quantidade de bobagem ouvida nas mesas redondas e durante as transmissões.

Talvez a culpa seja minha por enxergar o futebol de outra forma. Ontem, por exemplo, recebi uma ligação de Júnior Baiano, figura queridíssima. Após desligar um amigo, ao meu lado, soltou a pérola: “esse foi carniceiro!”.

Claro que Júnior Baiano extrapolou em alguns lances, mas jogou muita bola. Quem entende de futebol pode confirmar. Esse rótulo é muito ruim. Telê foi treinador de Júnior Baiano e sabia de seu potencial. Claro que no passado também ouvia-se baboseiras, como “Moreno é lento”. Queria um time só de lentos como ele contra os velocistas atuais.

IMG_1396.jpeg

O problema é que o futebol é um vício e na beirinha de completar 70 anos continuo ligado em tudo. Também já fui rotulado e briguei com a imprensa durante a vida toda. Desistam, não vou mudar. Meus olhos foram acostumados a ver artistas em campo. E na nossa época não haviam santinhos, frequentávamos a noite, mas eram homens sendo tratados como homens. Hoje assistimos homens sendo tratados como menininhos mimados, pelos familiares, treinador e imprensa.

Saudade de Luisinho Tombo, que nos deixou nessa semana: Aí recebo no zap: “PC, antes do cai cai tínhamos o Tombo, mas era um tombo raiz”.

Kkkk, o que o futebol precisa é exatamente dessa alegria do torcedor!

QUE RENOVAÇÃO É ESSA, CBF?

:::::::: por Paulo Cezar Caju ::::::::

IMG_0571.jpeg

Tenho vários amigos que adoram me provocar, não podem me ver quieto. Exatamente um desses espíritos de porco me enviou um zap com um trecho da fala do Tite durante sua última coletiva quando ele revela não ter conseguido dormir na véspera da convocação. O motivo? A dúvida na escolha entre Casemiro, Fernandinho e Fabinho, Kkkkkk!!!

Peraí, estão brincando com a gente! Isso é sério? Será que o novo presidente da CBF enxerga renovação dessa forma? Fagner e Daniel Alves??? Thiago Silva, Miranda e Marquinhos? Filipe Luís? Se bem que para ganhar desses amistosos marcados não é preciso muito esforço. Acho que o time de pelada dos meus amigos veteranos do Costa Brava venceria.

Será que o novo presidente da CBF não vê um desgaste gigante com Tite, seu discurso chatíssimo e sua comissão técnica? Desse jeito, com essa insistência, o Fagner acaba recebendo uma proposta da Europa. Se bem que ele trouxe o Paulinho da China....Renato Augusto também veio de um país desses.

Nosso futebol precisa de uma arejada. Ninguém aguenta mais ver essa turma. Paquetá começou outro dia e já até agrediu árbitro, se acha estrela. Será que o exemplo veio de Neymar? Será que o Tite já não ganhou o suficiente para ir cuidar de fazendas e deixar o futebol de lado? E o pior é que se ele sair já existe uma campanha pela volta do Felipão. Ou do Mano. Peraí, com todo respeito aos gaúchos, mas essa escola já deu.

O pior é que a imprensa elege os seus queridinhos. Grande parte vibrou com a goleada sofrida pelo Santos. O Sampaoli foi teimoso, poupou jogadores e perdeu feio. Isso basta para Felipão voltar a ser herói, mas isso é pensar pequeno.

IMG_0453.jpeg

Essa má vontade nota-se claramente com o retorno de Luxemburgo ao mercado. “Suas mexidas não surtiram efeito”, disse a “especialista” do canal. Aí o Vasco vai lá e faz 1x0 e, por acaso, não amplia para 2x0. Claro que a “especialista” deve ter vibrado com o empate. Questões pessoais recheiam esses comentários e isso é covardia.

O Luxemburgo tem uma semana de trabalho e vem uma pessoa que não sabe nada de bola com suas opiniões formadas. Vou deixar bem claro que não sou advogado de defesa de ninguém, mas me irritam esses achismos.

Pelo menos Guardiola continua fazendo bonito e conquistou o título da Copa da Inglaterra. Dessa forma, o Manchester City se tornou o primeiro clube a conquistar os três títulos nacionais da temporada. Viva o futebol!!! Mas essa “especialista” deve ter alguma coisa contra ele.

“PC, por que o futebol inglês evoluiu tanto?”, me perguntou o mesmo espírito de porco que me enviou a fala do Tite. Poderia me alongar na resposta, mas ando preguiçoso para o futebol atual e sugeri que ele conferisse todas as fotos das seleções inglesas desde 1966 e me respondesse quantos negros haviam nas do passado e quantos existem na atual. Evolução no futebol para mim é isso, simples assim.           

 

 

 

POR UM DEBATE SAUDÁVEL

:::::::: por Paulo Cezar Caju ::::::::

pc.jpeg

Quem me conhece sabe que minha relação com a imprensa sempre foi de amor e ódio. Pouco amor, diga-se de passagem, Kkkk!!! Me irrita ouvir comentários de quem não entende nada sobre futebol. E as mesas-redondas estão cheias desses personagens. Para mim é o mesmo caso de treinadores que nunca chutaram uma bola.

Um debate na tevê não é a mesma coisa de uma resenha na pelada. Os torcedores tem uma forma de se expressar, xingam, passam dos limites, invadem o campo, picham muro, mas também te carregam no colo e fazem juras de amor.

Os comentaristas, principalmente os aventureiros, devem se portar de forma diferente. Não posso admitir ler uma matéria em que o jornalista deboche da forma de falar, da língua presa, de Vanderlei Luxemburgo. E é “profexô” pra cá, “profexô” pra lá, uma falta de respeito e de educação que contamina qualquer relação.

Em 1973, liderei com Marinho Chagas e Piazza, o que a imprensa batizou de “Manifesto de Glasgow”. Vários jornalistas acompanharam a excursão da seleção brasileira à Europa e as matérias publicadas eram mais de fofoca do que outra coisa, algumas totalmente mentirosas e descabidas. Cláudio Coutinho escreveu o manifesto e todos jogadores assinaram. Ficamos um período sem dar entrevistas.

Sou totalmente a favor da liberdade de expressão, mas odeio mentiras e jornalistas que se aproveitam do cargo para atacarem “desafetos” sem qualquer critério. Os grandes veículos não podem agir como os anônimos das redes sociais e nem cair em arapucas como a que levou o goleiro Sidão a ser eleito o melhor da partida mesmo após ter uma atuação desastrosa. A torcida gritar “frangueiro” é uma coisa, mas a imprensa aderir ao deboche é bem diferente. Imaginam o goleiro Júlio César recebendo o troféu de melhor da partida após a goleada de 7x1 para a Alemanha? E o que o goleiro Muralha sofreu? Chegaram a publicar que a partir de suas falhas nunca mais o chamariam pelo apelido. Se o jornal for de humor, ok, cada um no seu quadrado.

pc 2.jpg

Não passo a mão na cabeça de ninguém em minhas colunas, falo que determinados jogadores não tem condições de vestir a amarelinha, que a escola gaúcha destruiu o futebol, que os professores de Educação Física não podem tomar o lugar dos ex-jogadores e blá blá blá. Todos os temas podem gerar um debate saudável. E e é apenas a minha opinião.

O que não gera debate, mas suscita a ira é ironizar a língua presa do técnico e a estatura de um jogador, por exemplo. Criticar que o Maxi Lopez está acima do peso é totalmente compreensível porque ele é um ídolo e deve dar o exemplo. São casos e casos até porque odeio mimimi, mas educação é bom e eu gosto. A impressão que dá ao zapear os canais e ver as mesas-redondas é que as emissoras estão em busca de perfis polêmicos e isso não favorece o debate saudável. Pelo contrário, empobrece.

Também não me interessa ver jornalistas desenhando estratégias em quadros. Da mesma forma que prezamos um futebol bonito, audacioso, ofensivo, com a bola rolando, como Sampaoli vem fazendo com o Santos, também gostamos de assistir uma resenha de qualidade, sem bobalhões querendo ser engraçadinhos, mas com troca de ideias, informações exclusivas e conteúdo relevante.

O futebol merece, nós merecemos. 

DUELO HISTÓRICO

:::::::: por Paulo Cezar Caju ::::::::

IMG_8375.jpeg

Há tempos não me emociono tanto com um jogo! Estava cansado, mas quando ameaçava dormir acontecia mais uma bonita tabela, um drible, um gol. Achei que estivesse sonhando e me belisquei. Um jogo sem violência, sem chutões, sem retranca. Uma partida para os amantes do futebol de verdade reverem mil vezes. E para os comentaristas reverem e se envergonharem, mas se envergonharem muito!!!

O que ouvi de atrocidades quando estava 3x0 é melhor esquecer e focar apenas no jogo, espetacular e acima de tudo emocionante, de arrancar gritos e lágrimas. Estava na sala, sozinho, mas em determinado momento fiquei de pé. Quem me acompanha sabe o quanto torço para que Fernando Diniz consiga levar adiante sua filosofia, que nada mais é do que uma tentativa de resgate do nosso futebol. Ele e Sampaoli precisam de novos seguidores.

Com a volta de Pedro a missão fica facilitada. Ainda estou muito feliz! Esse jogo entra para a lista dos históricos, como Vasco x Palmeiras, na Mercosul, e aquele Flamengo x Santos, com atuação de gala do Ronaldinho Gaúcho. No dia anterior, Felipão e Odair Hellmann nos brindaram com mais um festival de horrores e, se não assistiram, precisam ver o VT de Grêmio x Fluminense.

O Palmeiras fez mais um gol de bola parada, mas se venceu é o que importa. E é justamente esse pensamento pequeno que está contaminando a cabeça da torcida. O próprio Cássio, goleiro do Corinthians, sugeriu perguntarmos aos torcedores se eles não preferem jogar feio e ganhar. Está errado! O torcedor do Grêmio tem que ter saído feliz do estádio porque o time nos presenteou com futebol.

Como joga esse Jean Pyerre! E que tabelinha linda em seu gol! Não é possível que os professores não entendam que o caminho é esse!!! Impossível não voltar a 82. Aquela derrota fez nascer o futebol de resultado, da eficiência. Ganhamos duas Copas, e daí? Em troca, enterraram um estilo.

IMG_2856.jpeg

O Barcelona perdeu uma final para o Internacional, com gol de Gabiru. O Barcelona seguiu em frente, não mudou o estilo e continua reinando no futebol atual. O Inter parou no tempo e insiste nesse modelo ultrapassado de jogar bola. Hoje, os times brasileiros com mais dinheiro não empolgam. Enchem estádios _ se 50 mil é considerado muita gente _ mas não tocam o coração.

Minha alegria só não foi completa por conta do acidente de Mendonça, que continua sua luta contra o alcoolismo. Esse é um representante legitimo do futebol arte, camisa 8 que marcou seu nome no Glorioso mesmo sem ganhar títulos. Seu estilo romântico e poético de jogar bola também foi soterrado pelos novos astros, os velocistas e brucutus.

Também queria que Mendonça tivesse assistido a esse Gremio x Fluminense. Sei do desgosto que sente com o futebol atual. Se Deus permitir que meu amigo supere mais essa vamos rever esse jogo e celebrar juntos o seu renascimento e o do futebol.