AMARGO REGRESSO

por Walter Duarte

A.jpg

O América e o Goytacaz FC acabam de retornar ao limbo da segunda divisão Carioca. Após a definição do malfadado torneio da morte, denominada "seletiva" pela FFERJ, os centenários clubes não conseguiram manter-se na elite.

Novos frequentadores deste torneio sofrido e ainda dependentes de um passado com tradição futebolística relevante, mas não suficientes no profissionalismo da atualidade. A inspiração para o título do texto se deu no filme de 78, um drama interpretado pelos grandes astros Jane Fonda e Jonh Voight de forma instintiva, logo após a decepcionante derrota do meu Goytacaz para o Macaé, nos minutos finais da partida. A combinação de resultados também nao favoreceu o Mequinha que de tabela foi "arrastado" com Goytacaz para a degola.

O "amargo regresso" à segundona destas instituições do nosso futebol tem um roteiro conhecido. Na verdade, uma mistura de cenários e decisões favoráveis ao fracasso e do dilema das incertezas. O América, por exemplo, vem passando, não é de hoje, por uma transformação tenebrosa. A imponente e degradada sede da Rua Campos Salles, na Tijuca, sugere uma cópia fiel da situação do Clube. Ao passar por ela é possível imaginar e ouvir os ecos dos carnavais de outrora, do famoso "Baile do Diabo" das décadas de 70 e 80, além de recordar o esquadrão de 74 montado pelo futebol, tão bem ilustrado pelo Marcelo Mendez.

G.jpg

Na contramão do bom senso e contribuindo para a paralisia do futebol carioca, temos regulamentos estranhos, que acabam aniquilando os clubes de baixo investimento, e também dos fatos lamentáveis dos últimos dias. De certo, é que o torcedor mais envolvido e apaixonado vai absorvendo esses impactos e tentando abstrair as conseqüências destes desmandos. Ficar preso às boas lembranças do passado distante é antes de tudo uma forma de sobrevivência. Na verdade uma linha tênue entre a sobriedade e a mais pura inocência, da nostalgia e da resistência. A realidade apresentada nos mostra caminhos a seguir e ao mesmo tempo nos faz repensar para onde vamos.

O futebol talvez seja uma síntese das emoções humanas, das nossas expectativas de retorno e dos anseios populares. Dizem que a vida imita a arte ou algo semelhante e busco insistente pela poesia perdida no futebol na forma de jogo, hoje tão maltratada.

Revejo o filme na madrugada e o lindo e iluminado sorriso da Jane Fonda talvez seja o sopro de esperança e a certeza que a vida continua.

Goytacaz e América fazem a partida de despedida no dia 23/02/2019 repensando seus destinos. Avante Goyta! Avante Sangue!

UM SENHOR ZAGUEIRO MOVIDO A MINGAU

por Marcos Vinicius Cabral

d7d2d128-7648-40a7-bb93-9d9b847d699b.jpeg

Os olhos rabiscavam cada metro quadrado do Campo do Cais, situado na rua Tomás Rodrigues, número 581, no bairro Antonina em São Gonçalo.

Construído por funcionários do Cais do Porto no fim da década de 1940 e rebatizado de Arena Dr. Manoel de Lima ano passado - vereador este falecido em 2017 -, jogar naquele chão de terra batida era a consagração de todo peladeiro.

Em pé e à beira do tradicional campo, o pequeno Jorge presenciava impávido o que seu tio Décio, ponta-direita da equipe do Cais do Porto, aprontava dentro das quatro linhas.

f853751c-49f4-489a-a7ce-648578ce7f27.jpeg

- Meu tio foi um dos maiores jogadores de São Gonçalo na sua época -, gaba-se Jorge Fernando Faria, de 58 anos.

De tanto ver o estrago que seu tio fazia nas zagas adversárias, começou a se encantar pela posição, não a de atacante por incrível que pareça, mas a de zagueiro.

Assim como os tantos defensores que sofriam nas mãos, ou melhor, nos pés de seu tio, decidiu que não se tornaria um zagueiro qualquer, mas seria o melhor do bairro.

Em 1971, aos dez anos de idade, deixou São Miguel com a irmã Rejane e com os pais Basílio e Anízia, para irem morar no Boa Vista.

Aquela mudança repentina teria grande significado na sua vida, já que os domingos no Campo do Cais haviam sido substituídos pelas peladas durante a semana no Campinho da Mangueira, na rua Paulo Setúbal, onde reside até hoje.

Certa vez, numa dessas (como outras tantas) peladas, enquanto o seu time puxava um contra-ataque, dona Nair, mãe de seu colega Luís Otávio - lateral-direito muito ofensivo e adversário na ocasião -, chega no portão de casa e grita:

- Giiiiinho, vem comer seu mingau!

O jogo é interrompido e um silêncio fúnebre invade aquele lugar.

Ninguém responde.

d737dee4-d03c-4c92-a13f-917ceec1de86.jpeg

- Ei dona Nair, eu quero! - gritou Jorge, estufando o peito na altivez de seus 1,87 de altura, desamarrando as chuteiras jogando-as para um lado, tirando os meiões das pernas compridas e finas e jogando-os para o outro e já sentando à mesa.

Nascia ali, naquele ano de 1973, o apelido que o acompanharia para o resto de sua vida: Jorge Mingau.

E foi com essa alcunha que fez história nos campos de São Gonçalo em seus 128 anos de existência, não sem antes, com dezesseis anos, treinar no Botafogo de Futebol e Regatas, em 1977.

- A gente treinava três vezes por semana na Base de Fuzileiros Navais, na Ilha do Governador. Era bem puxado, já que saíamos às 4h da manhã de casa, voltávamos às 14h para almoçar e entrar às 15h no colégio para sair às 19h - lembra.

E completa:

- Eu desanimei quando ele foi reprovado - conta visivelmente emocionado ao lembrar do falecido amigo Lino.

Mas se não chegou a se profissionalizar no clube da Estrela Solitária vestindo a camisa 3 de seu ídolo rubro-negro Jayme, fez história nos campos da cidade.

No Biquinha Futebol Clube, foi protagonista nas campanhas da equipe no extinto Campo do Arlindo, onde hoje funciona o São Gonçalo Shopping, no Boa Vista.

9fdd76a0-9270-421f-9ddd-9da169cfd13e.jpeg

- Jogar com Mingau é o sonho de todo camisa 1. Se eu fui o goleiro que fui é porque ele foi o zagueiro que foi. Simplesmente incomparável - frisa Renivaldo Sant'ana Cândido, de 60 anos, considerado o melhor goleiro do Boa Vista de todos os tempos.

Mas a elegância e o potente chute lhe credenciariam a conquistar de forma invicta o campeonato do bairro Rosane, um dos mais disputados da localidade pelo Mangueira Futebol Clube.

- Jorge Mingau foi campeão por onde passou. Sempre foi respeitado por todos no futebol, apesar de ser bem mais novo que a maioria dos boleiros. Era forte, com boa estatura e nunca vi um jogador bater tão bem na bola como ele. Me sentia muito bem jogando ao seu lado - diz seu ex-companheiro de zaga Ubirajara Alves de Oliveira, de 62 anos.

Mas o auge foi no Liverpool Futebol Clube, onde conquistou títulos, ficou vários jogos invictos, fez amigos, escreveu seu nome definitivo na história do bairro e fez seu Basílio, seu pai, se tornar fã número um e acompanhar o time nas excursões que fazia.

Todos queriam vencer o Liverpool mas poucos conseguiam tal façanha.

Até hoje, depois de tantas gerações, não houve um beque-central como Jorge.

Portanto, lá do céu, dona Anízia - que detestava o apelido do filho - fazendo tricô em seu sofázinho e seu Basílio - que se divertia com isso - lendo seu jornalzinho em sua cadeira de balanço, hão de concordar: foi um grande zagueiro

ATÉ A PÉ NÓS IREMOS... MESMA QUE SEJA ATÉ TÓQUIO

por Luis Filipe Chateaubriand

G.jpg

Em 1983, o Grêmio, campeão da América do Sul, decidia o Mundial de Clubes (ou Copa Intercontinental, como muitos preferem), contra o Hamburgo, campeão europeu.

Naquele 11 de Dezembro de 1983, o Tricolor Gaúcho jogou com: Mazaropi, Paulo Roberto, Baideck, De Leon e Paulo Cesar Magalhães; China, Oswaldo (Bonamigo) e Mário Sérgio; Renato, Tarcísio e Paulo Cesar Caju.

No primeiro tempo, o jogo teve poucas oportunidades de gol, embora muito disputado. O Grêmio teve mais volume de jogo. Renato era muito bem marcado por Schroder, mas, ainda assim, incomodava barbaridade a defesa alemã.

No único lance de real perigo do primeiro tempo, Paulo Cesar Caju recebe a bola ainda na defesa, mas próximo à lua de meio campo, aciona Renato, na intermediária de ataque, pela direita.

R.jpg

Renato avança com a bola com grande vigor pela direita, adentra a grande área, corta Schroder pela direita, corta Schroder pela esquerda, corta de novo Schroder pela direita e chuta rasteiro entre a trave e o goleiro alemão. Um golaço! Eram 37 minutos do primeiro tempo.

Grêmio 1 x 0.

O segundo tempo começa com amplo domínio gremista e, inclusive, um pênalti em Renato, logo nos minutos iniciais, não é assinalado. Contudo, a partir da metade da etapa, o Hamburgo equilibra as ações.

Os últimos dez minutos do segundo tempo são de sufoco alemão. Renato, com cãibras, está fora de campo. Schroder, seu marcador implacável, se vê livre para atacar, vai à área e empata o jogo, aos 40 minutos do segundo tempo.

O jogo está 1 x 1.

Vem a prorrogação. E, logo no início desta, Caio cruza a bola da intermediária esquerda, Tarcísio cabeceia no meio da grande área, Renato domina a bola com o pé direito do lado direito da área, corta o zagueiro e direciona a bola para seu lado esquerdo e, com o pé esquerdo, estufa novamente as redes alemãs. São três minutos do primeiro tempo da prorrogação.

Grêmio 2 x 1.

Daí em diante, o Hamburgo pressiona, mas os gremistas resistem. O Tricolor Gaúcho é campeão mundial pela primeira vez.

R2.jpg

Mazaropi teve grande atuação, fazendo ótimas defesas em momentos cruciais. 

Mário Sérgio teve atuação de gala, com inteligência tática e toques e lançamentos divinos. 

Mas Renato acabou com o jogo.

Certa vez, Renato foi entrevistado por Zico. Foi indagado sobre sua atuação naquele jogo. Respondeu assim: "Joguei pouco: ataquei, defendi e fiz dois gols". 

Pano rápido!

Luis Filipe Chateaubriand acompanha o futebol há 40 anos e é autor da obra "O Calendário dos 256 Principais Clubes do Futebol Brasileiro". Email:luisfilipechateaubriand@gmail.com.

O FUTEBOL NO ESTÁDIO, NA TV E MEIOS ESCRITOS NÃO É PARA POBRES

por Paulo Escobar

Corote Molotov

Corote Molotov

O futebol de décadas pra cá no que diz respeito para quem é feito me incomoda profundamente. E me incomoda muito mais por conta de onde vejo a sociedade. Há 19 anos trabalhando e lutando com a população de rua é dali que enxergo as coisas, lá também vivemos e respiramos o futebol, onde temos um time de várzea com moradores de rua, o Corote Molotov (fazendo propaganda temos uma página no Facebook).

Não é novidade que a partir do momento que entramos na era dos lucros extremos, o futebol tem se tornado a cada dia mais inacessível às pessoas mais pobres. E por todos os meios se torna um produto que pode ser presenciado apenas por alguns.

Nos estádios há tempos se encarece mais o acesso, os ingressos, dependendo do jogo, você amigo pobre não terá como presenciar mesmo, valores absurdos e se o time está indo bem costumam ficar mais caros. Quando o time está mal os ingressos se barateiam, aí se recorre ao povão para levar o incentivo deles quando se faz necessário, em tempos de boas campanha se encarece de novo e o público de teatro que volta ao “espetáculo”.

c4.jpg

Poucos times pensam em setores populares nos estádios, e na construção das malditas arenas (que vieram padronizar e tirar as particularidades de cada estádio) os setores populares foram demolidos e não foram restaurados, mas sim extintos. Temos uma população de maioria pobre, em um país de sucessivos maus governos e que a cada dia que passa aumentam pobres, mas os dirigentes e entidades parecem fingir demência diante de tais realidades.

Há uma criminalização dos pobres e suas torcidas nos estádios, engrossando assim que lugar do pobre é fora das arenas. Quando há brigas são os primeiros alvos a exemplo das organizadas que são sempre os motivos de desconfiança nas confusões. Essa generalização é conveniente para encarecer e querer mostrar que o público do ingresso caro é o “civilizado” e o público do ingresso popular são os “bárbaros”. Essa falsa generalização também joga a serviço da exclusão.

E não só estádios são os que excluem, os meios de comunicação na sua versão televisiva e escrita também. Na parte televisiva, a TV fechada e os Premiere são inacessíveis a muita gente, e às vezes é somente lá que você consegue acompanhar seus times.

c3.JPG

Os programas esportivos muitas vezes ficam centralizados somente naquele tatiquês chato e que se faz de uma maneira que poucos entendem. Somente aos chamados “intelectuais” do futebol, não se dosa ou não se tem preocupação se aquilo que tá sendo dito é acessível a quem assiste, pois o problema sempre vai ser atribuído àqueles que não entendem e não àqueles que não fazem traduzíveis.

Ou então muitos programas da TV aberta e fechada que são verdadeiras chatices, quando não se tem pauta se recorre a verdadeira idiotização, isso quando não se utilizam horas para falar dos times ricos e os times com menos recursos ocupam menos tempo.

As crônicas esportivas muitas vezes partem de uma visão longínqua da realidade da população, com uma linguagem insuportável e distante do dia a dia do povo pobre que vive e sofre o futebol. Quem escreve tem a preocupação se o Seu João ou Dona Maria vão entender o que é escrito? Há uma preocupação de nós críticos a este futebol que exclui os mais pobres, se é acessível aquilo que escrevemos a estas pessoas que são milhões ou escrevemos para nosso gueto também?

Nos ditos meios alternativos muitas vezes usam um linguajar acadêmico, que usam falas de forma estranha para a maior parte da população, pensamos se essas nossas ideias mesmo críticas são acessíveis? Nos fazemos traduzir às pessoas que não tiveram os mesmos acessos que muitos destes “intelectuais da Bola”? Muitos não têm nem a preocupação de pelos menos explicar aquilo que falam, mais parecem fazer programas para sua bolha de amigos e não para o restante da população.

c6.jpg

Na várzea a colocação de grama sintética em muitos campos tem encarecido os valores de muitos times mais pobres, campos de R$ 1500 por mês para alguns times jogarem aqui em São Paulo mostram a exclusão chegando na várzea também. Além de caro é um risco para a saúde o sintético, já que em tempos de calor, as temperaturas se elevam mais ainda, a borracha esquenta e torna insuportável o jogo, mas como só se pensa no lucro e na exclusão de quem não tem dinheiro, isso pouco importa.

Então meu amigo pobre, a cada dia que passa o futebol é menos pensado para você, dirigentes e entidades não te querem dentro dos estádios. Na televisão você também não está nos planos, e nos meios escritos mesmo aqueles que criticamos muitas vezes não nos tornamos próximos na linguagem e nossos pensamentos muitas vezes são para nossas bolhas, isso também é um meio de te excluir dos meios escritos.

A cabeça costuma pensar onde os pés pisam, e isso mostra muitas vezes onde estão os pés daqueles que pensam, organizam e articulam o futebol.

AMÉRICA-RJ 1974

por Marcelo Mendez

Havia um charme intrínseco no Rio de Janeiro dos anos 70.

p1.jpeg

No que pese o chumbo da ditadura militar em sua fase mais tenebrosa, a contracultura oferecia afrescos como o Pier de Ipanema, lotado de todos os surfistas do mundo, peladas de praia com dezenas de jogadores de cada lado, hippies experimentando todas as ondas do mundo, as dunas da Gal, os coletivos de Poesia como o Nuvem Cigana, os 40 graus da Cidade mais linda do mundo.

No futebol, tudo era mágico.

O concreto do Maraca começava a ver seus grandes times sendo formados. O de hoje, aqui em Esquadrões do Futebol Brasileiro, foi formado para ser campeão da charmosíssima Taça Guanabara em 1974. Vamos para a Tijuca, caros; Hoje é dia de celebrar um timaço:

O América de 1974.

UM PRÍNCIPE COMO TÉCNICO

51530705_2414091488661293_3905365332201570304_n.jpg

O Campeonato Carioca daquele ano era bom. 

Além dos grandes, times como Olaria, Madureira, Bonsucesso, tinham boas equipes e começaram a Taça Guanabara muito bem. Por outro lado, vinha o Diabo, com seu time bem formado e um príncipe no banco.

Danilo Alvim...

Lendário, Monstruoso, Gigantesco, Cracasso de bola do Expresso da Vitória do Vasco da Gama, como técnico, responsável pelo único título da história do futebol Boliviano. O Príncipe Danilo, como era chamado, chegou no América para trabalhar naquele ano formando uma equipe de sonhos.

Com auxilio do Sul do Brasil, trouxe jogadores como Alex, Bráulio, menino de ouro do Inter, aliado ao matador Luisinho, ao rápido e técnico Flecha, ao cerebral Ivo, vindo também do sul. Dois laterais firmes, como Orlando Lelé e Álvaro e a zaga forte com Alex e Geraldo, e o bom goleiro Rogério. Pronto.

Era o equilíbrio perfeito para um time que voou na Guanabara. O América só perdeu uma partida, para o Flamengo, teve mais um empate contra o Botafogo e depois jantou todo mundo. Meteu 4x1 no Vasco, Passeou em cima do Fluminense, Bonsucesso, São Cristovão, deu baile de bola em todo mundo e se credenciou para a final. O adversário, o Fluminense.

Era a hora da glória...

DIA DE PINTAR O MARACA DE VERMELHO!

No dia 22 de setembro de 1974, 98 mil pessoas foram até o Maracanã para ver a final entre América x Fluminense.

Na arquibancada, botafoguenses, flamenguistas e vascaínos se juntaram aos torcedores do América para empurrar o Diabo pra cima do Flu e deu muito certo; Aos 12 do primeiro tempo, numa batida de falta seca, no canto do goleiro Felix, Orlando Lelé faz 1x0 em favor do América e esse placar se manteve até o final.

Com o Maracanã em festa, o América volta a comemorar um título, como havia feito em 1960 e coloca para história aquela geração talentosa que formou um time que jamais será esquecido por seus apaixonados torcedores:

Rogério; Orlando, Alex, Geraldo e Álvaro; Ivo e Bráulio; Flecha, Luisinho, Edu (Renato) e Gilson Nunes, jogadores do técnico Danilo Alvim, são os homenageados dessa coluna hoje.

Esquadrões do Futebol Brasileiro tem a honra de tê-los por aqui, Americanos.