ZAGUEIRO IMPROVISADO

por André Mendonça

“Fui muito prejudicado com essa transferência, perdi meu melhor momento do meu futebol, certamente estaria na Copa de 90”. A frase é de Fernando Matos, zagueiro que surgiu na Portuguesa Santista e teve passagens por Santos, Vasco, Louletano-POR, Flamengo, Atlético-MG, entre outros. Em entrevista para o Museu da Pelada, o ex-defensor não escondeu sua insatisfação com a transferência para o futebol português e lembrou os grandes momentos da carreira.

fernando 3.jpg

“Apaixonado por futebol desde que se entende por gente”, Fernando nasceu em José Bonifácio, no interior de São Paulo, e foi lá que o craque jogou as primeiras peladas e perdeu os primeiros tampões do dedo. Aos dez anos, se mudou para Santos e foi aprovado nos testes da Portuguesa Santista. O curioso é que o defensor surgiu como meia-atacante e jogou nessa posição durante toda a categoria de base.

Como costumava acontecer, Filpo Nuñez, treinador da equipe profissional, convocou alguns jogadores dos juniores para participarem do treino e Fernando foi um deles. Enquanto esperava a sua chance, ainda do lado de fora, o então meia-atacante viu uma forte dividida entre um zagueiro e um atacante e recebeu um convite que mudaria sua história no futebol.

- Treinar no time principal era um sonho e eu estava louco para entrar! Quando o zagueiro se machucou, o treinador perguntou quem poderia jogar improvisado e eu não pensei nem duas vezes antes de aceitar! Treinei bem na posição e nunca mais saí dela!

O último da direita em pé, Fernando surgiu como um grande zagueiro da Portuguesa Santista

O último da direita em pé, Fernando surgiu como um grande zagueiro da Portuguesa Santista

Quando acabou o treino, Olavo Martins, ex-zagueiro do Santos e então treinador dos juniores da Portuguesa Santista, fez questão de parabenizá-lo pelo desempenho. Logo em seguida, Filpo Nuñez se meteu na resenha e avisou:

- Belo zagueiro! A partir de amanhã o Fernando passa a treinar com a equipe profissional!

- Mas ele é meu meia-atacante – respondeu Olavo.

- Era! Agora vai ser meu zagueiro! – finalizou Nuñez.

Fernando não demorou muito a se adaptar à nova posição e, por conta da experiência no meio-campo, tinha como grande diferencial o fato de ser um zagueiro técnico, com facilidade para sair jogando e marcar gols não só em bola parada. O talento não demorou a ser reconhecido e, em 1984, aos 23 anos, foi comprado pelo Santos.

No novo clube, teve a dura de missão de disputar vaga com Márcio Rossini e Toninho Carlos, ambos com passagens pela seleção. Arrebentando nos treinamentos, o garoto ganhou a vaga de Toninho, que não vinha bem, e ajudou o Santos a chegar na final do Campeonato Paulista daquele ano. No dia da decisão contra o Corinthians, no entanto, uma surpresa:

- O treinador Castilho me chamou no quarto dele e eu já sabia que não era coisa boa. Ele me elogiou muito, mas disse que ia priorizar a experiência do Toninho na decisão. Eu disse que respeitava a decisão dele, mas não aceitava!

Embora o Santos tenha sido campeão do torneio, Fernando decidiu não renovar o contrato com a equipe paulista, até surgir uma proposta do Vasco da Gama. No Rio, o zagueiro viveu grandes momentos e foi bicampeão carioca entre 1987 e 1988, além de ter conquistado alguns torneios internacionais. As boas atuações no Vasco despertaram interesse de clubes europeus e Fernando foi contratado para jogar no futebol português. A transferência, no entanto, custou a não convocação para a Copa de 90, segundo o zagueiro.

- Não era pra eu jogar no Louletano-POR. Este clube seria apenas uma ponte de transferência do grupo empresarial que me contratou junto ao Vasco para me negociar na Europa, mas eles não souberam negociar e fiquei um ano na segunda divisão de Portugal. Saí do Rio sendo considerado um dos melhores zagueiros do Brasil – lamentou.

 Depois de um ano em Portugal, por ironia do destino, o Flamengo entrou em contato com ele e abriu as portas para sua volta ao Brasil. Mesmo após a boa passagem pelo maior rival do rubro-negro, Fernando disse que em nenhum momento teve medo de ser mal recebido pela torcida.

O terceiro em pé, da direita para a esquerda, Fernando fez o gol do título da Copa do Brasil de 90

O terceiro em pé, da direita para a esquerda, Fernando fez o gol do título da Copa do Brasil de 90

Mas se havia alguma desconfiança por parte dos flamenguistas, ela desapareceu quando o defensor aproveitou um cruzamento da esquerda e subiu mais alto que os marcadores para marcar o gol que daria o título da Copa do Brasil de 90 à equipe da Gávea, contra o Goiás.

- Todos os títulos foram muito marcantes para mim, mas esse pelo Flamengo foi ainda mais especial por eu ter sido o autor do gol.

O gol de Fernando que deu o título da Copa do Brasil ao Flamengo

Depois do Flamengo, Fernando teve passagens por Atlético-MG, Guarani, Portuguesa de Desportos, até voltar para a Portuguesa Santista, onde encerrou a carreira em 1996. Quando pendurou as chuteiras, chegou a se preparar para ser técnico, mas seguiu o caminho da gestão porque tinha o sonho de tornar a Portuguesa Santista um grande time do Brasil. Hoje em dia, Fernando não pretende mais trabalhar com futebol

- Desejo agora dedicar o restante da minha vida em prol dos mais necessitados, sejam crianças ou pessoas da terceira idade. Tenho um projeto de trabalhar aqui na prefeitura de Santos e espero que isso aconteça logo – finalizou.