VASCOLECIONISMO

texto: Jorge Maia | entrevista: André Mendonça | fotos: André Gomes

"O meu Vasco de hoje é completamente diferente de antigamente, tudo muda de fato, mas a história não, ela se eterniza e enche de brilho os olhos daqueles que desejam conhecê-la". A frase de efeito, carregada de saudosismo, é do parceiro Jorge Maia, um exímio colecionador de itens do Vasco da Gama. Depois da matéria com Victor Raposo, o colecionador flamenguista, corremos atrás de um vascaíno, que ressaltou que colecionar é história, conhecimento cultural, terapia, gestão e organização! 

Durante a resenha, Jorge revelou ter sido um grande goleiro, principalmente no futebol de salão, onde conquistou oito títulos municipais consecutivos. É no colecionismo, no entanto, que o craque se destaca! Embora nunca tenha visitado o Rio de Janeiro, o morador de Colinas, no Maranhão, mostrou, com mais de 2 mil peças catalogadas, que sua paixão pelo Vasco não tem limites!

Com quantos anos começou sua paixão pelo Vasco e pela coleção? Quem te influenciou?

Na verdade pratico o colecionismo desde os sete anos de idade, quando comecei com caixinhas de fósforos e tampinhas de refrigerante, em Belém do Pará, minha cidade natal. Na pré-adolescência mudei o foco para selos nacionais e internacionais, mas sabia que a minha identidade colecionável era outra, estava à procura, pois meu ego solicitava desta identificação. Somente em 1998, já morando em Colinas do Maranhão, encontrei meu foco verdadeiro. Colecionar camisas de futebol do meu clube amado. Este ramo colecionável foi a partir de uma forte influência de pessoas que colecionavam diversas camisas de outros times, na rede social do finado e saudoso “Orkut”.

Além de camisas e autógrafos, o que mais você coleciona?

Comecei com camisas, mas o Vasco da Gama não se resume sua história só em mantos, tem todo um conjunto de simbologia que expressam um contexto histórico! Por isso, somente em 2010, doze anos depois de começar a coleção, resolvi ampliar e diversificar bastante os itens da coleção. Vieram flâmulas, livros, medalhas, pôsters, revistas etc. Tudo que se referia à marca C.R. Vasco da Gama.

Qual foi o primeiro objeto da sua coleção?

O primeiro objeto da minha coleção foi uma camisa Adidas que ganhei do meu avô, que foi juiz de futebol da Federação Paraense, na década de 60. Meus olhos brilhavam de felicidade quando vestia aquele manto sagrado, era como estivesse numa armadura templária.

Todas as camisas são originais? Como faz para conseguir tantos itens do Vasco da Gama?

Hoje em dia, com mais maturidade e mais conhecimento na arte do colecionismo desportivo, procuro por peças que realmente estejam inseridas no histórico do clube. Antigamente, por exemplo, pegava camisas sem levar em consideração a autenticidade das mesmas. Agora, analiso e adquiro somente peças autênticas; uma camisa de jogo, um livro autografado, autógrafos de jogadores e celebridades desportivas, placas e medalhas comemorativas, assim como flâmulas e fotografias originais, etc. Hoje em meu acervo tenho mais de duas mil peças, todas catalogadas, mas historicamente dentro do conceito de memorabílias tenho por volta mil peças históricas tranquilamente.

Como funciona esse mercado dos colecionadores? Existe muita procura?

O mercado do colecionismo cresceu bastante, ou melhor, tem vida hoje em dia graças as redes sociais que divulgam e ajudam nos desejos de todos. Eu, por exemplo, comecei a partir do Orkut, conseguindo camisas, assim como a maioria dos colecionadores antigos. Com o surgimento do Facebook e demais redes interativas, novos colecionadores aparecem dia a dia, compartilhando suas ambições e divulgando seus interesses em compra, troca ou venda. Sem tais interações sociais, eu morando nas entranhas do nordeste, não teria o que tenho e não conseguiria o reconhecimento que adquiri. Talvez até não estivesse respondendo a tais perguntas para o Museu da Pelada.

Qual foi o valor mais alto que pagou por uma camisa?

O colecionador, muitas vezes, quando aparece uma peça que ele não tem, não mede esforço algum para adquirir àquela oportunidade única, talvez. Quer possuir, quer a todo custo tê-la em seu acervo ou em sua coleção, aí pode causar transtorno financeiro e pessoal. Eu atuo sempre com um orçamento para coleção e outro familiar. Nunca misturo as “estações” e nem cubro prejuízo de um ou de outro com orçamentos trocados. Por isso, ao longo dos anos, sempre fui equilibrado no sentido amplo orçamentário. Já paguei uma quantia alta por uma peça significativa, mas na maioria das vezes consigo peças raríssimas, e muito valiosas a preço de “banana”. Tudo vai do olhar critico e conceitual daqueles que me vendem ou doam algo. Muitos não têm o conhecimento histórico do valor daquele objeto, outros têm e acham que um acervo é o verdadeiro lugar deles, por isso fazem as doações. Já paguei R$ 400,00 reais por um par de chuteiras da década de 50, onde colecionadores deste ramo já me ofereceram alguns milhares de reais por essas chuteiras. E assim outros itens.

Com uma coleção tão grande, consegue escolher o item que você mais gosta? Aquele que você não venderia nem por muito dinheiro.

Todos os itens da minha coleção são importantes e têm o mesmo valor significativo, isso vai muito do foco que você escolhe para sua coleção. Desde um chaveiro adquirido em um camelô a R$ 2,00 até uma carteira social do clube da década de 20 tem o mesmo cuidado e significativo para um colecionador de verdade. Claro que nós temos àqueles que chamam mais atenção de maneira expositiva como: medalhas e placas antigas, flâmulas antigas, fotografias etc. Mas, especificamente, amo todos os itens que tenho e que fazem parte do meu foco. Os que não fazem, negocio para alimentar o desejo dos demais colecionadores e amigos.

Como colecionador, ninguém discute que você é um craque! Mas como é o Jorge em campo? Gosta de jogar peladas? Qual posição?

O Jorge saindo do cenário do colecionismo, sempre foi um desportista. Em Belém do Pará, comecei a praticar o antigo futebol de salão.Treinei do Clube do Remo, depois vôlei e futebol de campo e a posição de goleiro sempre foi meu forte. Quando cheguei a Colinas do Maranhão, fui goleiro de uma agremiação local chamada Botafogo Futebol Clube e fomos octacampeão municipal consecutivos. Depois vieram as conquistas no futsal e, por fim, pendurei as luvas com muitas conquistas no currículo.

Como um bom colecionador, imagino que você tenha alguma história engraçada envolvendo procura de algum item... Alguma camisa que você queria muito, algum outro colecionador oferecendo...

A camisa trocada com o flanelinha

A camisa trocada com o flanelinha

Quando se coleciona, se procura desesperadamente, e se depara com algumas situações bem engraçadas. Todo colecionador, principalmente de camisas, fica sempre com olhos ligados esteja onde estiver prá ver se pinta alguma raridade na rua, no shopping, na balada, no campo de futebol ou em qualquer outro lugar.

Certa vez estava no centro da capital, em São Luis, andando na rua me deparei com um flanelinha usando uma camisa do Vasco autêntica de jogo. Era uma finta (Away), usada por Giovani, no começo da década de 90. Imediatamente o abordei e ele se espantou pensando que era assalto! Fui explicar pra ele que estava desejando somente a camisa do Vasco e sugeri a troca. Fui até uma loja renomada de confecções, e comprei uma “Lacoste” original pra ele. Troca justa, eu acho. Saí feliz da vida e toda vez que olho pra esse manto me ponho a sorrir e vivenciar a novela que foi pra conquistá-la. Tornei-me amigo do cara, e sempre que o via ele me pedia outra Lacoste, mas só que não era troca... Passei a cortar beco nas mediações que ele atuava no ramo.

Você disse que cultua o clube das décadas áureas. A que época, especificamente, se refere? E como vê o Vasco dos dias atuais?

A história do Vasco é uma das mais lindas, se não for a mais bonita do cenário futebolístico mundial! O meu Vasco de hoje é completamente diferente de antigamente, tudo muda de fato, mas a história não, ela se eterniza e enche de brilho os olhos daqueles que desejam conhecê-la. Futuramente o que vou contar de lindo do meu clube para meus netos? São os rebaixamentos em pouco espaço de tempo? Ou são os anos de brio do Expresso da Vitória? São os talentos vascaínos de hoje? Ou são as histórias de Barbosa, Ademir Menezes, Ipojucan, Danilo Alvim, dentre outras lendas? Claro que vou começar a história lá quando era apenas Clube de Regatas, passando pela discriminação racial, pelas conquistas dos negros e operários, chegando no Expresso da Vitória e aportar em Roberto Dinamite, o nosso ídolo dentro e fora de campo. O Vasco de hoje é medíocre, não transmite confiança alguma. Nós torcedores vivemos em cordas bambas e inseguros em relação ao dia de amanhã, nas competições. Sobe, cai, sobe, cai, sobe, cai. Chega. O C.R. Vasco da Gama tem que ser tratado como time grande, seus torcedores precisam ser respeitados, assim como sua história tem que ser conservada. É injusto vivermos só do passado. Eu amo o Vasco, eu respiro o Vasco. Eu tenho boa parte da sua história dentro de casa, tudo ao meu alcance.

Além disso, você nunca veio ao Rio. Por qual motivo?

Nunca fui ao Rio, não foi por falta de oportunidade ou interesse, jamais, e sim porque o Vasco atual me faz distanciar desta possibilidade, deste desejo. O Rio pra mim não é Copacabana, Corcovado, Maracanã, somente. O Rio pra mim é VASCO DA GAMA e todos os seus anexos. O Rio pra mim são os colecionadores e amigos virtuais que fiz ao longo desses anos. O Rio pra mim são vocês que dão oportunidade de uma expansão no ramo colecionável, e fazem do reconhecimento a força para continuar com o meu propósito de extensão do clube.

Qual é o jogo inesquecível pra você?

Relembre o duelo histórico contra o Palmeiras

Os jogos inesquecíveis do Vasco pra mim, na realidade são dois. O primeiro é a virada histórica, ou melhor, a Virada do Século sobre o Palmeiras na Mercosul de 2000. Estar perdendo de 3 x 0 em pleno Parque Antarctica, numa decisão, e virar o placar, te digo e afirmo foi muita emoção... Confesso que quando pego o DVD desta partida e vejo, ainda me pergunto: “Será que o Vasco vai virar este placar?”

O jogo mais importante prá mim foi conta o Botafogo em 1976, onde Roberto Dinamite fez o gol de placa! Obra prima, foi surreal àquela jogada, ficou eternizada em minha mente, pois foi depois daquele jogo que tornei-me VASCAÍNO, isso aos meus nove anos de idade. Por isso, considero o jogo mais importante da minha vida. Foi aí que conquistei minha identidade futebolística e graças a Deus estava na hora e lugar certo na frente da TV com imagem preta e branca, com meu pai (que Deus o tenha) torcendo contra o Vasco!

E sua família? Também é apaixonada pelo Vasco?

Sou pai de três filhas e dois enteados. Isadora, de 20 anos, é tricolor, Sarah, de 16, é flamenguista e Ana Flávia, a caçula de dois anos, é vascaína de corpo e alma e espero que continue com este propósito sempre. O Jonas tem oito anos e é vascaíno e o André, corintiano, tem 12. Percebe-se uma miscigenação de gostos futebolísticos. 

Quero que futuramente a Ana Flávia, a caçula, toque minha coleção e que tenha o mesmo amor pelo ramo do colecionismo como eu tenho. Estou trabalhando diariamente para isso, porque a história do C.R. Vasco da Gama não irá se acabar, ela continuará sempre, seja com tempestades ou calmarias, assim como uma caravela em alto mar nas descobertas dos caminhos marítimos em mares turbulentos.

André Gomes, o enteado corintiano responsável por tirar as fotos

André Gomes, o enteado corintiano responsável por tirar as fotos

Agradecimentos a colaboradores:

Sérgio Pugliese pela oportunidade e interação no nosso dia a dia; Jorge Medeiros, grande Vascaíno e Prof. de História, no Rio, vem me auxiliando bastante no contexto histórico literário do acervo; André Moura, o mago das camisas; Roberto Campos, criador da estrutura do site, foi que me impulsionou no projeto virtual e grande colecionador cruzeirense; aos colecionadores vascaínos Cláudio e Tavares, amigos do peito mesmo; minha mãe (Sônia), irmãs (Karina e Alessandra), filhas (Isadora, Sarah e Ana Flávia), enteados (André e Jonas), pai (Pedro, falecido) e principalmente minha esposa Alciane Maia, que atura este colecionador chato todos os dias, e claro, ela é uma fonte de inspiração para que eu preserve a história do Vasco.

João Ernesto e Mauro Prais, os padrinhos

João Ernesto e Mauro Prais, os padrinhos

Dedico esta matéria especialmente a duas pessoas que são muito importantes para o Acervo Vascolecionismo. São dois ícones e historiadores vascaínos. São “PADRINHOS” do acervo e conhecedores profundos da história do clube. Quando fiz o convite para usufruírem dos títulos a eles designados, não pensaram duas vezes. Agradeço a JOÃO ERNESTO e a MAURO PRAIS, por fazerem parte desta família que dia a dia cresce em conhecimento e reconhecimento.

Confira o site: http://acervovascolecionismo.com.br/