VALE QUANTO PESA?

por Mateus Ribeiro

Todo mês de agosto o assunto é o mesmo: a fatídica janela de transferências que movimenta clubes de toda a Europa (e alguns outros infelizes da América do Sul). Dia após dia, durante algumas semanas, boatos e fatos pipocam nos noticiários esportivos.

Em meio a esse bombardeio de compras e vendas, o mundo se chocou especialmente com uma transação: a ida de Paulinho para o Barcelona. Muitos pseudo entendedores e torcedores acharam um absurdo o fato do clube pagar uma verdadeira fortuna: 150 milhões de reais, o que torna o volante a quarta aquisição mais cara do Barcelona.

Choveram piadinhas na Internet. Brotaram críticos. Nasceram milhões de economistas analisando o gasto desenfreado por parte dos clubes. Pobre de Paulinho, que estava no lugar errado, e na hora errada. Virou o bode expiatório. Isso tudo já era esperado, uma vez que o queridinho do Brasil havia sido vendido para o PSG, e todos esperavam que viesse algum jogador cheio de holofotes e mídia. Não veio Coutinho, veio Paulinho. Paulinho é totalmente fora do padrão galã boleiragem que a imprensa e essa geração ESPN tanto dá valor (mesmo que a técnica seja sofrível), e não é “moralizador”, como esse bando de babaca que venera Adriano gosta de falar. Óbvio que iriam chiar. E quem chiou foram os mesmos bobões que bateram palmas quando o volante marcou aqueles gols pela seleção.

Na minha opinião, Paulinho não vale isso. Aliás, pra mim, nenhum jogador vale isso. A questão é que o volante fez duas temporadas incríveis no Corinthians. Após isso, fracassou em um time que com muito esforço faz parte do segundo escalão do futebol europeu. Depois disso, resolveu encher o bolso na China. Obviamente, em um campeonato sem o mínimo de competitividade, a chance de deitar e rolar era enorme. Paulinho deitou, rolou, e era sempre convocado para a Seleção. Fez algumas boas partidas na tal Copa das Confederações (com Scolari), fez parte do bonde do 7 a 1, e é um dos homens de confiança de Tite. Alguns podem se iludir com os gols e recordes quebrados por Paulinho, principalmente com os gols marcados no Uruguai. Porém, não podemos ser cegos a ponto de achar que jogar bem contra os sacos de pancada da América do Sul seja parâmetro para alguma coisa. Não é, e os últimos três mundiais mostraram isso.

Mesmo achando que Paulinho é apenas um bom jogador com estrela, e que sua contratação foi um absurdo, discordo totalmente de toda essa onda que visa esculhambar e desmerecer o jogador, por inúmeros fatores. Vamos lá:

1 — Essa loucura financeira não é velha, mas não começou ontem:

Em 2011, tivemos um cenário parecido, guardadas as devidas proporções. Fernando Torres era um dos xodós da torcida do Liverpool. Em uma transação controversa, foi parar no Chelsea. Torcedores queimaram camisas, amaldiçoaram a carreira do espanhol (com um certo sucesso), mas nada adiantou. Torres foi para o lado azul de Londres. O que o Liverpool fez para acalmar a torcida? Despejou um caminhão de dinheiro (aproximadamente “apenas” 31 milhões de Libras) no MEDONHO Andy Carroll, que até fazia seus golzinhos, porém, nada que merecesse essa pornografia. Conforme esperado, o cabeludo beberrão não se firmou, fez onze gols em quase sessenta partidas, e foi demonstrar seu talento no West Ham.

E quem não se lembra das cifras exorbitantes que clubes torravam no início do século por Anelka, famoso mais pelo seu desinteresse nas partidas do que propriamente pelos seus gols? Ou de Balotelli, que apesar de parecer um cara maneiro, iria penar pra jogar a Série B do Campeonato Brasileiro, e mesmo assim teve time saindo no tapa e torrando dinheiro por sua contratação nos últimos seis anos? Para ir um pouco mais longe, podemos lembrar dos violentíssimos SESSENTA milhões de euros que o Real Madrid pagou para tirar Figo do Barcelona. Está certo que era um dos grandes nomes do rival (apesar de eu mesmo nunca ter visto graça no futebol do português), que poderia gerar retorno, e todo esse papo furado. Mas sessenta contos, há 17 anos atrás, era algo inimaginável. Imagine hoje quanto não pagariam pra tirar o Suárez…

2 — Será mesmo que só Paulinho foi loucura?

O Manchester City gastou 184 milhões de euros com Sterling, De Bruyne e Fernandinho. Se você somar as cifras pagas pela eterna promessa Robinho, atingimos 227 milhões de euros.

Somados, Morata e David Luiz custaram quase 142 milhões de euros ao Chelsea.

Já o Liverpool gastou muito para montar um Southampton cover nos últimos anos. Como cereja do bolo, torrou mais de cem milhões em Roberto Firmino, que consegue iludir um ou outro aí, que imagina que uma meia dúzia de gols justificam um valor criminoso desses em um jogador que até ontem ninguém sabia quem era.

Isso sem contar as loucuras que o PSG fez para conquistar a belíssima glória de passar longe de qualquer final europeia e ser coroado com uma humilhação frente ao Barcelona. Ou então o Arsenal, que abria a carteira para contratar ilustres revelações desconhecidas sub-20 a pedido de Wenger, tudo para amargar um tenebroso jejum do Campeonato Inglês, e após um tempo começar a beliscar algumas Copas.

Não custa também relembrar o Real Madrid, que raspou o cofre para arrancar Kaká do Milan. A grande verdade é que se não fosse o fato do ex jogador do São Paulo ser o bibelô da imprensa esportiva brasileira, sua contratação seria considerada um grande fiasco. Como é o Kaká, dá lhe passada de pano, culpa nas contusões e no treinador para tentar explicar o fato de um dos “melhores do mundo”, contratado a peso de ouro, não render nada próximo do que se esperava dele.

Quem parece entrar nessa onda agora é o Milan, que está gastando muito em jogadores bem longe do patamar do clube (exceto o ótimo Bonucci), mas que segundo os nerds da bola são “contratações pontuais”.

Se você acha que é só por lá, lembre de da grana que o Corinthians deu naquele dublê de jogador chamado de Alexandre Pato. Ou então, tente argumentar a razão do patrocinador do Palmeiras achar justo pagar mais de 30 milhões de reais em um atacante que em seis anos de profissional já rodou mais que pião novo e só deu certo em um time bem encaixado?

O buraco é bem mais fundo que parece.

3 — E se Paulinho for bem?

É claro que um investimento deste tamanho é feito visando resultados. E acredite você ou não, existe a possibilidade de Paulinho ir bem no Barcelona. Da mesma maneira que pode ir mal. A diferença é que ele já chegará ao clube com olhares desconfiados, enquanto muitos que pouco ou nada fizeram pelo futebol continuam chegando com holofotes e sendo blindados pela imprensa até os dias de hoje.

A chance de Paulinho se dar bem existe, apesar do Barcelona perder muito com a saída de Neymar. Porém, o time ainda conta com Messi, Suárez e Iniesta, o que garante bons momentos. Ninguém é estúpido ao ponto de imaginar que Paulinho veio para substituir Neymar, mas já pensou se o Barcelona tiver um ano mais vencedor que o PSG? Já imaginou se Paulinho dá uma de Belletti? Já pensou se isso acontecer? Pois é, a chance existe, apesar de vocês já terem cravado o contrário.

A discussão é válida. Porém, tardia. Não foi Paulinho que iniciou essa maluquice. E também não foi o Barcelona o único clube a fazer tamanhas loucuras.

De resto, espero que Paulinho se dê bem, pois parece ser um bom profissional, e merece realizar seu sonho e calar a boca de muita gente mal intencionada. Espero também que essa roda gigante e maluca do dinheiro emperre logo de uma vez, para que o futebol deixe de ser esse campeonato maluco para ver quem gasta (e lava) mais dinheiro.

Abraços amargos, e até a próxima!