UMA PARTIDA "IMPROVÁVEL"

por Walter Duarte

O dia era 6 de agosto de 1974, em uma manhã ensolarada, Campo dos Goytacazes parou para assistir ao desembarque do craque Afonsinho e do zagueiro Brito, campeão do mundo em 70. A dupla reforçaria o tradicional e modesto Roxinho, o Campos Atlético Associação, em uma partida amistosa contra o Palmeiras.

Após vários embates com os dirigentes dos clubes que defendeu, Afonsinho, o homem que não vendeu sua alma, havia conseguido o tão sonhado “passe livre”, fato que resultou em uma frase inesquecível do Rei Pelé: “Homem livre no Brasil somente o Afonsinho”.

Naquela época, eu tinha apenas sete anos de idade e morava no bairro Parque Leopoldina, onde fica o pequeno estádio Ângelo de Carvalho, do Roxinho, palco de muitos jogos do extinto Campeonato Campista.  Levei alguns anos para saber da ocorrência do amistoso, e ainda jovem fiz um questionamento a mim mesmo: como e quem teria trazido o craque para este jogo, além de Brito e a Academia do Palmeiras completa com Leão, Luis Pereira, César, Leivinha, Ademir da Guia e cia?

Devido ao apelo de público, essa “partida improvável” para os padrões da época foi disputada no estádio do Goytacaz, “lotado até o bigode” como diria um amigo meu. O Campos Atlético na sua melhor fase disputava o campeonato local e o campeonato do interior Fluminense (sem os grandes da Capital), com os rivais Goytacaz e Americano, que no ano de 1975 participaria pela primeira vez do Campeonato Brasileiro. O Palmeiras, por sua vez, era quase imbatível na época com vários jogadores na seleção, sendo uma atração imperdível para os amantes do futebol.

Como de fato o amistoso foi viabilizado, faz parte do folclore e desperta curiosidades para muitos até hoje. O certo é que o Palmeiras venceu o jogo por 4 a 1 com um gol do Afonsinho para o CAA. Curiosidades à parte, após 41 anos, em 2015, Afonsinho retornou à Campos como convidado especial para as comemorações dos 102 anos do Roxinho. Por acaso, naquele domingo de outubro eu estava visitando minha mãe no bairro onde cresci e fui convidado pelo Mauro, amigo e frequentador das peladas no clube a participar desta partida comemorativa. Confesso que não estava acreditando, mas abendo da veracidade do convite, não perdi tempo! Fui correndo pegar as surradas chuteiras e me apresentei para o MATCH.

Joguei a pelada ao lado de veteranos como o grande lateral Totonho do Goyta (meu time na cidade) e procurei não inventar. Tirei fotos com o craque Afonsinho e como todos ali fiquei impressionado com a simpatia, simplicidade e seu inconfundível estilo de jogo. Ao final, realizei um sonho de criança e o Campos Atlético, sem dúvidas, reviveu as lembranças de seu maior evento no futebol.

Quanto ao resultado da pelada,  1 a 0 para o time do Afonsinho, mas foi o que menos importou. Ganhei o dia me sentindo o peladeiro mais feliz do mundo ao som daquela música do Gil “Meu Amigo Afonsinho”.

(Foto ilustrativa: Marcelo Tabach)

(Foto ilustrativa: Marcelo Tabach)

FICHA TÉCNICA:

06/Agosto/1974

Amistoso: Campos-RJ 1 x 4 Palmeiras

Local: Ary de Oliveira e Souza (Campos-RJ)Árbitro: Silvestre Campos Filho (RJ) 

Renda: Cr$ 135.000,00 

Gols: Afonsinho 12 do 1º Tempo; Leivinha, Nei, Ronaldo e Brito (contra) no 2º Tempo. 

Campos-RJ: Gato Félix, Edalmo, Brito, Rebite e Gilberto; Afonsinho (Ramon) e Emílson; Lauro, Neto, Balula (Xavier) e Jorge. 

Palmeiras: Leão, Eurico, Luís Pereira, Alfredo Mostarda e Zeca; Dudu e Édson Cegonha (Fedato); Edu Bala (Ronaldo), Ademir da Guia, Leivinha e Nei. Técnico: Oswaldo Brandão.