TRAUMAS DE UMA PAIXÃO

por Zé Roberto Padilha

Trabalhei nas divisões de base do Fluminense, em Xerém, na fase braba entre 1987 e 1990. Não tinha aqueles campos bonitos, nem hotel ou estrutura alguma, como refeitórios, departamento médico e alojamentos. Durante três anos,  saía de Três Rios no ônibus das 6h30, chegava na entrada da cidade Pagodinho por volta das 8h e ficava aguardando no posto da Polícia Rodoviária o Tubarão, velho ônibus tricolor, chegar com os jogadores. Isto quando ele aparecia, vivia quebrado e, quando passava das 9h30 e sem notícias, pegava o Caxias-Centro para as Laranjeiras porque não havia comunicação pelo celular. Mesmo assim, o time era tão bom que ganhamos o estadual infantil em 87 e o juvenil 89.

Nossos atletas, nascidos em 1972, iriam fazer história no clube se um amigo não cruzasse comigo na rodoviária e perguntasse: "Está indo para Três Rios?". Para responder, fui verificar o bilhete. Não mais sabia se estava indo ou voltando, estava mesmo na hora de parar. Ou infartar. Ninguém poderia dizer que não tentei vencer no meu time também como treinador de futebol. Detalhe: mesmo após os treinos, não poderia saltar na Rodoviária com o Tubarão, tinha que ir até o clube, fazer relatório, tentar um ticket de almoço que não tinha direito para, aí sim, pegar o longo caminho de volta para casa. Pouco via meus filhos e encontrava minha esposa poucas vezes acordada.

De volta à terrinha, organizei profissionalmente os clubes locais e ainda fui treinador de cada um deles. Com o América FC-TR, alcançamos a primeira divisão em 1991 e com o Entrerriense FC, vencemos a segunda divisão de 1994 e participamos do octogonal decisivo de 95. Mas foi um ano antes, 1993, que o Edinho nos ligou das Laranjeiras. Assumira o profissional e me queria no comando dos Juniores. Trabalhava, na ocasião, na distribuidora Brahma de Três Rios como supervisor de Marketing e estava muito bem, carteira assinada, sem depender de resultados para continuar empregado. Mas quando a bola quica à nossa frente, todos na família sabiam que iria arriscar. Entreguei o cargo pensando mais em mim do que nos meus, e tomei o rumo novamente da rodoviária, Catumbi-Laranjeiras, Pinheiro Machado, Fluminense FC.

Passei três meses trabalhando com o Edinho. E o Fluminense foi às finais com o Vasco e ele me puxara como seu auxiliar técnico. Recebera uma proposta de Portugal, iria trabalhar no Marítimo, e declarou para todos que eu seria seu substituto. Só não combinou com o Presidente Arnaldo Santiago, que permanecia em silêncio. Como quem cala consente, pedi a minha irmã, a Jane, que mora no Rio, seu Santana do ano emprestado, carro imponente da época, para chegar ao estacionamento do clube com ele. Depois do meu curso na ESPM, não daria a brecha desembarcando de ônibus com o Ézio e o Bobô chegando com seus carrões. O Jornal do Brasil fez uma matéria de capa comigo antes da final, onde perdemos para o Vasco, e Edinho se despediu dos jogadores no vestiário. Depois me abraçou e disse:

- Agora é contigo, parceiro!

Sem saber o que fazer, ninguém do clube confirmou ou desmentiu minha posse, voltei para o hotel nas Laranjeiras, que o supervisor Roberto Alvarenga arranjara para mim e ele disse:

- Se apresenta normalmente às 9h e vamos aguardar!

Voltei para o hotel e não dormi, claro. Tinha um Torneio Rio-São Paulo que começava no domingo, contra o Palmeiras, e tratei de armar meu time no papel. Lançaria minha maior descoberta, o meia Nilberto, irmão do Nélio e o Gilberto, entre as feras. Afinal, todos os treinadores anteriores dos juniores foram interinos, nem que fosse por uma derrota: Vanderlei Luxemburgo, Sérgio Cosme, Sebastião Rocha e Rubens Galaxe. Poderia até perder o cargo, mas estrear até contratarem um medalhão seria o normal. E cá entre nós, poucos fizeram tanto por merecer: oito anos como atleta e cinco títulos profissionais conquistados, quatro como treinador da base e dois títulos estaduais e torcedor do clube. Era uma questão de justiça, pensava.

Às 9h30, para disfarçar a ansiedade, entrei pelo portão da Rua Álvaro Chaves, 41, mais nervoso e inseguro do que naquela manhã de 1968, aos dezesseis anos, quando cheguei para fazer testes nos juvenis. Naquela ocasião, dependia apenas do meu futebol, nesta não havia bolas ou chuteiras à disposição para defender o lugar que cobiçava. Fui entrando e uma leva de jornalistas passou por mim vindo do Departamento de Futebol. E timidamente me acenaram no lugar de cercar-me com papel e caneta. Não havia ninguém a me esperar para saber a escalação do time para domingo. Totalmente sem graça, desviei-me da sala de futebol e dirigi-me aos vestiários. Lá, perguntei ao roupeiro Ximbica:

- Quem é o novo treinador?

Ele respondeu:

Nelsinho Rosa

Nelsinho Rosa

- É o Nelsinho Rosa. Ele é muito amigo do Arnaldo!

Talvez tivesse passado algo parecido quando fiz meu primeiro vestibular pela Cesgranrio e não encontrei meu nome entre os aprovados no Jornal dos Sports. Decepção somada à frustração que vira angústia com doses cavalares de desespero felizmente contidos. Talvez a tristeza tenha sido próxima daquela vez que abri a Revista Placar e constatei, após liderar as últimas seis semanas como melhor ponta esquerda do Campeonato Brasileiro de 1975, que acabara de perder a Bola de Prata na ultima semana para o Ziza, do Guarani, "por não ter completado o mínimo de quatorze partidas exigidas pelo regulamento". Jogara exatamente treze, a última nas semifinais contra o Internacional, onde perdemos por 3 a 1. Mas naquela manhã doía diferente. Não estavam me negando uma vaga na universidade ou um cobiçado troféu esportivo, estavam tirando uma oportunidade de assumir um cargo que, tinha absoluta certeza. Ninguém tinha mais conhecimento do grupo e tesão tricolores para abraçá-lo naquele momento. Poderia até perdê-lo no domingo seguinte, mas pro resultado, que é o que define nossa permanência no cargo, jamais por desconhecimento de causa.

Zé Roberto fez parte da Máquina Tricolor

Zé Roberto fez parte da Máquina Tricolor

Retornei ao hotel, fiz minhas malas e alcancei a Rodoviária Novo Rio guiado pelo meu anjo da guarda. Só ele poderia ter feito aquilo, desviado-me do Departamento de Futebol pois tinha algo pior para acontecer e ele concedeu-me duas horas de viagem pela aprazível Serra das Araras para respirar, admirar a paisagem de Itaipava, lembrar que estava vivo, sadio, e que tinha uma família maravilhosa para me proteger e amparar. Como técnico da equipe de juniores, imaginava, ainda poderia um dia ter uma nova chance no clube.

Ao chegar em casa, o telefone tocou. Paulo Alvarenga, irmão do Roberto e supervisor dos juniores, ligou para anunciar o tiro de misericórdia: o novo treinador exigira uma comissão técnica inteirinha sua e indicou seu filho como novo treinador dos juniores. Não havia perdido apenas a chance de chegar à equipe profissional, estava demitido também do clube. Olhei para uma latinha da Brahma sem mais trabalhar na Brahma e devo ter pensado alguns goles de besteira. Apenas isto, graças a Deus. Porém, tal foi a extensão do trauma que mesmo passados décadas da minha demissão, toda vez que o time que mais demite treinadores no mundo dispensa um Levir Culpi, eu fico com medo do telefone tocar das Laranjeiras. Não pela boa notícia que certamente não me darão, mais que outros sonhos minha eterna paixão verde, vermelha e branca poderá ainda sufocar do outro lado da linha.