TITE E BOLSONARO

por Rubens Lemos

Uma bobagem típica de seca jornalística de fim de ano o noticiário sobre a visita do futuro presidente à seleção brasileira, vetada num corajoso carrinho pelo técnico(?) Tite. Bem antes do fim dos pontas autênticos, aboli extremos de minha vida.

O único ponta-direita razoável da infância chamava-se Nilton Batata, do Santos, vendido ao México onde por lá ficou. Para quem ouvia dos coroas, canções em fintas delirantes de Garrincha, Julinho, Joel, Jairzinho, Paulo Borges, Natal, Mané Maria, Nilton Batata não representou uma lágrima de lembrança. Era a Direita.

A fase do sumiço de Nilton Batata coincidiu com uma safra exuberante de dribladores pela Esquerda, ala política mexendo-se com a Anistia para pregar o que deixou de fazer no poder. Filho de perseguido político na Ditadura, família exilada no Chile, meu pai torturado 44 dias consecutivos, vomito radicais. Dos dois lados.

Em qualquer tendência ou circunstância. No futebol, ainda mais. Vejo o futebol como ente cultural de integração, cartão vermelho para os valentões de gangues de estádio e sabichões grosseiros de rede social.

md.jpg

Craques: Júlio César do Flamengo (a cintura dele era de borracha), Joãozinho do Cruzeiro, Zé Sérgio do São Paulo, Paulo Cézar Caju (esse até de goleiro teria sido gênio), Mário Sérgio, Edu Bailarino, em fim de carreira. Telê escolheu o mais eficiente e não menos cintilante Éder.

O país foi dividido agora em outubro e continua a discussão digital babaca entre partidários de Bolsonaro e do PT. Bolsonaro insinuou visitar a seleção em 2019. Tite disse não.

Tentam traçar um paralelo pobre entre a valentia de João Saldanha com o General Médici que exigiu e levou Dadá Maravilha à Copa de 1970. João perdeu o cargo com duas feras injustiçadas: Dirceu Lopes e Toninho Guerreiro. Dadá canelava a bola. Dirceu, a cortejava.

O presidente eleito torce pelo Palmeiras e foi batizado, segundo ele, em homenagem a Jair Rosa Pinto (e não da Rosa Pinto), um dos meias antológicos de uma entre tantas academias do Verdão. Também do Vasco, do Flamengo, do Santos e do Brasil derrotado pelo Uruguai em 1950. Vovô Bolsonaro tinha bom gosto.

js.jpg

João Saldanha disse em 1970, “o presidente escala o ministério e eu a seleção”. Foi “dissolvido” igual a picolé Chicabon. Bolsonaro anunciou seus 22 e, fora Sérgio Moro e o falastrão da Fazenda, Paulo Guedes, um escrete de incógnitas. Deverá estar bem ocupado quando Tite reunir seus prediletos. Bolsonaro, provável, nem escale a seleção e arquive a visita. Separe Neymar e seus showzinhos e Philippe Coutinho, o time de Tite é “um ministério” difícil de escalar. De tão ruins os meninos do Brasil.