TÃO LONGE, TÃO PERTO

por André Luís Oliveira

IMG_3229.jpeg

O aniversário de meu filho João Pedro está chegando. João escolheu o futebol como tema de sua festa. O time e as cores do Barcelona. Ele é palmeirense em São Paulo e BOTAFOGO no Rio. Assiste aos jogos do Verdão, vibra e torce pra valer, mas pouco sabe os nomes dos "craques" do Palestra. Fernando Prass, Dudu e para por aí.

Interessante que ele não tem o mesmo fervor de torcedor pelo Barça, mas os seus ídolos jogam lá, os icônicos Messi, Suárez e companhia. O "vínculo" é imediato, proporcional à frequente exposição dos mesmos nas mídias esportivas e anúncios de publicidade.

Quando eu tinha a idade do João, os jogadores não trocavam de times como acontece hoje, tão pouco eram negociados com frequência para o exterior, pelo menos não antes de construir uma história dentro de um clube em seu país. Por conta disso, sabíamos as escalações dos times para os quais torcíamos e gradativamente íamos nos identificando com este ou aquele jogador.

A construção do ídolo era lenta, a relação fã/ídolo ia se estreitando pelas ondas dos rádios, nas épicas narrações de Osmar Santos, Jorge Cury, Fiore Giliote... Waldir Amaral narrava: "Lá vai o BOTAFOGO transando pela direita...Peri da Pituba cruzou... pulou Mendonça de cabeça... é gol! Goooollll...Mendonça, camisa número 8, indivíduo competente, o Mendonça!!! O " Menino do Rio abre o placar de cuca legal!!!"

IMG_3235.jpeg

Assim, ouvindo os criativos jargões dos narradores íamos elegendo nossos ídolos no futebol. Nas peladas, nos jogos de botão, escolhíamos nossos ídolos para nos representar. O flamenguista brincava de fazer de conta que era o Zico, enquanto o vascaíno retrucava: "Que Zico, que nada, eu sou o Dinamite." E até o botafoguense há tempos sem comemorar um título, orgulhava- se de sua estrela solitária: " Eu sou Mendonça, o " menino do Rio"

Sim, tai o meu maior ídolo no futebol. Mendonça! Jogava muito, um meia armador artilheiro, estilo elegante, uma raridade! Contemporâneo de Rivellino, Zico, Falcão e companhia, nunca disputou uma Copa do Mundo, azar da Copa do Mundo.

Mendonça nunca colecionou títulos e isso faz dele um ídolo muito singular, mais interessante, pois mesmo sem a chancela de títulos no currículo, figura entre os maiores jogadores da gloriosa história do BOTAFOGO, na companhia de Garrincha, Nilton Santos, Marinho, PC Caju... Foi muito legal também quando Mendonça veio jogar em São Paulo, na Portuguesa, Palmeiras e Santos. Pude assistir vários jogos dele no Canindé, Pacaembu e Morumbi, além de jogos contra o Bafo e o Pantera, aqui em Ribeirão.

Aliás, quando chegou no futebol Paulista, Mendonça desmentiu a máxima de que jogador carioca não vingava no Campeonato Paulista. Mendonça jogou mais tempo em São Paulo do que no Rio, mesmo jogando pela Lusa foi artilheiro e convocado para a Seleção em uma Copa América. É meio louco, quando digo pro meu filho que o meu ídolo nunca foi campeão. Fica difícil pra ele entender.

IMG_3067.jpeg

Voltando aos tempos de Mendonça no BOTAFOGO, como ele mesmo dizia: " Eu não sou um jogador do BOTAFOGO, eu sou torcedor do BOTAFOGO. " De fato, era mesmo, pois rejeitou inúmeras propostas de outros grandes clubes e permaneceu em seu clube de coração, pois queria dar a volta olímpica pelo Fogão. Não deu, mas Mendonça conseguiu muito mais... conseguiu manter uma geração de torcedores fiéis ao BOTAFOGO mesmo sem a sustentação de um título.

Sim, pois sobretudo para as crianças que não curtem muito esse lance de sofrer no esporte, Mendonça era uma luz no final do túnel. Nesta época, o orgulho do botafoguense que não tinha títulos para ostentar, era ter Mendonça em suas fileiras. O botafoguense ia ao Maraca só pra ver o "Menino do Rio" e seu futebol refinado.

Um dia meu filho João vai saber a distinção entre celebridades e heróis. Talvez com a ajuda de Joseph Campbel que diz em " O poder do mito": " ... o objetivo último na busca do herói ( diferente da celebridade) não será, nem evasão, nem êxtase, pra si mesmo, mas a conquista da sabedoria para servir aos outros."

Messi e Neymar são grandes craques da linhagem das celebridades, enquanto Mendonça foi craque pertencente à linhagem dos heróis. Assim foi feito: Mendonça serviu ao BOTAFOGO com a dignidade de um herói. Não é à toa que dois torcedores resolveram homenageá- lo escrevendo um livro: " Mendonça do Botafogo". Um livro independente, publicado na raça. Parabéns, Roberto Botafogo e Ícaro Vinicius. Eu entrei na " roda" com o objetivo de retribuir ao meu ídolo um pouco do muito que recebi dele. Certamente minha infância não teria a mesma graça sem um ídolo.