Zizinho

OS GRANDES PERDEDORES

por Serginho 5Bocas

ZIZINHO 

zizinho.jpg

Quando menino, meu pai (tricolor) dizia que Pelé havia sido o maior jogador de futebol que tinha visto jogar, mas que não tinha toda a certeza disso porque houve um jogador chamado Zizinho, que por sinal era o ídolo do rei Pelé e de muita gente boa. Meu pai dizia que Zizinho, ou Mestre Ziza, era um eterno condenado e sem prescrição da pena, ele, ao lado do goleiro Barbosa, eram os líderes de toda uma geração de condenados, os "perdedores" da Copa de 50. 

Mestre Ziza foi um gênio de futebol, entretanto carregou o gosto amargo da derrota em casa na final da Copa de 1950. O pior é que depois disso, ainda teve que pagar um alto preço por liderar um protesto, que culminou com seu afastamento de novas convocações do escrete canarinho, mas talvez a seleção do Brasil tenha se saído pior nesta história, pois abrir mão de um talento como aquele tem muito a ver com a insensatez que reinava e ainda reina nos meandros do poder do futebol brasileiro.

Assim, fez falta demais na Copa de 1954, pois com ele certamente teríamos mais munição para enfrentar os temíveis húngaros, fazer o quê?

Já no final de carreira quando jogava no Bangu, foi contratado pelo São Paulo e aos 37 anos, liderou o time rumo ao título do Campeonato Paulista, um feito e tanto se considerarmos a idade e a qualidade dos jogadores da época.

Em entrevista anos depois, ele disse que após a convocação de todos os jogadores para a Copa de 1958, ligaram para ele e fizeram um convite para que ele fosse a Copa da Suécia comandar a seleção em campo, mas educadamente ele recusou, disse não achar justo tirar a vaga de alguém que já estava sonhando com a participação na Copa, o jovem Moacir.

Justo, ético e humano, só mesmo um gênio para praticar um gesto de nobreza e altruísmo como esse, algo raríssimo nos dias de hoje, coisas de uma época mais romântica do futebol.

Zizinho foi considerado o melhor jogador da Copa de 1950 e um dos maiores de todos os tempos.

PUSKAS 

puskas.jpg

O major galopante foi o grande líder do grande time do Honved e da seleção húngara, a inesquecível e quase invencível "magiar".

Um time quase perfeito que tocava a bola com rapidez e objetividade impressionante. Muitos dizem que foram eles que inventaram o aquecimento antes das partidas, e que por isso entravam em campo a 1000 por hora e decidiam as partidas nos minutos iniciais, pois enquanto os adversários precisavam de um tempo para aquecer, eles já entravam em ponto de ebulição e isso fazia uma enorme diferença.

Ficaram por longos anos invictos e foram perder justamente na final da Copa do Mundo de 1954, ficando com o vice após derrota por 3x2 para os alemães ocidentais, num jogo que ficou conhecido como a "batalha de berna", pela sua dramaticidade.

Puskas sofreu uma entrada violenta no segundo jogo da Copa, justamente contra os mesmos alemães ocidentais, ainda na primeira fase, quando venceram por 8x3. Essa contusão tirou-o de quase toda a Copa, só retornando na final, em que marcou o primeiro gol e "quase" fez o que seria o gol de empate (3x3) e que foi infelizmente anulado pelo árbitro.

Puskas ainda fez muito sucesso no futebol, desfilando sua enorme categoria e precisão, jogando pelo Real Madrid na Espanha, também deu ares de sua graça atuando pela fúria espanhola após ter se naturalizado, em razão de problemas políticos internos e gravíssimos no levante que ocorreu na Hungria que o obrigou a se asilar em outro país.

O canhotinha foi um dos maiores jogadores de todos os tempos e possui um recorde que nem Pelé tem, o de maior artilheiro de seleções nacionais em jogos oficiais com 84 gols em 85 jogos.

Puskas é o melhor jogador húngaro de todos os tempos e é considerado um dos maiores jogadores de futebol do mundo de todos os tempos.

CRUYFF  

cruyff.jpeg

Foi o revolucionário do futebol, o maestro da laranja mecânica, nome dado ao time holandês durante a Copa de 1974. Uma equipe que mudou conceitos futebolísticos e que nunca mais o mundo viu nada parecido.

Cruyff era jogador de todo o campo, buscava a bola lá atrás e a levava até a outra área com enorme facilidade. Era difícil definir em que posição Cruyff jogava, tal sua impressionante movimentação por todos os espaços e sua capacidade de executar funções distintas.

Corpo esguio e elegante, se destacava num grupo de virtuosos, no meio de várias feras ele era a "FERA" das feras.

Cruyff colocou, juntamente com seus companheiros, a Holanda no mapa do futebol, nunca antes nem depois se formou uma equipe nas terras baixas com tamanha qualidade e capacidade de enfeitiçar os torcedores.

Cruyff não venceu a única Copa em que participou, pois perdeu a final para a Alemanha ocidental, mas ninguém que presenciou aqueles sete jogos dos laranjas irá esquecê-lo. Uma pena que ele não quis participar da Copa de 1978, dizem que por motivos políticos, pois era totalmente avesso ao regime ditatorial do general Videla que presidia a Argentina na época.

Aquele início arrasador na final da Copa de 1974, em que a Holanda deu a saída de bola e ficou com ela por mais de um minuto, só parando no pênalti cometido por Volks em Cruyff, ficou na antologia do futebol, coisa de almanaque.

Ele ainda jogou e reinou no Barcelona e nos Estados Unidos, de volta para a Holanda encerrou a carreira passando pelo Ajax e Feyernood.

Cruyff foi o maior jogador holandês de todos os tempos e um dos melhores do mundo. 

ZICO  

zico.jpg

Foi o craque da melhor seleção pós 70 (era Pelé), aquela que encantou o mundo na Copa da Espanha em 1982. Seleção que ficou conhecida pelo jogo bonito e envolvente, de movimentação constante, posse de bola e belíssimos gols, uma pequena amostra do que se convencionou chamar de futebol arte.

Zico era craque, arco e flecha, aquele que arma no meio de campo e corre até a área para concluir com perfeição.

Zico tinha a facilidade do drible, uma visão privilegiada do campo e do jogo, a capacidade de conclusão apurada e o passe como suas maiores qualidades. Apesar de ser um artilheiro mortal, ele não esquecia dos companheiros e não se cansava de dar passes milimétricos para que marcassem seus gols.

Zico foi cidadão do futebol no mundo, sendo rei na Itália e Deus no Japão, ídolo do esporte e pessoa admirada pelo futebol e pelo caráter fora das quatro linhas.

O futebol foi sua forma de se expressar, de mostrar ao mundo todo o seu talento e seu profissionalismo.

Zico foi o maior artilheiro do Flamengo e do Maracanã e para muitos o melhor jogador de futebol brasileiro pós Pelé e um dos maiores do mundo.

PLATINI 

platini.jpg

Foi o comandante da maior geração de futebol francês de todos os tempos. Capitaneava um grupo que tinha ninguém menos do que Giresse e Tigana como companheiros e coadjuvantes.

Esse grupo apresentava um futebol refinado e de toques precisos e de alta categoria. Pareciam não fazer esforço para jogar bola. Apesar de não terem vencido uma Copa do Mundo, não há como esquecer as lindas apresentações que fizeram principalmente em 1982. Pena não termos presenciado uma final entre a França e o Brasil naquela Copa, a de 1982, seria uma ode ao futebol arte.

Platini tinha extrema classe e categoria que era demonstrada quando se relacionava com a bola. Simplificava o que aparentemente era dificílimo no jogo e o fazia com tal qualidade que fazia parecer a coisa mais simples e possível a qualquer mortal.

Jogou 3 Copas do Mundo e encantou nas de 82 e 86, apesar de ter sido eliminado pela mesma Alemanha nas duas ocasiões, mas nada disso foi capaz de apagar seu brilho.

Comandou a maior vitória de seu país até então, a Copa Europeia de Seleções de 1984, sendo também o artilheiro da competição.

Iluminou os gramados italianos quando comandou a Juventus e foi eleito o melhor jogador europeu por três vezes consecutivas.

Foi sem sombra de dúvidas o maior jogador da França de todos os tempos com sobras e um dos mais clássicos do mundo.  

O que todos estes supercraques tiveram em comum? 

Todos foram mestres da coletividade sem abandonar e exprimir suas potencialidades individuais.

Todos eles foram legítimos representantes do futebol arte; 

Todos eram os líderes incontestáveis de suas equipes.

O futebol bem jogado por eles está acima de qualquer suspeita e que nem mesmo o título de campeão do mundo que eles tanto desejaram e não conquistaram apagou todo o legado que eles deixaram para o futebol ao redor do mundo. 

O mais intrigante disto tudo é que todos eles são mais lembrados do que muitos vencedores de Copa e são respeitados em todo o mundo como grandes do futebol mesmo sem ter alcançado a sua maior glória.

Pena da Copa do Mundo! 

ZIZINHO OU, COMO MOSTROU JAPIASSU, UM PROFESSOR DE FUTEBOL

por André Felipe de Lima

zz.jpg

Fui fã do Moacir Japiassu, da pessoa, do jornalista, do mestre. Lia-o frequentemente nos jornais ou revistas. Aprendi um pouco mais da nossa maltratada língua com ele. Nesta sexta-feira, dia 14, comemoramos o aniversário de outro mestre, mas do futebol. O Mestre Ziza, o Zizinho, o ídolo do Pelé e de muitos meninos e marmanjos que o viram iluminar o futebol. Mas, afinal, o que tem a ver o Japiassu com o Zizinho? Ora, a paixão pelo futebol e o fato de o Japiassu ter escrito sobre ele, em 1965, quando ainda engatinhava na carreira. Zizinho acabara de chegar ao Bangu para assumir o cargo de treinador, e coube ao Japiassu escrever a vida e obra do Ziza para o Jornal do Brasil. “Zizinho foi durante 10 anos o ídolo que a torcida chamava de Mestre e em 1950 obrigou um jornalista inglês a usar, para defini-lo, uma palavra até então reservada aos cientistas: gênio”, escrevera Mestre Japiassu.

O pai do Zizinho tinha um sonho: ver o filho jogador de futebol, mesmo que somente no time que organizava: o Carioca. Zizinho tinha apenas seis anos quando perdera o pai. A infância, acreditem, não foi com muita bola. Para ajudar à mãe viúva, Zizinho teve de trabalhar ainda garoto. Foi ajudante de mecânico e tempos depois funcionário na Lloyd Brasileiro. Difíceis tempos que o ensinaram, moldaram-no, tornando-o um grande ser humano, um amigo, pai, irmão, companheiro que todos queriam um dia ter.

zzz.jpg

O que aprendera ainda rapaz, tristemente longe do pai, foi essencial para garantir-lhe serenidade após a Copa do Mundo de 1950. A derrota na final para os uruguaios deixou um amargo ensinamento ao Zizinho: o excesso de otimismo é o maior inimigo de um time de futebol. Dali em diante, Tomás Soares da Silva não seria apenas Zizinho. Seria muito mais que apenas um homem e sua alcunha. Seria Mestre Ziza. Inquestionável testemunho autorizado do futebol, com teses essenciais para quem se diz pretensamente jogador de futebol, e mais que isso: arvora-se craque:

“Craque é o jogador que, não importando o seu porte físico, pode com a categoria desequilibrar uma partida, definir um jogo, mudar um resultado. Craque é aquele que sabe limpar uma jogada na defesa, vislumbrar a jogada num relance, criar o espaço — mínimo que seja — entre uma floresta de pernas, na pequena área, e bater na bola com a certeza do gol.”

z1.jpg

“A humildade levou o Brasil às Copas de58 e 62. A humildade que aliada à confiança e vontade de vencer nos tornou invencíveis, porque nossa capacidade técnica sempre foi e será indiscutível, inigualável.”

“Desprendimento é não pensar primeiro no dinheiro e depois ganhar a Copa. Coragem é não ter medo de perder o jogo, porque este é sem dúvida um dos maiores inimigos de um time de futebol.”

Ah, Zizinho... que saudade, e parabéns para você, seja lá em que hoste celestial esteja, defendendo-nos, com amor e bons fluídos, do mal futebol que nos aflige.

 O AMOR MAIS QUE PERFEITO

por André Felipe de Lima

z5.jpg

Apesar de ídolo do Flamengo, onde construiu uma grande carreira ao longo dos anos de 1940, a Era Maracanã conheceu um Zizinho craque banguense. Ele era o time. Tudo funcionava em função de suas jogadas magistrais, como escreveu o jornalista Armando Nogueira: “Eu lia Zizinho, todo domingo, no Maracanã.”

No dia 23 de julho de 1950, exatamente sete dias após o “maracanazzo” promovido pela seleção do Uruguai, Zizinho enfrentaria pela primeira vez o seu ex-clube. Parecia alheio ao jogo como se na mente ainda lhe povoassem as imagens da festa dos uruguaios, sobretudo de Obdúlio Varela. “Tive vontade de abandonar o futebol depois da Copa do Mundo. Passei quase uma semana sem poder dormir. Quando ia dormindo, tinha um pesadelo. Pensava que o jogo ainda não tinha começado. O Bangu quis me dar 15 dias de folga. Eu disse: ‘Não, não quero folga. Quero jogar. Se eu ficar parado vou enlouquecer, porque não consigo dormir. Preciso jogar pra não ficar maluco”, disse Mestre Ziza ao repórter Geneton Moraes Neto, para o livro “Dossiê 50”, documento imprescindível para a história do futebol.

A peleja entre Bangu e Flamengo fora apitada pelo lendário Mário Vianna. Vitória do rubro-negro (3 a 1). Os gols do Flamengo foram marcados por Aloisio, duas vezes, no primeiro tempo, e Lero, no segundo tempo. Djalma, de pênalti, descontou para o Bangu também na segunda etapa. Zizinho parecia ainda escondido, sem a alma do craque de outrora.
A situação não se repetiria três dias depois, quando os dois times voltaram a se enfrentar em outro jogo amistoso. O Bangu acordara e aplicara 4 a 2 no Flamengo. No apito, novamente Mário Vianna. Zizinho ainda não dera o ar da graça, mas seus companheiros Mirim, Djalma, Ismael e Moacir Bueno marcaram para o Bangu. Do lado do Flamengo, descontaram Arlindo e Gago.

Mas no dia 20 de agosto, o jogo era para valer. Zizinho, enfim, acordara. De súbito, renascera para bola e a bola para ele. Enfim, as pazes. E justamente o clube que o revelou, que o tornou uma das figuras mitológicas da história do futebol mundial, teve o privilégio de presenciar esse renascimento do craque. Mas será que Zizinho perdoaria o Flamengo?

Foi humilhante ver o time da Gávea perder de 6 a 0 para o Bangu. Aquele dia de agosto nunca saiu da memória de Zizinho. Moacir Bueno meteu dois gols, Sula fez de pênalti. 3 a 0 ainda no primeiro tempo. Na arquibancada, uma incrédula torcida do Flamengo. Alberto da Gama Malcher apita o começo do segundo tempo. Zizinho faz o dele. Era o que muitos acreditam ter sido a vingança. Joel, Sula e Simões ainda marcariam mais três. Estava consumada uma revanche que Zizinho nutria pelo seu ex-clube.

Vingava-se duas vezes num mesmo jogo. Talvez no lugar de homens vestidos de vermelho e preto enxergara jogadores de azul celeste... como o da blusa uruguaia. Mas também acreditava que aquela goleada foi a resposta aos cartolas da Gávea, que o venderam ao Bangu sem seu consentimento. “Estava magoado pela forma com que me dispensaram. Cheguei a jogar um campeonato inteiro pelo Flamengo com o tornozelo enfaixado. Eu tirava a bota de esparadrapo, depois das partidas, e meu tornozelo ficava enorme, completamente inchado. Passava a semana inteira sem treinar e no domingo jogava de novo. Até com a perna fraturada cheguei a jogar. Eu me sacrifiquei demais pelo Flamengo. Merecia mais consideração”, declarou Zizinho em depoimento reproduzido por Roberto Sander em seu “Os 10 mais do Flamengo”.

Os cartolas do Flamengo precisavam responder a Zizinho. Não podiam fazê-lo no campo, fizeram-no pelos jornais. Francisco de Abreu, vice-presidente do clube, defendeu o Flamengo em entrevista concedida ao Jornal dos Sports do dia 20 de janeiro de 1950. Alegara que o clube não queria vender Zizinho. É possível que Abreu estivesse blefando para não criar uma crise do clube com a torcida. Não havia outra hipótese.
Não é difícil entender, contudo, os motivos que indignaram Zizinho a ponto de ele guardar a mágoa com o Flamengo até o fim de sua vida.

z3.png

Os rumores de que o Bangu queria Zizinho circulavam desde o começo do ano de 1950. O patrono do clube de Moça Bonita, Guilherme da Silveira, mais conhecido como Dr. Silveirinha, nunca escondeu o interesse pelo passe do craque. Freqüentador assíduo da tribuna social do Hipódromo da Gávea, Dr. Silveirinha encontrou em uma mesa do bar do Jóquei Clube o presidente do Flamengo, Dario de Melo Pinto. Ali começara a negociação pelo passe de Zizinho. 
Silveirinha ofereceu 400 mil cruzeiros. Melo Pinto disse que não haveria negócio naquelas condições. O clube suburbano subiu a oferta para 500 mil cruzeiros e parte da renda de dois amistosos entre os dois clubes. O presidente do Flamengo ironizou Silveirinha ao afirmar que o Bangu nunca teria dinheiro para contratar um jogador como o Zizinho. Guilherme da Silveira insistiu: "Se o Bangu tiver esse dinheiro, o Zizinho pode jogar no meu time?".

O valor foi fechado na mesa do bar do Jóquei Clube, por surpreendentes 800 mil cruzeiros, que deveriam ser pagos à vista. O alvirrubro era naquela época um clube rico, o que não impediria o susto geral logo que a negociação fosse revelada à imprensa. Precisavam agora conversar com Zizinho.

Silveirinha, por intermédio do cunhado do craque, convocou Zizinho para uma conversa, como o craque revelou durante entrevista ao programa Bola da Vez, do canal ESPN, que foi ao ar no dia 16 de julho de 2000: "O presidente do Flamengo procurou o Dr. Silveirinha para pedir-lhe que interferisse junto ao pai dele, o Dr. Guilherme da Silveira, que era Ministro da Fazenda, para que a concessão da Loteria Federal, que era do Peixoto de Castro, também fosse para ele, Dario. E o Silveirinha disse: ‘Bem, Dario... eu faço isso, mas quero um favor seu também’. Dario respondeu: ‘Pois não, pede’. Veio o Dr. Silverinha e disse: ‘Só quero um jogador seu’. Dario disse: ‘Escolhe’. Silveirinha logo falou: ‘Só quero o Zizinho.’”

O assunto, mesmo após 50 anos, ainda desconcertava Zizinho. Isso ficou evidente durante a entrevista. Não eram lembranças saudáveis: a transferência traumática para o Bangu e, dias depois, a perda da Copa. A postura do Dr. Silveirinha intimidou Dario de Melo Pinto, que teria respondido ao cartola do Bangu que não poderia “dar” o Zizinho, mas que colocaria “um preço lá embaixo” para facilitar o negócio. Segundo Zizinho, o dirigente rubro-negro temia severas represálias dos outros cartolas da Gávea caso negociasse o passe do principal jogador do clube e ídolo máximo da torcida. “Um dia o Dr. Silverinha mandou me chamar lá na minha casa pra eu ir ao escritório dele. Ele me disse assim: 'Mandei chamar o sr. aqui para saber se o sr. quer jogar no Bangu.’ Fiquei olhando para a cara dele. Fiquei espantado. Eu não sabia... aí ele disse: ‘O sr. está duvidando da minha palavra?’. Respondi: ‘Eu não tenho razão para duvidar ou não da sua palavra. Estou (sic) lhe conhecendo hoje’.

Para convencer o incrédulo Zizinho, Silveirinha foi sagaz. “Ele disse pra mim: ‘Então pega na extensão do telefone.’ Aí ele ligou para o Dario de Melo Pinto: 'Como é Dario, o negócio do Zizinho está fechado?’. O presidente do Flamengo respondeu: 'Claro que está! Fala com ele.’ Aí Silverinha disse: 'E agora?!". Respondi: ‘Bota o contrato aí, que assino agora. No Flamengo não jogo mais.’”

Zizinho sentiu-se desprezado. Com toda a razão. Dissera sempre aos cartolas da Gávea que não pretendia deixar o Flamengo. Aí, a grande decepção do craque.

A imprensa especulava de forma debochada a negociação entre os dois clubes. Publicou-se que Zizinho escrevera uma carta à diretoria do Flamengo, e que esta lhe ofereceu um emprego de zelador num edifício em Niterói, cidade onde morava Zizinho.
No páreo pelo futebol do craque, corria por fora o colombiano Mário Abello, disposto a levar Zizinho para a milionária liga pirata colombiana. Mas se a negociação se concretizasse, Ziza não jogaria a o Copa de 50 pelo Brasil. A Fifa não reconhecia o campeonato colombiano para o qual rumaram os principais nomes do futebol argentino, como Di Stéfano, Pedernera e Boyé, além de craques brasileiros, como um veterano Tim e um já débil Heleno de Freitas.

Indignado com o Flamengo, Zizinho pediu aos cartolas facilitassem a venda ao Bangu. E assim foi feito. O craque receberia luvas de 200 mil cruzeiros, um salário mensal de 7 mil cruzeiros e uma casa de retalhos em Niterói para a venda de tecidos da fábrica de Bangu. Zizinho tornara-se o jogador mais caro da América do Sul.

O jornalista Mario Filho defendia a tese de que Zizinho ficara mordido não pela venda em si, mas sim pelo valor que Dario Melo Pinto estipulara. Nunca lhe passara pela cabeça que o Flamengo fosse capaz de vendê-lo. “Um dos orgulhos dele era o resposta de Hilton Santos ao Corinthians: — Zizinho? Só com trinta milhões, para início de conversa”, escrevera Mario Filho, em “O negro no futebol brasileiro”.

Reportagem do Jornal dos Sports do dia 4 de março de 1950 antecipava o desapontamento de Zizinho com o Flamengo. O craque declarou estar definitivamente interessado em migrar para o Bangu. Na edição do dia 15, a primeira página estampa uma foto de Zizinho retirando a camisa do Bangu. Na manchete, o fim da novela: “Zizinho, afinal é do Bangu!”

Quem mais foi castigada com ida de Zizinho para o Bangu foi a enorme torcida do Flamengo, que não poderá lotar o Maracanã para deslumbra-se com seu grande ídolo. Felizes os banguenses e os torcedores dos outros times, como o botafoguense Armando Nogueira, que assim escrevera em crônica publicada no livro “Na grande área”: “Sempre imaginei Zizinho jogando futebol de sapato preto, traje rigo, tal a leveza se sua passada com a bola e sem a bola. Pois um dia Mestre Ziza mandou que o sapateiro Aristides, do Bangu, arrancasse todas as travas de suas chuteiras.”

O tricolor Nelson Rodrigues, dizem, comentava que quando Zizinho passava, uma bola dizia à outra: “Lá vai Ziza...”. 
De 1950 a 57, Zizinho defendeu — e com imenso prazer — o Bangu. Se não conquistou grandes títulos, inspirou Ataulfo Alves para compo o “Samba de Bangu”, cuja letra diz: “No velho esporte/ tua fama não desliza/ teve Domingos da Guia/ sem falar do Mestre Ziza”.

Nos tempos de Flamengo, de embates no campo da Gávea, nas Laranjeiras, em São Januário, ou em General Severiano e na rua Figueira de Melo, Zizinho construiu o melhor momento de sua extraordinária carreira nos gramados. “Era cérebro e pulmão de qualquer time”, reverencia Domingos da Guia, seu companheiro de time nos fim dos anos de 1930.

z1.jpg

Um dos principais nomes da crônica esportiva daquela época, Geraldo Romualdo da Silva, retratava Zizinho de forma mais didática, objetiva, como convém ao olhar referencial comum ao jornalismo. “Quando os outros sucumbiam diante dos fortes e violentos beques, Zizinho ia mais à frente e, com fibra e coração, abria espaço, marcava os gols.”

Faltou a Zizinho um caneco mundial. Poderia ter uma segunda chance na Copa de 1954, na Suíça, mas o técnico Zezé Moreira seqüestrou-lhe esse direito. Aquele mundial seria um bálsamo para que Ziza esquecesse a tragédia de 50. “A gente não sabia nem o que era uma Copa do Mundo. A última tinha sido disputada em 1938, antes da guerra. Ouviu-se pelo rádio. Não tínhamos contato com países estrangeiros. Eu, por exemplo, nunca tinha visto a Iugoslávia ou a Suíça jogarem — dois dos nossos adversários em 50. De vez em quando víamos os ‘reis do futebol’, como os ingleses eram chamados, em filmes exibidos no Cineac. A gente ficava se perguntando: ‘Como é que eles conseguem jogar num campo cheio de lama? Aqueles campos pesado era de neve...”. Esse depoimento concedido ao jornalista Geneton Moares Neto mostra com exatidão que muito mais que futebol, precisava-se de maturidade para a seleção encampar (e conquistar!) um torneio que já não era disputado há mais de 10 anos. Faltou aos jogadores brasileiros desvencilharem-se de uma visão ainda provinciana sobre o futebol. Uma tese a ser debatida sobre as palavras ditas por Zizinho.

Decerto a Copa do Mundo de 50 representa uma espécie de “corte epistemológico” na história do futebol brasileiro. Zizinho é a prova mais cabal, mais contundente de que após o apito final daquele fatídico jogo contra os uruguaios, no dia 16 de julho, o futebol brasileiro seria reinventado. Que naquele momento, a reflexão sobre o tal complexo de vira latas mencionado por Nelson Rodrigues aconteceria bem antes de 1958, na Suécia. 
Deveriam lembrar de Zizinho para este debate. Do Zizinho que encantou o jornalista inglês Willy Meisl ao vê-lo em campo na Copa de 50 contra na vitória de 2 a 0 sobre o bom escrete iugoslavo: "Não se trata apenas de um craque, dos muitos que andam espalhados pelo mundo. Este é um gênio, um homem que possui todas as qualidades que podem ser idealizadas para um profissional chegar mais próximo da perfeição".

Vencer a Iugoslávia era fundamental para o Brasil decidir a Copa. Zizinho era o missionário para missão tão eloqüente. Era o gênio do dejà vu futebolístico, como narra Eduardo Galeano para quem Zizinho inventou o gol “bis”: “Este senhor da graça do futebol tinha feito um gol legítimo, que o juiz anulou injustamente. Então, ele repetiu igualzinho, passo a passo. Zizinho entrou na área pelo mesmo lugar, esquivou-se do mesmo beque iugoslavo com a mesma delicadeza, escapando pela esquerda como tinha feito antes, e cravou a bola exatamente no mesmo ângulo. Depois chutou-a com fúria, várias vezes, contra a rede. O árbitro compreendeu que Zizinho era capaz de repetir aquele gol dez vezes mais, e não teve outro remédio senão aceitá-lo.”

O que talvez Meisl e Galeano não sabiam é que Zizinho jogara contra a Iugoslávia contundido e por pouco não entrara em campo: “Fui dormir quase de manhã. Não consegui dormir porque os massagistas não deixaram. Deram-me um remédio que, segundo Augusto, era de cavalo, um troço que botavam nos animais do jóquei. Não sei como os animais agüentavam. Queimava que não era brincadeira a pomada”, disse Zizinho à Geneton Moares Neto.

Dias depois do embate contra os iugoslavos, a confirmação da divindade “Zizinho”, após o massacre contra a Espanha, a “fúria”. 6 a 1 foi pouco. “O maestro da esquadra maravilhosa. O futebol de Zizinho me faz recordar Da Vinci pintando alguma coisa rara”, louvou Giordano Fattori, correspondente da Gazetta dello Sport, após assistir ao gênio Zizinho contra os espanhóis. O craque se auto-definia um “guerreiro da bola” que jamais a arranhou. “Ela era o amor da minha vida.”

Mas veio o dia 16 de julho. Já havíamos conquistado a Europa, mas faltava recuperarmos a província Cispaltina. Zizinho era o general da tropa. Mas falhamos. A única explicação para aquela derrota Zizinho encontrou-a no sobrenatural. Ao Geneton, ele confessou: “Pode ter acontecido uma onda negativa naquele dia no Maracanã. Numa partida de futebol, existe uma força maior que a gente não compreende, mas que existe, existe. Não sei como é, mas existe uma força maior que dirige a partida. Não sei de onde vem. Talvez venha da multidão que forma pensamentos positivos ou negativos. É uma força.”

Não havia “grito” de Obdúlio Varela que intimidasse a seleção brasileira. “Não havia menino ali”, dissera Zizinho. Obdúlio, que era amigo de Zizinho, confessou ao craque brasileiro que esperava o pior diante do Brasil naquele dia 16 de julho de 1950. “Não sei o que vocês pensavam, mas nosso receio era tomar uma goleada, como a Suécia e Espanha tinham levado.”
Geneton Moraes Neto extraiu um depoimento sensacional de Zizinho sobre a extensão metafísica que o craque mantinha com Obdúlio: “Ademir esteve uma vez na casa de Obdúlio Varela. A mulher de Obdúlio é que disse: ‘Há um jogador no Brasil em que Obdúlio pensa todo dia: Zizinho.’”

Zizinho dissera promover um suposto contato telepático com Obdúlio anos depois da Copa de 50. Uma surpreendente herança da tragédia de 1950: “Eu sei sempre como é que vai Obdúlio. E ele sabe sempre como é que estou”, garantia Zizinho. O episódio foi contado pelo próprio ídolo uruguaio à Ademir de Menezes e a Barbosa, que foram visitá-lo em Montevidéu muitos anos após a final da Copa de 50. Zizinho tem a resposta para o fenômeno. “Eu sou espírita. E ele também é”, disse Zizinho, que disse a Geneton nunca ter ido a uma missa a não ser quando um “amigo morre”.

Durante a comovente entrevista ao repórter Mauro Tagliaferri, para o Esporte Espetacular, da TV Globo, em 1999, quase 50 anos após a Copa, mostrou um Zizinho ainda emotivo diante de um passado que sempre insistiu-se presente. Tagliaferri pergunta o que significava a Copa de 50 para a vida dele. Zizinho coça o queixo, desvia o olhar e responde: "Perdi a Copa do Mundo, vim para casa e não conseguia dormir. Eu tinha pesadelos...” Naquele momento da entrevista, Zizinho balança os ombros, olha para o chão e começa a chorar. Volta-se para o Tagliaferri e faz, com as mãos, o tradicional sinal de pedido de tempo. Sorri, simpático, mas imerso em lágrimas, diz: "Tempo..." abaixa a cabeça novamente e permanece chorando até que, com as duas mãos novamente, enxuga as lágrimas e pergunta para o repórter: "Pode continuar?". O repórter insiste: "Podemos mesmo continuar?". Zizinho meneou a cabeça positivamente e respondeu: "Pedi ao seu Carlos Nascimento que não podia mais ficar em casa. Não dá. Assim eu vou ficar maluco. Foi tortura mesmo. As pessoas ainda brincam com isso até hoje (...) fora do Brasil não teríamos perdido esse campeonato."
Depois da Copa, Zizinho, que nasceu em São Gonçalo, no dia 14 de setembro de 1921, teve poucas chances na seleção. Como já dissemos, Zezé Moreira vetou-o para a Copa de 1954. Zizinho, sempre conformado, foi batendo sua bola no Bangu. Ele era o time do Bangu, que apesar de sempre atrapalhar os grandes do Rio sequer conquistou um campeonato estadual no período em que contou com Zizinho no time.

z4.jpg

De Moça Bonita, seguiu para o Morumbi, a contragosto da esposa e de suas filhas ainda pequenas. Uma delas, sabe-se lá o porquê, sugeriu ao pai que se continuasse a jogar, que fosse no futebol francês. O certo é que entre Bangu e São Paulo, Zizinho tinha dúvidas se continuaria ou não a jogar futebol. A possibilidade de jogar na França realmente aconteceu. 
Como confirmou o cronista paulista Adriano De Vaney, Ieso Amalfi, outrora ídolo do Boca Juniors e que fora do próprio São Paulo, propôs a Zizinho uma temporada em Paris. Mas a proposta da diretoria do São Paulo convenceu-o e o craque permaneceu no futebol brasileiro. E com o Tricolor do Morumbi conquistou o último título de sua carreira: o Campeonato Paulista de 1957.

Seja na seleção, no Flamengo ou no Bangu, isso pouco importa quando temos Zizinho, que nos deixou no dia 8 de fevereiro de 2002, como um marco do futebol mundial. Ele, nenhum outro, representa o começo da Era Maracanã.

z2.png

Seu nome nunca será esquecido. Tampouco por Pelé, que fez do Mestre Ziza seu espelho. “Quando eu era garoto, procurava imitar dois jogadores: o Dondinho, meu pai, e o Zizinho. Quando comecei a minha carreira no Santos, o Zizinho estava encerrando a dele no São Paulo. E encerrando em grande estilo. Ele foi campeão e considerado o melhor jogador do Campeonato Paulista de 1957. Zizinho era um jogador completo. Atuava na meia, no ataque, marcava bem, era um ótimo cabeceador, driblava como poucos, sabia armar. Além de tudo, não tinha medo de cara feia. Jogava duro quando preciso."

A ginga, os dribles, os passes milimetricamente perfeitos e os gols geniais de Zizinho foram o ditame para Pelé, que herdou de Zizinho a coroa de “Rei” do futebol.

***

 

JOGO MEMORÁVEL

Jogo válido pelo campeonato estadual de 1950, dia 20 de agosto de 1950, Bangu 6x0 Flamengo.
Foi o terceiro jogo de Zizinho contra o seu ex-clube. Perdera o primeiro e ganhara o segundo, mas sem exibição de gala. Na terceira chance, já recuperado da perda da Copa de 50, impôs uma das mais vergonhosas derrotas da vida do Clube de Regatas do Flamengo, que aconteceu no Campeonato Carioca de 1950. Relatava a crônica da época: “Apresentando em campo um time verdadeiramente desconexo, incorrendo ainda no erro de uma aventura que foi o lançamento precipitado de Hermes, o Flamengo emudeceu os olhos de sua torcida, caindo por uma contagem que atinge tremendamente o prestígio do clube da Gávea. Está de parabéns o Bangu pela sua estupenda vitória. Vitória que veio como efeito natural do amplo domínio exercido pelo seu conjunto, cujas manobras táticas foram perfeitas e cujo padrão de jogo é o que se pode exigir de um grande esquadrão.” Zizinho deixou o dele, Moacir Bueno fez dois e Joel, Simões e Sula completaram o marcador.

A DERROTA ETERNA

por Cláudio Renato

Era difícil dormir com um silêncio daquele. E Zizinho passou muitas noites em claro. Ao fim do trágico crepúsculo de 16 de julho de 1950, não se lembrava como chegara em casa. Deve ter caminhado muito. Do Maracanã até a estação das barcas de Niterói, na Praça XV de Novembro, a distância é de pelo menos dez quilômetros. Estava embriagado de tristeza, mas não chorou. Recordava-se apenas do vazio pesado e melancólico da cidade, vez em quando cortado por um tapinha nas costas, uma ou outra voz solidária, que parecia emergir de um pesadelo e lhe aumentava ainda mais o desespero: "Pois é, Ziza, não deu."

Àquela hora, pouco antes das 8 da noite, Zizinho deveria estar feliz da vida, surdo de tantos fogos, bêbado de champanhe, encarapitado em carro oficial com os companheiros, agarrado à Taça Jules Rimet, ovacionado por centena de milhares de pessoas nas ruas e reconhecido como o maior jogador de futebol do planeta. Um gol desenxabido, chute torto do uruguaio Alcides Eduardo Ghigghia, aos 34 minutos do segundo tempo, pôs tudo a perder: a glória e a fortuna dos jogadores; a honra e a autoestima do povo brasileiro. Pensava desordenadamente enquanto esperava sozinho a partida da barca, como um semideus castigado, destituído do poder e transformado, em poucos minutos, em pobre mortal.

Cinquenta anos passados, o fiscal aposentado Tomás Soares da Silva nos recebeu, na primeira semana de junho de 2000, no apartamento humilde no bairro do Fonseca, em Niterói, na região metropolitana do Rio. Sereno, Zizinho lembrava em detalhes cirúrgicos aquela tragédia, o placar adverso de 2 a 1, que marcou e angustiou toda uma geração. Tentava explicar a anatomia daquela derrota - termo cunhado pelo filósofo gaúcho Paulo Perdigão, autor da obra mais completa sobre o tema. Seu Tomás morreria dois anos depois, em 8 de fevereiro de 2002, sem conseguir explicação convincente, mas tinha opinião muito direta.

- Os uruguaios eram melhores! - dizia o mulato sábio e elegante, então com 78 anos, o mais completo jogador brasileiro até o surgimento de Pelé, segundo o próprio Dondinho, pai do rei.

Havia três anos, Zizinho começara a elaborar "As Lições do Mestre Ziza - Evolução Tática do Futebol Brasileiro", em que pretendia en passant, explicar a derrota.

- A certeza da vitória era tanta que me fizeram assinar mais de 2 mil fotos montadas com os dizeres Brasil Campeão!

Antes da final, a seleção brasileira aplicara no Maracanã, construído especialmente para a Copa, duas goleadas históricas: 7 a 1 na Suécia e 6 a 1 na Espanha, adversários contra os quais o Uruguai penara para não perder. Os brasileiros, em casa, jogavam só pelo empate.

Brasil derrotado diante de 200 mil pessoas no Maracanã, torcedores e cronistas trataram logo de eleger os culpados: o goleiro Barbosa, o zagueiro Juvenal e o meia-esquerda Bigode. Eles não acompanharam Ghiggia, o ponta-direita de 22 anos que chegou a dar sete passos com a bola antes de despachá-la fraca para o canto esquerdo do gol. Houve até a versão de um suposto tapa que Obdúlio teria desferido contra o rosto de Bigode, para extremar ainda mais a humilhação.

- Não vi tapa nenhum! - desconversava Zizinho.

Para Ziza, um consolo:

- Graças a Deus, nunca me crucificaram, mas culparam injustamente meus amigos!

Os "proscritos" viveram como Barrabás, carregando o peso de uma culpa imposta que nem o pentacampeonato mundial conseguiria aliviar. Moacir Barbosa morreu dois meses antes da nossa conversa com Zizinho. Ele passou a vida tentando explicar que não falhara no gol de Ghiggia. Bigode exilou-se em Minas. Juvenal, na Bahia. Augusto, capitão do time, não atendia ao telefone.

- Quem errou foi Ghiggia, que queria centrar a bola, chutou a grama e enganou o goleiro! - explicava Zizinho.

Apesar da derrota, Zizinho foi eleito o melhor jogador da Copa pelos correspondentes estrangeiros. A beleza plástica das jogadas foi comparada à das obras de Da Vinci. Ziza acreditava que o WM, sistema adotado por Flávio Costa, com a variação em diagonal, deixara o time vulnerável.

- O 4-3-3, criado em 1945 por Ondino Vieira, do Vasco, é a melhor disposição tática que o Brasil já teve. 

Maior ídolo da seleção na época, Zizinho só estreou no terceiro jogo da Copa de 50, contra a Iugoslávia, após o empate aziago de 2 a 2 com a Suíça no Pacaembu.

- Eu não tinha a menor condição de jogar; meu joelho estava inchado, deste tamanho!

Ziza, que tinha a perna direita mais fina desde 1946, por causa de uma distensão muscular, sofrera nova torção num treino contra o Flamengo.

- Entrei machucado, e o Brasil conseguiu vencer por 2 a 0! Jogava no sacrifício, mas nunca tomei injeção no joelho! - assegurava.

Ademir marcou os gols. Zizinho também fez um, erradamente anulado. 

Mestre Ziza, como era conhecido, gozava da confiança do técnico Flávio Costa, que o lançara no futebol profissional pelo Flamengo em 1939, após vê-lo participar de um treino no lugar do legendário Leônidas da Silva.

- Zizinho é o cérebro e o coração de qualquer time - dizia Costa.

O jogador não tinha dúvidas de que a política atrapalhara o escrete de 50.

- A concentração em São Januário vivia repleta de políticos, como Cristiano Machado, Adhemar de Barros e outros; no dia da final, tivemos que interromper o almoço várias vezes para ouvir promessas!

 O que mais irritara Zizinho foi o discurso do prefeito do Rio, general Ângelo Mendes de Moraes, que dizia ter construído o maior estádio do mundo e exigia, em troca, a conquista da taça.

- Fiquei com raiva; ele não era nosso dono, não tinha direito de fazer o que fez! - A estátua do prefeito que o próprio mandou erguer na frente do Maracanã foi derrubada por torcedores ao fim da partida.

Ziza lembrava que entrou tranquilo na final; não olhava o relógio, ouvia apenas o zunido do público. Ele considerava o esquema do Uruguai perfeito para a partida.

- Eles jogavam com um beque de espera e outro no avanço, estavam protegidos.

 Zizinho observou que a final da Copa de 50 solidificou a amizade entre os jogadores das duas seleções e rasgou elogios a Obdúlio, um jogador extraordinário e um homem como poucos, segundo ele!

 Os adversários passaram a se encontrar com frequência no Rio e em Montevidéo.

- Quase nunca falávamos daquele jogo, o Obdúlio detestava lembrar a data conosco; sabia o quanto o Brasil sofreu - ele jurava que mantinha conversas telepáticas com Obdúlio Varella.

De 1953 a 1957, com a saída de Domingos da Guia, Ziza tornou-se capitão da seleção brasileira, pela qual jogou 53 partidas oficiais e marcou 31 gols. Armador técnico, condenava os jogadores violentos que ocupam a posição, alegando que o guardião não pode fazer falta perto da área. Além disso, Zizinho se dizia furioso com o que considerava inverdades sobre a Copa de 50.

- A história de que Barbosa queimou as balizas do gol de Ghiggia num churrasco em Ramos é ridícula! Como poderia ter levado a baliza para casa? Para que queimaria as traves? - indagava Zizinho, que toda semana acendia uma vela em memória do goleiro. Outra história que desmentia é a de que os brasileiros almoçaram sanduíche de queijo no dia da decisão.

A concentração em São Januário era tão tumultuada, segundo Zizinho, que "a gente não tinha concentração nem para fazer balão." Ziza, Nílton Santos e Alfredo eram os baloeiros.

- Se saísse da concentração, ninguém ligava; não fosse o empate com os suíços, eu não jogaria.

A algazarra da multidão era até um alento.

- Ficava mais tenso contra time pequeno; em estádio vazio, ouvem-se os insultos e palavrões. 

Ziza sustentava que o Brasil começara a perder a Copa quando Friaça fez 1 a 0, em um minuto e meio do segundo tempo. Segundo ele, deu um gelo na equipe, que imaginava ter cumprido o dever. O problema, argumentava, era que o Brasil nunca enfrentara uma seleção sul-americana numa final como aquela, o que torna difícil a compreensão da derrota. Além disso, Ziza rebatia a acusação de que faltaram, em campo, os berros de um Obdúlio a favor do Brasil.

- Grito não ganha jogo!

Indignado, Zizinho não entendia por que a imprensa deixara de cobrar as falhas do Brasil na derrota contra a França, na Copa de 98.

- O Zagallo diz que estava dormindo, quando o Ronaldo passou mal; o Lídio Toledo falou que, se cortasse o menino da partida, seria morto; o Roberto Carlos declarou que teve que meter o dedo na garganta do Ronaldo. Por que nada é questionado e só falam da derrota de 50? O Brasil já perdeu oito Copas depois daquela e a imprensa é cruel conosco; o Bigode só tem três amigos; o Barbosa, maior goleiro da história do Brasil, foi barrado por um molequinho (o goleiro Taffarel) nos preparativos da seleção e morreu só; por que tanta humilhação?

Para Ziza, a acusação contra Barbosa, Bigode e Juvenal teria sido "uma baixeza". Mas ele não acreditava em racismo. Considerava "outra indignidade" o argumento de que as vitórias nas Copas de 58, 62 e 70 foram frutos da derrota de 50. O Brasil era injusto com todo mundo, na opinião de Zizinho. Ele dizia que na Europa os jogadores eram protegidos e citava o exemplo de Beckenbauer, eleito o melhor beque central de todos os tempos, apesar de ter jogado no meio-campo.

Não se falava bem de Diego Maradona com Ziza.

- Ele não foi nem o melhor jogador argentino a jogar na Itália, porque este foi Sívori, que ganhou três títulos pelo Juventus.

O melhor argentino de todos, para Ziza, fora Pedernera, que atuou na década de 40. Em compensação, falar mal de Pelé era arranjar um inimigo. Para ele, Pelé, Leônidas da Silva, Domingos da Guia e Nílton Santos eram os maiores craques brasileiros da história. Também não poupava elogios a Garrincha, mas tinha reservas em relação a Ronaldo Fenômeno.

- Atacante não pode ser o melhor se não cabeceia bem!

 O goleiro mais difícil que enfrentara fora mesmo Barbosa.

- Era frio demais; eu não tinha coragem de colocar a bola quando ele estava no gol.

Barbosa

Barbosa

Ziza contava que deixara de assistir a jogos no Maracanã havia mais de dez anos, com medo de passar a humilhação de ser barrado. De vez em quando, convidado pela diretoria do São Paulo, comparecia ao Morumbi. Afirmava que torcia pelo Flamengo, o Bangu e o São Paulo - todos os times em que jogou. Na infância, torcera pelo América do Rio, onde fora preterido por insuficiência física. Franzino, 1,68 metro de altura, Zizinha tinha paixão por basquete. Adorava boxe e se dizia admirado com o panamenho Roberto "Manos de Piedra" Durán. 

Zizinho nasceu em 14 de setembro de 1921, dentro de um clube de futebol.

- A tática que o Uruguai usou para nos vencer já conhecia desde os seis anos! - brincava. Filho de Tomaz Silva e dona Eurídes, Ziza morava numa casa em São Gonçalo, sede do Carioca Football Club, que disputava uma vaga na Liga Niteroiense de Futebol. Em 1937, mudou-se para Niterói e transferiu-se para o Byron, Em 1939, treinou no Flamengo e assinou contrato. Foi lançado em 1940. Conquistou o tricampeonato carioca de 1942/43/44. Em 1949, foi campeão sul-americano pela seleção brasileira.

Na Copa de 50, Zizinho fez o gol que considerava o mais bonito da carreira, contra a Espanha; um sem-pulo, depois de um balão em Gonzáles. Ziza acabara de se transferir para o Bangu, onde jogou até 1957. Foi chamado nesse ano pelo técnico húngaro Bella Gutman para o São Paulo, levando, aos 36 anos, o clube a ser campeão paulista. Em 1958, recusou-se a embarcar para a Suécia e perdeu a oportunidade de ser campeão do mundo.

- Fui convocado quatro dias antes do embarque; não sou moleque e achei que aquilo seria uma injustiça com o Moacir, do Flamengo, que seria cortado. É questão de atitude! - Ziza jurava que não se arrependera. 

Gol de Zizinho

Na temporada 1961/62, ainda jogou no Audax Italiano, no Chile. Defensor do passe livre, Zizinho teve proposta milionária do Milan, mas não pôde jogar lá.

- Quando houve greve de jogadores na Argentina, nos anos 40, fui lá apanhar o estatuto; queria reunir as cabeças daqui, mas ninguém participava.

Ziza adorava passarinhos e alimentava um bando na varanda do apartamento. Era desquitado, tinha duas filhas, torcedoras fanáticas do Fluminense, e dois netos. Gostava de caminhar pelo horto de Niterói e passear no sítio em Marambaia, Itaboraí. Às vezes, andava armado para se prevenir dos assaltos. Adorava os sambas de Walter Alfaiate, João Nogueira, Baianinho e Nélson Sargento. Frequentava a casa de samba e chorinho Candongueiros, em Niterói.

Ex-técnico do Vasco, América, Bangu e Remo, campeão pan-americano com a seleção brasileira no México (1975), Ziza defendia a criatividade. Concordava com o nome de Vanderlei Luxemburgo para a seleção, mas considerava absurdas as convocações de jogadores que atuavam na Europa para amistosos do Brasil contra times sem expressão.

- Se jogasse lá fora, não viria! - afirmava ele, na época entusiasmado com Ronaldinho Gaúcho, França e Alex, que ainda estavam por aqui.

No fim da Copa de 50, Zizinho ganhou 15 dias de folga do Bangu. Não aguentou ficar longe do Maracanã. Voltou a treinar quatro dias depois. Na reestreia, o time goleou o Flamengo por 6 a 0. Ziza tentava muito se convencer de que a final contra os urguaios fora apenas mais um jogo de futebol. Daquela Copa, só guardara uma medalhinha de vice-campeão (que mais parecia uma moedinha de cobre azinhavrado de cinco centavos), recortes de jornais e revistas e um punhado de amigos.

- Tive muita insônia, mas, com o tempo, consegui dormir!

E sempre que dormia, até o fim da vida, Ziza sonhava com aquele jogo.

- Sonho que Brasil contra o Uruguai é uma partida eterna, sem fim, um jogo que nunca acabou e só acabaria quando conseguisse alcançar aquela bola no último minuto e fizesse o gol de empate!