Zé Rosca

A INCRÍVEL HISTÓRIA DE ZÉ ROSCA

por Jonas Santana Filho

IMG_3556.jpeg

Ninguém no bairro sabia seu nome. Todo o mundo só conhecia por Zé Rosca. Diferentemente do nome, o apelido descrevia exatamente uma característica do então recém-chegado naquele lugar. 

Nas peladas ou onde houvesse uma bola e dois ou três correndo lá estava ele. Zé Rosca não perdia uma oportunidade de esbanjar seu talento no chute de três dedos com a parte externa do pé, conhecido como “trivela, três dedos ou de rosca”. Daí a origem de seu apelido. Não exista bola que resistisse ao pé de Zé Rosca. Ele poderia não ter o dom do drible, mas metia uma “rosca” na bola como ninguém.

Embora os amigos do futebol vivessem pedindo para ele jogar “normal”, eram olimpicamente ignorados quando o assunto se referia a “redonda”. Não tinha jeito. E Zé Rosca cresceu ali no bairro e foi conquistando a galera até conseguir uma vaga no meio-campo do time da Rua B. 

Nas peladas de fim de semana, quando se enfrentavam os times da Rua A contra a rua B (onde Zé Rosca morava) ele mostrava sua arte. Bola no pé de Zé Rosca era certeza, tanto para a galera quanto para os companheiros de time, que ali viria um “três dedos”, muitas vezes salvador, fulminante, muitas vezes matador. Sim, quando acertava era uma maravilha aqueles lançamentos longos que Vevé (Everaldo era seu nome) dominava e partia para cima do marcador, que geralmente era Zé Luís (mais conhecido como Todo Duro), um zagueiro que batia mais que dona Zefa no bife de segunda. Quando Vevé, Lila, ou Pedro Preto pegavam na pelota, geralmente recolhendo um lançamento de “rosca” era quase impossível o adversário não levar o gol. Também quando errava a torcida não poupava o camisa 8 (sim, ele jogava com a oito) de elogios, capaz de enrubescer até os caras do stand up comedy de hoje.

A galera gostava e a rua B era a sensação do conjunto residencial, naquele campo de grama cuidada naturalmente pelo tempo, fincado bem na última rua da COHAB, onde a diversão do domingo de manhã depois da missa era assistir a jogos da Rua A Contra B ou contra C.E quando tinha torneio era sopa de letrinhas. Para a grande maioria dos proletários do lugar ali era diversão, possivelmente a única. E o campo lotava e Zé Rosca se empolgava. Quando acertava um drible então, com a elegância e altivez de Nilton Santos ele erguia a cabeça e a la Gerson soltava a trivela (não tinha jeito ele era o cara da “rosca”). E tome Vevé a correr e dominar  o capotão. E tome Zé Rosca a exibir sua especialidade. 

E foi numa dessas manhãs, em que o sol já está a pino que o fato inusitado aconteceu: jogo contra a rua Z, finaldo Torneio Seu Maneca, o patrocinador e nome da bodega do local. Enquanto Vevé, Todo-Duro (já estava jogando com a rua B, pois havia casado com a filha de seu Gumercindo, o polícia), Lila e todo o time suavam para garantir o empate, Zé Rosca estava inspirado. Bola prá lá, bola prá cá, a rua B na final e a bola cai na área. Lila domina e toma um tranco de Orlando Touro (o nome já diz) que nem de VAR o juiz precisou: Pênalti claro. Quem vai bater? Todo o estádio se levanta gritando o nome de Zé Rosca. E ele pega a bola e coloca na marca fatal, o juiz apita e o chute sai assoviando, até chegar nas mãos de Quiabo, o goleiro comprido e magrelo, mas muito efetivo até ali. Bola encaixada, decepção total.

Toda a torcida começa a vaiar o batedor, a vitória garantiria o troféu, uma caixa de cerveja e mil reais para otime campeão. Nessa altura todo o time já estava em cima de Zé Rosca, afinal o relógio marcava quarenta e cinco do segundo tempo e seria provavelmente o último lance.  E Zé Rosca tranquilo enquanto os apupos e xingamentos atingia até sua oitava geração, principalmente de Todo –Duro, que a todo custo tentava dar uns empurrões no craque.

O empate daria o troféu para o time da rua Z que tinha em Progoló o seu melhor jogador e que tinha sido até “profissional do juvenil” do clube da cidade.  E eles já comemoravam. Enquanto isso Zé Rosca demonstrava uma tranquilidade inexplicável diante de tão contundente complexo fato.

Ânimos acalmados, Quiabo vai repor a bola para recomeçar o jogo. (Vale dizer que o juiz nunca tivera tanto desejo de terminar assim que a bola rolasse).   Assim o goleiro coloca a bola dentro da pequena área para alçar o petardo quando, de repente, a bola começa a assoviar de novo e entra. Incontinente o juiz dá gol da rua B e aponta o centro do campo. O dantes xingado é carregado nos braços, todos gritando “É campeão”, jogadores se abraçando, alguns chorando, outros ajoelhados, emoção à toda.

Zé Rosca caprichou no chute. E deu um chute de rosca, como sempre fazia. Mas fez com tanta perfeição que deu a “rosca” interna e quando o goleiro foi recolocar a bola em jogo esta deu seguimento a sua trajetória. E viva Zé Rosca. 

Depois daquele título Zé Rosca ainda tentou, mas futebol não era sua prioridade. Soube por esses dias que ele estava num interior, onde tem uma padaria.   

 

Jonas Santana Filho, gestor esportivo, escritor, funcionário público. Apaixonado e estudioso do futebol.  

Jonassan40@gmail.com, Skype – jonassan50