Reinaldo

ARTILHEIRO ALVINEGRO

 por Serginho 5Bocas

IMG_0546.jpeg

Reinaldo foi o melhor jogador do Atlético Mineiro de todos os tempos, e um dos melhores centroavantes que vi jogar e olha que tive o privilegio de ver muita gente boa.

Minha primeira lembrança deste fenomenal atacante foi na campanha do Atlético no Brasileiro de 1977, era um time sensacional. Assistia seus gols pela tv e ficava impressionado como ele balançava as redes, a maioria deles com toquinhos sutis, apenas tirando o peso da bola com uma “cavadinha”, colocando longe do alcance do goleiro, parecia fácil, mas não era. Certa vez ele disse que essa jogada era especialidade do centroavante Coutinho do Santos, que pelo visto passou o bastão para ele, que repassou a Romário, mas ai já é outra história.

Voltando aquele brasileiro, o Atlético foi vice-campeão invicto, fez a melhor campanha disparado, mas como não era disputado por pontos corridos, perdeu a decisão para o São Paulo nos pênaltis, num jogo em que Reinaldo não pode jogar, pois cumpria suspensão, um desfalque muito sentido.

Reinaldo fez 28 gols em 18 partidas naquele Brasileiro, uma média extraordinária de 1,55 gols por partida. Até hoje ninguém conseguiu superar sua média de gols em campeonatos brasileiros.

IMG_0547.jpeg

Reinaldo foi convocado para a Copa do Mundo de 1978 e infelizmente foi machucado para a Argentina. Lá, ainda assim, conseguiu fazer seu único gol em Copas contra a Suécia, justamente na estreia, depois só jogaria mais uma partida contra a Espanha e seria barrado por Roberto Dinamite a “pedido” dos militares que mandavam e desmandavam no futebol brasileiro daquela época da antiga CBD.

Reinaldo conviveu duramente com problemas nos joelhos desde cedo. Dizem que aos 17 anos já não tinha mais os meniscos. Jogou pela seleção nas eliminatórias para a Copa de 1982 e na famosa excursão a Europa em 1981 e foi titular neste período, mas as constantes contusões e seu envolvimento em movimentos políticos, fez com que Telê o afastasse da seleção e não foi a Copa da Espanha.

Telê preferiu levar Careca – que segundo ele era um “jovem” Reinaldo só que com os joelhos bons – e Serginho do São Paulo. Quem sabe o que poderia ter acontecido se Reinaldo estivesse naquela seleção de sonhos de 82?

Reinaldo ainda jogou mais alguns anos, mas seus joelhos foram o afastando dos campos rapidamente e bem cedo abandonou os gramados.

Reinaldo tinha um estilo refinado de jogar, cheio de toques macios na bola e uma inteligência muito acima do normal. Driblava e fintava com extrema facilidade e tinha uma categoria enorme para concluir, estava sempre aonde a bola ia aparecer instintivamente. Seu vasto repertório de jogadas incluía lençóis, canetas e tabelas rápidas, coisas de quem sabe e muito.

Época de raros jogos transmitidos na televisão, dava para ver pelo menos os gols nos programas esportivos, mesmo sendo carioca adorava ver os gols deste “monstro” sagrado pelo Atlético Mineiro, quanta vontade de tê-lo em meu time.

IMG_0548.jpeg

Sem fazer comparações desnecessárias e impossíveis de se provar, tal a subjetividade das diferentes épocas e estilos, sem contar a preparação física, acho que no conjunto da obra Reinaldo foi o centroavante mais “sensacional” que vi jogar.

Foi um de meus ídolos de infância e de ninguém menos do que Romário, daí dá pra se concluir porque Romário fazia muitos gols com toquinhos sutis, exatamente como fazia o nosso ídolo mineiro.

Fica aqui meus agradecimentos às belas imagens, dribles e gols que Reinaldo nos deixou e olha que ele fez os flamenguistas sofrerem bastantes com suas atuações contra a gente.

Quanta saudade do rei...e como diria aquele povo mineiro:

Rei, rei, rei, Reinaldo é nosso rei....e meu também!

Um forte abraço

Serginho5Bocas

UM REI MAIOR QUE O MENINO NEY

por Paulo Escobar

r5.jpg

Reinaldo, mineiro de nascimento, nunca foi quieto. Desde muito cedo já mostrava quem seria, driblador, bom de bola e fazedor de gols. Chegou ao Galo com 14 anos depois do técnico do juvenil, Barbatana, ouvir falar do jovem craque.

Além do seu talento, também chamava a atenção seu estilo desenvolvido de maneira esplêndida desde muito pequeno. No time principal do Galo, ainda nos treinos, teve que começar a lidar com as pancadas que levava, o que viria a ser um problema na sua vida.

Há atacantes trombadores, oportunistas ou que passam sem deixar saudades tanto dentro como fora de campo. Existem aqueles que são grandes em campo, geniais e sem graça do lado de fora (vide Neymar), mas existem os Reinaldos, aqueles que são geniais dentro de campo e colocam um tempero à vida do lado de fora.

O maior artilheiro da história do Atlético-MG foi chamado de Rei pelos atleticanos, pois para estes o seu monarca era Reinaldo. Cada um tem seu Rei, cada torcida tem seus ídolos, em tempos do ainda reinado de Pelé, em Minas quem imperava era Reinaldo.

r4.jpeg

Quantos atacantes do futebol nacional você consegue lembrar que tenham feitos 28 gols num Brasileirão, ou possuem uma média de 1,56 por jogo? Não entendo por que o Rei não tem um lugar de destaque maior daquilo que lhe foi dado?

Ídolos não deveriam ser propriedade de uma única torcida, ainda mais quando tiverem feitos como os de Reinaldo, pessoas grandes fora dos campos que conseguem se movimentar de alguma forma a favor dos mais sofridos deveriam ser mais lembradas. Mas também entendo que no jeito que este mundo está estruturado, ídolos bons de pés e isentos de pensamentos merecem mais destaque.

O Rei devia driblar os seus adversários e as pancadas que levava, deveria driblar o silêncio imposto pela ditadura militar através das palavras de Geisel, que na despedida da Seleção para a Copa de 1978 lhe diz:

- Vai jogar bola, garoto. Deixa que política a gente faz!

Não obedece a censura imposta e, no seu gol contra a Suécia, Reinaldo comemora com seu braço erguido e punho fechado, gesto dos panteras negras, pois o atacante tomou lado nas épocas de torturas e desaparecimento.

r3.jpg

Amigo de gays sem se importar como os preconceitos que, na época, eram fortes também, ainda mais no futebol, um meio bastante homofóbico, pode ter sido um dos fatores que também sofreu as consequências do lado de fora. Participou da campanha que levara o Brasil à Copa de 1982, mas, discriminado pelas suas posições, acabou não sendo convocado.

As dores das contusões e as dores internas o levam a procurar formas de aliviar as mesmas, as drogas são o episódio lembrado e taxado, não escondeu o uso, não se isentou sobre o tema. Mas cada um sabe as dores que carrega e o que faz para aliviá-las, o Rei foi grande na sua sinceridade e humanidade.

Qual é a diferença dentro de campo na habilidade e na sede de gols de Reinaldo e Neymar? O Rei teve a carreira abreviada devido as pancadas, claro que não teve o mesmo marketing e não foi um eterno menino bajulado e blindado pela mídia. Mas dentro de campo Reinaldo foi diferenciado, só não esteve na Copa de 82 e nos grandes centros pelas suas posições fora de campo. Poderia ter se silenciado e seguido os passos de Neymar.

r6.JPG

Reinaldo teve que driblar as pancadas e a opressão, teve que jogar em épocas difíceis e não se isentou. Não foi menino em suas posições e se a seleção lhe fechou as portas pelo que pensava, azar da seleção.

Num mundo ao contrário, que valoriza os lucros e destina ao ostracismo o lado humano, que coloca como vencedores aqueles que dançam conforme a música, ídolos como Reinaldo devem ser apagados das histórias. Mas estes ídolos são resistentes ao esquecimento e subvertem até o ostracismo a que se procuram destiná-los. Me arrisco a provocá-los e sem nenhum medo lhe digo que tanto dentro como fora de campo:

Reinaldo é maior que Neymar!

REINALDO, ANJO SOLITÁRIO

por Rubens Lemos

r3.jpg

O imenso zagueiro Argeu parece suplicar clemência. O baixinho de camisa alvinegra havia lhe aplicado um drible de costas, entrado na área, ameaçado o corte no loiro goleiro Valdir Appel e tocado por cima, balançando as redes macias do Estádio Mineirão.

O relógio marcava 41 minutos do segundo tempo e o menino de 21 anos, sacramentava a goleada do Atlético-MG sobre o América de Natal por 6 a 0, num baile de bola.

Um gol que valeu placa no estádio, reconstruído e desfigurado para a Copa de 2014. O América tinha um bom time, o adversário é que jogava como um triturador. O Atlético arrancava livre para conquistar o Campeonato Brasileiro de 1977 que perderia nos pênaltis para o regular time do São Paulo.

Estava sem Reinaldo, suspenso por causa de numa expulsão ocorrida um ano antes. Tiraram o processo da gaveta, julgaram e o craque ficou fora do campeonato. Ainda assim, artilheiro com 28 gols, recorde que só seria quebrado por Edmundo, do Vasco, em 1997.

Reinaldo sempre foi a pedra preciosa do futebol, apagada na hora do brilho decisivo. Na final contra o São Paulo, o Atlético não poderia mesmo vencer, pois no lugar de Reinaldo havia de centroavante Joãozinho Paulista, de notória competência em times do futebol nordestino. Foi um dos perdedores de pênaltis diante do goleiro Valdir Peres.

O Campeonato de 1977 ainda era visto em preto e branco. Pelo menos nas imagens que chegavam aqui a Natal, via TV Tupi, a magia de Reinaldo, pequenino e quixotesco nos dribles curtos e arrancadas sobre zagueiros gigantescos feito o Argeu desesperado no lance do sexto gol contra o América.

A conquista do Atlético era aposta cravada. A forte equipe do Vasco, que havia vencido o Campeonato Carioca, perdera em casa para o Londrina que foi enfrentar justamente o Galo nas semifinais para ser eliminado.

O São Paulo despachou o Operário de Campo Grande-MS que tinha Manga, o lendário, em seu gol. Atlético e São Paulo foram à final no Mineirão sem seus artilheiros. Reinaldo havia sido afastado. Serginho Chulapa, do tricolor, havia sido suspenso por agredir um bandeirinha. Pegou um ano de punição.

O Campeonato Brasileiro, com 62 participantes, do Goytacaz de Campos (RJ) ao Fast Clube (AM), era um mercadão montado para atender aos interesses da Ditadura Militar.

Para nós, que frequentávamos o extinto Castelão (Machadão), era uma contradição maravilhosa. Víamos os grandes do Brasil jogando contra ABC e América. O Atlético enfrentou a fúria do volante Chicão e, seu time de meninos criativos (Cerezo, Paulo Isidoro, Marcelo, Ângelo, Heleno, Marinho, Ziza), sentiu o peso do jogo do adversário, treinado sob as táticas de força do técnico Rubens Minelli, bicampeão em 1975 e 1976 com o Internacional de Porto Alegre (RS).

É fato que o sapo daquela tarde chuvosa em Belo Horizonte foi o São Paulo. Fechado, segurou o 0 a 0 até os pênaltis. Reinaldo chorava nas cadeiras especiais, lágrimas de revolta pela ausência que considerava injustificável.

Reinaldo incomodava os tiranos. Comemorava seus gols de punho cerrado, num gesto de provocação ao regime brutal. Parecia gritar pela dor que sentia nos joelhos em frangalhos desde os 18 anos, triturados pelas chuteiras de dois zagueiros em especial – Darci Menezes e Morais – do Cruzeiro.

O Atlético de Reinaldo mandava em Minas Gerais e ganhava todos os títulos estaduais, ele jogando como o Tostão de camisa trocada. Uma elegância genial em fintas de corpo, toques por baixo das pernas dos marcadores, gols suaves. O Fenômeno ferido que valia por 10 Ronaldos midiáticos.

Reinaldo jamais deu uma porrada na bola para fazer um gol. Jogou mal a Copa de 1978. Estava machucado e importaram uma máquina de ginástica, a Náutilus, monstrengo de ferro para fortalecer a musculatura de suas pernas.

r1.jpg

Fez gol na estreia e sumiu. Campos esburacados e o esquema tático medroso de Cláudio Coutinho prejudicaram o Rei. Ele foi enchendo o seu coração do fel da revolta, que só lhe faz mal.

Envolveu-se com drogas, meteu-se com movimentos alternativos, frustrou-se na carreira política e nos últimos tempos, é uma foto amarelada do menino dourado que foi. Aos 61 anos neste 11/1, Rei supremo de um território chamado solidão.

PS. A legenda do vídeo marca o ano do gol, 1978, mas a partida valeu pelo Campeonato de 1977 que entrou pelo ano seguinte.