Preparação Física

MELHORES MOMENTOS

por José Dias

No dia 5 de janeiro de 1972, quando adentrei no vestiário do Flamengo, na Gávea, tremendo mais que vara verde, senti que começava o jogo mais importante da minha vida e que duraria, com os acréscimos, cerca de 40 anos.

Aristobolo Mesquita, um misto de Supervisor/Dono do Clube, avisou ao roupeiro FERRUGEM – dê material para o Prof. José Dias -, nosso novo Preparador Físico.

Deve ter pensado::

- Pô, mais um para encher o saco.

Tirou, não sei de onde, um calção e uma camisa, usados, com o nome do antigo Professor – SALDANHA -, que por sinal era um perfeito armário, de tão grande e forte que era. Agora imaginem – eu, grande e parecido com um poste, de tão fino que era, dentro daquele uniforme. Vida que segue.

DOVAL, por sinal um grande “sacana”, passou os dois anos em que convivemos juntos, me chamando de Saldanha, mesmo já sabendo meu nome.

O que fazer com um jogador que, em campo, corria mais do que o LULA do Juiz SERGIO MORO, e fazia gols em pencas, apesar de que nas corridas que fazíamos na Vista Chinesa toda semana - naquela época, só jogávamos aos domingos -, pegava carona com um amigo ou uma namorada e pouco antes da linha de chegada, desembarcava e passava bufando por mim, que de cronômetro na mão cantava:

- Boa, Doval! 30 minutos e 12 segundos, tá melhorando seu tempo - como eu era BABACA e não sabia!

Ainda do “gringo” tenho mais histórias. Amistoso numa capital do Nordeste e, após o jogo, os jogadores foram liberados. Lá pelas tantas, na hora marcada para o regresso, em frente ao hotel, estaciona um conversível importado, com uma reluzente motorista (diziam que era Miss do Estado) para devolver a “mercadoria” já devidamente provada, porém, intacta.

Não tivesse sido o gringo batizado com o nome de NARCISO, filho de um Deus, não sei de onde – deve ser lá dos “pampas”.

GERALDO! Que número você calça? É para pedir um par de tênis! Perguntava o roupeiro Ferrugem.

Respondia ele:

- De 37 até 44 tá bom. É de grátis!

Estávamos em Feira de Santana, interior da Bahia e íamos participar de um amistoso – como o Flamengo faturava nos amistosos no interior do País -, quando, do seu “bangalô, porta a fora, Ferrugem, branco feito uma cera, assustado e aos berros. Motivo? Como fazia um calor “baiano”, dos ralos do pátio, surgiam inúmeros sapos, mas não eram sapos comuns, iguais àqueles que conhecemos. Eram verdadeiros monstros, enormes. E, junto com os demais “sacanas” que eram os jogadores, Doval devia estar no meio, esconderam um deles na cama do Ferrugem. Perceberam o porquê da correria do roupeiro?

Alberto Leguelé (Foto: Vaner Casaes)

Alberto Leguelé (Foto: Vaner Casaes)

Como se estivesse sonhando, me vejo em Point Noire, no Congo/África, e os jogadores da Seleção Olímpica entraram no campo para o aquecimento, antes do jogo. De repente, não mais que de repente, o ALBERTO LEGUELÉ, baiano, gozador que nem ele só, parou de abraços abertos, aos gritos dizia:

- Como é João Santos (ponta esquerda do Santa Cruz), vai ficar aí, parado?

Nada disso, o apelido dele era SAPO e, o sacana viu um sapo onde eles estavam. MARINHO, outro da turma, era o que mais zoava, o mesmo que, no campo do Atlântico Sul, em Vargem Grande, local onde o Botafogo treinava, um dia chegou pilotando um Mercedes Benz, quase tão reluzente quanto o da “noiva” do Doval. Curiosidade geral. Perguntas para cá e perguntas para lá, quando ele abre o capô e mostra com aquela cara que Deus lhe deu – motor de opala que já bateu biela. Minutos depois, ouve-se gritos histéricos vindo da sala de massagens, que se ouvia na rua em frente.

- Não para, Zé Carlos. Vai! Com mais força! Vou gozar! Ui! Gozei ......

Era o Marinho sendo massageado antes de entrar em campo para o treino. Assim era esse fenômeno de jogador, querido e admirado por todos.

Logo após esse lance com o Marinho, ouve-se uma barulheira no campo. Fora do campo, depois do muro, com uma porteira, tinha um pasto onde bois e vacas pastavam. Tinha um touro ou vaca, ainda adolescente, bravo para caramba. Assim que o pessoal chegava para o treino, estivesse onde estivesse, partia em desabalada carreira em direção a porteira e por ali ficava. Nesse dia, a porteira estava aberta e foi o que se viu em seguida. O boizinho correndo atrás de quem estivesse à sua frente, entre os carros, até passar pelo portão do campo. Aí o bicho pega!

O SANCHEZ, treinador de goleiros, estava sob uma das balizas e a fera partiu para cima dele. Ninguém sabe, ninguém viu, mas em frações de segundos, surge o Professor cavalgando o travessão e lá ficou, até a fera desistir.

Um dos melhores momentos dessa vida de “boleiro” é o tempo reservado para as “resenhas”. Nessas horas muitos se revelam, gente impossível de se imaginar. Dos muitos que conheci, quatro eram inigualáveis: No ranking dos melhores eu destaco – em ordem decrescente a partir do melhor -, VAVÁ; MELLO; TELÊ (com o palitinho no canto da boca) e o jogador WALDIR (do Guarani).

Waldir, especialista em piadas de “fanhos”. Sensacional.

Telê, eclético. Piadas sem um motivo aparente e uma das melhores era a do “trilema”, que o horário não permite sua divulgação. Hilária.

Mello, além de narrar, interpretava e as melhores eram a do cara que sonhava e transformações ocorriam com sua “genitália” e a do macaco equilibrista em fios de alta tensão. Também impróprias para o horário nobre.

Agora, VAVÁ – esse era fenomenal. Não sei se era melhor como atacante ou como contador de piadas. Interpretava ao extremo. Contava uma sobre “a vaca” (que bem podia ser aquela lá no campo de treino do Botafogo, já adulta). Resumo da ópera, final da piada: Olha a vaca aí gente!

Nessa hora, Vavá subia numa cadeira, numa mureta ou qualquer lugar elevado, se jogava no chão se “estabacando” todo, rindo mais que qualquer um de seus ouvintes. Até hoje não sei se ria mais do Vavá ou das piadas que ele contava.

Durante o desenrolar desse jogo, não podia deixar de lado as lembranças que uma foto deixou. Foto histórica e memorável, pois reúne figuras históricas e memoráveis que já se foram e que deixaram um legado inestimável. Dissertar sobre eles desnecessário se torna.

O técnico Zizinho (sentado no canto esquerdo), o jornalista Hideki, Roberto Abranches (Chefe da Delegação), Parreira, Coutinho (Supervisor nessa oportunidade), o preparador físico Sebastião Araújo e José Dias (administrador)

O técnico Zizinho (sentado no canto esquerdo), o jornalista Hideki, Roberto Abranches (Chefe da Delegação), Parreira, Coutinho (Supervisor nessa oportunidade), o preparador físico Sebastião Araújo e José Dias (administrador)

Desses “melhores momentos” não podia deixar passar as figuras de dirigentes que, no meu entender, honraram suas funções, bem diferentes de muitos dos de hoje:

Giulite Coutinho: o presidente da CBF. Carrancudo e que fazia muita gente tremer. Talvez eu, junto com Doutor Althemar Dutra de Castilho, tenhamos sido os poucos que vimos o “homem de ferro” chorar quando do desembarque da seleção em 1982, no Galeão. Foi emocionante!

Manoel Schwartz: presidente do Fluminense. Esse eu sei que não meteu a mão.

Castro Gil: vice-presidente de Futebol, também do Fluminense, e que não se achava o dono da verdade. Ouvia quem tivesse que ser ouvido antes de tomar uma decisão.

Gilberto Coelho: diretor de finanças e depois diretor de competições da CBF. Com as mesmas características do Castro Gil. Saiu da CBF por discordar de algumas coisas que ocorreram com as finanças da entidade.

Roberto Abranches: Esse era o “cara”. Era de uma simplicidade que irritava. Se enturmava com uma facilidade incrível.

Chefiava a delegação da seleção Sub 18 e estávamos em Paris quando aceitamos o convite para assistir ao espetáculo do MOULIN ROUGE. Durante o evento, alguém chamou membros da delegação para subir ao palco e quem atendeu, de pronto, foi o “Doutor Abranches” que, abraçado com as vedetes, dançou o CAN CAN. Gente! Imperdível!

O mesmo tinha acontecido, antes, em ABADAN/Iran.

O último dos melhores momentos ocorreu em 1983, quando no dia 19 de junho, no Estádio Azteca, o Brasil conquistou, pela primeira vez, o título de campeão mundial invicto, da categoria Sub 19, hoje Sub 20.

Pouco antes do término dessa partida, recebi um “amargo” cartão vermelho, que me defenestrou de vez, aplicado por um ..........de ...............

Hoje, só me resta ter ânimo para continuar passando informações que possam ser do interesse de quem assim o desejar.

UM CORPO VENDIDO AO PREPARO

por Zé Roberto Padilha

Zé Roberto Padilha

Zé Roberto Padilha

Aos 15 anos resolvi que seria jogador de futebol. Era o legado do meu pai, tinha facilidade para praticá-lo mais do que fazer provas de Física, Biologia e Matemática. E embarquei para o Rio para uma temporada de testes nas Laranjeiras. Mas o BBB (Beto bom de bola) de Três Rios encontrou uma dúzia de bons de bola por lá. De Miracema, Campos, Nova Iguaçu, Muriaé, Teresópolis... Para não desembarcar de volta na rodoviária, um vexame adolescente que minha timidez certamente iria potencializar, estava disposto, como Fausto ao demônio Mefistófeles, a deixar levar meu corpo em troca de permanecer na casa tricolor e escapar de ser eliminado no paredão.

Começava a transição do futebol-arte para o futebol-força e os professores da Escola de Educação Física do Exército precisavam encontrar uma cobaia de corpo e alma para seus experimentos. E aceitei doá-lo às suas pranchetas assim que assinei meu primeiro contrato profissional.

Neste ano, 1972, Sebastião Araújo introduziu o futebol alemão nas Laranjeiras e começou a levar seus camundongos para dar seu máximo em 12 minutos percorridos em uma pista de atletismo. Era a chegada do Teste de Cooper. Dois anos depois, 1974, foi Carlos Alberto Parreira que inaugurou o regime Full time nos levando, após o treinamento da manhã, para as areias de Copacabana testarum Circuit Training novinho em folha. E coube a José Roberto Francalacci, em 1976, realizar com nosso grupo um Interval Training na primeira máquina Apolo montada na Gávea. Além de toda a semana melhorar meus tempos, e destruir posteriormente minha coluna, nos 5 km de subida das Paineiras e da Vista Chinesa. O preço? Titular da Máquina Tricolor 75, cobiçado e contratado pelo Flamengo ano seguinte como solução na ponta-esquerda, líder por quatro semanas da Bola de Prata na posição e pré-convocado, ao seu final, por Osvaldo Brandão. O técnico da Seleção Brasileira.

O tempo passou e veio a conta para pagar. Não tinha mesmo complexão física para suportar aquela carga que nos manteve por 17 temporadas em cena. E ele, corpo cedido na troca, que deixou, acreditem, Mário Sérgio no banco de reservas, começou a desabar. Os meniscos foram se esfacelando e retirados em quatro cirurgias. Dois tornozelos fraturados, que sorte ter apenas dois, perônio trincado, uma hérnia inguinal rompida, osso malar afundado. Quando o tempo esfria, meus ossos doem, quando esquenta, boto gelo nas dobradiças. E me vicei na  prática diária de uma atividade física mesmo com todas as articulações comprometidas.

Zé Roberto não abandona as pedaladas

Zé Roberto não abandona as pedaladas

Às vésperas dos meus 6.5 acabo de percorrer de bicicleta, nesta manhã de domingo, 20 km entre Três Rios e Paraíba do Sul pela estrada da Barrinha. Talvez não pudesse, mas como todo dependente de uma dose de hormônio simpaticomimético (adrenalina) não consigo mais evitar a primeira pedalada. E caio na estrada. Portanto, meu corpo, me perdoe por abusar dos seus limites e sacrificá-lo em prol dos meus sonhos. E prometo daqui pra frente me dedicar as sessões de Pilates, uma benção de correção postural apresentada por minha filha, a Priscila,  para amenizar as dores herdadas no pacto que o vendi ao preparo. E que Mefistófeles me poupe. E não me carregue.