Política

OS VENTOS DO ÓDIO DENTRO DOS CAMPOS

por Paulo Escobar

s3.jpeg

Não é de hoje que se percebe o ódio nas pessoas, e não é de hoje que os preconceitos contra as ditas minorias (em direitos), mas maioria em quantidades, se faz presente. Podemos dizer que nos dias atuais somente tem se colocado mais para fora os ódios internos guardados, e no mundo do futebol não é diferente.

Em alguns países são toleradas atitudes totalmente desumanas e cruéis, opiniões que podem custar a vida de pessoas por conta de serem diversas, e jogadores que vêm de meios de pobrezas apoiando opressões e falas racistas, homofóbicas, xenófobas e estúpidas dentro e fora dos gramados.

Quando um jogador de futebol se manifesta a favor da intolerância e de posturas cruéis, ele reproduz ódios e frases que são escutadas em rede sociais ou televisão aonde crianças ouvem e imitam estas ideias e alimentam na cabeça de quem assiste os preconceitos defendidos, correndo o risco de tornar ódios como coisas normais e tudo em nome da tal democracia e liberdade de expressão.

s5.jpeg

Bom lembrar que muitos destes jogadores, através do futebol, saíram e saem de meios extremamente pobres e sofreram preconceitos dos mais variados, sentindo na pele a exclusão social por conta da condição financeira. Seria honesto talvez não esquecer do lugar de onde saíram, e começar a enxergar que o fato de terem dinheiro não apaga o lugar de onde vieram. Querer hoje defender ideias desumanas por estarem longe do meio que os viu crescer, das favelas ou quebradas, chega a ser bizarro tendo em vista que os seus amigos deixados para trás continuam sofrendo o peso da exclusão e preconceitos que eles sofreram um dia, e que ao que tudo indica serão as primeiras vítimas diante do massacre que estes discursos de ódio trarão consigo.

Como bem observou Angel Cappa, ex-jogador de futebol argentino:

“Eles são postos diante de uma armadilha. São levados a viver a ilusão de uma ascensão social, quando na realidade não é assim. São retirados de sua classe social e deixados no ar, são conscientemente apartados da realidade. Eles não se esquecem de onde vêm, mas se alienam. Adotam os costumes, o modo de falar, os restaurantes, os perfumes, a roupa do opressor. Ou digamos que de outra classe social, para não ser tão extremos. E ficam deslocados, perdidos, porque jamais são admitidos na elite à qual ilusoriamente são levados a acreditar que pertencem. As pessoas só se aproximam deles por causa da fama, e depois de seus quinze minutos eles ficam novamente no ar, não são nem do local de onde vieram nem da alta sociedade.”

Jogadores e ex-jogadores negros apoiando discursos de racismo, jogadores que têm companheiros gays apoiando discursos homofóbicos, jogadores ditos cristãos apoiando a apologia a tortura, jogadores que já tiveram problemas com vícios e que talvez estiveram nas bocas atrás de suas drogas apoiando o extermínio de pessoas com vícios chega a ser de uma desumanidade e hipocrisia sem tamanho.

s4.jpg

Não podemos esquecer também que a estrutura que são submetidos pelos clubes, assessores e confederações também os colocam numa cegueira social, afastamento até intencional diria na qual são distanciados da realidade tal qual ela é. Como não enxergar que muitos dos torcedores que os acompanham nos jogos e que consomem o futebol e que são seus clientes, por assim dizer, são pessoas diversas em todos os sentidos.

O futebol que é um meio de socialização, de integração e até que dentro dos estádios muitas vezes juntou as diferenças não pode ser utilizado como meio de cultivo de ódio às diferenças ou reprodutor de atitudes injustas e cruéis como já foi no passado aonde serviu de ocultação de realidades duras e do desaparecimento de pessoas apoiando regimes nefastos (seja de direita ou esquerda).

Quando vejo um jogador defendendo o ódio, penso no poder que aquela atitude tem e como isso se multiplica, penso em como pessoas que torcem pelos times que eles mesmos defendem irão sofrer as consequências deste ódio e crueldade. E vejo uma desonestidade com o passado e sofrimento que muitos passaram até chegarem a ter uma vida mais estável economicamente falando.

Em alguns times pelo mundo jogadores de futebol que manifestaram apoio a discursos de ódio contra as diferenças foram apagados da história de seus clubes, e alguns até convidados a se retirarem em caso de continuidade destas atitudes. Aqui no Brasil muitos clubes se isentam de posicionamento e em nome da “democracia” manifestam que todos têm direito a manifestação mesmo que este ato seja uma reprodução de ódio e crueldade, o direito a expressão não quer dizer direito a ser desumano com o outro.

s2.jpg

E pra finalizar não voto desde que nasci, acredito numa política construída no dia a dia com as pessoas mais prejudicadas e sofridas, na sobrevivência, no futebol como símbolo de alegria e de alivio daqueles que mais sofrem. Aos jogadores e ex-jogadores por favor sejam mais coerentes com suas histórias de lutas e vidas e com aquilo que o futebol é, um instrumento de alegria e socialização e não de ódio.

Diante do ódio o papel do futebol é resistir.

POR UM TSUNAMI DE IDEIAS

:::::::: por Paulo Cezar Caju ::::::::

pc.jpg

Quem me conhece sabe que há anos ando desiludido com o futebol e com a política. CBF, FIFA, PSDB, PT, PMDB, enfim, nenhuma dessas siglas me representa. Todos se envolveram em um mar de corrupção e conseguiram afundar o Brasil e o futebol. Estamos mergulhados de cabeça na lama e não me iludo com promessas e discursos.

Mas, confesso, fiquei feliz porque no país todo o resultado das urnas comprovou a sede por mudanças. Não sou Lula ou Bolsonaro e nem sei se os eleitos cumprirão suas promessas, mas essa inquietação contra a mesmice é a que me move. Os grandes partidos perderam espaço e a nossa capacidade por indignação ganhou força. O futebol precisava dessa chacoalhada.

Um tsunami seria necessário para uma renovação nos dirigentes das confederações, federações e clubes, na mentalidade dos “professores”. A escola gaúcha não tem mais o que dizer, parou no tempo. Felipão está prestes a vencer um Brasileirão e sairá como herói. Mano venceu a Copa do Brasil. Zero inovação, a receita de sempre: um monte atrás torcendo por um golzinho salvador. Palmeiras e Flamengo montaram elencos milionários e a partida entre eles foi sofrível. Dinheiro não compra qualidade. Qualidade é nata e está na molecada que vocês estão colocando fora de posição para marcar e dar carrinho.

Felipão colocou um time em campo com quatro cães de guarda: Felipe Melo, Bruno Henrique, Moisés e Tiago Santos. Eu disse quatro!!!!!

FELI.jpeg

E cadê o Lucas Lima? Tá no banco! Não morro de amores por ele, mas sabe jogar bola e não pode ficar na reserva para nenhum desses quatro. Dudu se salva, mas precisa deixar de ser chorão. Joga bola e pronto! Felipe Melo espanou Paquetá o quanto pôde e os comentaristas dizendo que ele jogou muita bola. Em que mundo vocês vivem???

E o Felipão no fim do jogo exaltando o fato positivo de se jogar em um Maracanã lotado.... com 50 mil torcedores. Ô Felipão, 50 mil dava Olaria x Madureira dos bons tempos! O problema é que essa turma se contenta com pouco.

Vem tsunami, varre esses exterminadores do bom futebol para bem longe daqui!!! Querem um exemplo bobo. O centroavante Pablo, do Atlético Paranaense. Quantas vezes vocês já ouviram o nome dele em alguma sondagem dos últimos “professores” da seleção? Nenhuma! Será necessário ele mudar de empresário ou ir para a Europa? Essas convocações são abomináveis, é um toma lá dá cá escandaloso.

GAR.jpg

Precisamos de novos ventos, de novas ideias. O futebol precisa ser discutido, reavaliado. Na política, não vimos apresentação de propostas entre os presidentes nem entre os candidatos ao governo do Rio. Só acusações, dossiês, fake news. Triste. Mas a verdade é que nosso futebol é fake, nossos dirigentes são fakes. No meio dessa bagunça generalizada, o torcedor clamando por renovação.

Só sei que no dia da eleição, nosso querido Mané Garrincha faria 85 anos. Meu voto vai para ele porque não só no futebol, mas como na política, precisamos de sua criatividade, seu raciocínio rápido, sua sagacidade, mas, acima de tudo, precisamos de sua pureza.   

DAS URNAS PARA O FUTEBOL

:::::::: por Paulo Cezar Caju ::::::::

pc 10.jpg

Romero Jucá, Cesar Maia, Sarney Filho, Roberto Requião, Edison Lobão....há quantos anos ouvimos esses nomes circulando pela Política? Pelo que li, esses aí não conseguiram se reeleger o que já não deixa de ser um grande avanço.

Adoraria que uma renovação dessas fosse feita no futebol. O problema é que nem sempre os substitutos aproveitam a chance, pior, muitos rezam da mesma cartilha. Os políticos mudam de partidos sem qualquer cerimônia e no futebol o cenário não é diferente, os nomes não mudam e não há qualquer novidade no formato de trabalho, zero inovação.

Por exemplo, há time mais previsível do que o Inter? E o Palmeiras? Corre o risco de o Felipão ser campeão do Brasileiro com o mesmo esquema de sempre. Ou a mesmice de Mano ser premiada. Dois ex-seleção brasileira. Tite que se cuide, hein, Kkkkk!!!!

Sério, qual foi a grande sacada de Felipão? Insistir com Deyverson, um centroavante que provoca, tumultua o jogo, mas depois chora e diz que é bonzinho. Que mala!!! Fora que o Palmeiras tem um elenco gigante e Roger montou boa parte desse grupo.

D11.jpeg

Os candidatos ao título estão longe de pelo menos tentarem algo diferente. O Dorival já rodou mil clubes e agora volta ao Flamengo de onde o próprio Bandeira de Mello o mandou embora. Ganhou de um Corinthians desarrumado e visivelmente se poupando para a final da Copa do Brasil e virou gênio. Basta olharem o jogo. Mais irritante ainda é ouvir os comentaristas dizendo que ele “arrumou a casa”. Fora que contei sete profissionais na comissão técnica do Dorival. É preciso tanta gente mesmo?

Outra coisa que me irrita é essa história de os “professores” trazerem seus filhos para fazer parte do grupo. Será que, assim como os políticos, eles também querem se eternizar no poder? Olha que vários filhos de políticos não conseguiram se eleger nessa eleição, hein! Renovação assim é ruim porque os pupilos seguirão com os mesmos erros. Fora que não deixa de ser nepotismo.

Já falei que renovação não é pela idade, mas pelo pensamento. Zé Ricardo e Barbieri, por exemplo, são de uma nova safra que não ousou, que talvez querendo garantir o emprego jogam se defendendo. Saudade da tranquilidade de Jayme e da sabedoria de um Carlinhos Violino. Nos últimos tempos o único que vi tentar algo diferente foi o Fernando Diniz. Por onde ele anda, por falar nisso?

Didi_card.jpg

Adoraria ver uma garotada surgindo com novas propostas. Se é assim que sonhamos para o país, o futebol, maior paixão do povo, também deve seguir os mesmos passos. Há de surgir alguma alma salvadora que passe uma borracha nessa história de quatro volantes, não é possível!

O país assiste partidos políticos trocando insultos e inventando mentiras. Em campo, chutões, empurrões e desrespeito. Mas o Leonardo Gaciba diz que carrinho é normal, então tá! O Hino Nacional antes do jogo soa como deboche. O futebol precisa de uma revolução criativa. Como dizia o Mestre Didi, quem deve ser rápido é o raciocínio, não as pernas.

MATURIDADE

por Claudio Lovato

menino.png

O menino estava sentado entre o pai e o tio. Dois irmãos em guerra no estádio quase lotado.

O menino chegou a achar que eles não viriam juntos para o jogo, temeu que eles desistissem, o que faria com que ele tivesse que se contentar em assistir à partida pela TV.

O pai e o tio gritaram um com o outro, em pleno almoço de domingo, na frente do vô e da vó.

O pai e o tio brigaram por causa de política.

Apoiam candidatos diferentes a presidente da República. Aliás, completamente diferentes.

O pai disse que o tio era um “babaca reacionário”.

O tio chamou o pai de “comunista demente”.

A mãe e a tia do menino repreenderam os maridos. Elas repetiam o nome deles.  

O pai falou que o tio era um “direitão baba-ovo de milico”.

O tio não gostou nada dessa e xingou o pai de “bundão metido a intelectual”.

Foi quando o vô, que nunca batia na mesa, nunca gritava e nunca dizia palavrão, bateu na mesa, gritou e disse palavrão: “Porra! Vocês parecem duas crianças!”

urna3.jpg

O menino nunca tinha visto o vô irritado daquele jeito.

O pai e o tio ficaram quietos, mas parecia que iam saltar por cima da mesa e sair no tapa a qualquer instante.

A vó se levantou e foi para o quarto. Todos viram que ela tinha começado a chorar. A mãe e a tia do menino foram atrás dela. Antes, a tia disse:

- Estão satisfeitos?

A vó não era de chorar. A vó era mais do tipo “braba”. O menino estava surpreso.

Então, não deu outra.

A vó voltou do quarto com as duas noras atrás dela, chegou ao lado do pai do menino e o segurou pela orelha.

- Levanta! - ela mandou.

Ele resmungou, mas obedeceu. Ela fez a volta na mesa, com o pai do menino de arrasto, e agarrou a orelha do tio, que tentou escapar do “alicate”, mas não conseguiu.

A vó rebocou os dois para a área de serviço, e o que ela disse lá só os três sabem.

Agora estão ali, sentados, cada um com uma orelha latejando, com o menino entre eles.

O menino diz:

- Vou ao banheiro. Querem alguma coisa do bar?

Os dois balançam a cabeça de um lado para o outro, mal-humorados, emburrados, beiçudos. 

- Já volto. Não briguem. Se comportem. Eu não demoro.

E lá se foi ele, escadaria acima, carregando nas costas todo o peso dos seus 12 anos de idade e toda a responsabilidade que lhe coube assumir.

A POLÍTICA PODE SERVIR AO MARKETING

por Idel Halfen

id.jpg

Em época de eleições tem sido bastante comum ver pessoas se digladiarem em defesa de seu candidato, fato que vem piorando com a crescente inclusão digital, onde as redes sociais que aproximaram tantas pessoas agora as afastam.

O mais grave de tudo é que a grande maioria dos envolvidos nesses processos beligerantes tem como motivação única defender sua opinião e não o que seria estruturalmente melhor para seu país, estado ou município, até porque, para alcançar tal estágio de discernimento seria necessário possuir um conhecimento mais profundo sobre política e economia e não se deixar levar por meros “achismos” e notícias, muitos das quais falsas ou descontextualizadas.

E já que falamos em eleições, vamos explorar aqui o case de um time de futebol que, através do seu engajamento político, conseguiu se posicionar e conquistar um lugar único na mente dos potenciais consumidores, os quais não são necessariamente seus torcedores, mas todos aqueles que dedicam uma parte do seu tempo ou dinheiro para ter algum tipo de contato e/ou experiência com o time. Aliás, o tempo que estamos dedicando a essa leitura é um exemplo de consumo, o qual pode se tornar ainda maior se buscarmos mais informações, assistirmos algum de seus jogos ou mesmo comprarmos algum artigo com sua marca.

O clube em referência é o Rayo Vallecano, que se localiza em um bairro operário de Madrid chamado Vallecas. Sua fundação se deu no período da pré-guerra civil espanhola, quando as ideias anarquistas e socialistas eram bandeiras levantadas pela classe operária, as quais serviram como ponto de formação dos movimentos sindicais.

Sendo a maior parte de seus torcedores oriundo dessa região, foi natural a associação aos movimentos de esquerda.

Nesse cenário o clube cresceu com um forte apelo social, o que fez com que o esporte fosse visto como uma ferramenta educacional e que iniciativas pautadas por sua visão política fossem implantadas ao longo de sua existência. 

id2.jpg

O Rayo foi o primeiro clube espanhol a ter uma mulher como presidente e, graças a um movimento liderado por sua torcida, reverteu a contratação do jogador Roman Zoluya que supostamente mantinha estreita relação com grupos neozistas.

Sua camisa traz uma faixa diagonal vermelha como forma de homenagear o River Plate, clube argentino que em 1952 lhe doou uniformes. Se sua gratidão é um fator a ser louvado, as ações que adotam no uniforme não ficam atrás, tendo já alterado a cor dessa faixa diagonal para  rosa como forma de se manifestar pela conscientização do câncer de mama e para as do arco-íris em protesto contra a homofobia.

Deve ficar claro que, independentemente da ideologia, o que se valoriza aqui é o conceito, ou seja, a maneira como o clube conseguiu, em um ambiente de aparente isonomia, se diferenciar dos demais sem que para isso tivesse um time vencedor, ídolos ou qualquer outro atributo esportivo valorizado pelo mercado - aqui se incluem torcedores e patrocinadores.

É muito provável que esse “posicionamento de marketing” tenha surgido de forma involuntária, até porque o lema da torcida é “Contra el racismo, la represión y el fútbol negocio”, o que nos faz crer que o marketing não seja muito trabalhado. 

id3.png

Todavia, não há dúvida de que o apelo do clube é atrativo, tanto assim que  houve a abertura de uma filial nos EUA em 2015, o Rayo OKC, projeto que recebeu muitos protestos dos torcedores e durou apenas uma temporada.

Ainda assim, a lição que se tira é que a definição de um posicionamento para marcas é fundamental para se obter destaque em qualquer mercado, sendo recomendável que esse seja desenvolvido de forma cientifica, pois o acaso não nos fornece muitas histórias de sucesso.

Por fim, desejo a todos que votem com a consciência de que inimigos não são os que pensam diferente do que pensamos, mas sim aqueles que não pensam nas necessidades da nação.