Olodum

OLODUM, O NOSSO BARBOSA DA VÁRZEA

por Paulo Escobar

IMG_1324.jpeg

Não sei se vocês conheciam a comunidade autônoma do cimento, ela ficava ali na radial leste debaixo do viaduto Bresser, que reunia centenas de moradores de rua que procuravam uma alternativa a moradia, já que morar é privilégio e não direito neste país.

Muita coisa bonita aconteceu naquela comunidade, muitas ações bacanas, e dali surgiram alguns dos jogadores do Corote Molotov, time de moradores de rua e pessoas que correm junto e joga todo sábado na várzea de São Paulo. 

Outra questão é que aquele comunidade, “misteriosamente” pegou fogo após uma operação policial prévia a uma reintegração de posse. Reintegração é aquilo que é feito quando pessoas que não tem onde morar tomam conta de um espaço vazio e a os donos e poder público os expulsam para especulação imobiliária ou então para ficar vazio mesmo.

Dito isto, conto a história do primeiro goleiro do corote, Olodum foi nosso primeiro goleiro e o mais lindo que foi nosso goleiro negro. E não o único negro na posição, tivemos Aranha e Tibuia, foi nosso Barbosa, baita goleiro e não foi injustiçado nas falhas como na Copa de 50 aconteceu com o goleiro da seleção.

Olodum entrava fumando em campo, com seus guias no corpo, com sua cara de mau e sem aliviar na saída pra ninguém. Você conseguia ouvir as broncas dele na zaga de longe, Ceará nosso zagueiro que o diga, e o cigarro muitas vezes ficava do lado da trave.

Adorava dar uma ponte e eu do meio olhava pra ele e o mesmo piscava o olho pra mim meio que falando, viu só o que fiz?

Mas tinha algo que só Olodum sabia fazer, nos jogos mais pegados em meio a pressão, aqueles que o adversário insistia no gol e tomávamos sufoco, o nosso goleiro desmaiava de forma repentina. Tinha umas quedas e todos achávamos que estava inconsciente era uma correria dos dois lados com água, tirar camisa para abanar e todo tipo de auxílio. Até que um dia num mesmo piscar de olhos percebemos que era cera pra baixar a pressão da partida.

Nos outros desmaios era mais frequente os outros times se preocuparem mais que a gente, pois além de um baita goleiro era um grande ator. Esfriava necessariamente um jogo como poucos.

Tivemos jogos memoráveis com Olodum no gol, não gostava de perder e a cerveja não era a mesma depois dos jogos com uma derrota para ele. Quando ele vestia a um do corote entendia que havia uma comunidade que perguntava os resultados e aquilo era muita responsabilidade nas suas luvas.

Olodum representou sem dúvida de uma forma das mais belas o goleiro Barbosa, em cada defesa sua luvas carregaram a luta de ser goleiro negro no Brasil. Pois ser negro e goleiro em qualquer canto deste país é sinal de resistência, e a cada defesa Barbosa ressuscita.

As pessoas de bem que comemoram e fizeram buzinaço quando a favela do cimento pegou fogo não tinham ideia das pessoas maravilhosas que ali moravam, não tiveram o prazer de conhecer Olodum o nosso goleiro que a cada defesa beijava seus guias e agradecia aos orixás. Hoje naquele lugar somente há terra e falta a alegria daquela comunidade, é um lugar deserto e foi assim deserto que nós sentimos quando nunca mais vimos o nosso Olodum