Matheus Rocha

IBRA NO BRASIL?

por Matheus Rocha

i1.jpg

Você queria o Ibra no seu time? Saiba que ele poderia estar nos principais times do Brasil.

Talvez você, leitor, esteja se perguntando: "como este 'louco' diz que o Ibrahimovic poderia estar jogando no meu time aqui no Brasil?". E eu te respondo: "Sim, poderia, se as gestões sobre os clubes não fossem tão amadoras".

Os torcedores sabem, mas não se importam. Os clubes são amadores no Brasil e agora estão começando a se profissionalizar e tratar como sempre deveria ter sido tratado. O excesso de empréstimos e excesso de falta de pagamento de tributos no passado gerou um passivo muito grande para os clubes, que sofrerão durante os próximos anos para pagá-los.

Se cada clube tivesse um plano bem definido, um orçamento bem ajustado e, principalmente, que fosse cumprido este orçamento, poderíamos estar brigando com a Europa em todos mundiais interclubes, fazendo frente às contratações e colocando o Brasileirão na vitrine, gerando mais valor e mais receita para todas as equipes. Pode até parecer absurdo o que eu digo a você, leitor. Mas não é absurdo.

f4.jpg

Pesquisei hoje os balanços patrimoniais de alguns dos principais clubes do Brasil em seus sites e digo que estão melhorando as apresentações. Com algumas exceções, como Coritiba – a página diz estar sendo atualizada; do Vasco que nunca é encontrado no site; do Fluminense – que há somente um balanço provisório informando que está sendo avaliado pela auditoria ainda (faça-se uma ressalva que os balanços do Fluminense são muito bem apresentados há algum tempo, então acredito ser somente questão de tempo).

Alguns clubes ainda precisam melhorar (e muito) as apresentações de suas demonstrações financeiras para que tenham uma consistência e que informem aos associados e torcedores algo relevante, conforme previsto na lei do PROFUT. Esses clubes demonstram um amadorismo muito grande quando apresentam as demonstrações financeiras com informações faltantes ou até mesmo com erros que são facilmente identificáveis para profissionais da área contábil.

Mas vou explicar primeiro a técnica utilizada na comparação que faço ao final deste texto: os clubes apresentam as despesas financeiras (basicamente juros e atualizações monetárias de empréstimos e tributos, com alguma outra despesa financeira extra). Comparei essas despesas financeiras com os salários de alguns jogadores do futebol mundial. E o que isso significa? Significa que se os dirigentes do passado não tivessem captado tanto empréstimo e tivessem pagado todos os tributos no período correto, hoje os times poderiam estar pagando salários que competissem aos salários dos jogadores da Europa. Obviamente isso não é uma verdade absoluta, pois alguns jogadores deveriam rescindir com os clubes atuais, isso gerariam outros gastos de contratação. Mas aqui é somente um exercício de reflexão sobre a boa gestão.

As despesas financeiras também não significam que o clube pagou aquele valor no ano, pois por vezes esses juros são somente um aumento do empréstimo ou do acordo relativo a aquele ano que será pago em anos posteriores. Isso ocorre por que os clubes não apresentam adequadamente os juros pagos na demonstração do fluxo de caixa, conforme requer a norma contábil, com exceção do Flamengo. A outra exceção, porém negativa, é o Cruzeiro que não possui abertura do resultado financeiro, ou seja, o valor utilizado são as despesas financeiras líquidas das receitas financeiras. Os clubes somam amortizações e juros dos empréstimos e tributos, então resolvemos ser consistentes na comparação. Dessa forma, utilizamos as despesas financeiras da demonstração do resultado ou da abertura da nota explicativa para todas as equipes abaixo:

tabela.png

O que vale lembrar é que os clubes têm essa despesa financeira todos os anos, ou seja, seria possível pagar o salário de um James Rodriguez ou de um Zlatan Ibrahimovic durante vários anos com o que os grandes clubes brasileiros pagam.

Toda vez que o presidente do seu clube anunciar uma grande contratação, lembre-se: poderia ser muito melhor, se a gestão passada tivesse sido profissional!

 

** Matheus Damasceno Rocha é contador formado pela UFMG e pós graduado pela FGV e Ohio University. Experiência de mais de 15 anos em multinacionais e ex-auditor da PwC em BH e no Rio.

O TERROR DA MULHERADA

por Matheus Rocha

b2.jpg

Todos nós sabemos: somos fominhas por futebol. Você olha para o céu, aquela névoa sobre a cidade, relâmpagos distantes e depois do trabalho aquela pelada naquele mesmo campo society de toda semana!

Obviamente, a chuva só vai aumentar e começa aquele burburinho no WhatsApp: "Vai ter pelada com chuva?". Sempre tem aqueles que não são tão fominhas de bola quanto nós, convenhamos, simples mortais! Mas óbvio que já cortamos a conversa às 3 horas da tarde com aquele carrinho (também via WhatsApp): "Você é de açúcar? Claro que tem pelada...". Ainda joga umas carinhas na sequência da mensagem, só para o colega não levar para o lado pessoal.

Você passa em casa rapidinho e sua mulher pergunta: "Você vai no futebol? Mas está caindo o mundo..." Claro que nós vamos!!! NÓS SEMPRE VAMOS!!! Mesmo que o mundo esteja acabando!!!

Arruma a malinha com chuteira, meião e outros apetrechos, coloca no carro e #partiupelada!!!

Obviamente, quando saímos de casa, já sabemos o que nossas esposas, namoradas, mães, enfim, mulheres de nossas vidas estão pensando vendo aquela chuva lá fora. Mas isso é um problema para depois...

Mas não vamos preocupar com isso, afinal tenho umas divididas para entrar, uns lançamentos para fazer ou então ser o matador da pelada.

Tem coisa melhor que jogar bola na chuva? Bom demais! Refrescante, relaxante e... perigoso também! Sempre tem um sem-noção dando aquele carrinho que mais parece uma cegonheira deslizando no gramado.

b1.jpg

Depois de tirar todo stress acumulado, chegou a hora de ir embora. Aquele meião encharcado pela chuva, com aquela tornozeleira cheirando podre e a chuteira... Ah, a chuteira!!! Cheia de borrachinha da quadra de futebol society!!!

Você pode bater a chuteira na arquibancada, no chão de cimento, onde você quiser. Quando você chegar em casa lá estarão milhares – por que não – milhões de borrachinhas sujando todo lugar que você encosta. Você leva ainda para aquela área de serviço minúscula (que muitas vezes é conjugada com a cozinha nesses novos minúsculos apartamentos do século XXI).

Quem tem esposa, namorada, juntada, mãe ou afins sabe qual é o verdadeiro terror da mulherada: A BORRACHINHA DA QUADRA SOCIETY, que em dia de chuva multiplica-se. Nós, peladeiros, sabemos que aquele "pó" de borracha estará em todos cantos. Estará no carro, porque na hora que você foi colocar a chuteira na bolsa, ficou um monte grudado do lado de fora. Ficará na área, na cozinha, no banheiro, quando menos perceber estará até no seu quarto. Parece que a borracha tem vida própria e ainda voa!

Aí você coloca para lavar com a melhor das intenções. Pronto! Agora é borrachinha de grama na calça, na meia, na calcinha da sua esposa... Quando você colocou aquela chuteira, aquele meião e aquela tornozeleira podre de molho no tanque, você não esperava que no dia seguinte que sua esposa passaria já pela manhã para lavar qualquer coisa e ainda foi tentar colocar aqueles apetrechos futebolísticos para secar (só porque você pensou em mexer com isso na noite seguinte). Aquelas borrachinhas não sairão do tanque nos próximos 40 dias: se transformaram na Terceira Guerra Mundial – e bem na sua área de serviço, amigo!

LIBERTADORES 20 ANOS - A FESTA

entrevista: Alexandre Perdigão | texto: Matheus Rocha | vídeo: Herbert Cabral |                edição: Daniel Planel

A AGC – Associação Grandes Cruzeirenses fez mais uma grande festa para relembrar seus ídolos, em dezembro de 2017. Desta vez, os homenageados foram os bicampeões da Libertadores de 1997. Como não poderia ser diferente, o Museu da Pelada fez marcação cerrada e esteve por lá.

Foi uma festa no Espaço Meet / Porcão, em Belo Horizonte. Estiveram presentes grandes jogadores daquele time. O evento teve a lembrança de jogo-a-jogo com um documentário feito pela Memória Celeste, com causos e tudo mais.

O Cruzeiro expôs as duas taças Libertadores (1976 e 1997) e ainda a recém-conquistada Copa do Brasil 2017.

O ponto alto da festa foi uma surpresa que não era esperada nem pela AGC. No meio da festa, sem confirmar, apareceu Dida. Não por menos, foi ovacionado no meio da festa. Por volta dos 30 minutos do segundo tempo da final, fez duas defesas incríveis, ainda quando não havia gol no placar. Como disse o Galvão Bueno na transmissão daquele jogo, no momento da defesa: "Se o título vier, metade dele já tem dono, é do goleiro Dida!". E todo cruzeirense sabe disso.

Daquele time que jogou a final, além do goleiro Dida, também marcaram presença os laterais Vitor e Nonato e o zagueiro Gélson, além dos meio-campistas Fabinho e Elivélton e o atacante Marcelo Ramos. Ainda do elenco, também receberam homenagens os meio-campistas Reginaldo, Léo, Tico e Donizete Amorim e o atacante Da Silva.

O Cruzeiro venceu a Libertadores de 1997 em 13 de agosto daquele ano e o Museu da Pelada lembrou com a data com essa crônica (http://www.museudapelada.com/resenha/um-canhoto-decidindo-de-direita).

 Confira o vídeo da festa!

AGUENTA QUE É PENTA

por Matheus Rocha

WhatsApp Image 2017-09-28 at 02.28.46.jpeg

Acabei de chegar do Mineirão. São 2 da manhã e ainda corre nas veias o sangue azul cheio de adrenalina.

Não sei nem por onde começar a contar. Se do início para o fim, do fim para o início... São muitas emoções, já dizia Roberto Carlos!

O Mineirão teve hoje uma final espetacular, desde o lado de fora, com as torcidas entrando juntas, shows no entorno. Faltando menos de uma hora, começaram os shows pirotécnicos, com projeções no gramado, luzes e a torcida do Cruzeiro cantando. A abertura e o espetáculo em si, não deixa nada a desejar para grandes finais na Europa. Foi coisa de primeiro mundo. Voltando a torcida, é bom lembrar que os guerreiros azuis mostraram para o Brasil no primeiro jogo da final sua capacidade de empurrar o time e o calar a torcida flamenguista em pleno Maracanã. Eu fui tanto no primeiro, quanto no segundo jogo da final. E, assim como no primeiro jogo, estou também sem voz após o segundo...

Depois de todo show, o Cruzeiro mostrou porque é dos maiores times do Brasil e muito distante do segundo time de Minas – que aliás, nem sei se é grande. Vamos ressaltar que, em Minas os cruzeirenses dizem que o Atlético Mineiro é um time pequeno, mas os atleticanos nem ousam dizer isso do Cruzeiro, afinal reconhecem a nossa grandeza. Nos últimos 20 anos, foram 2 Copas do Brasil e 3 Brasileiros, enquanto a outra "força" de Minas tem tão somente 1 Copa do Brasil e 1 Brasileiro nos últimos 100 anos. Mas isso é outra história.

cruzei.jpg

Coincidências na Copa do Brasil 2017

O Cruzeiro até então havia ganhado 4 Copas do Brasil: 1993, 1996, 2000 e 2003, contra Grêmio, Palmeiras, São Paulo e Flamengo, respectivamente. Em 2017, quem foram os 4 últimos adversários do Cruzeiro? Exatamente São Paulo, Palmeiras, Grêmio e Flamengo. Não tinha como escapar essa taça. Outra coincidência ocorreu nas finais contra o Flamengo: no primeiro jogo da final de 2003, assim como no primeiro jogo da final de 2017, ambos no Maracanã, ambos terminaram em 1 a 1, ambos com gol irregular do Flamengo. Mas isso nós não guardamos, nós simplesmente jogamos contra tudo e contra todos.

Recorde

Não poderia esquecer que o Cruzeiro já possuía o recorde de público do Mineirão de todos os tempos na final do Campeonato Mineiro de 1997 contra o Vila Nova, de Nova Lima, com 133 mil pessoas (nem precisa dizer que eu estava lá!).

Ontem, o Cruzeiro bateu o recorde do "novo" Mineirão com 61 mil pessoas.

cruzeiro 2.jpeg

Minhas premonições

Essa última parte da coluna é egocêntrica, pois foi tudo dito por mim na arquibancada do Mineirão durante os jogos e só tenho uma testemunha: meu amigo de arquibancada Guilherme Almeida. Se você, leitor, quiser acreditar, pode acreditar!

O jogo contra o Palmeiras foi sofrido (como todos os outros), mas ainda nas quartas de finais. Quando o Diogo Barbosa, lateral esquerdo, marcou aquele gol de cabeça, onde ele mesmo disse: "no lugar errado, na hora certa", do modo que foi o jogo eu disse: "esse foi o jogo de campeão!".

No jogo contra o Grêmio, o Guilherme disse no momento do escanteio: "observa o Léo" e eu retruquei: "O Léo não, fique de olho no Hudson!". Exatamente naquele escanteio, Hudson foi mais alto que a zaga gremista para marcar. Ainda no jogo contra o Grêmio, eu não tive uma premonição, mas sim uma lembrança. Quando Luan – o melhor jogador do Grêmio – pegou a bola nas disputas de pênaltis para sua cobrança, eu falei: "Se o Alex errou um pênalti a nosso favor nas oitavas de 2004, por que o Luan não perderia?". Dito, feito e classificado.

(Foto: Agência 17)

(Foto: Agência 17)

E por último, a melhor de todas. Sem prever o resultado, quando o Paolo Guerrero pegou para a primeira cobrança, bati no ombro do Guilherme e falei: "O Fábio só vai pegar o pênalti do Diego!". Foi o pênalti do título, com o Thiago Neves cobrando na sequencia e fechando a Copa do Brasil 2017.

Não sou Mãe Dinah, mas que eu disse tudo isso, eu disse!!!

Agora é só esperar amanhã para ver e ouvir o Chico Pinheiro, atleticano declarado, dizendo que o Cruzeiro é o novo Penta Campeão da Copa do Brasil!!!!

UM CANHOTO DECIDINDO DE DIREITA

por Matheus Rocha

Elivelton comemorando gol na final

Elivelton comemorando gol na final

13 de agosto de 1997: Avenida Catalão já estava cheia desde o Anel Rodoviário. Faltavam poucos quilômetros, mas muito tempo para chegar no Mineirão. Tudo parado, ou como um bom mineiro: "tudo agarrado". Eu com meus 15 anos esperando ver aquilo que ouvia meu pai contar sobre Piazza, Nelinho, Joãozinho e Raul.

Nem sabíamos como havíamos chegado lá: perdemos as três primeiras partidas da fase de grupo, trocamos o técnico e ganhamos as outras três, inclusive contra o Grêmio no Olímpico.

Ainda estava clara na memória o gol do Fabinho nas quartas de finais, contra o mesmo Grêmio, no Olímpico: aos 15 minutos do segundo tempo, machucado, recebeu a bola na área, matou no peito e jogou para o fundo das redes de Danrlei, sendo substituído na sequência. O Grêmio reagiu e ainda virou o placar para 2 a 1, mas aquele gol na vontade de vencer me marcou. Classificamos por termos ganhado de 2 a 0 no primeiro jogo.

Camisa oficial de 1997

Camisa oficial de 1997

Chegamos ao Mineirão. Fomos para o mesmo lugar de sempre: bar 15, de frente para o centro do gramado, do outro lado das cabines de rádio, na arquibancada de baixo. O adversário era o Sporting Cristal do Peru, o qual já tínhamos ganhado por 2 a 1 no Mineirão na fase de grupos. Mas ao invés dos 8 mil torcedores da primeira fase, o velho Mineirão tinha 95 mil torcedores para empurrar o Cruzeiro.

Passou o primeiro tempo. A final já durava 135 minutos e ninguém tinha marcado um gol sequer. O primeiro jogo truncado em Lima se repetia em Belo Horizonte. A tensão tomava conta da torcida.

Dida operara milagres desde a fase de grupos, mas após uma falta cobrada por Solano perto da área do Cruzeiro, aos 20 minutos do segundo tempo, o goleiro espalmou a bola nos pés do atacante peruano na pequena área. Um silêncio ensurdecedor tomou conta do Mineirão. Todo cruzeirense tem essa imagem na cabeça: em uma recuperação espetacular, Dida cresceu e defendeu o segundo chute feito da linha da pequena área. Aquela defesa incendiou a torcida mais uma vez.

Após este lance, a tensão já não se controlava nos quase 100 mil presentes. Eu olhava fixo para o gramado, sem reação e já esperando uma disputa de pênaltis.

Ilustração da Libertadores no Barro Preto (bairro da sede do Cruzeiro)

Ilustração da Libertadores no Barro Preto (bairro da sede do Cruzeiro)

Passaram 10 minutos do milagre do Dida para que após uma cobrança de escanteio, a zaga peruana rebatesse e o canhoto Elivélton pegasse de primeira, de direita, fazendo a bola passar lentamente debaixo do goleiro. A bola morreu mansinha no cantinho da rede do gol de Julio Cesar Balerios. O Mineirão estremeceu novamente, acordou o gigante da Pampulha.

Agora éramos nós e o relógio. Cada segundo precioso, cada minuto uma eternidade. Até que soa aquele apito do argentino Javier Castrilli.

Acabou!!! Somos bi campeões da América!!!

Depois de 21 anos, a espera havia acabado. Hoje, fazemos 20 anos do segundo título. Podem esperar que ano que vem tem mais!!!