Grêmio

GRÊMIO 1977

por Marcelo Mendez

IMG_8289.jpeg

O ano de 1977 foi muito diferente de tudo que estava acostumando a metade futeboleira do sul maravilha.

Em se tratando de futebol, o Brasil, País imenso, continental, passou a olhar para lá por conta de um time que já já vai estar aqui nessa coluna. O Internacional ganhava tudo, tinha um monte de craques e estava tomando conta do Brasil.

Além dos títulos gaúchos conquistados entre 1969/1976, o Colorado também havia acabado de ser bicampeão Brasileiro em 1975 e 1976. Era muita afronta. O seu adversário precisava fazer alguma coisa e então chegou o ano de 1977 para mudar essa conversa toda:

Amigos de Museu da Pelada, a coluna ESQUADRÕES DO FUTEBOL BRASILEIRO vos apresenta o Grêmio de 1977.

A FORMAÇÃO

A história desse time passa muito pelo o maior Presidente da história do Grêmio.

Hélio Dourado foi quem mudou o jeito amador que se tinha no trabalho e na gestão de futebol do Brasil nos anos 70. Foi ele que botou as contas em ordem, que cuidou de administrar a receita do Grêmio para dar ao tricolor Gaúcho, a alcunha de bom pagador.

Dessa forma, ele montou um time forte, aproveitando de jogadores que por la já estavam, como Ancheta, Tarcisio, Iúra, juntando esses com outros nomes que foram contratados e que se tornariam lendários na história do clube, casos de Tadeu Ricci, André Catimba, Eurico ex Palmeiras, Éder e o goleiro da seleção uruguaia, o voador Corbo.

Para cuidar disso tudo, faltava um chefe, um sujeito que tivesse o perfil que aquele momento precisava. Entra em ação novamente o Presidente Dourado que contrata Nelson Omedo para cuidar desses assuntos e a dupla traz Telê Santana, após desastrosa passagem pelo São Paulo em 1975. Pronto, a base estava formada. Faltava fazer história...

NA MINHA ÁREA, NÃO!

Para falar das grandes finais contra o Internacional, temos que falar do Xerifão do Olímpico; Oberdan.

Oberdan veio do Santos, do super Santos de Caneco, Negreiros, Toninho Guerreiro, Pelé e Edu. Jogava lá com nada mais, nada menos que Ramos Delgado. Trouxe da Vila Belmiro para o Olímpico, o espírito multicampeão que o seguia e na primeira partida da final já acabou com as conversinhas que por lá haviam...

Ao longo daquela década, ficou na lembrança do povo, os Grenais em que o Grêmio, lutava, se matava, jogava como nunca e como sempre, perdia, muitas das vezes com Escurinho, entrando no segundo tempo, correndo pra área e metendo gol no Grêmio pra fazer a festa em seguida. Pois bem...

Na primeira bola que disputou com Oberdan na partida de ida no Olímpico, o zagueirão deu-lhe uma chegada que esparramou Escurinho pra tudo que foi lado:

- Vai rebolar na casa do caralho, aqui na área você não faz gol não!

E não fez.

O Grêmio, com gol de Tadeu Ricci de falta levou a vantagem para o Olímpico. Faltava pouco...

O CORAÇÃO E O PULMÃO TRICOLOR

São dois nomes que não se pode esquecer quando falar do titulo do Grêmio de 1977; Iúra e André Catimba.

IMG_8288.jpeg

Iúra é o coração tricolor. Prata da casa, jogador apaixonado pelo Grêmio, sem dúvida, era o que mais sofria com aquela situação. Não dava mais pra aguentar aquela coisa do rival toda vez campeão e no jogo da volta, tratou logo de resolver isso. Numa rasgada do meio campo, a bola sobra para Ricci, que passa a Iúra. O camisa 10 do Grêmio mete na frente e acha André Catimba que mete a pelota pro fundo da rede.

Acabou!

A Dinastia colorada dá lugar para a catarse tricolor. O Salto mortal errado, o tombo de peito de Catimba, na hora ninguém nem ligou. O Grêmio voltava ser campeão no melhor estilo.

Corbo, Eurico, Cassiá, Oberdan e Ladinho/ Vitor Hugo, Iúra e Tadeu Ricci/ Tarciso, André Catimba e Eder.

Esses 11 caras entram aqui nessa coluna por tornar uma conquista lendária, por fazer história em um clube Gigante como o tricolor dos pampas. Então hoje a homenagem vai para eles:

O Grêmio de Futebol Porto alegrense de 1977

O VERDADEIRO DIA EM QUE LARA SE DESPEDIU DO FUTEBOL

O primeiro volume de “Épocas & Ídolos” trará craques de A a Z da Era amadora do futebol, que marca o período de 1900 a 1933, quando emergiu por aqui o profissionalismo. Muitos dados perdidos dos primeiros momentos do futebol no país estamos recuperando, como, por exemplo, o fato de o lendário goleiro Eurico Lara, o maior ídolo da história do Grêmio, ter, antes de morrer em 6 de novembro de 1935, apitado alguns jogos após o memorável Gre-Nal“Farroupilha” de 1935, realizado em setembro do mesmo ano. A informação provoca uma reviravolta na biografia do ídolo, contrariando a descrição de que ele teria entrado num gramado pela última vez exatamente naquele épico Gre-Nal do qual teria saído diretamente para o hospital onde permaneceria até sua morte. Ou seja, Lara pode não ter entrado novamente em um gramado como jogador de futebol, mas certamente voltou aos campos após o Gre-Nal “Farroupilha” como um homem que ama o futebol acima de tudo. Leia um trecho do verbete de Lara que será publicado em “Épocas & Ídolos”.

 

 por André Felipe de Lima

LARA IMORTAL 2.jpeg

Não havia jeito. Parecia o fim da carreira [e da vida] de Eurico Lara. Os médicos vaticinaram: “O futebol acabou para ele”. Lara nem aí. Tinha um Gre-Nal pela frente. E não era qualquer clássico. Era o “Gre-Nal Farroupilha”, do dia 22 de setembro de 1935. Não perderia aquilo por nada. Não só entrou em campo, como foi um dos personagens principais da decisão do campeonato do centenário da Revolta Farroupilha. Jogou apenas os primeiros 45 minutos. O bastante para levantar o ânimo dos companheiros e conduzir o Grêmio  à vitória por 2 a 0 e, consequentemente, à conquista de mais um título contra o eterno rival. Tudo era festa. Lara esqueceu-se das dores no peito e caiu nos braços da torcida no pavilhão da Baixada. Mas o esforço foi grande. Internaram-no. Após receber alta, obviamente ainda fragilizado pela doença [ou doenças], voltaria a campo para suas derradeirasperformances num gramado de futebol, episódio esquecido no tempo. Não como jogador, mas apenas como juiz.

Na semana seguinte após o Gre-Nal “Farroupilha”, Lara entrara em campo para apitar o jogo entre Nacional e Leopoldense, realizado no dia 27 de setembro e que terminou 3 a 1 para o Nacional. “Serviu de juiz o consagrado arqueiro Eurico Lara, que atuou com sua costumada competência”, escreveu o jornal A Federação na edição do dia seguinte. A saúde parecia não incomodá-lo. No dia 6 de outubro de 1935, como narra o mesmo jornal, às 14h, no estádio do Eucaliptos, Lara apitara a partida entre dois Rio Grandenses, o de Cruz Alta e o de Santa Maria. “Dirigiu esta pugna, com sua habitual correção, o velho arqueiro Eurico Lara”. Mas não seria aquela a peleja final. Lara voltaria aos gramados para apitar mais um jogo, no dia 29 de outubro. Em campo, Força e Luz e Cruzeiro de Porto Alegre. A partida terminou 3 a 1 para o Força e Luz e Lara mais uma vez apitou muito bem, com “precisão e energia”, como destacou A Federação. 

001_IMAGEM_AFEDERACAO_280935.jpeg

Na edição do dia seguinte, o jornal publicou as resoluções da AMGEA (Associação Metropolitana Gaúcha de Esportes Atléticos), dentre as quais uma informa a criação de uma comissão para visitar “o consagrado arqueiro Eurico Lara, atualmente enfermo”.Lara baixara novamente no hospital provavelmente logo após aquela peleja. Diante dessa importante informação, constata-se que a última vez que o maior ídolo gremista da história entrou em um campo de futebol não foi no “Gre-Nal Farroupilha” de setembro e sim naquele jogo entre Força e Luz e Cruzeiro. Acreditava-se até aqui que Lara teria saído do memorável Gre-Nal para o hospital, onde permaneceria até morrer.

Lara se superando e a doença o matando vagarosamente.O goleiro resistiu o quanto pôde, mas, às 7h10 da manhã do dia 6 de novembro de 1935, o grande Lara morreria em um leito do hospital da Beneficência Portuguesa. Seu corpo foi velado no salão nobre da Baixada, com bandeira do Tricolor sobre o caixão. Era casado com Maria Cândida Lara, com quem teve Odessa, que contava apenas 12 anos quando perdera o pai.

Mas quem o esqueceria? Eduardo Bueno recorda as palavras de Foguinho, que iniciou a vitória do Grêmio naquele inesquecível Gre-Nal [gols dele e de Laci], que sempre dizia, com inconfundível sotaque germânico, quando o abordavam com aquele papo de que havia pintado um goleiro “bom à beça” na praça: “O senhorr não sabe o que é um goleirro. O senhorr nunca viu um. Eu joguei com o maiorr de todos”.

LARA _A_BOLA_QUE_NAO_FOI_DO_ULTIMO_JOGO.jpeg

Nos anos de 1970, era o único atleta, no Brasil, de quem o clube fez uma máscara mortuária para que todos que viveram em sua época perpetuassem a admiração pelo goleiro. Há um gesso com seu rosto na sede do Grêmio, junto aos troféus mais importantes. Anualmente, no aniversário do Grêmio e no da morte de Lara, era costume dirigentes gremistas irem ao cemitério São Miguel e Almas depositar flores no túmulo do grande ídolo.

Em 15 anos de Grêmio, Eurico Lara trocou de time apenas uma vez, em 1928. Brigou com o presidente do clube e vestiu a camisa do F. C. Porto Alegre. Em seu único jogo pelo clube, Lara enfrentou o Grêmio e perdeu de goleada. O bastante para perceber que nunca poderia abandonar o Tricolor.

LARA IMORTAL.jpeg

Como confessou certa vez o escritor e jornalista Fausto Wolff, todo mundo da geração dele, em Porto Alegre, nas peladas dos campinhos da cidade, queria jogar como goleiro e ser chamado de Lara. Verdade. Luiz Mendes, o saudoso “comentarista da palavra fácil”, torcia pelo Grêmio. Levado pelo tio Oscar, presencio o mítico Gre-Nal Farroupilha, de 1935. O tio era colorado e queria convencer o sobrinho de que deveria também vestir vermelho. Mas Mendes viu os feitos de Lara. Ali, naquele instante, naquele Gre-Nal, encantado por Lara, decidiu: “Sou Grêmio!”

ATÉ A PÉ NÓS IREMOS... MESMA QUE SEJA ATÉ TÓQUIO

por Luis Filipe Chateaubriand

G.jpg

Em 1983, o Grêmio, campeão da América do Sul, decidia o Mundial de Clubes (ou Copa Intercontinental, como muitos preferem), contra o Hamburgo, campeão europeu.

Naquele 11 de Dezembro de 1983, o Tricolor Gaúcho jogou com: Mazaropi, Paulo Roberto, Baideck, De Leon e Paulo Cesar Magalhães; China, Oswaldo (Bonamigo) e Mário Sérgio; Renato, Tarcísio e Paulo Cesar Caju.

No primeiro tempo, o jogo teve poucas oportunidades de gol, embora muito disputado. O Grêmio teve mais volume de jogo. Renato era muito bem marcado por Schroder, mas, ainda assim, incomodava barbaridade a defesa alemã.

No único lance de real perigo do primeiro tempo, Paulo Cesar Caju recebe a bola ainda na defesa, mas próximo à lua de meio campo, aciona Renato, na intermediária de ataque, pela direita.

R.jpg

Renato avança com a bola com grande vigor pela direita, adentra a grande área, corta Schroder pela direita, corta Schroder pela esquerda, corta de novo Schroder pela direita e chuta rasteiro entre a trave e o goleiro alemão. Um golaço! Eram 37 minutos do primeiro tempo.

Grêmio 1 x 0.

O segundo tempo começa com amplo domínio gremista e, inclusive, um pênalti em Renato, logo nos minutos iniciais, não é assinalado. Contudo, a partir da metade da etapa, o Hamburgo equilibra as ações.

Os últimos dez minutos do segundo tempo são de sufoco alemão. Renato, com cãibras, está fora de campo. Schroder, seu marcador implacável, se vê livre para atacar, vai à área e empata o jogo, aos 40 minutos do segundo tempo.

O jogo está 1 x 1.

Vem a prorrogação. E, logo no início desta, Caio cruza a bola da intermediária esquerda, Tarcísio cabeceia no meio da grande área, Renato domina a bola com o pé direito do lado direito da área, corta o zagueiro e direciona a bola para seu lado esquerdo e, com o pé esquerdo, estufa novamente as redes alemãs. São três minutos do primeiro tempo da prorrogação.

Grêmio 2 x 1.

Daí em diante, o Hamburgo pressiona, mas os gremistas resistem. O Tricolor Gaúcho é campeão mundial pela primeira vez.

R2.jpg

Mazaropi teve grande atuação, fazendo ótimas defesas em momentos cruciais. 

Mário Sérgio teve atuação de gala, com inteligência tática e toques e lançamentos divinos. 

Mas Renato acabou com o jogo.

Certa vez, Renato foi entrevistado por Zico. Foi indagado sobre sua atuação naquele jogo. Respondeu assim: "Joguei pouco: ataquei, defendi e fiz dois gols". 

Pano rápido!

Luis Filipe Chateaubriand acompanha o futebol há 40 anos e é autor da obra "O Calendário dos 256 Principais Clubes do Futebol Brasileiro". Email:luisfilipechateaubriand@gmail.com.

DE MADUREIRA SURGIU CAIO, O DO DECISIVO GOL GREMISTA

por André Felipe de Lima

g1.jpg

Luiz Carlos Tavares Franco ficou conhecido como “Caio”. Foi centroavante e ponta-direita. Atuando nas duas posições tornou-se ídolo do Grêmio e do maranhense Moto Club. Nasceu no Rio de Janeiro, no dia 16 de março de 1955. Foi criado no bairro de Madureira, no subúrbio carioca.

O pai de Caio, Valter Franco, era fotógrafo e deu um duro danado para criar os cinco filhos. Apesar das dificuldades, Caio, que tinha pinta de craque desde pequeno, ingressou no infantil do Brasil Novo, um time amador de Madureira do qual Valter era sócio. Um dia, o time da categoria “dente de leite” do Botafogo entrou em campo para enfrentar o Brasil Novo. A atuação de Caio impressionou Joel e Joca, os treinadores do alvinegro, que não perderam tempo, levando o garoto bom de bola para treinar no Botafogo. Valter não se opôs. Imediatamente aceitou o convite feito ao filho, afinal torcia ardorosamente pelo Botafogo.

Diariamente, Caio embarcava na estação de trem de Madureira até a Central do Brasil. Dali, para o campo do Botafogo, em General Severiano, na zona sul. Uma cotidiana “viagem” longa e cansativa, mas necessária para a evolução do Caio. Dos 11 aos 17 anos, esta foi a rotina do garoto. De Madureira a Botafogo, buscando um lugar ao sol.

O pai esforçava-se ao máximo para não deixar faltar nada aos filhos. Valter fez questão de que Caio estudasse em um bom colégio. Não abriu mão da educação. Se jogava no Botafogo, tinha de estudar. Por isso o matriculou no Colégio Piedade, vinculado à antiga Universidade Gama Filho, no bairro Piedade, bem próximo a Madureira.

g2.jpg

Com boas atuações no time juvenil, jogando sempre como ponta direita, logo o escalaram entre os profissionais, em um time de “cobras”, craques da melhor estirpe. No dia 23 de março de 1975, Caio disputou seu primeiro jogo oficial, no Maracanã, contra o América, mas o Botafogo perdeu de 1 a 0, em jogo válido pelo primeiro turno do campeonato carioca. Foi a quarta derrota consecutiva do Botafogo para o América em campeonatos cariocas.

Semanas após o jogo contra o América, Caio se desentendeu com Neca, o técnico do time juvenil. Fim da linha no Botafogo e o sonho de defender o Madureira, time do seu bairro, concretizado, para onde Caio seguiu após ser dispensado pelo alvinegro.

A estreia no Madureira foi coincidentemente contra o Botafogo, que venceu o jogo por 3 a 0. “Eu morava perto do estádio. Ia a pé para os treinos, na saída ficava conversando com a vizinhança. E me sentia em casa. Jogadores e torcida eram como uma família”. Mas, embora fosse destaque do time, o clube o surpreendeu com o passe livre. “Não entendi. Peguei aquele papel e saí do clube chorando, fui correr mundo. Mas aqueles dois anos nunca mais esquecerei.”

Em maio de 1977, Caio aceitou o convite do Coronel Santana, que treinara o Maranhão Atlético Clube e que o conhecera no Rio, para jogar no futebol maranhense. Começara, portanto, sua trajetória no Moto Club, e a estreia não poderia ser mais apropriada... contra o rival Sampaio Corrêa, na decisão do terceiro turno do campeonato estadual. Embora tenha jogado bem, Caio não conseguiu evitar a derrota do Moto Club. Nascera ali, naquele jogo, uma relação de amor com a torcida rubro-negra, mas também, ao longo do tempo, a fama de “turista” porque vivia “fugindo” de São Luís para visitar a noiva, que morava no Rio de Janeiro. Uma situação que provocou uma indisposição com a diretoria do clube que acabou emprestando seu passe, no começo de 1978, ao Paysandu, que se reforçava para disputar a Taça de Ouro, o campeonato nacional. Mas o clube acabou eliminado logo no começo da competição e Caio regressou ao Moto Club, onde permaneceu até junho do ano seguinte.

No “Papão”, como o Moto Club é conhecido no Maranhão, Caio descobriu-se mais eficiente como centroavante do que como ponteiro. Foi o treinador Marçal quem percebeu o goleador nato em Caio e passou a escalá-lo no comando do ataque. Com Caio na frente, o Moto foi campeão estadual em 1977.

Caio construiu fama de craque no Maranhão. Era justo que ousasse voos mais altos. No começo do segundo semestre de 1979, o técnico da Portuguesa de Desportos, João Avelino, passeou em São Luís a procura de valores para a Lusa. Viu Caio jogar e se impressionou. Seria ele o novo atacante da Portuguesa. Não deu outra. Caio marcou 19 gols no campeonato paulista. Os anos se passaram e Caio tornou-se ídolo da torcida da Lusa.

Em janeiro de 1983, Caio voltou das férias que passou em São Luís. Ao retornar aos treinos da Portuguesa, discutiu com cartolas, que, como represália ao que consideravam rebeldia, não renovaram o contrato de Caio, que passou a treinar isoladamente, sem contato direto com os companheiros do time. Em março, a corda esticou de vez E Caio teve o passem emprestado ao Grêmio, pelo período de dez meses. Um personagem foi fundamental para a negociação: o preparador físico Wilton, que também acabara de trocar o São Paulo pelo clube gaúcho. Caio seria uma das esperanças de gols para o time que se preparava para a Taça Libertadores da América, que também contratara César. Ambos brigaram pela posição de titular, mas Caio levou a melhor. O destino reservava grandes surpresas. E não foram poucas.

g3.jpg

Com o Grêmio, Caio teve o seu melhor momento na carreira em 1983, conquistando o Mundial Interclubes e a Taça Libertadores da América, da qual foi o segundo principal goleador. Ao longo de sua jornada no Grêmio, assinalou 48 gols. Um deles o primeiro da vitória de 2 a 1 na final contra o Peñarol, que garantiu a primeira “Libertadores” para o Grêmio.

Mas houve um momento no Tricolor gaúcho em que Caio aborreceu-se. O centroavante era titular absoluto do time que se preparava para a disputa do Mundial Interclubes, em Tóquio, contra o Hamburgo, mas a diretoria do clube contratou várias estrelas somente para aquele jogo. Uma delas, Paulo Cézar Caju.

Logo no segundo tempo, quando o placar estava 1 a 1, Caju cansou e o técnico Valdir Espinosa escalou Caio. Sorte gremista lançada. Caio entrou para mudar o rumo da partida. Com um lançamento preciso para a grande área do time alemão, a bola encontrou Renato Gaúcho, que driblou o zagueiro e marcou o segundo dele na partida e o gol do título de campeão do mundo para o Grêmio.

Em dezembro de 1984, Caio sofreu uma grave contusão na virilha durante um jogo pela Taça Libertadores daquele ano. O Grêmio tentava o “bi” e Caio era a esperança de gols, mas, infelizmente, a contusão o tirou de cena e o time perdeu a final para o Independiente, da Argentina.

Embora tivesse apenas 30 anos, Caio sentiu-se inseguro para continuar a carreira. Decidiu, prematuramente, parar. Santos, Palmeiras e o Benfica queriam contratá-lo. Caio manteve-se irredutível e informou à diretoria que não mais jogaria.

Desolado, Caio retornou a São Luís, cidade que aprendeu a amar tanto quanto o Rio de Janeiro, sua terra natal. Do futebol, partiu para o comércio. O que tinha, investiu em uma rede de farmácias. Foi nessa época que, durante uma pelada para lá de informal, Caio descobriu que não mais sentia a impertinente dor na virilha. Estava curado. Cartolas do Moto Club souberam do fato e decidiram convidá-lo para voltar aos gramados. O Grêmio ainda era detentor do passe de Caio, mas acabou liberando-o para o clube maranhense. Caio permaneceu até 1989, ano em que o Moto Club foi campeão estadual, brigou com o presidente do clube, Edmar Cutrim, e decidiu ir para o rival Sampaio Corrêa, com o qual foi bicampeão, em 1990 e 91. Após estas conquistas, Caio decidiu, definitivamente, pendurar as chuteiras.

g4.png

Passou a trabalhar com escolinhas de futebol pelo Cohatrac [Conjunto Habitacional dos Trabalhadores Comerciários], famoso bairro de São Luís, e foi treinador e auxiliar técnico de muitos clubes maranhenses, entre os quais o Maranhão e o próprio Moto Club. Mas a carreira de treinador não decolou. Seu último estágio foi em 2000, no comando do Açailândia. “Cada ser humano é um ser humano... Nem todo bom atleta quer dizer que será um técnico. Prefiro ser torcedor.”

Caio foi se virando como pôde. Foi gerente de vendas de uma fábrica de pré-moldados e derivados, localizada no bairro do Anil, em sociedade com Paulo Figueiredo, técnico em engenharia. Sem experiência de ambos, o negócio não foi para frente. Nunca se omitiu diante dos fracassos como empreendedor, mas sempre fez o possível para ajudar, sobretudo, os parentes, inclusive os da ex-esposa Zelda, com quem teve os filhos Caio Rafael e Rafaela. E foram alguns destes familiares de Zelda de que Caio disse ter sido influenciado para investir em farmácias. “Fiz algumas coisas com o dinheiro, como comprar casa pra minha mãe e meus irmãos. Na hora que achei que era momento, montei cinco farmácias; achei que era ganhar ou perder. E foi isso [perder] que aconteceu. Montei uma coisa que não tinha nada a ver comigo; eu nunca havia vendido um remédio. O que eu ia fazer com farmácias? Mas acontece que não deu certo faz parte da vida, não é só eu que está assim que passou pelo futebol e poderia estar melhor.”

Na década de 1990, o dinheiro escasseara de vez. Caio encontrou como fonte de renda um táxi, que pertence a um amigo. Até novembro de 2014, o grande ídolo gremista, da Lusa e do Moto Club dirigiu seu carro, cujo ponto ficava no Aeroporto de São Luís, para sobreviver. “Não queria ser taxista, não. Mas, dentro do que ganho, vivo bem.”

Morando sozinho e com o desgastante e insalubre ofício aliado ao uso contínuo do cigarro por anos a fio, sua saúde degringolou. Uma trombose na perna esquerda há anos o impediu de trabalhar como taxista. Caio negligenciou a doença, que se agravou em 2014. Sem recursos financeiros para o tratamento, o risco de amputação, nestes casos, é iminente. Em novembro de 2014, para reverter a situação, Tarciso, ponta-direita com quem Caio jogou no campeoníssimo Grêmio dos anos de 1980, iniciou um mutirão solidário para arrecadar recursos e operar a perna de Caio. Renato Gaúcho, o capitão do Mundial de 83 Hugo De León e o presidente do Tricolor Fábio Koff foram alguns dos que colaboraram com a campanha que levou Caio a Porto Alegre para submeter-se a cirurgia.

A solidariedade entre heróis do futebol foi decisiva para salvar Caio, um ídolo genuinamente campeão mundial!

Mas o dia 12 de fevereiro de 2019 roubou Caio do carinho das torcidas gremista e do Moto Club. Mas jamais sequestrará da memória o que Caio fez pelas duas.

OBRIGADO, TARCISO!

por Claudio Lovato

a2.jpg

Vai, Tarciso, vai descansar em paz, Flecha Negra.

Correste muito, correste demais, voaste.

E agora vais encontrar repouso no lugar de teu merecimento.

Enfrentaste tudo e superaste tudo.

Chegaste ao Grêmio numa época difícil, tempos de muitos vendavais, nos quais nós todos tivemos de ser fortes, especialmente fortes.

Persististe, sempre.

Em 1973, ano da tua chegada, eu tinha 8 anos. Desde então e por muito tempo depois, eu estava lá na arquibancada do Olímpico, te vendo em campo sempre assim: o tempo todo lutando, na vitória ou na derrota, sem jamais esmorecer, sem nunca se dar por satisfeito, correndo, voando, lutando, sendo Tarciso, sendo gremista.

Não te intimidaste com as cobranças da torcida, impaciente e ansiosa, naqueles anos 70 de poucas conquistas.

a3.jpg

Não te amedrontaste nem mesmo com as cotoveladas assassinas que frequentemente atingiam teu rosto nos jogos contra nosso arquirrival.

O Tarciso que, com humildade, ouviu Telê e acabou formando com André e Éder um dos melhores trios de ataque que o mundo do futebol já viu.

Isso foi em 1977. Um ano depois, eu estava na Escolinha do Grêmio e então a coisa ficava séria quando os jogadores profissionais apareciam para nos ver jogar, e o Tarciso sempre aparecia, e eu sou grato à vida por momentos como aqueles. 

O Tarciso que deu início à nossa estirpe de grandes ídolos guerreiros da camisa 7.

O Tarciso que queria vencer Grenais e o Tarciso campeão do mundo.

O Tarciso injustiçado pela CBF (seria tua, a Copa de 78; seria nossa!) e o Tarciso que um dia arrancou o aplauso libertador de toda a América. 

O jogador que mais vezes vestiu a camisa do Grêmio.

O segundo maior goleador da história do clube.

O Tarciso mineiro, que veio do América do Rio e se tornou gaúcho, porto-alegrense.

Porto-alegrense, gaúcho, brasileiro, sul-americano, do mundo – como o teu Grêmio.

Tão destinado ao Grêmio que nasceu no mesmo dia em que o Tricolor foi fundado.

Salve 15 de setembro!

a1.jpg

Em Porto Alegre, virou vereador e elegeu suas causas: a escola com turno integral e o esporte como instrumento para evitar que os jovens caiam nas garras do crime.

Nas minhas definições de “herói”, tu serás sempre muito mais que um verbete; serás personificação e exemplo.

Correste muito, voaste. Fizeste muita gente feliz.

Fizeste muita gente entender que persistir é questão crucial – no futebol e na vida.

Obrigado por tudo, José Tarciso de Souza.

Flecha Negra.

Tarciso.