Edu

EDU OU ALEGRIA QUE SE CHAMA DRIBLE FAZ 70 ANOS

por André Felipe de Lima

IMG_4601.jpeg

Tinha apenas 14 anos quando surgiu diante do Antoninho, em 1964. Para quem não lembra ou jamais soube, o santista Antoninho foi um dos melhores meias-armadores da história do futebol brasileiro a ponto de Zizinho (isso mesmo, o Mestre Ziza!) achar-se inferior ao Antoninho. Mas essa é outra história. Antoninho já não jogava mais bola pelo Santos e o tal adolescente, sobre quem começamos a falar nessa linha, aportou na Vila Belmiro cheio de confiança, carregado pelo pai, Basílio Raul Américo, e sob o aval de um “padrinho” que ninguém ousaria questionar, um camarada que se chama Edson Arantes do Nascimento.

Antoninho olhou o garoto de cima a baixo, fez inúmeras perguntas ao pai dele, que apenas pediu que o menino não abandonasse os estudos por causa de futebol. A mãe ficaria fula da vida. Dona Maria Aparecida de Assis Américo não admitiria o despautério. Antoninho ouviu o argumento do temeroso pai, meneou a cabeça positivamente e pediu: “Deixei-o comigo. O Santos tomará conta dele”. E assim aconteceu. O ídolo Antoninho gostou, mas o treinador do time juvenil, o Ernesto, também, com uma ressalva dita ao menino bom de bola: “Não é porque Pelé trouxe você aqui, que terá vida fácil”. E não teve mesmo. Barrar Pepe e depois Abel, outro ponta-esquerda sensacional, é tarefa para gigante.

Era o começo da carreira de um dos maiores pontas-esquerdas da história do futebol e do próprio Santos, que nasceu no dia 6 de agosto de 1949, em Jaú, interior de São Paulo. Era o começo da linda história de amor do menino Jonas Eduardo Américo, o Edu, com o Alvinegro Praiano. O que poucos lembram é que Edu quase deixou de ir para o Santos. Seguiria para o Botafogo, acompanhando o amigo Afonsinho.

IMG_4602.jpeg

Uma carta do irmão de Edu, Vicente (ex-jogador de Guarani e Portuguesa), originou a saga até Antoninho e Ernesto. Vicente acreditava que o craque da família era Edu. A história se parece um pouco com a do Ronaldinho Gaúcho. Mas só no começo. Assis, irmão mais velho de Ronaldinho, levou o garoto para o Grêmio garantindo aos olheiros do Olímpico que aquele mirradinho e dentuço seria um dos maiores da história do clube. O mesmo vaticínio teve o Vicente em relação ao Edu. Acertou em cheio. Confiante, Vicente escreveu uma cartinha, bateu no portão da Vila Belmiro e conseguiu entregá-la a Pelé.

Como contou a repórter Semiramis Alves Teixeira, o pai de Edu havia pedido o mesmo ao pai de Pelé, seu Dondinho. Cercaram de todos os lados para não haver erro. Um verdadeiro ferrolho em torno do Edu. “O cuidado e a preocupação que tenho com Edu é coisa quase de irmão mais velho. Nossas famílias são amigas há muito tempo e quando ele chegou ao Santos, ainda menino, fui eu que o orientou”, confirmou Pelé falou com Antoninho e Ernesto e os três convencerem o famoso técnico Lula de que o menino era craque. Isso a dois anos da realização da Copa do Mundo de 1966, na Inglaterra. Guardem isso. Apenas dois anos.

Edu teve sua primeira chance no futebol aos 13 anos, no Palmeiras, de Jaú, e aos 14 anos foi para o Santos, atuando no infantil, no juvenil e depois nos aspirantes. A partir daí, a carreira começou a decolar. Após dois anos atuando pelas categorias de base, surgiu a primeira oportunidade, em 1966. Sem poder contar com Pepe e Abel, Edu começa a ser lançado no time titular e não desaponta: “Cheguei para jogar no infantil. Em 65, com 15 anos, fui lançado nos aspirantes e convocado para a seleção juvenil. Em 66, fui lançado aos poucos pelo Lula. Entrei no segundo tempo do jogo com a Lusa e depois contra o Fluminense. Diante do Botafogo, comecei como titular. Permaneci na equipe por mais sete jogos e fui convocado para a Copa do Mundo (de 1966).”

Caso tivesse pisado no gramado durante algum jogo da Copa do Mundo de 1966, na Inglaterra, Edu seria até hoje o jogador mais jovem a disputar uma Copa do Mundo, façanha do jogador Norman Whiteside, que tinha apenas 17 anos e 42 dias quando defendeu a Irlanda do Norte na Copa de 1982, na Espanha.

IMG_4603.jpeg

Ao lado de Pelé e companhia, Edu foi campeão da Taça Brasil [1965]; do torneio Rio-São Paulo [1966]; ergueu o campeonato paulista quatro vezes [1967, 1968, 1969 e 1973] e conquistou o Torneio Roberto Gomes Pedrosa [1968]. Pelo alvinegro praiano, fez 183 gols em 584 partidas, está entre os dez principais goleadores da história do clube.

Durante a preparação para a Copa do Mundo de 1970, no México, Edu foi titular em várias partidas das eliminatórias enquanto a equipe era treinada por João Saldanha. Com a chegada de Zagalo, foi sacado do time titular. Na Copa, entrou em campo apenas contra a Romênia, na vitória por 3 a 2. Participou ainda do grupo que foi a Copa de 1974, mas novamente ficou no banco de reservas, entrando em campo apenas na partida contra o Zaire. Disputou 54 partidas pela seleção e conquistou também as Copas Rio Branco e Oswaldo Cruz [1968].

A trajetória vitoriosa no Santos — e, de certa forma, na Seleção também — chegou ao fim em 1976, após se desentender com a diretoria do clube por causa de problemas relacionados à forma física. Era tido como gordinho. Mas o que importaria isso, ora bolas? Edu jogou muito e só não é considerado o melhor ponta canhoto da história do Santos porque Pepe chegou antes dele, e com uma artilharia pesada que o fez o segundo maior goleador da história do clube. Atrás apenas do Pelé. Mas Edu foi, sem dúvida, mais driblador, mais plástico que o dinamitador Pepe. Mas artista, sim, que o Pepe. Levadas em conta as devidas proporções, Edu foi um “Garrincha” canhoto que a torcida do Santos soube (e como!) idolatrar. Foi uma alegria que se chamava drible.

ENTREVISTA RARA DO EDU, EM 1968

https://www.youtube.com/watch?v=Q4u8aU7r5d4

DEZ GOLAÇOS DO EDU

https://www.youtube.com/watch?v=GdXYKtDXndU

EDU NO CARTÃO VERDE (TV CULTURA)

https://www.youtube.com/watch?v=R5qIETLCi8A

UMA TARDE EM SESSENTA E POUCOS

por Ricardo Dias

Tenho um grande amigo, o Celso. Celso é faixa preta de caratê (mas diz que é branca, pois está com o joelho bichado, o que o faz um carateca inútil. Eu não gostaria de experimentar) e ex lateral direito do glorioso Pinheiros Futebol Clube, time de futebol amador do Rio. Mas antes de falar de futebol TENHO que contar uma história de caratê dele:

Sensei, o mestre japonês de 88 anos, um dos pais do esporte no Brasil, fez um retiro de fim de semana para caratecas graduados sobre defesa pessoal. Dois dias de muito treino e estudo. Tudo gente cascuda, o seminário rendeu. Último dia, Sensei reúne todos e pergunta:

- Dez homens querem te bater. O que você faz?

Resposta oral, cada um com sua solução. Sensei ouve todos; ao terminar, balança a cabeça e diz:

- Todos burros! Perdi meu tempo, ninguém aprendeu nada!

Ficam todos surpresos e desconcertados. Ele completa:

- Se dez homens querem te bater, VOCÊ CORRE!

pele.jpg

Então, feita a pausa, o avô de Celso morava em Santos. Ele e seus irmãos foram passar férias e, fominhas de futebol, foram direto para a Vila Belmiro (um adendo: anos antes, em 62, meus pais estavam em Santos, justamente visitando a Vila Belmiro, quando dei o primeiro sinal de vida, minha mãe não sabia que estava grávida. Deve ter sido um chute, eu queria me juntar aos meus iguais em categoria). Outro adendo: foram levados pela mãe, dona Irene; uma mãe futebolística, também levou os meninos (dois deles, um estava ocupado) ao Maracanã para assistir ao gol 1000 do Pelé!

Chegaram, fizeram amizade com o porteiro, já graduado nessas visitas, e entraram, conheceram os jogadores, já fim de treino, pegaram autógrafos... Mas Pelé já tinha saído. Voltaram à portaria, e o funcionário disse que Pelé sairia pelo portão X ou Y, sei lá. Parece que a malandragem era dizer o portão errado para o rei poder sair em paz, mas como eles não conheciam nada, acabaram errando o caminho a acertando o portão: uma Mercedes azul com placa final 1000 (ou 0010, as memórias divergem) com alguém dentro, podia ser o chofer. O mais jovem chegou mais perto e gritou:

- PELÉ!!!!!

f1.jpg

O cara da Mercedes podia simplesmente ir embora. Estava longe, nem tinham certeza se era ele. Mas ficou, desceu do carro e era o próprio, o rei em pessoa! Vinda não se sabe de onde, uma multidão se formou em volta de sua majestade, que atendeu a todos, totalmente consciente de quem era. Autógrafos, conversas rápidas, os meninos no céu. 

Indo embora, passaram pela portaria novamente, para se despedirem do simpático funcionário. Ele perguntou se estavam satisfeitos, disseram que sim, e muito, mas lamentavam não ter conseguido falar com Edu, que estava machucado. Edu era a nova sensação do Santos, o novo rei. O porteiro pediu um tempo, foi lá dentro, e voltou com um pedaço de papel.

- Toma, é o endereço dele. Vão lá que ele está esperando vocês.

Eles se entreolharam, não acreditando, mas foram, era ali perto, poucas quadras. 

Sobem no elevador (era um tempo sem porteiros), tocam a campainha, aparentemente Edu abre a porta.

Edu.jpg

- Edu!

Eu disse “aparentemente”. Era Gaspar, irmão gêmeo de Edu, que riu e abriu a porta para os meninos. No sofá, com uma bolsa de gelo, Jonas Eduardo Americo, um dos maiores jogadores da história, sorria para eles.

- E aí, pegaram o autógrafo do Pelé?

- Pegamos!

- Então pra que é que vocês querem o meu?????

E a história acaba aqui, com um sorriso congelado no tempo, como uma foto em preto e branco. Um tempo em que três meninos cariocas – um tricolor, um rubro-negro e um alvinegro – podiam reverenciar ídolos de outros clubes, e eram tratados como o que de fato eram, a verdadeira razão de ser do jogo. Um tempo longínquo, onde reis se comportavam como reis e faziam a alegria de seus súditos.