Copa do Mundo

25 ANOS DO TETRA

por Mateus Ribeiro

IMG_3640.jpeg

Há 25 anos, mais precisamente no dia 17 de julho de 1994, o Brasil se tornava tetracampeão mundial de futebol após o craque de bola Roberto Baggio mandar sua cobrança de pênalti na Lua, em uma clara comemoração aos 25 anos da missão Apollo 11 (que obviamente, 25 anos depois, completa meio século de vida).

As lembranças podem ser muitas, mas são basicamente iguais na cabeça de todo mundo: os gritos histéricos de "É tetra!" sendo repetidos exaustivamente, a gravata do Pelé, o Dunga falando todos os palavrões possíveis, a molecada na rua enchendo a cara de refrigerante enquanto os pais e parentes mais velhos tomavam litros de cerveja e muita festa pelas ruas.

Eu estava feliz pra caramba, comemorando junto da minha família, e na minha cabeça, o Brasil era invencível. Antes do início da Copa, meu pai me deu o álbum de figurinhas, me ensinou a fazer cola de trigo (a cola era cara, e mesmo que a nossa situação não fosse de pobreza extrema, luxos não eram exatamente permitidos ou incentivados) e me disse que o Brasil venceria. Venceu mesmo, e tal qual meu velho, não me decepcionou.

IMG_3643.jpeg

Eu estava emocionado, principalmente por ver o Viola ali no meio, e naquela época, ele era um dos meus principais ídolos. Hoje, é bem possível que se eu encontrasse metade do elenco de 1994, não faria a mínima questão de apertar a mão, por divergências de opiniões. Mas naquele domingo, aquela turma me fez a pessoa mais feliz do mundo.

Vinte e cinco anos depois, eu não torço mais (na verdade, desde idos de 2001 eu nem perco meu tempo), porém, esse dia não sai da minha cabeça. A maior Copa do Mundo da história tinha dono, e eu me senti um pouco campeão do mundo naquele 17 de julho de 1994.

Um quarto de século após um dos dias mais felizes da minha vida, reconheço que o futebol apresentado passou longe do espetáculo, e agradeço por isso, pois hoje sou um resultadista, com todo o orgulho do mundo.

Duas décadas e meia depois, sei o quanto identificação é importante e que traumas deixam marcas. Eu juro por tudo que é mais sagrado e que (não) acredito que entendo os adultos que já não ligavam mais em 1994, muitos deles atormentados por Paolo Rossi, penalidades máximas, Maradona e Caniggia.

IMG_3642.jpeg

E no final das contas, sabe o que tudo isso significa? Que depois do final do meu expediente (que começou muito cedo e vai acabar muito tarde), eu vou vibrar com a falta do Branco contra a Holanda, com o Bebeto se declarando para o Romário. Também vou sofrer com o empate dos holandeses e com a porrada que Leonardo deu em Tab Ramos. Vou relembrar como chorei na hora que o juiz apitou o final da prorrogação, temendo o pior. 

Afinal de contas, não é todo dia que se comemora uma data tão especial. E não é todo dia que se volta a colaborar com esse projeto maravilhoso chamado Museu da Pelada.

Obrigado, Brasil. Obrigado, Museu!

MEU SARRIAZO PARTICULAR

por Rodrigo Octavio Souza

IMG_3062.jpeg

O dia 5 de julho de 1982 foi o primeiro em que me lembro de ter visto os meus pais chorando. Do alto dos meus cinco anos incompletos, sabia apenas que tinha a ver com a Copa do Mundo e com o "Canarinho". Algo estranho para quem tinha se acostumado a viver em meio à euforia nos 20 dias anteriores.

A chuva de papel picado caía das janelas e inundava as ruas de Icaraí, onde eu morava, à medida que o genial escrete (ainda se usava essa palavra) do igualmente genial Telê Santana enchia as redes dos rivais de gols. E haja trabalho para os garis, afinal, foram 15 em cinco jogos.

Mas, de repente, o colorido das paredes pintadas e dos bandeirões pendurados de um lado ao outro da rua virou cinzas. A alegria e os gritos de gol transformaram-se em um nó na garganta. No máximo, em um pranto sentido e sofrido.

Sofremos pelos pés de um atacante que ficará mais de um ano suspenso, acusado de envolvimento com manipulação de resultados no "calcio". Pela primeira vez na minha vida, ouvi a palavra "carrasco". Palavra cujo sentido, descobri depois, é empregado em contextos muito piores. Mas que se aplicava perfeitamente ao que aconteceu naquele verão mediterrâneo.
Havia, e há, coisas piores no mundo. O próprio Brasil vivia o início da "década perdida", nos estertores de um regime falido e atolado na hiperinflação e na dívida externa. Mas sob a ótica particular do futebol, que tudo vê com uma lente de aumento, o que se passou no Sarriá foi, sim, uma tragédia.

IMG_3060.jpeg

Como tal, ainda dói quando se remexe, em especial, nas efemérides como essa dos 37 anos da fatídica partida contra os italianos. Mas, contraditoriamente, tanto tempo depois da dramática peleja, posso dizer que o que aquele time me deixou mesmo é um enorme sentimento de orgulho e gratidão por ter me acendido a fagulha da paixão por esse esporte, tão divino quanto diabólico.

Para além do resultado, aquela equipe legou ao mundo o ideal do "jogo bonito", que volta e meia é emulado por equipes como o histórico Barcelona de Guardiola do começo desta década. Aliás, sempre que pode, o treinador faz questão de falar do impacto que aquela seleção teve sobre o então menino catalão de 10 anos, na gênese do esquadrão blaugrana de Messi e no seu próprio conceito do jogo.
Quase tudo já foi dito ou escrito sobre aquela partida, mas o fato é que a Itália jogou melhor. Tirou os espaços, anulou nossos pontos fortes, fez o jogo perfeito.
Aliás, ninguém jogou mais bola do que a Azzurra na primeira quinzena de julho de 1982. Não tinham a magia brasileira, mas eram organizados e, sobretudo, excelentes tecnicamente. Só obediência tática não seria capaz de deter Zico, Sócrates e companhia.

Não ter ganho aquele Mundial deixa o coração dolorido, claro. Poucas não foram as vezes que, num exercício de imaginação, "vi" o Doutor erguer o caneco depois de botarmos na roda a ótima, mas exausta, Alemanha (olha ela aí!) de Rummenigge, Briegel e Magath. Jamais saberemos o que aconteceria com o futebol mundial caso o Brasil conquistasse a Copa. Nada garante que, ainda assim, não seria trilhado o caminho da cautela defensiva, que resultou no pífio Mundial de 90, coincidentemente disputado na Velha Bota. 

A única certeza que eu tenho é que nunca mais vi meus pais chorando por causa de futebol desde aquele dia 5 de julho de 1982.

O DIA EM QUE “A SELEÇÃO” MORREU

por Rodrigo Ancilotti 

(Atenção: esse texto pode ferir suscetibilidades!!)

IMG_0632.jpeg

Quando Abraham Klein, por volta das 19 horas daquele 5 de julho de 1982 ainda de sol forte em Barcelona, apitou o final de Brasil 2 x 3 Itália pela Segunda Fase da Copa do Mundo da Espanha, ele não apenas deu números finais num dos jogos mais dramáticos e surpreendentes (para os desavisados) da História das Copas, ou simplesmente confirmou a eliminação do Brasil naquela que seria conhecida como Tragédia de Sarriá (nome do antigo estádio do Espanyol). Ele assinou o atestado de óbito da Seleção Brasileira de Futebol.

Sim, senhores!! Naquele dia, “A Seleção” deu seu último suspiro e encerrou um ciclo de 24 anos de hegemonia, brilho e técnica que encantaram o mundo. Mais exatamente 24 anos e 20 dias após seu nascimento, no dia 15 de junho de 1958, quando Mané Garrincha, Pelé e Vavá assombraram o mundo no Estádio Nya Ullevi, Gotemburgo. Nesse dia, o Brasil venceu a temida União Soviética por 2x0, gols de Vavá, e jogou o que ficou conhecido como “os três minutos iniciais mais espetaculares da história do futebol”.

Poderia ter nascido antes, é verdade. Talvez em 1925, quando o Clube Atlético Paulistano de Arthur Friedenreich encantou a Europa na primeira excursão internacional de um time brasileiro, quando chegaram a ser apelidados de "Les Rois du Football" pela imprensa francesa.

Ou quem sabe em 1938, quando Leônidas da Silva bailou nos campos da mesma França e só não classificou o Brasil para sua primeira final de Copa por estar contundido e fora da semifinal contra a Itália, sem esquecer a arbitragem criminosa pró-europeus. Talvez em 1950, nada mais justo se tivéssemos vencido aquela final contra o Uruguai no Maracanazo.

IMG_0631.jpeg

Não, amigos. Foi mesmo naquela partida brilhante contra os soviéticos, ainda mais que foi a estreia em Copas da dupla mais sensacional já vista em qualquer campo gramado: Mané Garricha e Pelé, que nunca perderam quando juntos pela Seleção. A partir daquele jogo, e do subsequente título contra a Suécia, o Brasil deixava o famoso “complexo de vira-latas” de Nélson Rodrigues para trás e assumia o protagonismo mundial no futebol. Os títulos internacionais do Santos de Pelé, Coutinho e cia e do Botafogo de Garrincha, Didi, Zagallo, etc só abrilhantavam ainda mais nossa Fase de Ouro, assim como a Academia do Palmeiras, o Cruzeiro de Tostão e Piazza, dentre tantos outros.

Em 24 anos, em 6 Copas disputadas, levantamos 3 canecos e ficamos com a Taça Jules Rimet em definitivo (até ser derretida por ladrões em 1983, já na ressaca do Sarriá). Fomos bicampeões em 1962 coroando Mané Garricha como melhor do mundo e, se sucumbimos ao futebol-força em 1966 (fruto da preparação mal feita e da violência dos adversários), vencemos no México dando mais uma aula de futebol com o melhor time/seleção da história.

Mesmo após dois Mundiais complicados seguidos, quando perdemos ora para nosso próprio pragmatismo (em 1974), ora nos bastidores (em 1978), nunca deixamos de ser respeitados e temidos em Copas do Mundo, e a Copa da Espanha seria nossa consagração. Jogávamos o futebol mais bonito do mundo desde o ano anterior, e o Mundial seria só proforma: apesar de adversários fortes como Alemanha Ocidental, França, Polônia, Inglaterra e Argentina, a Taça estava no papo, como bem dizia o Pacheco a todo momento na TV.

Até que tudo ruiu numa tarde infeliz contra uma seleção desacreditada mas muito bem armada que, apesar dos resultados ruins na primeira fase (quando só se classificou pelos gols marcados), tinha tudo para deslanchar de acordo com Seo Zezé Moreira, observador da CBF. 

IMG_0630.jpeg

E na tarde em que Paolo Rossi surgiria como nosso algoz com seus três gols, A Seleção morreu!! Nunca mais seríamos os mesmos, pois a eterna dúvida sempre martelaria: jogar feio e vencer ou jogar bonito e perder?? Pragmatismo ou beleza?? E mesmo nas duas Copas que vencemos desde 1982, apesar dos espasmos de bom futebol, o pragmatismo sempre levou vantagem: primeiro garantir lá atrás, pra só depois pensar em dar espetáculo. Continuamos entrando como favoritos em todas as competições, mas deixamos a fantasia pra trás.

O espetáculo nunca mais veio, meus amigos. A chama apagou naquele 5 de julho de 1982.

A SELEÇÃO BRASILEIRA DE 82

por Luis Filipe Chateaubriand

IMG_7639.jpeg

Cantada em prosa e verso como uma das maiores seleções de futebol que o mundo já viu, a Seleção Brasileira de 1982 tinha imperfeições que muitas vezes não são notadas.

O técnico Telê Santana, notório adepto do futebol bem jogado, perdeu a oportunidade ímpar de fazer do Flamengo da época seu time base. Tivesse o feito, tendo o Flamengo como time base, teria ainda maiores chances de ganhar aquela Copa do Mundo do que de fato aconteceu.

Leão; Leandro, Oscar, Edinho e Júnior; Andrade, Falcão e Zico; Tita, Sócrates e Adílio. Seria um time titular com a base rubro-negra – ou seja, técnica, tática e conjunto – aliado à genialidade de Sócrates e Falcão, à experiência de Leão (o melhor goleiro do país de então), à segurança de Oscar e à agilidade de Edinho (que Luisinho não tinha, apesar da técnica).

IMG_7640.jpeg

O banco de reservas, à época composto por cinco jogadores, poderia ter Raul, Luisinho, o excelente Toninho Cerezo, o gênio Reinaldo (que não foi convocado pelo conservadorismo pessoal do técnico) e o versátil Lico (que não foi convocado sabe-se lá por que).

Vamos convir: se assim fosse, o escrete canarinho teria muito mais chances de êxito do que mesmo aquele timaço que foi montado à época teve.

Times como o Flamengo de 1981 e 1982 aparecem muito raramente em nosso futebol. Desperdiçar a chance de torná-lo base de nossa seleção foi enorme desperdício.

Luis Filipe Chateaubriand acompanha o futebol há 40 anos e é autor da obra “O Calendário dos 256 Principais Clubes do Futebol Brasileiro”. Email:luisfilipechateaubriand@gmail.com.

ADÍLIO

por Serginho 5Bocas

AD1.jpg

Adílio foi um dos meus ídolos da infância. Jogava de meia-direita e muitas vezes de falso ponta caindo pela extrema esquerda.

Jogava muita bola, apesar do chute não ser tão bom. Não batia com precisão em direção ao gol, mas seu passe era sensacional e seus dribles uma arma desconcertante e imprescindível para aquele time do Flamengo. Zico que o diga, quantas assistências do neguinho da cruzada, o galinho converteu em gol.

Adílio parecia flutuar em campo tal era a leveza de suas passadas elegantes, tinha futebol de craque e se impunha pela habilidade. A bola quando conduzida por Adílio parecia não ter peso, nunca vi ninguém tirá-la de seus pés, como protegia a redonda, aliás, uma das principais armas do Flamengo quando a vitória estava apertada era mandar a bola para ele gastar o tempo, sem contar os gols e passes em jogos altamente decisivos. Além de tudo, fazia gols em jogos importas como na final do Brasileiro de 1983 e na final do mundial interclubes em Tóquio. No total, ele fez 129 gols em sua carreira, quase todos pelo Flamengo,

AD2.jpg

Tanto talento e intimidade com a bola não foram suficientes para se firmar na seleção e jogar uma Copa do Mundo. Adílio jogou com a amarelinha apenas duas partidas: uma pela seleção de novos em 1979 e outra pela seleção principal quando vivia sua melhor fase. Ironia do destino foi justamente quando estávamos próximos da Copa de 1982 que aconteceu o jogo de sua vida. A dois meses da Copa, teve sua grande e última (única) chance: enfrentaria a Alemanha Ocidental no Maracanã.

Naquele dia ele fez uma partida memorável, comandando as ações do meio de campo e dando um passe primoroso e suave para Junior marcar o único gol daquele jogaço contra os campeões europeus de 1980 e vice mundial da Copa que estava por vir. Se alguém tivesse visto aquela partida e depois soubesse que ele não foi convocado para a Copa da Espanha, teria dificuldades para entender o porquê dele não estar na relação final dos convocados. Fico me perguntando até hoje, por que o Telê fez aquilo com o Adílio e com a Copa, será que nem entre os reservas ele poderia ser chamado?

AD3.jpg

Adílio, ainda jovem, jogava como um veterano, mandava na cancha, gastava a bola. Apesar da alegria de menino no olhar e no bailar, era futebol de gente grande mesmo, coisa de craque, futebol de encher os olhos.

Adílio nunca foi a uma Copa do Mundo, uma pena!

Pena para Adílio, para a Copa, para nós que amamos a bola e para o futebol.

Na época não entendi nada e hoje muito menos.

Alguém poderia me explicar?