Carlos Alberto Pintinho

O REENCONTRO

A equipe do Museu da Pelada foi até o Caçador, restaurante tradicional na Tijuca, para promover um encontro bacana entre o craque Carlos Alberto Pintinho e seus companheiros de futebol de salão do América-RJ na infância.

- Eu acho que é até mais de 50 anos sem vê-los! Vai ser emocionante! - disparou Pintinho, antes de todos chegarem!

Aos poucos, a rapaziada foi chegando e a festa foi ficando completa. Orgulhoso, Niterói mostrava fotos da época no celular:

- Essa é de 1968!

- Joguei com eles em 1965, tem 54 anos. Depois nós fomos vice em 1966, quando perdemos para o Fluminense! Lembro que o goleiro deles era o Nielsen! - lembrou Garrinchinha!

Entre uma cerveja e outra, as feras lembravam histórias da época e se sentiam cada vez mais à vontade! Era como se um filme passasse na cabeça de cada um deles:

- Nunca imaginei que ia reencontrá-los! - confessou Pintinho!

Privilegiado, o goleiro Fernando revelou que a bola quase não chegava no seu gol e ele só tinha o "trabalho" de apreciar aquela molecada brincando de bola!

Pintinho, claro, foi o que chegou mais distante deles e, por isso, foi reverenciado pelos colegas. Durante a resenha, no entanto, a rapaziada apontou Albino como o craque que não foi descoberto!

- Dizem que jogava mais que o Pintinho! - gritaram!

- Impossível! Ele foi um dos maiores cabeças de áreas da história! - negou o humilde Albino!

Com compromisso marcado, a equipe do Museu recolheu os equipamento e teve que se despedir! Sabe-se lá que horas a rapaziada terminou essa resenha maravilhosa e pediu a saideira!