Arsenal

PARA NÃO CAMINHAR SOZINHO

por Claudio Lovato

IMG_1260.jpeg

Existe uma piada sobre o Eurotúnel segundo a qual a obra, do ponto de vista dos europeus do continente, foi feita para ligar a Inglaterra à Europa, mas que, na ótica dos ingleses, teria sido realizada para ligar o resto da Europa à Inglaterra. O chiste me veio à cabeça nestes dias de Chelsea e Arsenal na final da Liga Europa e de Tottenham e Liverpool decidindo a Liga dos Campeões.

O futebol inglês evoluiu porque se globalizou. Mais que isso: porque se universalizou. Estão lá jogadores latino-americanos, africanos, asiáticos, além de europeus de numerosos países. Treinadores estrangeiros? Sejam bem-vindos também. Mas o processo foi mais profundo: o futebol inglês avançou porque soube olhar para dentro da própria Inglaterra. Como argutamente observou Paulo Cezar Caju em recente artigo, basta olhar para as fotos da seleção inglesa das últimas décadas para ver como a quantidade de negros aumentou. Bingo, PC.

IMG_1259.jpeg

Uma das lembranças que carrego em lugar mais especial da memória e do coração é da minha ida ao velho Wembley em maio de 1994 para assistir à final da Copa da Inglaterra daquele ano entre Manchester United e Chelsea. Eu estava na Inglaterra a trabalho, e, por uma dessas conspirações do universo em nosso favor, ganhei um ingresso especial para ver a partida e, antes disso, para participar de um almoço em que o cicerone era Ray Clemence, goleiro da seleção inglesa entre 1972 e 1984. Eric Cantona acabou com o jogo, marcando duas vezes na goleada de 4 x 0 em cima do time londrino. Ryan Giggs, seu companheiro de ataque, tinha 19 anos.

Aquele 1994 ainda fazia parte de um período de transição do futebol inglês, que, depois de 70, no México, só retornaria à Copa do Mundo em 1982, na Espanha, disputaria as Copas de 86, no México, e 90, na Itália, e voltaria a ficar de fora da edição de 94, nos Estados Unidos. O English Team tratava de abandonar definitivamente os dogmas da ligação direta entre defesa e ataque e do chuveirinho na área e adotava a saída de jogo com a bola no pé, a tabela para chegar ao gol, o toque de bola.

Em paralelo ao que fazia dentro das quatro linhas, a Inglaterra modernizava seus estádios, os clubes reformulavam seu sistema de gestão e o país atraía investimentos estrangeiros. Deu no que deu. A presença de quatro times da Inglaterra na decisão dos dois maiores torneiros do Velho Continente em 2019 não é obra do acaso.

IMG_1261.jpeg

Embora eu continue convicto de que nunca houve, não há e nunca haverá uma competição com mais alma que a Libertadores da América, e que nós, sul-americanos, sempre seremos exemplo de gente que tem amor verdadeiro por seus clubes, acho que se engana quem pensa que todas essas mudanças no futebol inglês fizeram diminuir a paixão de seus torcedores. O fanatismo continua. A ligação com o escudo permanece firme e forte. Os cantos seguem sendo entoados a plenos pulmões, entre eles o “You’ll never walk alone”, do Liverpool, canção que pode ser entendida hoje com um sentido a mais.

Parabéns ao futebol inglês. Parabéns aos ingleses. A nação que inventou o esporte que tanto amamos soube reinventá-lo para si própria.