SE VIRA Aí, ZÉ!

:::::::: por Paulo Cezar Caju ::::::::

 (Foto: Nana Moraes)

(Foto: Nana Moraes)

Antes que o vendedor do quiosque fizesse alguma pergunta - sempre faz! - me adiantei: “Qual a enquete do dia?”. “Zé Ricardo”, respondeu. Não vou nem entrar no mérito da qualidade do Zé Ricardo como técnico porque para mim é apenas mais um professor de Educação Física tentando a sorte. Mas se o meu amigo Carlos Alberto Parreira chegou aonde chegou, porque ele também não poderia?

É só uma questão de estar no lugar certo, na hora certa. O Flamengo não tem padrão de jogo. Ou tem? Mas acho que o menor culpado era ele. O que existe hoje no futebol é uma queda de braços entre treinadores e gerentes de futebol. Viram o que o Cuca fez no Palmeiras? Mandou o gladiador embora! Ah, o Gladiador está no Coritiba?  Verdade, mas o Felipe Melo também poderia ter esse apelido. Foi uma contratação do gerente, de um executivo, que o Cuca não quis aproveitar. Aí, o Cuca colocou o presidente na parede: “Ou ele ou eu”. E assim o Felipe Melo dançou.

Estaria o Zé Ricardo de acordo com esse caminhão de contratações? Não sei, mas sei que o Zé Ricardo não tem quilometragem para fazer essa pergunta - e teria dançado antes se ameaçasse um... "ou eu ou o Berrío". Quando o Zé começou a lançar o Vizeu chegou o Damião. Será que o Zé Ricardo estava de acordo ou foi apenas comunicado?

 Ao lado de Rodrigo Caetano, Zé Ricardo recebe Berrío

Ao lado de Rodrigo Caetano, Zé Ricardo recebe Berrío

Vai fazer isso com um Luxemburgo ou um Abelão para verem a encrenca que irão arrumar. Quem é o mais errado da história, Zé Ricardo ou Rodrigo Caetano, o gerente de futebol? E esse goleiro pegador de pênaltis, valeu todo esse investimento? Cadê o Conca e outros tantos argentinos que não se firmam?

O amigo do quiosque até me perguntou quem era o olheiro do Flamengo na terra do tango porque até agora ele só indicou argentinos sem raça, kkkkkk!!!! Sinceramente, imagino o Zé Ricardo comandando um treinamento no campo e vendo as novas contratações entrarem pelo portão, aos montes, aos quilos, e os executivos do outro lado do alambrado dando aquela força: “se vira aí, Zé”.