O DIA EM QUE ELANO EXORCIZOU TODOS OS DEMÔNIOS

por Ivan Gomes

elano.jpg

O dia 15 de dezembro de 2002 pode ser considerado por nós, santistas, como o dia que fomos libertados de todas as pragas e mazelas, o dia em que o gigante adormecido acordou novamente. O Dia da Independência do Peixe, o dia em que Elano, com um toque na bola, transformou toda dor, angústia e medo em risos, lágrimas, êxtase, o dia que ele tirou um grito de campeão que estava entalado há 18 anos em nossas gargantas. Esse dia 15 foi nossa remissão dos pecados, o dia que ateus viraram crentes, que meninos viraram homens e heróis. O dia que as interrogações caíram e deram lugar às exclamações.

O dia 15 de dezembro de 2002 poderia ser mais um na vida de qualquer pessoa, menos na vida de um torcedor do Santos Futebol Clube, pois neste dia, um domingo, nós teríamos um último e grande desafio pela frente em busca do inédito título brasileiro. Mas muito mais do que a conquista de um título, o jogo representava demais para todos nós, pois foi em um longínquo dezembro de 1984, contra o Corinthians, em um Morumbi lotado e dividido entre as duas torcidas, que Serginho nos dava um título paulista de presente. Entre aquele gol de Chulapa e o 15 de dezembro de 2002, nós santistas passamos por humilhações e provações.

O fim dos anos 80 e início dos 90 foram nada generosos para nós. Mas em 1995 surgiu uma chama, um time guiado pelo “messias” Giovanni, que chegou à final do Brasileiro daquele ano, após um jogo que, para mim, foi uma das maiores apresentações do Santos em todos os tempos. Perdemos de 4 a 1 para o Fluminense na primeira semifinal, mas viramos para 5 a 2 no jogo da volta. Fomos à decisão contra o Botafogo e aí encontramos um tal de Marcio Rezende de Freitas que nos condenou para mais alguns anos de purgatório.

santos.jpg

Em 1997, o Santos conquistou o Rio-São Paulo, após heroico empate em 2 a 2 contra o Flamengo no Maracanã, com Romário e tudo, mas nossos adversários, os amigos, os tios, os primos, vizinhos, colegas de trabalho e escola não consideravam essa conquista como título importante.

Aí veio 1998, fomos eliminados pelo Corinthians na semifinal do Brasileiro após 3 jogos. Mas conquistamos um título internacional, o Santos venceu a Copa Conmebol daquele ano após um jogo duríssimo e muito violento contra o Rosário Central, na Argentina. Mas os amigos, os tios, primos e colegas não reconheciam nossas proezas, à época nem a mídia, pois eles insistiam em dizer que estávamos na fila.

No ano 2000 batemos na trave. Após classificação histórica contra o Palmeiras na semifinal, fomos superados pelo São Paulo de França e Rogério Ceni.

Em 2001 chegamos novamente à semifinal do Paulista, em dois jogos contra o Corinthians, e nós jogávamos por dois empates. A primeira partida terminou em igualdade. No segundo jogo, saímos na frente, cedemos o empate... mas aos 48 do segundo tempo, um chute de Ricardinho nos empurrava inferno abaixo novamente, deixamos de ir à decisão no último lance.

santos 2.jpg

Aí veio 2002, após começo de ano muito difícil com muitas gozações dos adversários e o Corinthians com dois títulos, um Rio-São Paulo e uma Copa do Brasil, nós nos preparávamos para o Brasileiro com time quase todo formado na base e alguns jogadores medianos que permaneceram na equipe.

Com oscilações naturais, o Santos foi indo... até que em outubro bateríamos de frente contra o Corinthians em um Pacaembu lotado. O mesmo Corinthians que havia perdido dois jogos para nós naquele ano, mas havia conquistado dois títulos.

E como por milagre, os meninos jogaram muito, vencemos por 4 a 2, após abrir 4 a 0, e o primeiro gol foi de Alberto, um golaço de bicicleta. Esse jogo nos permitiu sonhar por alguns instantes com um futuro melhor. Mas aí conseguimos perder alguns jogos e ficamos na dependência de um time rebaixado para segundona. Na última rodada, o Gama fez 4 a 0 no Coritiba e o Santos classificou-se em oitavo, para enfrentar o São Paulo nas quartas de final, São Paulo que vinha de dez vitórias consecutivas.

Campeonato de pontos corridos é uma coisa, de fases é outro. E como foi. Os meninos da Vila transformaram-se e sem piedade eliminaram o São Paulo com duas vitórias, passaram pelo Grêmio na semifinal e na primeira partida da decisão, foram senhores do jogo contra o Corinthians e abriram 2 a 0, vantagem considerável para grande decisão.

O domingo aguardado há décadas por nós havia chegado. Quem conseguiu ir ao estádio estava empolgado e tenso, mas nós que teríamos que acompanhar pelo rádio ou pela TV deveríamos estar mais tensos ainda. No trabalho, o tempo não passava, chegaria o Natal, mas não chegaria 17h para iniciar a disputa.

O jogo começou, nos primeiros segundos Diego sente a coxa e Fábio Costa opera um milagre no Morumbi: o teste para cardíacos havia começado. Após susto inicial, o Santos equilibrou o jogo. O tempo passou e até aquele momento, ao menos uma vez na vida, ele era favorável a nós.

rob.jpg

Quando passávamos de 35 minutos, a bola é lançada na ponta esquerda, para o moleque de canelas finas, que não temeu e foi para cima de Rogério, lateral adversário, e após 8 pedaladas sofreu pênalti. Ele mesmo pegou a bola e fez 1 a 0. Com os dois da primeira partida, o Corinthians teria que fazer 3. Parecia que, enfim, os deuses do futebol estavam a nosso favor e nos libertariam de todas as maldições.

Mas aí veio o segundo tempo... e o jogo mudou completamente. O Corinthians pressionou, queria a tríplice coroa. Fábio Costa agigantou-se no gol e virou uma muralha. Nossa torcida se calou no estádio e nossos olhos não piscavam diante da TV. As unhas iam embora a toda velocidade a cada grito no radinho de pilha.

O tempo demorou a passar e aos 30 minutos o Corinthians empatou a partida. Naquele momento nos enchemos de interrogações, e agora? Aos 39 minutos o zagueiro Anderson subiu mais que nossa zaga e virou o jogo para 2 a 1. O medo, a dor, a aflição vinham à tona, o filme de Ricardinho com gol aos 48 do segundo tempo passou em minha cabeça.

camp.jpg

Para mim, estávamos condenados a passar o resto de nossas vidas futebolísticas no inferno, cercados por demônios. O zero porcento de fé virou saldo negativo, até que em uma tabelinha entre Elano e Robinho, o nosso ponta de canelas finas, foi pela lateral, passou pelo algoz Anderson e dentro da área rolou para Elano, que só deu um toque para vencer Doni e somente assim, aos 43 do segundo tempo, ele nos tirou do lodo e nos fez soltar o grito de campeão, chorar, correr pelado pela rua, dar cambalhotas, abraçar os amigos, beijar o cachorro e nos trazer de volta à terra, nos exorcizou de todo mal feito por Ricardinho e Márcio Rezende de Freitas. Com aquele gol, nada mais importava, aquele foi o gol do título. Ainda com os olhos marejados, conseguimos ver meio embaçado o terceiro gol, da virada, para fechar com chave de ouro, além do título, vencíamos o quinto jogo consecutivo contra o Corinthians, 3 a 2.

rob 2.jpg

Após a explosão de alegria, de sentimento de ser livre, o êxtase e o orgulho voltaram como nunca havia sentido antes. Depois disso, o Santos foi novamente campeão brasileiro em 2004, em pontos corridos, ganhou sete títulos paulistas, Copa do Brasil, Recopa Sul-Americana, Libertadores da América, revelou vários jogadores. Mas confesso, todos os títulos são importantes, mas nenhum destes teve o sabor deste 15 de dezembro de 2002, para mim, este jogo nunca acabou. Sempre que posso acesso o Youtube para verificar se realmente a partida terminou, pois o medo de que tudo seja um sonho é grande. Nunca sabemos o que os fantasmas do passado podem aprontar.