SAMBA FUTEBOL CLUBE

por Felipe Corvino

Como versa Dorival Caymmi em ‘Samba da Minha Terra‘: “Quem não gosta de samba, bom sujeito não é, ou é ruim da cabeça ou é doente do pé”. Não há como negar os versos do bom baiano, mas e quando a gente faz um samba do criolo doido misturando samba e futebol?

Aí não tem jeito, é gol de placa, de bicicleta, eternizada pelo diamante negro Leônidas da Silva. Nada mais justo que em pleno carnaval, o ritmo mais brasileiro de todos faça uma dupla infernal com o mais malemolente dos esportes, a nossa pelada. Futebol é nos outros países, aqui se chama futebol brasileiro, terreiro de inúmeros bambas da bola e do riscado.

Em época em que o carnaval virou negócio com direito a subcelebridades ganhando holofotes, camarotes VIP, monopólio da plim plim e o escambau, a festa do povo deixou de ter ares de manifestação cultural e de identificação da gente miúda  com seu chão, ao menos em parte. Assim como vem acontecendo com o futebol, nossa religião politeísta, composta por deuses a perder a conta e a vista como Domingos da Guia, Evaristo de Macedo, Ademir Queixada e da Guia, Pelé e Garrincha, Nilton Santos e Heleno, Dinamite e Zico, Sócrates eFalcão, Edmundo e Gérson. Enfim, uma série de artistas circenses que faziam da pelota arte e musica, quadros mais belos e mais indecifráveis que a Monalisa de Da Vinci, merecedores de frequentar o Louvre.

E como o papo aqui é bola e samba, carnaval e festa, como não lembrar de episódios escalafobéticos envolvendo nossos boleiros com samba e bola nos pés?

Quem não recorda da história do baixinho Romário metendo uma péia no Real Madrid em 93 e pedindo pra ser substituído as 20 do segundo tempo pra ir pro carnaval do Rio? Ou do Edmundo e a famosa foto dele dando uma “biritis” a um macaco? Ou das histórias sobre o bailes de vermelho e preto da turma do Flamengo? Pois é, samba e futebol andam interligados desde que o samba é samba e que nosso pincel é a bola.

Pra dar liga ao time dos versos e prosa, do passe (passe sim, assistência é coisa de espectador, não de boleiro) e gol, vamos azeitar nosso meio campo pra armar a jogada pro 9 de oficio (no caso do baixinho Romário a eterna 11) fazer o êxtase da moçada metendo aquele golaço épico com sambasque fazem uma tabelinha digna de Pelé e Garrincha, deRomário e Bebeto em homenagem a época de carnaval. Como diria o Simas, a festa existe e se faz necessária pra aguentar a dureza da labuta e da viração do dia a dia. E nada melhor do que unir futebol e samba pra fazer um pagode de mesa digno dos batuques dos bambas.

Não dá pra começar a falar do riscado nessas mal traçadas sem falar do mestre Pixinguinha. Vascaíno de alma e talento incomparáveis, em 1919 compôs ‘1 x 0‘ em alusão a partida final entre Brasil e Uruguai no Sul Americano daquele ano. O choro remonta o ritmo da partida, que dizem estudiosos foi frenético, alucinante. O ritmo da peleja é musicada pelo mestre Pixinga em parceria com Benedito Lacerda e o título é em homenagem ao resultado final do certame: 1 a 0 pro Brasil gol de Friedenreich, aos 3 minutos da prorrogação.

Já que começamos com um vascaíno de corpo e alma, vamos ao maior rival do Gingante da Colina com o grandioso sambista e flamenguista doentio Wilson Batista. O Campista Wilson Batista, mudou-se para o Rio de Janeiro nos anos 20 com sua família e assim sua paixão pelo rubro negro atingiu níveis inimagináveis, acompanhando treinos e jogos de montão. Respirar o futebol o fez retratar a peleja em inúmeras composições suas como ‘Samba Rubro Negro‘, regravado posteriormente pelo ilustríssimo João Nogueira, e ‘O Juiz Apitou‘. Canção essa que retrata o desgosto sofrido devido a uma derrota para o Botafogo. Wilson também faz, em uma das suas letras, uma homenagem ao Vasco da Gama com a musica ‘No Boteco do José‘, interpretada por Linda Batista.

Fazendo uma tabelinha, a pelota é passada de Wilson para Moreira. Moreira da Silva, o Kid Morengueira, assim como Ary Barroso, flamenguista fervoroso. Moreira com toda sua irreverência e ar de malandro, lançou em 1968 um samba de breque que entorta qualquer beque inglês. Nesse caso, dá um drible daqueles no James Bond, o famoso 007, e de praxe ainda deixou o “Divino Crioulo” de beiços secos ao roubar-lhe a Claudia Cardinale, musa de filmes de Fellini e Sergio Leone. O samba ‘Morengueira Contra 007‘ é de um tremendo bom humor e trata do agente secreto Kid Morengueira salvando a pele do Pelé. Quando o agente da coroa britânica o vê cheio de  intimidades com a musa italiana, Moreira dá um tabefe no “zero sete” e de quebra rouba-lhe a dama. Claudia confessa que só foi a Santos com o agente secreto pra sequestrar o 10 da seleção, mas com a intervenção do malandro Moreira, cai de amores pelo sambista tupiniquim. É ou não é a cara do Brasil? Como canta Moreira no breque do samba: “ O temperamento latino é fooooooogo!”

Botando a gorduchinha pra rodar o meio campo, passando de pé em pé, pra desnortear o adversário, do volante armador ao meia direita, chegamos ao camisa 10, aquele clássico, que nós como poucos produzimos aos montes. Mas nenhum como Chico Buarque, tricolor de peito aberto, de olhos cativantes e musicas primorosas. Chico, além de saber como poucos comover nossa alma romântica e amante, ama e serve o futebol. De suas letras formidáveis, tira da cartola tricolor como o gênio Cartola, um lance daqueles de fazer o marcador cair de bunda no chão. Mesmo quando o carrapato na marcação é um compadre de longa data como o rubro negro Cyro Monteiro. Em 1969, quando nasceu Silvia Buarque, primeira filha de Chico e Marieta Severo, Cyro Monteiro presenteou a petiz com uma camisa do Flamengo. Pronto, foi a senha pra que Chico versasse sobre o mimo do compadre e compusesse ‘Receita Pra Virar Casaca de Neném‘  A feita é uma resposta bem humoradíssima ao presente do amigo, e que conta como de um presente de grego rubro negro nascia uma tricolor com ardor como o pai, na época um sofredor torcedor do Fluminense.

Do camisa 10 tricolor pra Santos, a bola chega macia e com graça pra Luiz Américo fazer o domínio com seu clássico ‘Camisa 10‘. Santista que é, ficou órfão do 10 da Vila quando, assim como todos os amantes do esporte bretão, resolveu se aposentar da Seleção após a copa de 70. Apesar de Rivelino envergar a 10 do escrete canarinho, a coisa não ia lá muito bem e de forma satírica fez um samba caprichado e cheio de ironias pra criticar o time comandado pelo velho lobo Zagallo.

Num lançamento daqueles que o Gérson sabe fazer como poucos, a pelota chega na ponta esquerda e o Trio Gato Com Fome amacia a redonda no peito, acaricia ela com os pés e dá início a uma jogadaça com a musica ‘Derby‘ que retrata um clássico pelas bandas paulistas e que além de tudo, é uma final de campeonato. Coisa de craque! O único porém é que a pequena Helena, personagem do babado, na hora do replay do gol muda de canal. Aí não, Helena. É caso de polícia senhores, como é possível, na hora do replay do gol de empate aos 45 minutos e ainda por cima de bicicleta a presidente mudar o canal?!

Definitivamente, mulher pode tudo e mais um pouco, afinal são elas a razão da nossa existência. Bem, elas e o futebol. Se mexer com o futebol a casa cai e o siricotico tá armado. Olha o bafafá muito bem versado pela moçada:

Fui educado, fui comportado, fui delicado
Sofisticado como ela pediu
Dei boa noite, eu pedi licença
Eu sorri e agradeci
Tudo bem até ai

Peguei Helena, minha pequena, fui ao cinema
E a Vila Madalena pra curtir
Foi olho só pra ela
E nem pela janela, eu me distrai
Até a mim me surpreendi

E a nossa relação teve canção
E a única solicitação do pobrezinho aqui
Que respeitasse o meu domingo
E me deixasse o jogo assistir
Que o casamento ia sair

Mas foi num derby que meu time perde
Aos 45, uma jogada que saiu o gol
Num lance plástico, no fim do clássico
Meu time empatou e no replay ela mudou

Por falar em derby, vamos pra um clássico gigante e uma tabela de gênios, o corintiano Toquinho e o são paulino Carlinhos Vergueiro com ‘Camisa Molhada‘, primeira música de Vergueiro que trata do tema, e seus versos contém todos os ingredientes fundamentais de uma peleja: raça, árbitro vacilão, botecos, disputa acirrada, fé, rivalidade e bola na rede. Um golaço de placa da dupla. Vergueiro por sinal não fica só nesses versos sobre o riscado do campo. Tem um disco inteiro dedicado a arte suprema dos gramados com ‘Contra Ataque, Samba e Futebol’, que homenageia o gigante baixinho Romário, o galinho Zico e o craque são paulino Raí.

Depois de tantos passes primorosos, lançamentos escandalosamente perfeitos, matadas no peito e dribles infames chegamos a nossa dupla de ataque, e a bola é passada de Carlinhos Vergueiro para um dos mais fanáticos e ilustres torcedores do America (RJ), ninguém menos do que o mestre Monarco, que versa na música ‘America do Saudoso Lamartine‘, sobre o time Rubro e suas glórias e jogadores históricos que passaram por Campos Sales como Danilo, Saci de Irajá e de Carola, além de outro torcedor histórico do “diabo”, Lamartine Babo, o Lalá. Canta o saudoso tico tico no fubá, ataque formado por China, Maneco, César, Lima e Jorginho, que segundo outro ilustre americano, José Trajano, era um ataque mais poderoso que o do Real Madrid de Puskas e Di Stéfano. Esse gol nem o “Divino Crioulo” guardou.

Compondo nossa dupla de ataque, malandra e matreira, fechamos a jogada feita por uma equipe de astros com o mais escorregadio atacante: Dicró. Se Monarco é a elegância e o cérebro do ataque com a poesia perfeita do seu coração rubro cor de sangue, Dicró é o improviso definitivo, a malandragem na sua essência. O vascaíno Dicró com toda sua manha deixa pra trás uma lista infinita de craques, como bem versa no seu samba ‘O Bom de Bola‘, não tem pra Pelé nem Zico, Cruijffe Beckenbauer, Rivellino e Gersón, nem pro seu xará Carlos Roberto de Oliveira, o Roberto Dinamite, ali quem manja do riscado é ele. E com toda essa malemolência carioca e vascaína, guarda o gol mais bonito feito pelas bandas de cá. O gol definitivo do samba e futebol.

Bola passada de pé em pé, com classe, astúcia e inteligência, com gana e raça, do beque central ao ponta esquerda, passando pelo 10, como deveria ser sempre até chegar a dupla de ataque mortal e mortífera. Dicró sacramenta o gol sagrado das pelejas sambadas e dos golaços da pena.