‘SE EU PUDESSE, ME CHAMARIA ÉDSON ARANTES DO NASCIMENTO... BOLA’

por André Felipe de Lima

andre.jpg

Um psicólogo disse um dia ao Pelé que ele tinha um elevado índice de agressividade, o que não condizia com o que se via do Pelé dentro e fora de campo. Intrigado com o laudo médico sobre o Rei, um repórter indagou se o inconfundível soco no ar após os milhares de gols que marcou era a prova cabal da explosão dessa contida e hipotética “agressividade”. O Rei respondeu o seguinte, como se mais uma vez, e poeticamente, driblasse um incauto marcador: “Perfeito. O gol, para mim, é um momento de explosão. E eu sinto isso desde garoto.”

O gol. O gol tem um irmão gêmeo, e se chama Pelé. Nasceram juntos, em Três Corações, de Minas Gerais. O que se compreendia como gol antes do Pelé, mudou completamente depois dele. O conceito é inexoravelmente outro. É aquela velha história do “A.C” e do “D.C”. Com Pelé e o gol funciona assim. Um sempre amou incondicionalmente o outro. Quantas vezes o gol “chorou” emocionado por Pelé? Quantas outras vezes foi Pelé quem chorou de felicidade pelo “irmão” que tanta alegria proporcionou mundo afora? “Não há nada mais alegre na vida do que uma bola quicando na área. Nem nada mais triste do que uma bola vazia”. Pelé está certo. Sem essa comunhão não há alegria.

Pelé sempre foi assim, como a nos ensinar que a vida é regida por Janus, um Deus bifronte greco-romano, que mostrava aos fiéis a bipolaridade essencial para tocarmos a vida, com erros e acertos. Pelé foi o “Janus” do futebol, mas, definitivamente, acertou muito mais do que errou. “Tudo o que tenho devo ao futebol. Se eu pudesse, me chamaria Édson Arantes do Nascimento... Bola. Seria a única maneira de agradecer o que ela fez por mim.”

Muita gente tem a ideia de que Pelé foi milionário. Informação relativamente correta, mas só que o Rei começou a ganhar muito dinheiro mesmo onze anos após o título da Copa do Mundo de 1958. Ele mesmo confirmou isso em entrevista à revista Veja, em 1974, preparando-se para abandonar a Seleção Brasileira: “Uma coisa é bom esclarecer: apesar de jogar no Santos desde 1956, só mesmo a partir de 1969 passei a fazer bons contratos. Em 1965, minha firma, a Sanitária Santista, faliu, e fiquei numa situação difícil. Se parasse de jogar, teria de vender propriedades e batalhar para manter meu padrão de vida. De 1969 em diante, comecei a ganhar muito dinheiro, inclusive com bons contratos de publicidade. Hoje tenho sítios, casas, apartamentos, ações, empresas e contratos publicitários com a Pepsi-Cola, Arcoflex, Sparta, Puma e Colorado RQ. Tudo isso me proporciona uma boa renda mensal de 300 mil cruzeiros [correspondente hoje a apenas 1,5 milhão de reais]. O suficiente para Pelé parar e Édson viver tranquilamente, sem medo de problemas financeiros.”

Pelé tem latente nele a humildade genial e incomparável dos ídolos de outrora. Dos verdadeiros gênios do futebol. “Quem segura a barra de Pelé e Dico é o Édson, que nasceu primeiro. Édson é um sujeito responsável, respeitável, por isso, teve condições de proteger o Dico como família e ajudar o Pelé a manter a humildade necessária para chegar ao sucesso sem se desviar no meio do caminho”. Palavras do próprio Pelé.

Ao contrário do que imaginavam há mais de 40 anos, o Rei não ficou rico como merecia. Em algum momento, o caminho lhe surpreendeu com uma estrada pedregosa e esburacada. O tempo em que reinou no futebol não era globalizado. O marketing em torno dele, constata-se hoje, era, por mais surreal que seja a afirmação, aquém do que a eloquente imagem dele exigia. Tudo o que vendiam sobre Pelé — insisto em afirmar — parece pouco ao comparamos com o que se vende hoje em virtude da velocidade da informação e da imperiosa multimídia.

Pelé, a figura mais popular do planeta. A mais pura verdade. Porém as fortunas que cercam as imagens de pernas de pau da atualidade mostram o retrato da injustiça que o impiedoso folhear dos calendários fez com o homem mais famoso do mundo.

Várias vezes lia-se nos jornais o título “Um nome que vale milhões”. Mais uma imaculada verdade. Como escrevera Nelson Rodrigues sobre Pelé, o que “chamamos de realeza é, acima de tudo, um estado da alma”. A coroa do Pelé jamais lhe será tomada por déspotas cabeças de bagre e milionários que hoje pululam os meios de comunicação mais que as redes adversárias. “É um disparate pensar em arranjar um substituto para ele. Criem outros reis, mas o trono de Pelé é só dele”, disse sabiamente Nilton Santos, que por essa e outras era justamente chamado de “A enciclopédia”.

O pequeno Dico virou o prodigioso Pelé. Virou gigante. Virou imortal. Pelé e a sua doce “agressividade” ao dominar a bola, passar por um, dois, três... Pelé, lado a lado, sempre, com o seu querido e inseparável irmão, tão rei quanto ele: o Rei Gol.