PARABÉNS AO ÍDOLO

por André Felipe de Lima

 (Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

Ivã seria um grande jogador. Isso por volta de 1953. Estrearia no time de cima do Botafogo, como quarto-zagueiro. No dia do tão esperado jogo, recebeu a trágica notícia da morte do pai. O baque foi intenso e Ivã desistiu de entrar em campo. Perdera, portanto, a vaga para Pampolini, companheiro no time de aspirantes. Enquanto Pampolini tocou a carreira e ficou famoso, Ivã recolheu-se e decidiu arrumar um emprego fora do futebol para ajudar a família. O amor pela bola jamais foi deixado de lado. Transmitiu-o ao filho Roberto, que sempre foi carinhosamente chamado pelo diminutivo. Era Robertinho e assim permaneceria.

Com 10 anos de idade, Ivã carregou o filho para o Fluminense. “Fui eu quem o ensinou a não pipocar”. Robertinho compreendeu o recado do pai e tornou-se um dos mais badalados ídolos do Fluminense na virada da década de 1970 para a de 80. Um ponta-direita empolgante. Partia para cima do marcador e, na corrida, raramente era alcançado. Bola na linha de fundo e lá ia Robertinho, um azougue.

 (Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

A fama de exímio ponteiro convenceu os principais treinadores do país. Um deles foi Mário Travaglini, que, em janeiro de 1979, comandava a seleção brasileira de juniores, que se preparava para a disputa do sul-americano da categoria, na Colômbia. O titular do ataque do escrete juvenil seria Careca, do poderoso Guarani campeão brasileiro no ano anterior. Mas o atacante bugrino se machucou antes da competição e a vaga ficou com Robertinho. Foi naquela competição (e isso é sempre bom lembrar!) que o mundo conheceu um baixinho fenomenal chamado Diego Armando Maradona.

A seleção de juniores fracassou na competição, mas a carreira de Robertinho decolara. Foi ídolo das torcidas do Fluminense e do Sport. Um legítimo campeão.

Golaço de Robertinho

Roberto Oliveira Gonçalves do Carmo, que (poucos sabem) é um exímio baterista desde criança, faz anos nesta quinta-feira, 22. Parabéns ao grande ponta-direita, um dos últimos craques a brilharem na extinta posição de ponta. Bons tempos em que a alegria reinava nos gramados e quando, definitivamente, podíamos definir o futebol como uma arte.

#Ídolos #DicionáriodosCraques #Robertinho #FluminenseFC #SportClubRecife