OS MEXICANOS

por Sergio Pugliese

Brasileiros infiltrados na seleção mexicana desafiam Romário, Edmundo e Djalminha

bacana.jpg

O verbo inteirar é um velho conhecido dos peladeiros. E para a bola rolar, vale tudo! Quem nunca inteirou uma pelada com o cara do bar, com o churrasqueiro e até mesmo com o árbitro? Tudo bem, está valendo, mas o preparador físico Luiz Otávio abusou na ousadia. Em 2010, a seleção mexicana de Showbol foi convidada para um amistoso, no Maracanãzinho, contra o esquadrão brasileiro, com Romário, Edmundo, Djalminha & Cia. Casa cheia, transmissão de tevês, patrocinadores, imprensa em peso. Imperdível! Mas em cima da hora, dois jogadores mexicanos, Morales e Sol, tiveram problemas com o visto e apenas seis atletas viajaram. Como no Showbol são cinco na linha e alguns craques já tinham a idade avançada convinha ter pelo menos dois reservas.

— Foi aí que o Luiz Otávio teve a sacada de mestre e convocou dois brasileiros, eu e o Bacana — brincou Sergio Amato, o Morales.

O preparador físico Luiz Otávio há anos trabalha no México, mas tem uma legião de amigos no Brasil. Dois dias antes da partida precisava de dois “quebra-galhos”, desconhecidos e bons de bola, então ligou para Sergio Amato e Ricardo Baptista, o Bacana, dois cracaços. De cara, perguntou se a dupla admirava o futebol de Romário, Edmundo e Djalminha. Claro, a resposta foi sim. Depois, quis saber se já haviam jogado no Maracanãzinho. Não, de resposta. E por fim, largou a isca.

— Ele escalou o time comigo, Romário e outras estrelas. Não pensei duas vezes — lembrou o modelo Bacana.

À noite, na véspera, tudo acertado, Luiz Otávio abriu o jogo e determinou as regras. A primeira, os dois estavam proibidos de abrir a boca, pois a imprensa e os adversários não podiam saber da existência dos infiltrados. Segunda, eles só entrariam em casos extremos, pois a Fox mexicana transmitiria o amistoso e os torcedores não entenderiam nada, sem falar nos verdadeiros Morales e Sol. Tudo acertado, Bacana e Sergio “Fenômeno”, como é conhecido no futsal do Fluminense, acordaram cedo e foram para o hotel em Copacabana, onde a delegação estava concentrada.

— No vestiário, recebi a 10, de Sol. Que responsabilidade! — divertiu-se bacana.

O zagueiro Ricardo Rocha, um dos organizadores do Showbol, cumprimentou um por um e os dois apenas balançaram a cabeça. Num cantinho, Sergio “Fenômeno” ligou para a mulher Regina e os filhos Serginho e Hugo avisando sobre a transmissão. Também não esqueceu dos amigos da pelada, entre eles um repórter do Sportv, que na mesma hora ligou para o cinegrafista escalado pedindo “uma moral” nas imagens da dupla.

— Aparecemos mais do que os mexicanos — gabou-se Sergio “Fenômeno”.

No momento da apresentação dos jogadores, um mico. Quando o locutor chamou Morales, Sergio “Fenômeno” continuou imóvel e precisou Bacana falar “vaiiii, é você!!!”. Tudo discretamente. Depois, do banco de reservas, os dois babavam com o show do baixinho Romário, que distribuía ovinhos e dribles variados. No finzinho do primeiro tempo, Cabreras e Terrazas estavam exaustos e “Sol” e “Morales” foram acionados. O coração disparou e Luiz Otávio reforçou: “calados!!!”. Mas não deu. “Morales” discordou da marcação de um pênalti e partiu para cima do árbitro Oscar Roberto Godói falando cobras e lagartos em português.

— Ele não entendeu nada e me distanciei quando percebi a bobagem que havia feito — contou ele, que trabalha com tecnologia da informação, na UERJ.

Para piorar, na hora de bater o pênalti, “Sol” aproximou-se de Romário, rogou uma praga em português e entregou a nacionalidade, mas pediu: “não espalha...” . O baixinho riu, marcou mais um gol e a partida terminou em 9 x 6 para o Brasil. Na saída, crianças cercaram os craques e pediram as camisas autografadas. “La camisa no se puede, mas fotita, si”, dizia “Morales”. “Sol” distribuía autógrafos e Luiz Otávio empurrava os dois deslumbrados para longe do tumulto, principalmente dos jornalistas mexicanos.

— O mundo nos viu! — exagerou Bacana.

No fim de semana seguinte, Morales, que dizer Sergio “Fenômeno”, foi a Praia do Leme com a mulher. Na Barraca da Axé, alugou barraca, cadeiras e recebeu o número 171. Regina riu, imaginou a fama do maridão rompendo fronteiras. O infiltrado argumentou, blá, blá, blá, sugeriu a troca do número, mas a amada o arrastou pelo braço e disparou: “vem logo, Morales!”.