OS DEZ CARRASCOS

por Israel Cayo Campos

TOR.jpg

Eu admito! Sou fã de listas! E quanto mais bizarras, mas me chamam atenção e me divertem! Pensando nisso, resolvi fazer uma nova lista. Dessa vez envolvendo os 10 maiores carrascos do futebol brasileiro.

Mas ao contrário do quadro do Fred do Canal Desimpedidos, prefiro me aprofundar nessa lista com um pouco mais de história naquilo que construo. Evitando somente falar dos jogadores e clubes que surgiram juntamente com as televisões de plasma!

Vejamos a lista, e depois fiquem à vontade para concordar, discordar ou colocarem outros membros no lugar dos citados aqui...

10° Lugar: Ernest Wilimowski – Polônia 5 x 6 Brasil.

f1.jpg

Pouca gente lembra, mas na primeira Copa do Mundo em que o Brasil se destacou, no ano de 1938 na França, a Seleção enfrentou em sua estreia a Polônia em Strasbourg.

Apesar da vitória brasileira, essa Copa nos mostrou nosso primeiro carrasco, um polonês de nome bastante complicado, Wilimowski! Nessa partida, o polonês marcou quatro dos cinco gols de sua seleção contra o Brasil! Se não fosse pela atuação de Leônidas da Silva, ele seria a primeira lembrança de um carrasco em Copas do Mundo!

Três tentos foram marcados no tempo normal, todos no segundo tempo! Sendo o gol de empate que levou o jogo para prorrogação (4 a 4), marcado por ele aos 44 minutos da etapa final!

Segundo João Saldanha, a falta de conhecimento da regra contribuiu com os gols de Wilimowski. Domingos da Guia que não sabia bater um tiro de meta chutava a bola de maneira fraca, essa era rapidamente interceptada pelo atacante polonês, que a mandava para as redes brasileiras!

A versão do goleiro brasileiro naquela partida é um pouco contraditória a de Saldanha. Batatais alegou que nesse jogo, que fora o mais disputado daquela Copa e até hoje um dos mais emocionantes da história dos mundiais da FIFA, Domingos da Guia, o “Divino Mestre”, teria entrado em campo com muita febre praticamente obrigado pelo técnico Ademar Pimenta.

Esse problema de saúde teria facilitado a vida do polonês. Batatais ainda afirmara com certa soberba que se Domingos estivesse bem de saúde, Wilimowski não passaria por ele! Mas como o “se” não joga...

Wilimowski é até hoje o único jogador a ter marcado quatro gols na Seleção brasileira em um mesmo jogo! Um feito que só não é mais lembrado do que de fato merece devido ao resultado da partida.

Como saímos vencedores da dura peleja, seguimos para o jogo contra a Tchecoslováquia,e Wilimowski ficou para os brasileiros apenas nos almanaques que contam a história dessa partida!

E só por não ter saído vitorioso, o polonês não ficou em uma posição mais à frente em meu ranking. Pois marcar quatro gols contra uma Seleção Brasileira, seja em qualquer época, com ou sem a febre de Domingos da Guia, não é para qualquer um!

9º lugar: Tore André Flo – Noruega.

F3.jpg

Uma das raras seleções que o Brasil nunca conseguiu vencer em seus mais de 100 anos de história é a Noruega. Foram quatro jogos, sendo três em Oslo, capital norueguesa e um pela Copa do Mundo de 1998 na França. Dois empates e duas derrotas canarinhas! Essas duas derrotas se devem basicamente a Tore Flo, atacante alto e desengonçado que causou problemas ao Brasil entre os anos de 1997 e 1998.

Em 1997 um amistoso. O Brasil vinha como franco favorito a Oslo com um time que contava com um quarteto de ataque de respeito: Djalminha, Leonardo, Romário e Ronaldo. Porém, o que se viu foi um passeio norueguês comandado por Flo. O atacante marcou dois e ainda deu o passe de cabeça para o quarto gol norueguês naquela partida! Em um final indigesto, o Brasil perdia por 4 a 2 diante dos escandinavos.

Em 1998 a chance do revide, Copa do Mundo da França, a Noruega caia como último adversário do Brasil no grupo “A” do torneio. A Seleção já estava classificada. Era a hora de enfim o Brasil encerrar esse jejum!

Depois de um primeiro tempo fraco tecnicamente, uma bela jogada de Denilson e gol de cabeça de Bebeto. Até que enfim a “zika” com cheiro de bacalhau iria sair! Mas foi aí que o nosso carrasco número 9 resolveu aparecer!

Com a Noruega precisando vencer para não cair logo na fase de grupos, a única maneira era atacar o Brasil, mesmo que isso lhe custasse uma derrota por maior número de gols! Tore Flo arrancou pela esquerda, deu um corte em Júnior Baiano e empatou o jogo para os noruegueses!

Mas o empate não servia para a Noruega, já que no outro jogo do grupo Marrocos goleava os escoceses. Foi então que novamente Tore André Flo apareceu. Dessa vez sofrendo pênalti de Júnior Baiano, que estava em uma de suas noites mais infelizes como zagueiro. Rekdal bateu, converteu, virou o jogo, manteve o tabu e classificou a Noruega para as oitavas de final! Mas o herói da noite, nosso carrasco, tinha sido Tore André Flo novamente.

Embora tenha sido em um jogo amistoso, e em outro que já não valia nada numa Copa do Mundo. Se hoje a Noruega pode se vangloriar de ser uma das raras seleções que nunca perderam uma partida para pentacampeã do mundo Brasil, devem esse orgulho diretamente aos 3 gols, uma assistência e um pênalti sofrido por Tore André Flo em seus dois únicos jogos contra o “país do futebol”.

8º lugar: Ángel Romano – Uruguai 6 x 0 Brasil.

IM.jpg

Antes do fatídico e inesquecível 7 a 1 sofrido pelo Brasil na semifinal da Copa de 2014 em casa diante da Alemanha, a maior goleada que a Seleção verde amarela havia sofrido para outra nação (levando em consideração a diferença de gols!) fora um seis a zero para o Uruguai no Torneio Sul-americano de 1920 disputado no Chile.

Nessa partida disputada na cidade de Viñadel Mar, os brasileiros sofreram dois gols de Ángel Romano, atacante do Nacional de Montevidéu. Que contribuíram para o vexame brasileiro.

Três anos antes, no Sul-americano de 1917 disputado no Uruguai, nova vitória da seleção do Rio da Prata fácil! Um 4 a 0 com direito a mais dois gols de Ángel Romano. 

Em 1921, dessa vez no Sul-americano da Argentina, Romano novamente balançou as redes brasileiras duas vezes. Dessa vez numa vitória apertada por 2 a 1. Contribuindo para mais um fracasso brasileiro no torneio continental dos anos 1920.

Totalizando, o Uruguaio marcou seis gols contra a Seleção brasileira em três jogos, todos eles em campeonatos Sul-americanos. Provavelmente, Romano foi o pesadelo dos jovens torcedores do futebol brasileiro do início do século XX, e até hoje é o segundo jogador que mais balançou as redes de nossa Seleção!

O nosso carrasco de torneios continentais entre seleções. Que protagonizou a maior derrota da história do futebol brasileiro até o ano de 2014, merece estar nessa lista!

7º lugar: Nwankwo Kanu – Nigéria 4 x 3.

KAN.jpg

Era o único título que o Brasil não tinha! Depois de dois Vice-campeonatos olímpicos nos anos 1980 e uma decepcionante desclassificação no pré-olímpico de 1992, a Seleção brasileira, campeã do mundo em 1994 chegava como grande favorita a então sonhada medalha de ouro olímpica.

Jogadores como Dida, Aldair, Roberto Carlos, Bebeto, Juninho, Rivaldo, Luizão e Ronaldo (todos campeões do mundo!) faziam parte do elenco brasileiro! Nosso grande adversário naquele torneio era a Argentina, que também possuía uma boa geração com Ayala, Chamot, Crespo, Gallardo, Claudio López, Ortega, Simeone, Sensini e Zanetti. Nenhum se tornou campeão do mundo!

Na fase de grupos, após um susto contra o Japão, duas vitórias sendo uma sobre a Nigéria com gol solitário de Ronaldo... Mal imaginávamos que era essa Nigéria que iria acabar nos complicando!

Após uma goleada nas quartas de final sobre Gana, estávamos de novo de frente com a Nigéria. Era o último passo para a final olímpica, e quando Flávio Conceição abriu o placar no primeiro minuto de jogo, parecia que aquele jogo seria um novo passeio contra uma seleção africana!

Mas logo aos 20 minutos, em bela jogada de Babayaro, Roberto Carlos acabou fazendo gol contra! Porém, a tensão logo se desfez quando em duas belas jogadas Bebeto e novamente Flávio Conceição colocaram o Brasil na frente com dois gols de vantagem ainda no primeiro tempo!

Na segunda etapa o Brasil cansava de perder gols! Alguns como em lance de Ronaldo sem o goleiro! Até que o juiz marcava um pênalti para os africanos! Jay-Jay Okocha bateu e Dida começava sua fama de pegador de pênaltis! Tudo conspirava para a classificação brasileira!

Porém, quando faltavam 12 minutos para o fim do jogo, o barraco começou a desabar! Ikpeba aproveitando roubada de bola de Rivaldo descontou para a Nigéria.E já com o tempo regulamentar terminando (faltando 20 segundos), apareceu o nosso carrasco para empatar uma partida que já estava no papo!

O jogo ia para a prorrogação ainda no estilo “Golden Goal”, e a Nigéria veio para cima... Não durou nem quatro minutos e novamente Kanu em bela jogada individual driblou a defesa brasileira e fuzilou o goleiro Dida. A Nigéria seguia para final e o sonho olímpico brasileiro era mais uma vez adiado!

A tão conhecida sorte do técnico Mário Jorge Lobo Zagallo o abandonava curiosamente em um dia 31 de julho. 31 = 13 ao contrário! Essa era a desculpa mais usada pelo Velho Lobo! Mas a verdade é que se não existisse o carrasco Kanu em campo, poderíamos estar hoje comemorando o bicampeonato olímpico!

6° lugar: Eusébio – Portugal 3 x 1 Brasil.

EU.jpg

O ano era 1966. O mundial voltava a Europa para ser disputado na casa dos inventores do futebol, os Ingleses! E o Brasil chegava como atual bicampeão do mundo, e favorito a conquista do tricampeonato!

Com uma estreia vitoriosa sobre a Bulgária por dois a zero com dois gols de falta. Um de Pelé e um de Mané (última partida que a maior dupla de todos os tempos realizou junta com a camisa da Seleção) o Brasil começava com o pé direito rumo a mais um título.

No segundo jogo, uma derrota para a Hungria por 3 a 1, outra seleção que até pouco tempo nunca havíamos vencido em nossa história. Agora era obrigação vencer Portugal na terceira rodada. Uma seleção que apesar de ter como base o grande Benfica bicampeão europeu do início dos anos 1960, era estreante em mundiais!

Pelé que não jogara contra os húngaros machucado voltava a equipe. Era tudo ou nada! O Brasil não era eliminado numa fase de grupos de um Mundial desde o primeiro em 1930. Além da reentrada de Pelé, outras oito caras novas! A honra do atual bicampeão do mundo contra um mero estreante estava em jogo!

Logo aos 15 minutos, Eusébio, atacante do Benfica dá um belo drible em Brito, cruza na área e conta com o rebote “mão de alface” do goleiro Manga, que solta a bola na cabeça de Simões! Um a zero Portugal.

Aos 27 minutos, aproveitando bola escorada após falta cobrada por Coluna, Eusébio apareceu de cabeça para ampliar o placar! Para desespero de Vicente Feola, técnico campeão do mundo na Suécia pela Seleção brasileira, antes da primeira meia hora de jogo, o Brasil já perdia por 2 a 0.

Aos 15 da segunda etapa, Rildo marcava para o Brasil pondo fogo no jogo! Mas era só fogo de palha! Faltando cinco minutos para o fim do “match”, aproveitando uma bola escorada por Torres, o nosso carrasco lusitano nascido em Moçambique acertou um petardo sem chances para o goleiro Manga! Eusébio 3, Brasil 1. Estávamos eliminados do mundial da Inglaterra!

É bem verdade que nessa partida Pelé fora caçado em campo! Tomou chutes que o fizeram atuar até o final apenas para fazer número. Entretanto, a noite era de Eusébio, que fez o que quis com o Brasil e garantiu uma humilhante eliminação na fase de grupos. Por acabar com uma seleção que vinha de dois títulos mundiais seguidos, o carrasco Eusébio merece estar com louvor nessa lista!

5° lugar: Emilio Baldonedo – Argentina.

BAL.jpg

Desse jogador a geração recente sequer tem memória! Me arriscaria dizer que até boa parte da geração anterior a atual sequer sabe de quem escrevo. Mas se o uruguaio Ángel Romano está nessa lista como o segundo jogador a marcar mais gols na Seleção brasileira, o argentino Emilio Baldonedo não pode ser esquecido! Afinal, esse é o Museu da Pelada.

Nascido no dia 23 de junho de 1916, mesmo data a qual nasceu o polonês Wilimowski já citado nessa lista (esse deve ser o dia dos carrascos!), o atacante argentino é até hoje o jogador que mais marcou gols contra a Seleção brasileira! No total, sete tentos!

Se Romano foi nosso carrasco nos primórdios da atual Copa América, Baldonedo foi o nosso destruidor nos torneios conhecidos como “Copa Roca”, atual Superclássico das Américas. Um torneio disputado entre Brasil e Argentina desde a segunda década do século XX, até a década atual (com longos intervalos cronológicos entre um torneio e outro!).

A primeira disputa de Baldonedo contra o Brasil nesse torneio se deu em 1939, quando a Copa Roca foi disputada em terras tupiniquins. Nos dois primeiros jogos em São Januário, Baldonedo não jogou. E mesmo assim os argentinos aplicaram uma goleada por 5 a 1 no primeiro jogo.

Na segunda e decisiva partida, uma vitória brasileira por 3 a 2, com direito a um pênalti pra lá de suspeito marcado pelo juiz brasileiro Carlos de Oliveira Monteiro, vulgo “Carlos Tijolo”. Tal marcação fez com que todo o time argentino se retirasse de campo revoltado. Com a vida facilitada, Perácio converteu a penalidade com o gol vazio.

Como naquela época não havia saldo de gols, uma nova partida fora marcada dessa vez para o Palestra Itália. O torneio que ainda valia por 1939 já avançava para fevereiro de 1940, e o técnico argentino Guillermo Stabille (artilheiro da primeira Copa do Mundo em 1930), resolve lançar no time o jovem Baldonedo, ainda prestes a completar 24 anos!

Na difícil partida, Leônidas da Silva garantia a vitória na prorrogação para os brasileiros, até que faltando quatro minutos para o final, Baldonedo empatou! Era o primeiro gol dele contra a nossa Seleção. Como não haviam disputa de pênaltis e o jogo novamente terminara empatado, uma nova partida deveria ser realizada.

Sete dias depois no mesmo estádio, as duas Seleções entravam para o quarto embate na disputa pelo título. Dessa vez a Argentina venceu fácil, e Baldonedo novamente marcou, abrindo o placar para os “Hermanos” em um jogo que terminou 3 a 0. A Copa Roca de 1939 ficava com a Argentina e esse era o segundo gol de nosso carrasco! Não perca as contas!

Duas semanas depois uma nova Copa Roca. Dessa vez oficialmente pelo ano de 1940! Agora os jogos seriam realizados na Argentina, e no primeiro disputado no estádio do San Lorenzo uma goleada portenha! Seis a um, com direito ao quinto gol ser marcado por Baldonedo. Na segunda partida os brasileiros reagiram, vitória por 3 a 2. Mas nosso carrasco marcara os dois gols de honra da Argentina, o que novamente forçava a disputa do troféu a um terceiro jogo.

Dessa vez no estádio do Independiente, no dia 17 de março de 1940, outro passeio argentino! 5 a 1 nos brasileiros com direito a mais dois gols de Baldonedo, o primeiro e o quarto gol da seleção albiceleste na partida! Era o bicampeonato da Copa Roca para os argentinos, graças aos sete gols de Baldonedo!

Vale ressaltar que os sete gols que dão a Baldonedo o título de maior artilheiro em partidas contra a Seleção se deu em cinco jogos disputados pelos arquirrivais entre os dias 18 de fevereiro e 17 de março de 1940. Ou seja, em menos de um mês apenas! Um carrasco rápido e letal! Que contribuiu para a retirada de dois títulos na época muito importantes contra os nossos maiores rivais até os dias de hoje!

4° lugar: Alcides Gigghia – Brasil 1 x 2 Uruguai.

GH.jpg

Tudo bem, esse só marcou um gol sobre o Brasil em sua brilhante carreira de jogador profissional. Mas fora o gol mais dolorido até hoje sofrido pela Seleção canarinho, que a época jogava de branco!

Era o último jogo do quadrangular final do mundial de 1950. O Brasil só precisava de um empate para o título. E era exatamente o resultado que ocorria na segunda etapa. Gigghia já participara do primeiro gol uruguaio. Recebendo uma bola de Obdúlio Varela, partiu pela ponta direita de ataque, deixou o lateral Bigode no chão, entrou a área e cruzou, Schiaffino como um bom centroavante colocava nas redes brasileiras!

Ainda servia para o Brasil, um 1 a 1 salvador! Redentor! Abençoado pelo Cristo! Até que desgraça nos abateu...

 Aos 38 minutos do segundo tempo, Julio Pérez e Gigghia tabelam novamente na frente de Bigode. Gigghia corre para ponta e os demais atacantes uruguaios vão para área. O uruguaio entra sozinho na grande área brasileira. O goleiro Barbosa antevê o lance que dera o gol de empate uruguaio e dá um passinho para a direita. Ghiggia chuta, a bola passa no pequeno espaço entre o goleiro e a trave! É o gol da virada uruguaia!

Mais de 200 mil pessoas caladas! Mais de 50 milhões de brasileiros (população da época) em profunda desolação! Um jogo que causou várias mortes! Sejam elas por enfartos ou até suicídios de torcedores, é até hoje lembrada pelo público brasileiro como uma tragédia!

Como diria anos depois o “Seu Alcides”, só três homens haviam conseguido calar o Maracanã... O Papa João Paulo II, Frank Sinatra e ele..., Mas com certeza, só ele conseguira tal façanha pelo sentimento de tristeza fúnebre dos presentes!

Mesmo depois de 68 anos e duas cinco Copas do Mundo vencidas, Alcides Gigghia ainda é lembrado como o carrasco imortal daquele dia 16 de julho de 1950 para o povo brasileiro. Por quem vale salientar, Gigghia possuía muito respeito! Se negando a falar sobre aquela final para veículos brasileiros em respeito ao povo de nosso país!

Curiosamente ou não, em um mesmo 16 de julho, só que de 2015, o “Seu Alcides”, (que assim como Jairzinho em 1970, marcou gol em todos os jogos de sua Seleção no mundial de 50!), veio a falecer. Era o último remanescente daquele triste dia na história do futebol brasileiro. Obviamente, um dos mais felizes da história da gloriosa “Celeste Olímpica”. O carrasco de apenas um gol, mas um dos gols mais doloridos da história de um país gigante, que começava a ganhar sua identidade nacional naquele período!

3º lugar: Clube Atlético Boca Juniors – Contra times brasileiros em competições Sul-americanas.

BOCA.jpg

Para quem pensou que só iria falar de carrascos em pessoa física, lembramos de nosso maior carrasco em pessoa jurídica. Poucos times de massa do Brasil não tiveram um momento de pesar contra o gigante clube argentino.

Só na Libertadores da América, os “xeneizes” iniciaram sua tradição em 1977 contra o então atual campeão Cruzeiro. Vencendo nos pênaltis a final por 5 a 4. No ano seguinte, o arquirrival da raposa, o Atlético Mineiro, foi a vítima do Boca nas semifinais do torneio.

Dando um salto para o ano de 1991, ainda na Libertadores, as vítimas foram as duas maiores torcidas do país. Nas oitavas o Corinthians e nas quartas o Flamengo. Ambos eliminados no placar agregado de 4 a 2.

Mas foi nos anos 2000 que a fama de papão contra os brasileiros se alastrou! Na final do torneio daquele mesmo ano uma vitória nos pênaltis sobre o atual campeão Palmeiras. Em 2001 uma eliminação do Vasco nas quartas e novamente do Palmeiras nas semifinais. Em 2003 caíram Paysandu nas oitavas e o Santos na final. E em 2004 o emergente São Caetano também não resistiu ao time azul e amarelo do bairro de La Boca nas quartas de final. Em 2007, o Grêmio de Mano Menezes caiu na final. E em 2008, novamente o Cruzeiro foi a vítima, dessa vez nas oitavas do torneio!

Na segunda década do novo milênio, o Boca já não assustava como anteriormente! Entretanto, ainda conseguiu eliminar o Fluminense nas quartas de final do torneio de 2012, e o Corinthians nas oitavas de final de 2013 (em um jogo bastante suspeito!).

Nos torneios secundários da América do Sul, tais como a Copa Mercosul e a Copa Sul-americana, o Boca eliminou ainda na primeira fase o Corinthians no ano 2000 da Mercosul e o Internacional em 2004 nas semifinais e em 2005 nas quartas da Sul-Americana.

Na Recopa, torneio disputado entre os vencedores dos dois principais torneios da América do Sul, foi a vez do São Paulo perder em 2006 para os argentinos. Fora Supercopas e Copas CONMEBOL que não deu para contabilizar, O Boca é de longe o time que mais eliminou brasileiros nos certames internacionais!

Levando-se em consideração que o Brasil tem 12 grandes clubes (quatro de São Paulo, Quatro do Rio, dois de Minas e dois do Rio Grande do Sul). O Boca só não tem o Botafogo como vítima em torneios oficiais. Muito pelo fato do clube de General Severiano não conseguir enfrentar o Boca nesses torneios! Sendo justo e não ofensivo com os alvinegros, raramente o Botafogo se classifica para os mesmos!

Já os demais clubes, foram ao menos uma vez, ou até mais vezes vítimas do carrasco Boca Juniors.

2° Lugar: Zinedine Zidane – França.   

z2.jpg

Em 1998, recém completados 26 anos, Zinedine Zidane era um ilustre desconhecido para o futebol brasileiro! Até então naquela Copa em casa só havia aparecido pelo “coice” dado em um jogador da Arábia Saudita que lhe custou um gancho de dois jogos no mundial. Mas “Zizou” era muito mais que um jogador temperamental. E iria mostrar justamente na final contra a Seleção Brasileira.

Antes daquela final em Paris, o único jogo de Zidane contra o Brasil tinha sido no empate do Torneio da França por 1 a 1 em jogado em Lyon um ano antes. Nesse jogo o filho de argelinos teve uma atuação discreta, mais preocupado com a marcação do forte ataque brasileiro.

No entanto, na final do Mundial de 1998, primeiro uma jogada espetacular que deixou Guivarc’h na cara do gol. Para sorte brasileira o péssimo atacante francês perdeu a chance. Mas logo duas cobranças de escanteios em posições inversas do campo. Duas cabeçadas certeiras do “carequinha”! Dois a zero para a seleção da França.

Nos acréscimos do jogo, Petit selou o primeiro título mundial francês em casa! Mas aquela era a final de Zinedine Zidane. A partir daquele jogo, a sua vida mudou! Ele se tornara uma estrela mundial. Alcançava o status de craque da bola!

No centenário da FIFA no ano de 2004, Zidane voltou a enfrentar o Brasil. Dessa vez não marcou gols, mas novamente presenteou os espectadores do “Stadede France” com lindas jogadas para cima da atual campeã do mundo. Ao final daquele jogo sofrido, o então lateral brasileiro Roberto Carlos afirmara: “O Brasil não perde mais para a França”.

Dois anos depois, no mundial da Alemanha, Zidane em suas últimas apresentações com a camisa dos “Bleus” novamente enfrentava o Brasil. Era o jogo de quartas de final entre uma Seleção que até então tinha chegado lá aos trancos e barrancos, contra a seleção mais estrelada do planeta. Com o quadrado mágico formado por Kaká, Ronaldinho, Adriano e Ronaldo.

O estrelado time do técnico Parreira mal viu a cor da bola naquele primeiro de julho de 2006. Em um lance inicial, Zidane humilhou Zé Roberto, Juninho Pernambucano e Gilberto Silva em uma só jogada. Em seguida, um “balãozinho” para cima de Kaká. E antes que o primeiro tempo encerrasse, dois dribles secos que deixaram no chão o zagueiro Lúcio e o volante Gilberto Silva. Isso sem contar os passes certeiros e objetivos do capitão da Seleção Francesa.

No segundo tempo mais show. Dois chapéus em Gilberto Silva e Ronaldo. E aos 13 do segundo tempo uma bola “açucarada” no pé de Thierry Henry. Era o gol da França que nos eliminava mais uma vez de uma Copa do Mundo. Curioso ou não, a bola foi exatamente na zona do lateral Roberto Carlos, que afirmara que o Brasil não iria mais perder para os franceses!

Antes do fim do jogo. O pobre Gilberto Silva novamente fora humilhado com um drible de giro a lá Zinedine Zidane! O juiz apitou e curiosamente todos os jogadores brasileiros que atuavam no Real Madrid, caso de Ronaldo, Cicinho, Robinho e Roberto Carlos, foram abraçar Zizou como se reconhecessem uma das maiores atuações de um jogador de futebol numa Copa do Mundo.

O famoso narrador Luciano do Valle dizia em seus comentários finais que desde Maradona em 1986, não via uma atuação tão espetacular de um jogador em uma partida de Copa do Mundo! A França seguiu rumo a final contra a Itália e o Brasil novamente ficou pelo caminho.

Zidane fica com a medalha de prata entre os carrascos da história do futebol brasileiro por todos os motivos citados anteriormente. Mas o principal é que conseguir eliminar o Brasil em uma Copa muitos conseguiram, mas eliminar em duas. Sendo o protagonista em ambas as partidas! Só Zinedine Zidane conseguiu!

1° Lugar: Paulo Rossi – Itália 3 x 2 Brasil.

J1.jpg

1982. Estádio Sarriá em Barcelona. Futebol Arte. Melhor Seleção brasileira desde a geração tricampeã de 1970... Espetáculos nos primeiros quatro jogos, com direito a um humilhante 3 a 1 sobra a maior rival Argentina. Esse era o Brasil de Telê Santana. Do zagueiro Oscar. Dos laterais Leandro e Júnior. Dos meias Falcão, Cerezo, Sócrates e Zico. Dos atacantes Éder e Serginho. O Brasil jogava o melhor futebol e era o favorito ao tetra!

A Itália era o oposto, vinha com um futebol feio. Empatando suas três partidas na fase inicial do torneio e só se classificando no critério gols feitos! Na segunda fase uma vitória a base de muito suor e marcação sobre os mesmos argentinos por 2 a 1. O jogo que valeria vaga nas semifinais daquele torneio memorável ia ser entre brasileiros e italianos. Com o direito do empate para a Seleção canarinho!

Logo começou aquele jogo em 05 de julho e o nosso maior vilão, que havia saído de uma suspensão do futebol apenas um ano antes, entrava em ação. Cinco minutos de jogo, cruzamento de Cabrini e gol de Paulo Rossi sozinho de cabeça.

Não era a primeira vez naquele mundial que o Brasil tinha começado atrás no marcador. Era questão de tempo para haver o empate. Serginho ficou cara a cara com Zoff, mas chutou mascado para fora! Ia fazer falta..., no entanto, aos 12 minutos, o “Galinho” achou Sócrates em lance espetacular e o “Doutor” colocou tudo no seu lugar. Brasil 1 x 1 Itália.

Aos 25 minutos o lance que todo jogador de futebol faz em todas as partidas. Mas todos só lembram de Cerezo fazendo! Ao receber a bola de Leandro, o meia brasileiro passou a pelota cruzada pela área. Paulo Rossi que nada tinha a ver com a desatenção da zaga brasileira roubou a bola e como um foguete avançou até a entrada da área para balançar as redes do goleiro Waldir Peres. Itália 2 a 1. E assim terminava o primeiro tempo para assombro do mundo.

Segundo tempo. Pênaltis para ambos os lados não marcados. E o jogo seguia com pressão brasileira. Aos 23 minutos Júnior achou Falcão, o jogador da Roma fingiu o passe para Cerezo e cortou para o meio da área. Era gol! Era o grito emblemático do “Rei de Roma” tirando uma montanha das costas brasileiras. O Brasil iria as semifinais!

Hoje é fácil dizer: O Telê deveria ter fechado o jogo. Segurado o empate. Mas aquela seleção tinha um DNA ofensivo, e por esse ímpeto pagou caro. Há quase 30 minutos do segundo tempo escanteio para a Itália. Cobrança na área e no bate e rebate Paulo Rossi novamente estava lá para desviar o chute de Tardelli. A Itália mais uma vez passava a frente. Dessa vez de maneira definitiva.

Era o final de uma geração de ouro. Desde 1950 a população brasileira não chorava tanto por uma derrota no futebol. Era mais do que uma derrota. Era a substituição do futebol arte pelo futebol força onde deveria se priorizar a marcação.

Esse estilo de futebol os clubes e seleções que vieram nas gerações posteriores. Antes de pensar em vencer, era necessário não perder!

A Itália prosseguiu no mundial. Rossi fez mais três gols e saiu como o artilheiro do torneio. Foi bola de Ouro daquele ano! Para um jogador de nível mediano, foi um ano de muita sorte! Tanta sorte quanto marcar três gols sobre aquela maravilhosa geração brasileira! 

Dentre os dez selecionados como maiores carrascos da história do futebol brasileiro, tecnicamente Paulo Rossi não é o melhor! Longe disso. Mas com certeza, foi o que causou mais estragos não só ao futebol do nosso país, bem como ao futebol enquanto esporte! Por isso a medalha de ouro entre os maiores carrascos do futebol brasileiro é do “Il Bambino d’Oro” Paulo Rossi.