O VERDADEIRO DIA EM QUE LARA SE DESPEDIU DO FUTEBOL

O primeiro volume de “Épocas & Ídolos” trará craques de A a Z da Era amadora do futebol, que marca o período de 1900 a 1933, quando emergiu por aqui o profissionalismo. Muitos dados perdidos dos primeiros momentos do futebol no país estamos recuperando, como, por exemplo, o fato de o lendário goleiro Eurico Lara, o maior ídolo da história do Grêmio, ter, antes de morrer em 6 de novembro de 1935, apitado alguns jogos após o memorável Gre-Nal“Farroupilha” de 1935, realizado em setembro do mesmo ano. A informação provoca uma reviravolta na biografia do ídolo, contrariando a descrição de que ele teria entrado num gramado pela última vez exatamente naquele épico Gre-Nal do qual teria saído diretamente para o hospital onde permaneceria até sua morte. Ou seja, Lara pode não ter entrado novamente em um gramado como jogador de futebol, mas certamente voltou aos campos após o Gre-Nal “Farroupilha” como um homem que ama o futebol acima de tudo. Leia um trecho do verbete de Lara que será publicado em “Épocas & Ídolos”.

 

 por André Felipe de Lima

LARA IMORTAL 2.jpeg

Não havia jeito. Parecia o fim da carreira [e da vida] de Eurico Lara. Os médicos vaticinaram: “O futebol acabou para ele”. Lara nem aí. Tinha um Gre-Nal pela frente. E não era qualquer clássico. Era o “Gre-Nal Farroupilha”, do dia 22 de setembro de 1935. Não perderia aquilo por nada. Não só entrou em campo, como foi um dos personagens principais da decisão do campeonato do centenário da Revolta Farroupilha. Jogou apenas os primeiros 45 minutos. O bastante para levantar o ânimo dos companheiros e conduzir o Grêmio  à vitória por 2 a 0 e, consequentemente, à conquista de mais um título contra o eterno rival. Tudo era festa. Lara esqueceu-se das dores no peito e caiu nos braços da torcida no pavilhão da Baixada. Mas o esforço foi grande. Internaram-no. Após receber alta, obviamente ainda fragilizado pela doença [ou doenças], voltaria a campo para suas derradeirasperformances num gramado de futebol, episódio esquecido no tempo. Não como jogador, mas apenas como juiz.

Na semana seguinte após o Gre-Nal “Farroupilha”, Lara entrara em campo para apitar o jogo entre Nacional e Leopoldense, realizado no dia 27 de setembro e que terminou 3 a 1 para o Nacional. “Serviu de juiz o consagrado arqueiro Eurico Lara, que atuou com sua costumada competência”, escreveu o jornal A Federação na edição do dia seguinte. A saúde parecia não incomodá-lo. No dia 6 de outubro de 1935, como narra o mesmo jornal, às 14h, no estádio do Eucaliptos, Lara apitara a partida entre dois Rio Grandenses, o de Cruz Alta e o de Santa Maria. “Dirigiu esta pugna, com sua habitual correção, o velho arqueiro Eurico Lara”. Mas não seria aquela a peleja final. Lara voltaria aos gramados para apitar mais um jogo, no dia 29 de outubro. Em campo, Força e Luz e Cruzeiro de Porto Alegre. A partida terminou 3 a 1 para o Força e Luz e Lara mais uma vez apitou muito bem, com “precisão e energia”, como destacou A Federação. 

001_IMAGEM_AFEDERACAO_280935.jpeg

Na edição do dia seguinte, o jornal publicou as resoluções da AMGEA (Associação Metropolitana Gaúcha de Esportes Atléticos), dentre as quais uma informa a criação de uma comissão para visitar “o consagrado arqueiro Eurico Lara, atualmente enfermo”.Lara baixara novamente no hospital provavelmente logo após aquela peleja. Diante dessa importante informação, constata-se que a última vez que o maior ídolo gremista da história entrou em um campo de futebol não foi no “Gre-Nal Farroupilha” de setembro e sim naquele jogo entre Força e Luz e Cruzeiro. Acreditava-se até aqui que Lara teria saído do memorável Gre-Nal para o hospital, onde permaneceria até morrer.

Lara se superando e a doença o matando vagarosamente.O goleiro resistiu o quanto pôde, mas, às 7h10 da manhã do dia 6 de novembro de 1935, o grande Lara morreria em um leito do hospital da Beneficência Portuguesa. Seu corpo foi velado no salão nobre da Baixada, com bandeira do Tricolor sobre o caixão. Era casado com Maria Cândida Lara, com quem teve Odessa, que contava apenas 12 anos quando perdera o pai.

Mas quem o esqueceria? Eduardo Bueno recorda as palavras de Foguinho, que iniciou a vitória do Grêmio naquele inesquecível Gre-Nal [gols dele e de Laci], que sempre dizia, com inconfundível sotaque germânico, quando o abordavam com aquele papo de que havia pintado um goleiro “bom à beça” na praça: “O senhorr não sabe o que é um goleirro. O senhorr nunca viu um. Eu joguei com o maiorr de todos”.

LARA _A_BOLA_QUE_NAO_FOI_DO_ULTIMO_JOGO.jpeg

Nos anos de 1970, era o único atleta, no Brasil, de quem o clube fez uma máscara mortuária para que todos que viveram em sua época perpetuassem a admiração pelo goleiro. Há um gesso com seu rosto na sede do Grêmio, junto aos troféus mais importantes. Anualmente, no aniversário do Grêmio e no da morte de Lara, era costume dirigentes gremistas irem ao cemitério São Miguel e Almas depositar flores no túmulo do grande ídolo.

Em 15 anos de Grêmio, Eurico Lara trocou de time apenas uma vez, em 1928. Brigou com o presidente do clube e vestiu a camisa do F. C. Porto Alegre. Em seu único jogo pelo clube, Lara enfrentou o Grêmio e perdeu de goleada. O bastante para perceber que nunca poderia abandonar o Tricolor.

LARA IMORTAL.jpeg

Como confessou certa vez o escritor e jornalista Fausto Wolff, todo mundo da geração dele, em Porto Alegre, nas peladas dos campinhos da cidade, queria jogar como goleiro e ser chamado de Lara. Verdade. Luiz Mendes, o saudoso “comentarista da palavra fácil”, torcia pelo Grêmio. Levado pelo tio Oscar, presencio o mítico Gre-Nal Farroupilha, de 1935. O tio era colorado e queria convencer o sobrinho de que deveria também vestir vermelho. Mas Mendes viu os feitos de Lara. Ali, naquele instante, naquele Gre-Nal, encantado por Lara, decidiu: “Sou Grêmio!”