O SALVADOR DA PÁTRIA

por Sergio Pugliese

fot.jpg

O temporal desabou sem aviso prévio e encurralou Roberto Carlos no terreno onde plantava árvores frutíferas. Em minutos, poças se formaram, barreiras caíram e o lamaçal cobriu os principais acessos à área. A única saída para alcançar a estradinha principal era arriscar-se numa pirambeira, escalar um muro, abrir trilhas com a enxada, proteger-se dos raios, ultrapassar duas cercas de arame farpado e uma muralha de bananeiras. Homem do campo experiente, superou os obstáculos. Na pista, avistou um, dois, três, quatro carros entrando num sítio vizinho. Porto seguro, imaginou! Sem preocupar-se com possíveis cães de guarda, invadiu o local. Trôpego e guiado pelos gritos “é feito de açúcar?”, “futebol é para macho!” e “quantos faltam?”, Roberto Carlos acreditou ser miragem aqueles vultos tocando bola num campo totalmente encharcado e ainda sob chuva intensa.

— Estava fraco, podia ser fruto de minha imaginação — recordou, na divertida resenha, pré-pelada, da rapaziada do Águias FIR (Fraternidade, Igualdade e Respeito), no Sítio do Rogério, em Vargem Grande.

João do Muquiço não foi, mas chegaram o parceirão Preguiça; Caê, da Banda Brasil; Guerreiro, segundo-tenente do Corpo de Bombeiros; Seu Acácio, de 71 anos; Dudu; Jacaré; Ronaldo Fernandes, presidente da Unido das Vargens; Baiano; César; Valdir; Roni; Mazinho; Tchola; Claudio; Elias; Badu; Lobo e Junior. O ortopedista Paulo Amaral aproximou-se da rodinha e não acreditou que a história de Roberto Carlos estava sendo contada novamente. São anos e anos ouvindo a mesma ladainha. Mas é bom demais! O ouvidor de nossa equipe, Reyes de Sá Viana do Castelo, explicou que precisava de mais detalhes.

— Continua, Roberto Carlos! — incentivou Mirunga, artilheiro das multidões.

— Pega uma enxada ali, Serginho, vamos deixar a história mais real — sugeriu Rogério Appelt, o dono do sítio, da bola e da pelada, ao lado de Paulista, o fiel escudeiro.

— Reconstituição fica mais caro — avisou Roberto Carlos.

Mas ele foi em frente e, segurando uma enxada e um ancinho, relembrou seus primeiros momentos no sítio invadido, na verdade o Sítio do Waldyr, em Vargem Grande. Saudoso Waldyr! Após esfregar os olhos e constatar que o grupo de marmanjos ensopados não era miragem, caminhou em busca de uma marquise. Numa varanda coberta, apoiou a enxada e a foice, e viu alguns atletas tirarem par ou impar e outros pagarem a mensalidade. Os raios maltratavam as árvores e assustariam qualquer ser humano normal. Mas peladeiro não é normal.

— Na divisão dos times, notaram que faltava um — contou Roberto Carlos.

E, automaticamente, todos os pescoços voltaram-se para ele, um desconhecido! Mesmo totalmente enlameado e abatido, ninguém perguntou se precisava de ajuda, mas em qual posição jogava.

— Lateral direito — respondi.

E jogou! Até hoje, 15 anos depois, Roberto Carlos faz parte da rapaziada. A pelada começou há 30 anos, no Iate Clube Guanabara, na Ilha; de lá, foi para o Sítio do Waldyr; depois, para o Tio Patinhas; e, agora, está no Sítio do Rogério, quarta, à tarde. Os amigos pulam de galho em galho, mas não se desgrudam e arrastam as histórias com eles. Os causos, lendas ou não, ajudam a temperar o churrasco do Bira, a adoçar o refresco de goiaba do Serginho, a afinar o cavaco do Márcio e a manter viva e jovem a memória do Águias FIR.

Texto publicado originalmente na coluna A Pelada Como Ela É, do Jornal O Globo, em 26 de fevereiro de 2014.