O PAREDÃO SOCIAL

Por Zé Roberto

O sonho de pegar no gol da seleção brasileira de futebol e vencer no BBB tem levado os candidatos negros ao mesmo destino: até permitem suas inscrições nos campeonatos e no programa, como a justificar o sistema de cotas, mas nenhum deles sobrevive ao paredão social. Todos são eliminados. É o padrão eugenia de qualidade, que chega às bancas com a nova edição de Mein Kampf, de Adolf Hitler, e está exposto na Revista O Globo, deste domingo, que traz a foto de 64 pessoas, entre colunistas, entrevistados. Todos eles são brancos. Até nas charges. Este clareamento social eliminou, já há algum tempo, as chances de Thaís Araújo e Lázaro Ramos serem protagonistas das novelas das 9. E que só manteve no ar aquela moça do tempo no Jornal Nacional porque o tempo fechou nas redes sociais e poderia alagar de vez o Projac.

Foto: Vipcomm

Foto: Vipcomm

Não assisto o BBB, mas por uma passada do controle remoto percebi que por lá a cota foi cumprida. Não sei se já foi excluído, como o Jefferson, goleiro do Botafogo, há anos o melhor em atividade no país, que encontrou seu paredão: Dunga. Um pouco antes, o Flamengo já se livrara do Felipe, e o trocou por uma Muralha. E lá, em Belo Horizonte, não foi oferecido ao goleiro Bruno até hoje a delação premiada concedida ao Delcídio. Mas Delcídio, como os três goleiros convocados por Dunga para enfrentar o Uruguai, são brancos.

Dunga nasceu, jogou e treinou no Rio Grande do Sul seu único time profissional: o Internacional. Nenhum outro estado lutou tanto em nossa história para se separar do país. Enquanto éramos dependentes e governados por uma Regência Trina, em 1835, Bento Gonçalves com a braçadeira, camisa 10, proclamou por lá a República de Piratini. O povo gaúcho, no limite entre as colonizações espanholas e portuguesas, cresceu com cidadania e orgulho divididos.  Mas entre a Patrícia, torcedora do Grêmio, e o Aranha, o goleiro negro do Santos, na dúvida, melhor se livrar da herança tecida nas lavouras, nos engenhos, nos campos de futebol. E trataram de vender o rapaz.

Foto: EFE

Foto: EFE

Nem mesmo Getúlio Vargas, que sucedeu o café-com-leite no cardápio cívico do poder, mas jamais retirou o Brasil do prato principal, conseguiu ser tão bairrista e nomear para a seleção nacional os goleiros do Internacional e do Grêmio ao mesmo tempo. São outros brasileiros em farrapos, desta feita com chuteiras, não com armas, fragilizados a defender fronteiras éticas, morais, sem seu principal guardião os ataques uruguaios.